White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Romances de Mainardi
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> O longo sucesso de Guerra nas Estrelas
>>> Divórcio, de Ricardo Lísias
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Paulo César Saraceni (1933-2012)
>>> Depois do ensaio
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> Família: Laboratório das Almas de Joamar Zanolini Nazareth pela Minas (2012)
>>> Mente Saudável, Mente Brilhante de Richard Restak pela Larousse (2010)
>>> Empresas-Escola: Educação Para o Trabalho Versus Educação Pelo Trabalho de Francisco de Moraes pela Senac São Paulo e Senac Nacional (2010)
>>> Formação de Professores e Escola na Contemporaneidade de Marina Graziela Feldman pela Senac São Paulo (2009)
>>> Inserindo o Brasil no Mundo de Fecomércio pela Senac São Paulo (2007)
>>> Para Entender a Internacionalização da Economia de Inaiê Sanchez pela Senac São Paulo (2001)
>>> Criando Adolescentes de Michael Carr-Gregg e Erin Shale pela Fundamento (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento (2006)
>>> Mundo Fashion de Miriam Tawil pela Celebris (2005)
>>> Me Conte a Sua História: Histórias Reais de Quem Viveu a Vida - Livro 3 de Jorge Dias Souza pela Febrafarma (2006)
>>> O Senhor do Anéis - Volume 1, 2, 3 de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2000)
>>> Look de Thássia Naves pela Arte Ensaio (2014)
>>> Passagens Entre Mundos Entrelaçados de Íris Regina Fernandes Poffo pela Granun (2013)
>>> Jornada nas Estrelas - o guia da saga de Salvador Nogueira, Suzana Alexandria pela Leya (2016)
>>> Sapiens - uma Breve Historia da Humanidade - Pocket de Yuval Noah Harari pela L&PM Pocket (2018)
>>> Realidades Adaptadas de Philip K. Dick pela Aleph (2012)
>>> Lyra Theatral. Monólogos, Cançonetas e Scenas Comicas de J. Vieira Pontes pela C. Teixeira & Cia. (1927)
>>> O Velho da Praça (Conte outra Vez) de Antonieta Dias de Moraes pela Atual/ Sp. (1993)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> A Visitação do Amor - uma História Mágica Em Dó Menor de Jorge Miguel Marinho / Ilustr. Odilon Moraes pela Atual/ Sp. (1996)
>>> O Livro dos Guppies de Leon F. Whitney e Paul Hahnel pela Editorial Presença: M. Fontes (1980)
>>> Brasília: Patrimônio da Humanidade (um Relatório) de Osvaldo Peralva/ Capa: Lucio Costa pela Brasília/ DF (1985)
>>> Germinal de Emile Zola pela Bruguera (1969)
>>> Contos da Infância e da Adlescência de Luiz Vilela pela Ática/ SP. (1996)
>>> Contos da Infância e da Adlescência de Luiz Vilela pela Ática/ SP. (1998)
>>> As Sete Leis Espirituais do Sucesso e Criando Prosperidade de Deepak Chopra pela Bestbolso (2011)
>>> Análise das Coisas de Paul Gibier pela Feb (1981)
>>> Introducción Al Dibujo (Curso de Arte) de Jason Bowyer pela Blume/ Barcelona (1992)
>>> A Voz do Antigo Egito de Francisco Valdomiro Lorenz pela Feb (1987)
>>> Cristianismo e Espiritismo de Léon Denis pela Feb (1994)
>>> Socialismo e Espiritismo de Léon Denis pela Casa Ed. O Clarim (1982)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1997)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1995)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1993)
>>> Estude e Viva de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira pela Feb (1986)
>>> Utopia e Paixão de Roberto Freire/ Fausto Brito pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E a Vida Continua de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1992)
>>> Utopia e Paixão de Roberto Freire/ Fausto Brito pela Guanabara Koogan (1985)
>>> No Mundo Maior de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1991)
>>> Evolução em Dois Mundos de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira pela Feb (1991)
>>> Nos Domínios da Mediunidade de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1993)
>>> As Revoluções do Século XX / O Socialismo: Utopia Prática/ Rússia, China e Cuba/ A Guerra Fria de Ricardo de Moura Faria/ Autografado pela Contexto (2001)
>>> O Caminho da Passarela: Tudo o que Voce Sempre Quis Saber... de Claudia Liz pela Prestigio (2006)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (capa Dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Um Deus Dentro Dele/ um Diabo Dentro de Mim de Nilza Rezende/ Apres.: Affonso Romano de Sant Anna pela Record/ RJ. (2003)
>>> A Terceira Perna de Vilma Arêas pela Brasiliense
>>> Top Notch Fundamentals B with ActiveBook - Second Edition de Joan M. Saslow, Allen Ascher pela Person Longman (2011)
>>> O Cálculo com Geometria Analítica - volume 1 de Louis Leithold pela Harbra (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/12/2007
White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra
Rafael Fernandes

+ de 8900 Acessos
+ 12 Comentário(s)

Boa parte da crítica do rock (isso existe?) quer nos enfiar goela abaixo que o novo disco do White Stripes, Icky Thump, é sensacional. Mas é um lixo. Querem que acreditemos que essa banda é o máximo. Não é. Com boa vontade, dá até para dizer que tem umas três ou quatro lampejos de boas canções. Mas, além de ser pouco pelo que é alardeado, são tão porcamente executadas que fica difícil ouvir. E avaliar Jack e Meg White como instrumentistas é como opinar sobre aquele seu sobrinho de 8/10 anos que tem aula de guitarra/bateira há uns seis meses. Ela tocando bateria é de uma infantilidade inacreditável. E já li que Jack White seria um virtuoso da guitarra. Lamentável... Mas, felizmente, não estou só contra essa porcaria branca e vermelha, nem serei inédito ao escrever sobre eles. O Mário Marques já escreveu aqui mesmo neste Digestivo o quão ridícula é a banda. Detalhe: há três anos. De lá pra cá, o endeusamento da dupla podre só aumentou. Lá estão observações importantes, principalmente como a "estética" (hein!?) punk predomina como exemplo a ser seguido e como uma certa turminha quer impor certos estilos e bandas como imprescindíveis.

A ascensão do White Stripes é a prova da democratização cultural: qualquer um pode gravar um disco e virar um ídolo ― o talento é coadjuvante, não mais pré-requisito. Também é sintoma de preguiça, acomodação e estagnação do rock. Ainda que haja diversos artistas interessantes por aí, o que predomina é a repetição descarada de clichês, sem qualquer tentativa de mudanças. O triste disso é que muita gente compra essa repetição como "novidade". E, mais, há a defesa desse estilo como "arte suprema". Muitos roqueiros defendem seus gostos com uma aura de intocável, blasé. Calma lá, pessoal. Subvertendo os Rolling Stones: eu gosto, mas é só rock.

Voltando aos "irmãos" listrados. Tosco é a palavra-chave desse texto pela técnica duvidosa de ambos. Não sou defensor da música tocada apenas por músicos profundamente estudiosos, com execução irrepreensível, mas não tolero músico ― de novo ― tosco. No rock há vários exemplos de músicos excepcionais, sem serem tecnicamente perfeitos: nenhum dos Beatles era virtuoso, Jimmy Page sempre dava umas mancadas ao vivo, Jeff Beck é um guitar hero, mas é o que é pela criatividade, não por uma técnica exemplar. Os nomes não páram aqui, todos no mínimo bons instrumentistas e grandes músicos ― isso sim, eu defendo. O White Stripes não tem nada disso e ainda exagera numa podridão com embalagem cool. Qualquer argumento contra é visto como "farofada", tocar bem é coisa de nerd mala, um chato de galochas que teria se perdido no progressivo nos anos 70, um anti-social que prefere ficar estudando música ao invés de ir à balada ― como se isso fosse uma aberração.

Falam que é "genial" só ter guitarra e bateria. Pra mim é preguiça de procurar um baixista ― ou falta de convívio social. O show do Living Colour no final de agosto é a prova de que uma cozinha bem amarrada faz enorme diferença. Aliás, "genial" é a palavra que muitos críticos usam para envernizar a porcaria que é a música do White Stripes, já que a palavra os protege de possíveis detratores, como eu. "Como não gosta? É genial, você que não entende". Tocam um teclado desafinado? "É genialidade". Tocam mal? "Não, na verdade é tudo calculado, o que importa é a 'música'". São marketeiros? "Não, é visão musical". E os "músicos" são tão bons atores que muita gente cai na artimanha.

Quando a referência de genialidade se esgota, também se pode apelar para explicações cheias de descrições complexas e referências a outros artistas ― fantasiar uma obra de arte, que na realidade não existe. São bobagens que tentam justificar o que a banda não é. São chamados de excêntricos, mas são apenas bobos. Como prova a patética apresentação de uma nota só que levou a orgasmos os baba-ovo da banda. O jogo de cena prevalece. Aliás, um grande artifício da indústria da música: embale bem, crie um clima, um frisson, um contexto interessante. Fortaleça a marca, seja blasé, excêntrico, faça qualquer coisa para seu produto se tornar cult. Afinal de contas, não é apenas necessário vender ― e bem: é preciso criar um "conceito".

No mais recente disco da dupla, a faixa título é um bazar de riffs toscamente executados, com um teclado bisonho no meio, tudo isso num tempo errado. Não, não é contratempo, é falta de noção de tempo! Uma união de pequenos rascunhos musicais recortados e colados ― com Pritt por duas crianças da pré-escola. Haja sujeira. Quando a música chega aos 2 minutos há uma mudança de andamento que é ridiculamente forçada e mal aplicada. "You don't know what love is (You just do as you're told)" é horrível. "300 M.P.H. torrential outpour blues", "Prickly thorn, but sweetly worn" e "Effect and cause", maçantes. "Conquest" é uma deprimente repetição de clichês ― é uma sucessão de (poucos) acordes e intenções melódicas que dezenas de roqueiros já usaram para parecerem influenciados por música espanhola. "Bone Broke", "Rag and boné" e "Little cream soda" são até bons rocks, mas além de não trazerem nada de novo ou realmente relevante, apresentam performances tão fracas dos dois "instrumentistas" que comprometem o resultado.

Muita gente disse que o disco é esquisito. Não, é ruindade mesmo. No final das contas, eles regurgitam o que o Led Zeppelin fez ― muito melhor, diga-se ― há 40 anos; mas, ei, em certos meios musicais é bastante feio dizer que o Led é legal. Meg White é uma ofensa a todos os (no mínimo) bons bateristas do mundo. O disco todo é nada mais que ordinário ― na verdade, até menos que isso. Não há nada de novo, apenas reciclagem de fórmulas já consagradas embaladas em papel de jornal amassado.

Apesar de Icky Thump ser um arremedo de canções ruins, execuções primárias, arranjos ridículos e timbres asquerosos, a banda nem me incomoda tanto assim ― afinal, há espaço para tudo nesse mundo, até para a pior porcaria. O que me incomoda é essa "verdade" criada de que é fantástico. Que é a melhor coisa dos últimos anos, quando provavelmente é uma das piores. Tentam mostrar inteligência onde não existe. Querem extrair inovação, criatividade, brilhantismo onde não há. O que me incomoda, mais que a música ruim, é essa unanimidade burra que permeia a mídia atual ― tanto a mainstream quanto a alternativa. É bem possível que o White Stripes entre para a história da música. Mais por críticas equivocadas e histeria coletiva do que por qualidade própria. O caso deles se encaixa bem na famosa frase: "uma mentira contada mil vezes torna-se verdade".

Nota do Editor
Leia também "White Stripes: porque o rock não começa no punk".


Rafael Fernandes
São Paulo, 26/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. 4 livros de 4 mulheres para conhecer de Ana Elisa Ribeiro
03. Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato de Eugenia Zerbini
04. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
05. O caso da cenoura de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/12/2007
08h13min
Cara!!!! Você tá com a mulestia dos cachorro??? Não gosto de White Stripes, mas citar nomes consagrados do Rock, em sua crítica, isso é d+. Senhor Rafael Fernandes, reflita um pouquinho antes de falar de nomes que fazem parte da cultura mundial da música.
[Leia outros Comentários de Adelaide]
26/12/2007
17h41min
Cara, não conheço essa banda e nem tenho vontade. Acho que no comentário acima a moça se equivocou. Você fez referências ao bom rock, ao verdadeiro rock para fins de comparação. Ou seja, essa banda White Stripes em relação a Paul, Jimmy Page, Stones, entre outros não chega nem aos pés, não é mesmo? Se é que entendi bem. E eu, como defensora do antigo e velho rock, fiquei sem a mínima vontade de conhecer essa banda, principalmente, depois de ler o seu texto. É isso. Um abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
27/12/2007
07h37min
Cara, sinceramente, achei que seu texto totalmente tendencioso. Eu não gosto de White Stripes, acho uma banda fraca, não gosto do conceito deles, não gosto da música. Mas esse seu texto parece algo do tipo "ressentido". Eu acho que primeiro você tocou em assuntos que não deviam ser mesurados. Não existe isso de Paul é melhor que John, ou Mick canta mais que Bowie... existem pessoas que fazem músicas e ponto. Pra medir o talento ou técnica de um ou de outro tem que ter muito peito... o que é que você ou eu entedemos a respeito de música para dizer que Led era melhor que Purple por exemplo? No máximo podemos afirmar nosso gosto. Ao seu ver White Stripes é uma banda limitada e que não te agrada. Concordo. Mas taxá-los de todo o resto que foi atribuido é demais.
[Leia outros Comentários de João]
27/12/2007
13h13min
Teve uma época em que eu quase gostei do White Stripes. Mas consegui perceber que realmente eles não têm nada de mais. Guitarra e bateria? Genial? Puá! Nem aqui nem na China. A voz do Jack White também não é lá muito agradável. Enfim, não é uma boa banda. Digo, um bom duo. E discordo do João. Não acho que o Rafael Fernandes iria dizer o que disse sem antes ouvir mais discos do WS e ler sobre eles. O negócio é que poucos têm coragem de dizer a verdade. E aí acontece isso: um duo razoável é elevado a status de "uma das melhores coisas dos últimos anos".
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/1/2008
12h01min
"Cara, não conheço essa banda e nem tenho vontade." É engraçado como as pessoas tomam por verdade algo que lhes é passado, sem mesmo certificar até que ponto vai a crítica. A mídia fala que é bom, todos aceitam sem mais delongas. Ela fala que é ruim e você age da mesma forma.
[Leia outros Comentários de Harry]
21/1/2008
14h32min
O White Stripes vive de uma música pra lá de antiga, a "Seven nation army"; depois disso não vi nada que preste feito pela dupla marketeira que até máquina fotográfica vende no site deles. Espero que eles nunca mais venham pra cá. Haja saco aguentar estas bandinhas aqui no Brasil com aqueles fãs totalmente neuras e chatos. Mas eu achei que você pegou pesado demais...!
[Leia outros Comentários de Karina]
21/1/2008
14h35min
Não gosto deles. Sao chatos pra cacete! Músicas ridículas! Jack não tem voz e Meg não sabe nada de bateria. Não sei como essa porcaria ainda existe.
[Leia outros Comentários de Karina]
22/1/2008
11h06min
Harry, como citou uma frase minha em seu comentário, posso dizer seguramente que não quero mesmo conhecer essa banda. Não é por que a crítica fale bem ou mal. Mas sigo a minha intuição. Se essa banda fosse mesmo boa, de acordo com o que entendo de música boa, certamente já teria parado e prestado atenção de alguma forma. Foi o que aconteceu com a Amy Whinwhouse. Não a conhecia e de repente parei para escutar, por acaso, parei de novo e cheguei à conclusão de que ela é boa, como o seu repertório. E sempre a ouço. Entendeu? É isso. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
24/1/2008
01h28min
"Boa parte da crítica do rock (isso existe?) quer nos enfiar goela abaixo que o novo disco do White Stripes, Icky Thump, é sensacional. Mas é um lixo." E você quer colocar goela abaixo que o cd é ruim. Nem vou comentar mais nada...
[Leia outros Comentários de Cayo]
24/1/2008
19h12min
Amigo, seu texto parece de um cara que teve uma banda com musicos extremamente virtuosos mais que não chegou a lugar nenhum. Com isso, não se conforma com o sucesso de uma banda simples como o White Stripes. Não acho essa banda sensacional, mas acho uma boa banda. Musica é algo totalmente intangível. Acho impossivel definir o que é uma boa musica. Acho que boa musica é aquela que você ouve e te agrada, independentemente de ter um, dois ou trinta acordes. Se é simples ou dificil, se é longa ou curta... Particularmente, acho o Stripes uma banda muito criativa, com boa melodia e riffs marcantes. O que sei que milhares de pessoas adoram White Stripes e acho muita pretenção sua achar que isso se deve exclusivamente aos criticos. Acho que você poderia dizer "eu não gosto de White Stripes", mas não deveria chamar o album deles, que tantaas pessoas gostam, de lixo. Pois no fim das contas,o que te faz pensar que seu gosto musical é melhor do que meu ou das milhares de pessoas que compraram o disco? Abç
[Leia outros Comentários de Eduardo Savanachi]
29/1/2008
11h53min
Eu adoro música e concordo com o amigo acima: música boa é a que te agrada. O White Stripes não é o milagre do século mas também não é a porcaria do milênio. É apenas mais uma banda com o velho esquema do "faça você mesmo", que, tenho que admitir, vende muito desde o "Never mind the bullocks", e acho que é isso que irrita o Rafael, que deve ser apreciador de música bem trabalhada e feita por músicos, não por meninos. Mas eu gosto do som feito pelos meninos bobos e também gosto do som feito pelo músicos de verdade... Enfim, gosto é gosto!
[Leia outros Comentários de Pamella Liz ]
23/9/2010
12h28min
Ei, galera, o tom do texto realmente é agressivo, mas o mais importante está no último parágrafo. Antes de afirmar gostos pessoais, entendi que a intenção foi fazer uma crítica da crítica. O que é um bom exemplo de que alguns não engolem o que a mídia diz como ela diz.
[Leia outros Comentários de Rayssa Ávila]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ÁLBUM DE VISHNU
MANUELA PARREIRA DA SILVA
ASSÍRIO & ALVIM
(1999)
R$ 45,32



ÉTICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE HUMANA
BERTRAND RUSSELL
ZAHAR
(1977)
R$ 23,00
+ frete grátis



O ESPIRITISMO NO RIO GRANDE DO SUL
BRUNO CORTÊS SCHERER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



SOL NO ACASO
CASTANHEIRA FILHO
BOM SUCESSO
(1978)
R$ 200,00



FERNÃO CAPELO GAIVOTA
RICHARD BACH
CÍRCULO DO LIVRO
(1970)
R$ 7,00



INICIAÇÃO Á VIDA CRISTÃ - EUCARISTIA
VARIOS AUTORES
PAULINAS
(2013)
R$ 5,50



NOVÍSSIMA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
DOMINGOS PASCHOAL CEGALLA
COMPANHIA NACIONAL
(1980)
R$ 18,00



O BEIJO NÃO VEM DA BOCA
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBO
(1985)
R$ 4,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 11 FEBRE GABÃO
RADIVERSOS AUTORES
PÁGINA
(1998)
R$ 45,00



AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS ERP
FRANCISMILTON TELES UND RICARDO SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês