Guinga e sua Casa de Villa | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O grito eletrônico do Overmundo
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
>>> Nerd oriented news
Mais Recentes
>>> O Retorno À Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1997)
>>> Emma - Edição Bilíngue - Português/ Inglês de Jane Austen pela Landmark (2012)
>>> O Vento Da Mudança de Julie Soskin pela Pensamento (2000)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1999)
>>> Karma E Maturidade Um Guia Diferente para a Jornada de Eileen Connolly pela Cultrix (1999)
>>> Diálogos de Roman Jakobson e krystyna Pomorska pela Cultrix (1985)
>>> Receita da felicidades de Ken Keyes Jr. E Penny Keyes pela Pensamento (1995)
>>> História Caderno de Competências Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (2006)
>>> Entre o Agora e o Sempre de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2014)
>>> Respostas da Vida de Francisco Cândido Xavier (Espírito André Luiz) pela Instituto André Luiz (1975)
>>> Entre o Agora e o Nunca de J. A. Redmerski pela Suma de Letras (2013)
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Viagem Atraves Da Luz de Lorna Todd pela Pensamento (1995)
>>> Curso Básico de Mecânica dos Solos de Carlos de Sousa Pinto pela Oficina de Textos (2002)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> História Volume Único Conecte Lidi de Ronaldo Vainfas et al pela Saraiva
>>> Vidas que nos Completam de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Uma O Tau. Um Sinal Espiritualidade de Mariano Bigi pela Vozes (2004)
>>> Diálogo Com A Cidade de Cardeal Dom Cláudio Hummes pela Paulus (2005)
>>> Patologia das Fundações de Jarbas Milititsky, Nilo Cesar Consoli, Fernando Schnaid pela Oficina de Textos (2005)
>>> Escrita chinesa de Viviane Alleton pela L&Pm (2010)
>>> Caderno de revisão Química Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Igreja. 51 Catequeses do Papa Sobre a Igreja de Felipe Aquino pela Cleofas (2004)
>>> O Sono dos Hibiscos de Lygia Barbiere Amaral pela Lachatre (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/8/2007
Guinga e sua Casa de Villa
Rafael Fernandes

+ de 10000 Acessos

O novo disco de Guinga, Casa de Villa, é uma obra-prima. É o que ilustra com mais precisão sua música e personalidade. Com uma concisão estética de arranjos e com o próprio cantando na maior parte das faixas, consegue retratar mais fielmente que os outros registros (também ótimos!)o universo de Carlos Althier de Souza Lemos Escobar. Ele se formou academicamente como dentista, profissão que exerceu como meio de vida até pouco tempo e foi sempre músico pela música, não pelo trabalho, pelo dinheiro (como se fosse fácil viver de música aqui...), ego, vaidade, reconhecimento ou aplauso. Musicalmente, Guinga segue buscndo a união do erudito ao popular, como fizeram Ernesto Nazareth, Villa-Lobos, Pixinguinha, Tom Jobim, Moacir Santos e tantos outros.

Sua música pode ser canção, dialogando com a letra. Pode ser peça instrumental: grupo, como em "Jongo de Compadre" (arranjo de Paulo Sergio Santos), ou solo, como demonstrou Marcus Tardelli em Unha e Carne, no qual fica claro o valor violonístico de Guinga, que criou, sem saber, uma nova escola. O disco de Tardelli mostra o violão e Casa de Villa, basicamente, a canção. E, diferente do que uns e outros podem dizer, Guinga é o que de mais moderno há na música brasileira, seguindo a tradição do que há de melhor, de Villa-Lobos a Jobim - é a continuação lógica dessa tradição que preza a sofisticação, mas sem pedantismo. Seu sopro de novidade não está na superfície, em artimanhas tecnológicas ou em mera reprodução do passado com uma execução mais atual, mas sim no tecido melódico e harmônico; sua abordagem musical está muito à frente do que é feito no Brasil e, por que não, no mundo. Guinga é brilhante, mas não suficientemente comentado.


Ouça um trecho de "Jongo de Compadre"

Ele, felizmente, ainda é daqueles criadores que necessitam atenção e contemplação para uma melhor degustação. Sua música passa uma bela e clara mensagem à primeira vista, mas é na audição cuidadosa e repetida que sua beleza mais profunda e lapidada aflora. Parece até que cada canção vai se construindo aos poucos. Se alguém quer uma canção com melodia fácil, que grude na cabeça de primeira, para sair assoviando, vai quebrar a cara. Se procura lindas melodias, em qualquer forma, vai achar de sobra - e elas ficam, sim, na memória. E há também as harmonias, os acordes: é um achado atrás do outro. E estas afirmações não são tentativas de afastar o ouvinte, mas sim um convite à reflexão musical, à re-valorização da música como arte de uma forma leve, oposta àquela de quem acha que arte é um estorvo, algo para poucos. Pois há os que taxam a música de Guinga de "difícil": os que não querem entender, os preguiçosos ou os que dizem que é para "iniciados", os que insistem em colocar a arte num pedestal excessivamente alto, mantendo-a num universo restrito - uma bobagem. Guinga é para qualquer um, é para todos.

Sua música tem um universo particular. Pode beber de fontes diversas como bossa, samba-canção, choro, baião, valsa, tango, música clássica, do violão de Garoto e Baden Powell, mas tais elementos aparecem como gotas musicais: dá para sentir o gosto no fundo, mas o sabor único não se altera. Suas obras são tão características que já influenciam fortemente as novas gerações, muitas vezes com resultados ruins, pois alguns jovens pegam apenas a superfície de sua música: acordes diferenciados e melodias complexas, mas sem a profundidade com que essa conexão ocorre, sem a liga que faz a música do compositor tão especial que não se encaixa em rótulos: é a música de Guinga. Simples assim.


Ouça um trecho de "Mar de Maracanã"

"Mar de Maracanã" (Guinga e Edu Kneip) inicia Casa de Villa ilustrando com propriedade o universo do compositor. O lindo arranjo de Lula Galvão se apresenta com belo tema de clarinetes e flautas, abrindo a cortina para a voz de Guinga, com linha melódica bem característica e condução harmônica brilhante. A letra fala do Rio de Janeiro, sempre ele como pano de fundo: "A lua Noel, divina Isabel/ Absolve pecados carnais/ O azul Delamare transborda em ilhas corais". "Villalobiana" é a forma mais rápida de chegarmos perto da plenitude, de uma calmaria confortante e repleta de imagens musicais sublimes. É daquelas de nos fecharmos num quarto ouvindo, ouvindo, sendo rodeados de Beleza, de encontrarmos aquele lugar especial, que nem sabemos qual é ou quando foi, mas que temos guardados, com carinho, em algum canto de nossa mente. Com um fio de melancolia a arrepiar os mais otimistas.


Ouça um trecho de "Villalobiana"

Em "Maviosa", Guinga, além da música, faz a letra, com gosto de Aldir Blanc e que, se não se destaca sozinha, serve muito bem para o principal: o encaixe da sonoridade à melodia. Já na faixa-título, com arranjo de Marcus Tardelli, Guinga aparece sozinho, ao violão e cantando. A gravação mostra duas coisas: como é lindo e único seu tocar e como, apesar de precária, sua interpretação vocal toca no ponto exato. "Comendador Albuquerque", a última, faz jus às melhores de suas peças instrumentais, como "Melodia Branca" (solo, do disco Cine Baronesa) e "Cheio de Dedos" (em duo com Lula Galvão, do disco homônimo).


Ouça um trecho de "Maviosa"

Guinga é gênio. Esta é uma palavra desgastada - hoje qualquer um leva tal status na mão dos afoitos. E mesmo o artista renega o rótulo. Mas não é apressado nem superficial afirmar isso. Ele já provou, musicalmente - e continua. Precisamos valorizar os grandes enquanto estão produzindo - temos que degustar suas obras. Senão, futuramente, quando "descobrirmos" tardiamente, o que sobra? Homenagens constrangedoras e lamentações. Obrigado, Guinga. Continue nos emocionado, que não só seus ouvintes agradecem: a Arte também.



Rafael Fernandes
Sorocaba, 1/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O suplício da pele de Elisa Andrade Buzzo
02. Pão, circo e sedução de Adriana Baggio


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos de Traição - Possuídos por Ambição
Joao Manoel da Costa
Barauna
(2011)



Os Dois Corpos do Presidente e Outros Ensaios
Luiz Eduardo Soares
Iser; Relume Dumara
(1993)



Seu Futuro Segundo os Tarôs
Giovanni Sciuto
Nordica
(1992)



Tábuas de Logaritimos
Irmãos Maristas
Ftd
(1973)



The Life You Want - Get Motivated, Lose Weight, and Be Happy
Bob Greene e Ann Kearney Cooke
Simon & Schuster
(2010)



Tocaia Grande - a Face Obscura - Coleção Grandes Escritores Brasileiro
Jorge Amado
Folha de S. Paulo
(2008)



O Sonho - Nova Concepção
José Maria Arantes
Fgv
(1993)



Lusco Fusco Vida E Morte De Um Desconhecido
Pablo La Noche
Bertrand
(1974)



Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse Volume 9
Abril
Abril
(2006)



God Is Dead
Ron Currie Jr
Penguin Paperbacks
(2008)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês