Clássicos Personnalité: Erudito, Jazz e Choro | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
>>> Acabou o governo
>>> American women kick ass
>>> As duas oposições
>>> Michelangeli & Bach
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
Mais Recentes
>>> A Mágica da arrumação - a arte japonesa de colocar ordem na sua casa e na sua vida de Marie Kondo pela Sextante (2015)
>>> PSI-Q - 80 jogos, questionários e experiências para testar sua inteligência psicológica de Ben Cambridge pela Sextante (2016)
>>> Trogan! uma Luz Em Atlântida de Franc Josef pela Speed Art (2000)
>>> Educação Familíar Presente e Futuro de Içami Tiba pela Integrare (2014)
>>> Espíritos Entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais - um diálogo com a psiquiatria de Bernard Rangé (org.) pela Artmed (2001)
>>> O Túnel das Almas de J. Herculano Pires pela Paideia (1978)
>>> O Laço Duplo de Chris Bohjalian pela Nova Fronteira (2008)
>>> O Pálido Olho Azul de Louis Bayard pela Planeta do Brasil (2007)
>>> Apólice para Morte de Sara Paretsky pela Marco Zero (1982)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (2008)
>>> O Sétimo Unicórnio de Kelly Jones pela Mercuryo (2006)
>>> Morte de um Holandês de Magdalen Nabb pela Bonobo / Novo Século (2009)
>>> Como compreender os símbolos - guia rápido sobre simbologia nas artes de Clare Gibson pela Senac (2012)
>>> Clássicos do Iatismo de Antonio Luiz de Souza Mello Netto pela Media Mundi (2011)
>>> A Casa das Sete Meninas de Georges Simenon pela Nova Fronteira (1982)
>>> Último Azul de Daisy Xavier pela Barleu (2011)
>>> Mas Será o Benedito? de Mario Prata pela Globo (1996)
>>> Querida Sue de Jessica Brockmole pela Arqueiro (2014)
>>> O Escritor de Obituarios de Porter Shreve pela Best Seller (2002)
>>> Rindo E Refletindo Com A História de Richard Simonetti pela Ceac (2007)
>>> História da Civilização Ocidental - Volume 2 de Edward McNall Burns pela Globo (1989)
>>> História da Civilização Ocidental - Volume 1 de Edward McNall Burns pela Globo (1993)
>>> Estranha Economia de Felipe Barbosa pela Apicuri (2012)
>>> A Inspetora e Uma Grande História de Amor (Série Edi Jovem)) de Santos de Oliveira pela Ediouro (1993)
>>> Herry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> Revisão do paraíso. Os brasileiros e o Estado em 500 anos de História de Mary del Priore. Organização pela Campus (2000)
>>> Polly Pocket: Teste e Truques de Editora Fundamento pela Fundamento (2007)
>>> Fábrica de Poesia de Roseana Murray pela Scipione (2009)
>>> O Outro Nome do Bicho de Chico Homem de Melo pela Scipione (2007)
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1993)
>>> Isso Não É Brinquedo! de Ilan Brenman pela Scipione (2007)
>>> Os senhores dos rios. Amazônia, margens e história de Mary del Priore & Flávio Gomes. Organizadores pela Campus (2003)
>>> O Gato do Mato e o Cachorro do Morro de Ana Maria Machado pela Ática (2007)
>>> A Voz de Deus de Fernando Pessoa pela Proi (1997)
>>> Medidas Desesperadas de David Morrell pela Rocco (1998)
>>> Como Ler os Quatro Evangelhos de Frei Carlo Maria pela Regnum Dei (1987)
>>> O Extraordinário Poder da Intenção de Esther & Jerry Hicks pela Sextante (2008)
>>> Elos do Passado de Wanda A. Canutti pela Eme (2002)
>>> Na Hora do Adeus de Irene Pacheco Machado pela Rema (1997)
>>> Breve história da cartografia. Dos primórdios a Gerardus Mercator de Abílio Castro Gurgel pela BTAcadêmica (2015)
>>> O Gerente Minuto de Kenneth Blanchard e Spencer Johnson pela Record (1981)
>>> A Charada do Sol e da Chuva de Luiz Galdino pela Ática (1996)
>>> Encarcerados de Nércio Antonio Alves pela Rumo (1990)
>>> O Hotel dos Bichos Desamparados de Ricardo L. Hoffmann pela Ftd (1990)
>>> Crescer é Perigoso de Marcia Kupstas pela Moderna (1994)
>>> Stress Você Pode Ser O Próximo Previna-se de João Vilas Boas pela Paradigma (2019)
>>> Criar Abelhas é Lucro Certo de Márcio Infante Vieira pela Nobel (1983)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globo (2008)
>>> Sudário de Turim de Evaldo Alves D'Assumpção pela Loyola (1981)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/11/2007
Clássicos Personnalité: Erudito, Jazz e Choro
Rafael Fernandes

+ de 3500 Acessos

O projeto Clássicos Personnalité consiste em uma série de concertos de câmara aliados à música popular mundial. A Taís foi ver a abertura, o tango e o primeiro sobre MPB. Eu vi o jazz e o choro. A idéia é realmente interessante: unir o que se costuma chamar de música clássica ao que se chama de música popular - conceitos repletos de preconceitos de ambos os lados. No dia 04 de outubro foi celebrada uma união já conhecida: o clássico e o jazz. Para tanto, foram escalados talentos de diversas gerações e culturas: da pianista croata Sanja Bizjak, de 19 anos a uma figura importante do jazz norte-americano, Lee Konitz, de 80 anos, passando por um de seus grandes parceiros, Ohad Talmor (saxofonista, clarinetista e compositor), 37, francês, filho de israelenses, radicado na Suíça e EUA.

Sanja, uma bela garota, elegante num vestido rosa brilhante, começou o concerto com Jeux d'eau de Maurice Ravel. Aos primeiros segundos a beleza e colorido da peça e execução foram capazes de trazer algo de sublime ao teatro. A partir dali, todo e qualquer problema do dia foi deixado de lado para uma profunda imersão no mar da música: a Arte cumprindo um de seus papéis. Em seguida a pianista executou os Estudos para Piano 8 e 9 do livro II de Claude Debussy, um grande teste para a técnica dos pianistas, incluindo inversões das mãos - a jovem croata saiu-se muito bem. Os Solistas Personnalité (Pablo de Leon, violino; Horácio Schaefer, viola e Roberto Ring, violoncelo) mais Luiz Amato (violinista) se juntaram a Sanja Bizjak para o encerramento da primeira parte da apresentação com uma peça de Gabriel Fauré, o Quarteto no. 1 para Piano e Cordas em Dó maior op. 15, com destaque para os dois movimentos finais: o Adagio e o Allegro Molto.


Lee Konitz em foto de Bruno Bollaert




Ouça um trecho de "Jeux d'eau" interpretada por André Laplante no disco Miroirs, Jeux D' Eau, Pavane Pour Une Infante Défunte

Após o intervalo, o quarteto de cordas voltou ao palco para acompanhar Ohad Talmor e Lee Konitz, que roubou a cena. Além de uma lenda do jazz, ótimo compositor e grande improvisador, tem extremo bom humor e conquistou a platéia logo de cara, quando tocou um clássico do jazz - "Body and soul". Em seguida, o grupo executou duas peças de Claude Debussy: Rêverie e Valse Romantique. Ambas podem ser encontradas no disco Play French Impressionist Music From The 20th Century, gravado por Konitz com o Axis String Quartet no ano de 2000. Após uma livre interpretação de outro clássico do jazz, "All the things you are", com um "duelo" de Konitz no sax alto e Talmor no tenor, que evidenciou não apenas o domínio de ambos em seus instrumentos como seu entrosamento, voltaram a tocar com o grupo, agora uma peça de Gabriel Fauré (professor de Ravel), L'absent - de uma melancolia retumbante, também presente no disco citado.


Ohad Talmor em foto de Roberto Cifarelli



Ouça um trecho de "L'absent", tocada por Konitz no disco Play French Impressionist Music From The 20th Century

Em seguida, foi convidado ao palco o violonista Daniel Ring para a música "Struttin with some barbeque", um jazz maroto. No bis retornaram apenas Lee Konitz e Ohad Talmor para um clássico do próprio Konitz, "Subconcious-Lee", em que novamente os músicos duelaram brilhantemente, trocando provocações melódicas. Ao final do concerto, percebemos que a separação entre erudito e popular realmente não passa de rótulo que nós, pobres seres humanos, criamos para nossa própria organização, afinal tudo é Música. Como já disseram, só existem dois tipos de música: a boa e a ruim. Neste concerto Personnalité, prevaleceu a boa.


Ouça um trecho de "Subconcious-Lee" numa gravação de 1949

E a seguir, um trecho (de vários) de um curta-metragem sobre Lee Konitz:


Já no dia 18 de outubro foi a vez da união do erudito com o choro - um "clássico" brasileiro. Para participar, além dos Solistas Personnalité, estiveram presentes o violinista israelense Hagai Shaham, a belga Christine Springuel (viola) e o brasileiro Watson Clis (violoncelo). Para a parte do choro foram convidados o excelente flautista Toninho Carrasqueira, filho de João Dias Carrasqueira (figura de extrema importância para o desenvolvimento da flauta no Brasil) e Maurício Carrilho, que, além de exímio violonista, se destaca como compositor e arranjador - é um dos grandes nomes do violão nacional.


Ouça um trecho de "Lux Aeterna", do Réquiem de Mozart na versão para quarteto de cordas de Peter Lichtenthal com o Kuijken Kwartet

Como de praxe, o programa de abertura foi erudito, com o Réquiem em Ré menor de Mozart, em versão resumida (apenas quatro movimentos) e num arranjo para quarteto de cordas escrito por Peter Lichtenthal (1780-1853). Antes da performance, Roberto Ring explicou que tal arranjo só veio à tona em 2006, ano de sua publicação; portanto, a apresentação da peça em quarteto era provavelmente a primeira em solo brasileiro. Para tanto estiveram no palco os Solistas Personnalité acompanhados de Hagai Saham - todos tiveram segurança ao tocar, mostrando como o Réquiem fica bem também em quarteto. A seguir, Christine Springuel e Watson Clis subiram ao palco para formar um sexteto e tocar uma obra de Brahms, o Sexteto no 2, op. 36 para cordas em Sol maior.


Ouça um trecho de "Poco Adagio", do Sexteto de Cordas no. 2 de Brahms numa gravação do The Nash Ensemble

É interessante colocar lado a lado o choro e o erudito. Exceções à parte, este estilo é conhecido pela rigidez, por seguir partituras, regentes, por ter uma série de procedimentos e regras a serem seguidos, enquanto no choro o que conta é a liberdade, a criação de momento, a descontração; uma rua ou um fundo de quintal já servem para uma boa roda de choro. E por isso, a segunda parte do Clássicos Personnalité foi interessantíssima para mostrar como em seu início o choro teve grande influência do erudito e em como pode se encaixar em seu contexto. A primeira peça foi "Ameno Resedá" (em arranjo de Maurício Carrilho), uma polca do maestro Ernesto Nazareth, incontestavelmente um dos pilares da música brasileira. Ele, como muitos outros compositores nacionais, transitou entre a dita música popular e a clássica, tanto no campo da composição quanto na "sociedade", digamos assim. Sua obra é essencial para o que vem depois na música popular brasileira. Mas ele não escondia certo ressentimento por não se firmar na seara erudita. O arranjo de Maurício Carrilho para violão, flauta e cordas reforça a tinta erudita, sem deixar de lado o popular do que o próprio Nazareth gostava de chamar de "tango brasileiro". Depois, veio a quadrilha "Flores do coração" (em arranjo de Paulo Aragão, do quarteto de violões Maogani) do chamado "pai dos chorões" Joaquim Callado, filho de escravos, morto em 1880, com apenas 31 anos; sua obra também é vital para o choro moderno, tendo chamado a atenção inclusive de Chiquinha Gonzaga. São dele os primeiros registros de partituras do choro. Em seguida veio "Implorando" (também em arranjo de Paulo Aragão), de Anacleto de Medeiros, filho de escrava liberta, compositor, instrumentista, orquestrador e regente.


Ouça um trecho de "Ameno Resedá", por Maria José Carrasqueira

Outro dos pilares da música moderna brasileira foi apresentado com o choro "Cochichando": Pixinguinha, de obra rica, vasta e visionária, pois colocou elementos jazzísticos em sua música, o que irritou muita gente lá pelos anos 20. Mas essas inserções não só influenciaram a bossa nova como fizeram com que muito de sua obra permaneça tão atual, não perde o frescor. A execução foi feita apenas por Carrilho e Carrasqueira, sem arranjo prévio, numa performance típica de rodas de choro, com trocas de idéias e andamentos e diálogos rítmicos e melódicos. Com as cordas de volta ao palco foram executadas duas belas peças de Maurício Carrilho: "Maricotinha chegando" e "Choro cubano", que fez jus ao nome, com grande influência da música da terra de Fidel. No bis, foi tocada "Corta jaca", de outra peça chave não só na música, mas também do comportamento feminino: Chiquinha Gonzaga. Toninho Carrasqueira resumiu bem o que é o choro e, afinal, do que é muito da música em si: a transformação da tristeza em alegria.


Rafael Fernandes
São Paulo, 7/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERCEPÇÃO E INFORMAÇÃO
PAUL J. BARBER - DAVID LEGGE
ZAHAR
(1976)
R$ 55,00



A VIDA FORA DA MATÉRIA (COM 70 GRAVURAS EM CORES) - 13ª ED.
CENTRO REDENTOR
CENTRO REDENTOR
(1973)
R$ 42,00



AUGUSTO COMTE E AS ORIGENS DO POSITIVISMO
CRUZ COSTA
COMPANHIA NACIONAL
(1959)
R$ 80,00



DEFICIÊNCIA MENTAL
STANISLAU KRYNSKI
ATHENEU
(1969)
R$ 14,00



MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VOLUME I
J. DAFICO ALVES
NOBEL
(1974)
R$ 20,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
OBJETIVO
R$ 7,00



DICIONÁRIO DO SÉCULO XXI
JACQUES ATTALI
NOTICIAS EDITORIAL
(1999)
R$ 70,77



SEJA VOCE MESMO SEU MELHOR AMIGO
MILDRED NEWMAN EBERNARD BERKOWITZ
JOSÉ OLYMPIO
(1985)
R$ 25,90
+ frete grátis



A CONFISSAO DE LUCIO
MARIO DE SÁ CARNEIRO
ESCALA
R$ 6,00



GUIA PRÁTICO PARA FAZER AS COISAS
CLÁUDIO THEBAS
FORMATO
(2001)
R$ 4,50





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês