Clássicos Personnalité: Erudito, Jazz e Choro | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/11/2007
Clássicos Personnalité: Erudito, Jazz e Choro
Rafael Fernandes

+ de 4000 Acessos

O projeto Clássicos Personnalité consiste em uma série de concertos de câmara aliados à música popular mundial. A Taís foi ver a abertura, o tango e o primeiro sobre MPB. Eu vi o jazz e o choro. A idéia é realmente interessante: unir o que se costuma chamar de música clássica ao que se chama de música popular - conceitos repletos de preconceitos de ambos os lados. No dia 04 de outubro foi celebrada uma união já conhecida: o clássico e o jazz. Para tanto, foram escalados talentos de diversas gerações e culturas: da pianista croata Sanja Bizjak, de 19 anos a uma figura importante do jazz norte-americano, Lee Konitz, de 80 anos, passando por um de seus grandes parceiros, Ohad Talmor (saxofonista, clarinetista e compositor), 37, francês, filho de israelenses, radicado na Suíça e EUA.

Sanja, uma bela garota, elegante num vestido rosa brilhante, começou o concerto com Jeux d'eau de Maurice Ravel. Aos primeiros segundos a beleza e colorido da peça e execução foram capazes de trazer algo de sublime ao teatro. A partir dali, todo e qualquer problema do dia foi deixado de lado para uma profunda imersão no mar da música: a Arte cumprindo um de seus papéis. Em seguida a pianista executou os Estudos para Piano 8 e 9 do livro II de Claude Debussy, um grande teste para a técnica dos pianistas, incluindo inversões das mãos - a jovem croata saiu-se muito bem. Os Solistas Personnalité (Pablo de Leon, violino; Horácio Schaefer, viola e Roberto Ring, violoncelo) mais Luiz Amato (violinista) se juntaram a Sanja Bizjak para o encerramento da primeira parte da apresentação com uma peça de Gabriel Fauré, o Quarteto no. 1 para Piano e Cordas em Dó maior op. 15, com destaque para os dois movimentos finais: o Adagio e o Allegro Molto.


Lee Konitz em foto de Bruno Bollaert




Ouça um trecho de "Jeux d'eau" interpretada por André Laplante no disco Miroirs, Jeux D' Eau, Pavane Pour Une Infante Défunte

Após o intervalo, o quarteto de cordas voltou ao palco para acompanhar Ohad Talmor e Lee Konitz, que roubou a cena. Além de uma lenda do jazz, ótimo compositor e grande improvisador, tem extremo bom humor e conquistou a platéia logo de cara, quando tocou um clássico do jazz - "Body and soul". Em seguida, o grupo executou duas peças de Claude Debussy: Rêverie e Valse Romantique. Ambas podem ser encontradas no disco Play French Impressionist Music From The 20th Century, gravado por Konitz com o Axis String Quartet no ano de 2000. Após uma livre interpretação de outro clássico do jazz, "All the things you are", com um "duelo" de Konitz no sax alto e Talmor no tenor, que evidenciou não apenas o domínio de ambos em seus instrumentos como seu entrosamento, voltaram a tocar com o grupo, agora uma peça de Gabriel Fauré (professor de Ravel), L'absent - de uma melancolia retumbante, também presente no disco citado.


Ohad Talmor em foto de Roberto Cifarelli



Ouça um trecho de "L'absent", tocada por Konitz no disco Play French Impressionist Music From The 20th Century

Em seguida, foi convidado ao palco o violonista Daniel Ring para a música "Struttin with some barbeque", um jazz maroto. No bis retornaram apenas Lee Konitz e Ohad Talmor para um clássico do próprio Konitz, "Subconcious-Lee", em que novamente os músicos duelaram brilhantemente, trocando provocações melódicas. Ao final do concerto, percebemos que a separação entre erudito e popular realmente não passa de rótulo que nós, pobres seres humanos, criamos para nossa própria organização, afinal tudo é Música. Como já disseram, só existem dois tipos de música: a boa e a ruim. Neste concerto Personnalité, prevaleceu a boa.


Ouça um trecho de "Subconcious-Lee" numa gravação de 1949

E a seguir, um trecho (de vários) de um curta-metragem sobre Lee Konitz:


Já no dia 18 de outubro foi a vez da união do erudito com o choro - um "clássico" brasileiro. Para participar, além dos Solistas Personnalité, estiveram presentes o violinista israelense Hagai Shaham, a belga Christine Springuel (viola) e o brasileiro Watson Clis (violoncelo). Para a parte do choro foram convidados o excelente flautista Toninho Carrasqueira, filho de João Dias Carrasqueira (figura de extrema importância para o desenvolvimento da flauta no Brasil) e Maurício Carrilho, que, além de exímio violonista, se destaca como compositor e arranjador - é um dos grandes nomes do violão nacional.


Ouça um trecho de "Lux Aeterna", do Réquiem de Mozart na versão para quarteto de cordas de Peter Lichtenthal com o Kuijken Kwartet

Como de praxe, o programa de abertura foi erudito, com o Réquiem em Ré menor de Mozart, em versão resumida (apenas quatro movimentos) e num arranjo para quarteto de cordas escrito por Peter Lichtenthal (1780-1853). Antes da performance, Roberto Ring explicou que tal arranjo só veio à tona em 2006, ano de sua publicação; portanto, a apresentação da peça em quarteto era provavelmente a primeira em solo brasileiro. Para tanto estiveram no palco os Solistas Personnalité acompanhados de Hagai Saham - todos tiveram segurança ao tocar, mostrando como o Réquiem fica bem também em quarteto. A seguir, Christine Springuel e Watson Clis subiram ao palco para formar um sexteto e tocar uma obra de Brahms, o Sexteto no 2, op. 36 para cordas em Sol maior.


Ouça um trecho de "Poco Adagio", do Sexteto de Cordas no. 2 de Brahms numa gravação do The Nash Ensemble

É interessante colocar lado a lado o choro e o erudito. Exceções à parte, este estilo é conhecido pela rigidez, por seguir partituras, regentes, por ter uma série de procedimentos e regras a serem seguidos, enquanto no choro o que conta é a liberdade, a criação de momento, a descontração; uma rua ou um fundo de quintal já servem para uma boa roda de choro. E por isso, a segunda parte do Clássicos Personnalité foi interessantíssima para mostrar como em seu início o choro teve grande influência do erudito e em como pode se encaixar em seu contexto. A primeira peça foi "Ameno Resedá" (em arranjo de Maurício Carrilho), uma polca do maestro Ernesto Nazareth, incontestavelmente um dos pilares da música brasileira. Ele, como muitos outros compositores nacionais, transitou entre a dita música popular e a clássica, tanto no campo da composição quanto na "sociedade", digamos assim. Sua obra é essencial para o que vem depois na música popular brasileira. Mas ele não escondia certo ressentimento por não se firmar na seara erudita. O arranjo de Maurício Carrilho para violão, flauta e cordas reforça a tinta erudita, sem deixar de lado o popular do que o próprio Nazareth gostava de chamar de "tango brasileiro". Depois, veio a quadrilha "Flores do coração" (em arranjo de Paulo Aragão, do quarteto de violões Maogani) do chamado "pai dos chorões" Joaquim Callado, filho de escravos, morto em 1880, com apenas 31 anos; sua obra também é vital para o choro moderno, tendo chamado a atenção inclusive de Chiquinha Gonzaga. São dele os primeiros registros de partituras do choro. Em seguida veio "Implorando" (também em arranjo de Paulo Aragão), de Anacleto de Medeiros, filho de escrava liberta, compositor, instrumentista, orquestrador e regente.


Ouça um trecho de "Ameno Resedá", por Maria José Carrasqueira

Outro dos pilares da música moderna brasileira foi apresentado com o choro "Cochichando": Pixinguinha, de obra rica, vasta e visionária, pois colocou elementos jazzísticos em sua música, o que irritou muita gente lá pelos anos 20. Mas essas inserções não só influenciaram a bossa nova como fizeram com que muito de sua obra permaneça tão atual, não perde o frescor. A execução foi feita apenas por Carrilho e Carrasqueira, sem arranjo prévio, numa performance típica de rodas de choro, com trocas de idéias e andamentos e diálogos rítmicos e melódicos. Com as cordas de volta ao palco foram executadas duas belas peças de Maurício Carrilho: "Maricotinha chegando" e "Choro cubano", que fez jus ao nome, com grande influência da música da terra de Fidel. No bis, foi tocada "Corta jaca", de outra peça chave não só na música, mas também do comportamento feminino: Chiquinha Gonzaga. Toninho Carrasqueira resumiu bem o que é o choro e, afinal, do que é muito da música em si: a transformação da tristeza em alegria.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 7/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. A maldade humana de Gian Danton
03. O inventário da dor de Lya Luft de Marcelo Spalding


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português Linguagens 7ª Série Manual Professor
Willian Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães
Atual
(2006)



Economia Bandida (lacrado)
Loretta Napoleoni
Bertrand Brasil
(2010)



DEF 2000/01 Dicionário de Especialista farmacêuticas
Não informado
Jornal Brasileiro de Medicina
(2000)



Finanças Corporativas
José Carlos Franco de Abreu Filho
Fgv
(2008)



Teoria do Reforço para Professores
Madeline Hunter
Vozes
(1981)



Guerra Civil
Stuart Moore
Novo Século
(2016)



Como Lidar com a Mídia
Paulo Henrique Amorim
Geração
(2019)



Completa Biblioteca do Ensino Atual - História, Soc., Filos e Psic.
Não informado
Difusão Cultural do Livo
(2006)



O Caso - Sem Aviso - O Bagalô - Segundas Chances
r Lee Child - David Rosenfelt - Sarah Jio - Nick Trout
Seleções Reader`s Digest
(2015)



Brasil Iluminado
Gustavo Soares
Arteensaio
(2011)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês