Ofício x Formato | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Quarta-feira, 15/8/2007
Ofício x Formato
Rafael Fernandes

+ de 5300 Acessos

Qual a coisa que um jornalista mais teme, mas finge desprezar? Um blogueiro. E o dono do jornal/revista? A Internet. Pois não deveriam nem de longe ter medo de blogs, muito menos da rede virtual. Esperneiam contra isso quando não deveriam; estão confundindo ofício com formato: o ofício de jornalista não vai acabar, o que muda é a forma como ele é feito e consumido. Em primeiro lugar porque, ao menos no Brasil, ainda não há muita gente "bombada" nesse formato. Segundo, um "reles" blog pode oferecer muito a um nicho, mas um jornalista bem preparado pode oferecer muito mais, se entender sobre as ferramentas blog e Internet. Acredito que blogs estão sendo ligeiramente superestimados, não são necessariamente, sozinhos, o futuro e não substituem, claro, uma opinião bem fundamentada, como provam o finado NoMínimo, este Digestivo, entre outros - ainda que, comercialmente, sites de cunho jornalístico não sejam viáveis. O futuro ainda é a Internet, que veio para mudar, sim, mas também para ajudar.

***

Acredito que blogs são acessados por quem está à procura de algo que os jornais não têm nem nunca conseguirão sozinhos: uma visão única, diferenciada, como disse no parágrafo anterior, de um nicho. Têm certas informações que não vão aparecer no jornal. Eu acesso o do Edu Carvalho não porque ele faz reportagens fantásticas, mas sim porque consegue fazer comentários precisos e de temas que nunca vou achar em outro lugar, como a cauda longa, diversos posts de negócios, ou restaurantes japoneses. Leio também o Dagomir Marquezi. É jornalista e escritor, colabora ou colaborou com revistas (impressas!) como a extinta Revista da Web, Vip, Playboy, Placar, InfoExame entre outras. Mas em nenhuma delas vou conseguir ler sobre o roteiro de uma peça que escreveu ou sobre o registro de um texto. Gosto ainda do blog do Fred Wilson. Ele é um venture capitalist. Eu não tenho nada a ver com capital de risco, mas gosto de ler a visão dele sobre música, tecnologia, negócios, Nova York e blogar. Já no do André Rizek (comentarista do Sportv) posso ler opiniões que ele não pode dizer no ar, por limite de tempo ou pauta. Também tenho um, que uso simplesmente como exercícios de escrita, digamos assim, e pela necessidade de organizar opiniões, coisas que não conseguiria de outra forma. Um blog tem uma carga de despretensão, informalidade e diversidade que dificilmente seriam atingidos nos meios "tradicionais".

***

Falando sobre a imprensa mais tradicional, acho que o Estadão pode ser um exemplo de tentativa de buscar uma "cara" na Internet. Seu site até pouco tempo atrás (e no ar até o momento) era assim: horroroso, muito confuso e não conseguia, ainda, unir de maneira eficiente conteúdo impresso com conteúdo on-line. O que era exclusivamente on-line se resumia muito a notícias, não havendo nada realmente diferenciado. Agora, a mudança: o layout está muito mais agradável, chamativo, há anúncios de formas diferentes - tanto publicidade direta com links patrocinados, há podcasts, fotos, vídeos, blogs; notícias "quentes", conteúdo do jornal. Perceberam que não dá para apenas reproduzir exatamente o que vai no impresso, pois a rede tem sua própria dinâmica. Está tentando incorporar os tais nichos à sua tradição de confiabilidade e profissionalismo (ideologias e partidarismos à parte). Acho que o que eles estão fazendo pode, realmente, ser o início de um caminho interessante. Pelo menos, é o embrião do que eu considero ideal como consumidor: conteúdo farto e diverso, numa interface limpa, elegante e na qual seja fácil fazer uma busca, com precisão de resultados.

***

A mais prestigiada revista do mundo, The Economist, continua em papel, mas já vê outros mercados, tanto que caprichou no site: coloca conteúdo da versão impressa, mas também assuntos exclusivos on-line; teve atenção com as newsletter, que são de vários tipos: divididas por assuntos, novidades, sugestões do editor e um guia mensal sobre diversas cidades do mundo. Inteligentemente busca a especialização, então o leitor pode escolher se quer receber novidades de negócios, tecnologia e outros ou informes de Nova York ou Berlim. Tudo isso sem abandonar sua cara, ou melhor, incorporando-a a novas oportunidades. E numa atitude visionária, disponibiliza na web sua revista declamada, em áudio: está de olho em iPods e celulares. Ou seja, quer evoluir com seus consumidores.

***

A Internet também tem como grande vantagem a liberdade, esse conceito tão volátil. A cada compra de um Wall Street Journal por um Rupert Murdoch, a cada Silvio Berlusconi, a cada Rede Globo, a cada pessoa ou empresa que detenha um monopólio ou faça parte de um oligopólio de comunicação, surgem milhões de sites, fóruns, blogs, overmundos, creative commons e afins em diversas partes do mundo. Eles irão divulgar uma enorme variedade de notícias, análises, manifestações artísticas como contraponto a essa mídia estabelecida, dominada por um número cada vez menor de empresas. E a livre troca de informações na Internet não tem limites.

***

Há quem diga que o formato físico de jornais e revistas ajuda, de certa forma um argumento próximo à defesa do livro em papel: o ato de pegar o livro e cheirar não pode ser repetido. Bem, há quem goste do ritual de colocar um vinil para tocar e ouvir os seus chiados, mas nem por isso o MP3 - um formato não físico - foi impedido de se disseminar. A música não acaba. Nem o jornalismo. O que muda é como são utilizados. O consumidor não parece muito disposto a pagar. Além disso, os grandes jornais perdem no impacto de notícias do dia-a-dia (não o furo, diga-se), já que ela não é mais o diferencial - estão à disposição gratuitamente, em tempo real e sem muita diferenciação nos mais diversos portais. E acho que aí há uma lacuna. Sinto que falta algo na Internet. Além de opiniões, notícias e blogs. Faltam as boas reportagens. Lá fora há o Edge, algo diferenciado - é opinião, ensaio, reportagem, de diferentes áreas do conhecimento. E acredito que não seja simplesmente mera reprodução do que é feito em papel. Talvez um mescla entre a reportagem tradicional, um blog, interatividade, vídeos, não sei, falta surgir algo assim. Ou eu que estou com pensamento de 30 anos atrás.

***

O importante é que jornais, revistas e os próprios jornalistas incorporem hábitos da Internet em seus próprios hábitos. Não há porque brigar: a Internet é apenas mais um - importante - meio de informação, com chances de se tornar o mais relevante. E no Brasil estamos prestes a ter uma explosão no acesso, pois está cada vez mais fácil de comprar um computador e navegar pela rede virtual mundial. Assim, devemos ter, para muito em breve, um impacto ainda maior no comportamento das pessoas frente ao consumo de informação. As boas reportagens, comentários, análises e afins vão continuar. Os bons jornalistas têm o principal: formação, experiência, verve; só falta achar a melhor forma de se manifestarem na rede. O ofício de escrever, de apurar fatos, de emitir opiniões nunca vai acabar. O que vai mudar é a forma como isso é feito, disseminado e consumido. Os jornais e revistas devem sobreviver, talvez não com a importância de hoje. E realmente espero que consigam. Como? Acho que ninguém sabe ao certo.


Rafael Fernandes
São Paulo, 15/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O gueto dos ricos de Marta Barcellos
02. Portas se abrindo de Marta Barcellos
03. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev de Ricardo de Mattos
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug de Duanne Ribeiro
05. Pynchon Contra o Dia de Luiz Rebinski Junior


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIÊNCIAS 8 - ARARIBA PLUS
OBRA DA EDITORA
MODERNA
(2014)
R$ 70,00



TREINAMENTO AVANÇADO XML 7760
ROGERIO AMORIM DE FARIA
DIGERATI
(2005)
R$ 13,00



COMO ABRIR SEU PRÓPRIO NEGÓCIO : CESTAS DE CAFÉ DA MANHÃ
JOÃO HUMBERTO DE AZEVEDO
SEBRAE
(1996)
R$ 10,50



SÓ O AMOR É INFINITO
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1988)
R$ 4,00



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
T.B. BOTTOMORE
ZAHAR
(1967)
R$ 10,00



A ILHA SOB O MAR
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 13,49



A CAMA REDONDA DE MARIA BEATRIZ
MARIA BEATRIZ SOARES
PLANETA
(2005)
R$ 10,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



AS PAIXÕES INTELECTUAIS - VOL. 3 - VONTADE DE PODER 1762-1778
ELISABETH BEDINTER
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2009)
R$ 62,00



AFFECTIVAS 8407
J B N GONZAGA FILHO
JORNAL DO COMERCIO
(1919)
R$ 85,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês