Oiticica e a Tropicalondon | Paula Góes

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
ENSAIOS

Segunda-feira, 12/11/2007
Oiticica e a Tropicalondon
Paula Góes

+ de 5800 Acessos

O ano era 1969. Naqueles tempos, fumar no topo dos ônibus vermelhos de dois andares que ainda cortam as ruas de Londres não era contravenção, e cigarro era liberado ainda em salas de cinema, auditórios de teatro, galerias de arte. Naquele ano, Pelé marcou o milionésimo gol. O Led Zeppelin lançava o primeiro álbum homônimo, os Beatles se apresentavam em público pela última vez, num concerto improvisado no terraço da Apple Records que foi interrompido pela polícia. Caetano Veloso tinha acabado de chegar ao exílio.

Dentre os vários motivos para a perseguição política, pesou a exibição no palco da boate carioca Sucata, durante um show com Os Mutantes e Gilberto Gil, da imagem de uma bandeira com a figura de um traficante famoso na época, o Cara-de-Cavalo, estendido morto no chão, assassinado violentamente pela polícia. Em vez de legenda jornalística, lê-se no estandarte os seguintes dizeres: “Seja marginal, seja herói”. Aquela bandeira-poema, que revoltou as Forças Armadas e serviu de pretexto político para o fim da temporada na Sucata e posteriormente para o exílio para Gil e Caetano, era obra de um jovem artista plástico carioca, Hélio Oiticica.

Foi também uma obra do artista, o penetrável Tropicália, que batizou e ajudou a consolidar a estética do movimento tropicalista, que celebra 40 anos. Penetrável, ou o que hoje se chama por aí de "instalação", é uma obra de arte que vai além da experiência visual. O espectador entra na obra de arte construída na forma de um labirinto e nela vivencia várias experiências que passam pelo tato, olfato, audição e até paladar. Tropicália foi uma das primeiras instalações do mundo, tendo estreado em 1960 na exposição Nova Objetividade Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Naquele ano de 1969, quando tudo parecia ser permitido do outro lado do mar, o penetrável Tropicália estava em Londres, em uma lendária exposição na Whitechapel Art Gallery. Essa exposição foi a maior da carreira de Hélio Oiticica e um dos eventos de artes visuais mais radicais já vistos na Grã-Bretanha. Estruturada em ambiente que estimulava a participação contínua do público, com pinturas, esculturas e instalações, Whitechapel Experience, como Oiticica a chamava, também contou com mais uma instalação do artista até então desconhecido do público inglês. Tropicália e Éden rapidamente conquistaram os visitantes – para quem nunca viu uma arara ou uma favela na vida, era muito difícil não interagir com todo aquele neologismo em forma de arte.

Quase 40 anos depois da primeira visita, Tropicália agora vive no 5º andar do Tate Modern, a galeria de Arte Moderna de Londres, onde a instalação, ou melhor, o penetrável, toma uma sala inteira. Há plantas tropicais em potes de barro por toda a parte, e em uma gigantesca gaiola, duas arraras vivas, uma vermelha e uma azul, que são responsáveis pela música de fundo da experiência. O chão, coberto de pó de serra, areia e pedregulhos, acrescenta à sonoridade da sala. As paredes são cheias de poemas, muitos deles intraduzíveis, com suas devidas meias versões em inglês.

Mas é o barraco de madeira e chita que fica no epicentro da sala que inevitavelmente deixa um sorriso no rosto de quem se deixa levar pela curiosidade. A experiência dura um minuto ou menos, 60 segundos surpreendentes. As pessoas esperam, educadamente, na fila para ver o que tem lá dentro. Dá um frio na barriga na entrada, o mistério, a cortina de retalhos de plástico coloridos, a volta em espiral entre quartos de tecido e, no final, uma velha TV preto e branco mal sintonizada em um canal brasileiro de televisão. A curiosidade é matada. Fica uma perplexidade quase sem explicação, e um quê de satisfação e um gostinho de liberdade.

Além do penetrável Tropicália, considerada uma peça de arte histórica, o Tate comprou oito outras obras do Oiticica para a sua coleção permanente de exibição gratuita, com a ajuda do Art Fund. As peças são intrinsecamente ligadas ao período que o artista morou em Londres, um ano apenas que desembocou na exposição em Whitechapel. O Tate também hospedou, no verão desse ano, uma retrospectiva completa do trabalho de Hélio Oiticica. Hélio Oiticica também representou as artes plásticas na grande exposição em homenagem à Tropicália, promovida em 2006 pelo centro cultural Barbican.

Hélio Oiticica, o artista rebelde e marginal brasileiro, morreu em 1980, aos 43 anos, de ataque cardíaco. Foi uma carreira breve, na qual mesmo tendo participado de diversas bienais e grandes eventos nacionais e internacionais, e sido reconhecido em vida como um grande nome da arte então de vanguarda e pensador importante, não apenas na Inglaterra, mas também na Suíça, EUA, Japão, França – Hélio Oiticica nunca traiu as suas raízes marginais – ele se considerava marginal, e marginal era. Marginal, mas não alienado. Por trás do movimento Tropicália nas artes plásticas, regia a inquietude e o inconformismo social, assim como também o alerta para os perigos do consumo de uma imagem folclórica, superficial e estereotipada de um Brasil tropical.

"Quando digo ‘posição à margem’ quero algo semelhante a esse conceito marcuseano: não se trata da gratuidade marginal ou de querer ser marginal à força, mas sim colocar no sentido social bem claro a posição do criador, que não só denuncia uma sociedade alienada de si mesma mas propõe, por uma posição permanentemente crítica, a desmistificação dos mitos da classe dominante, das forças da repressão, que além da repressão natural, individual, inerente à psichê de cada um, são a manutenção dessa mais-repressão."

* * *

Oiticica in London, livro editado por Guy Brett e Luciano Figueiredo e recém-publicado pela Tate Publishing, traz uma investigação cuidadosa, pela primeira vez executada, do período da vida do artista em solo inglês. Com entrevistas com contemporâneos do artista, escritos que nasceram durante esse ano em Londres (pela primeira vez traduzidos para o inglês), fotos, resenhas e cópias das páginas do catálogo original da exposição na Whitechapel Gallery, o livro foi considerado leitura essencial não apenas para quem quer saber mais sobre Tropicália, mas também conhecer a evolução da avant-garde londrina.

Nota do Editor
Paula Góes é jornalista e tradutora radicada em Londres. Ela escreve sobre tradução no Talqualmente e colabora com o projeto Global Voices Online.


Paula Góes
Londres, 12/11/2007

Mais Paula Góes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês