Noturno para os notívagos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
Mais Recentes
>>> História do amor no Brasil de Mary del Priore pela Contexto (2006)
>>> História das crianças no Brasil de Mary del Priore. Organização pela Contexto (1999)
>>> Lançamento Col Eu Gosto Mais Caderno de Letras V1 Ed Inf do Professor de Jorge Yunes (dir. Sup) pela IBEP (2015)
>>> Lançamento Coleção Eu Gosto Mais Caderno de Letras V 2 Ed. Infantil de Jorge Yunes pela IBEP (2015)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caderno de Alfabetização - Lançamento de Célia Passos e Zeneide Silva / Livro do Professor pela IBEP (2015)
>>> XIARARIBÓIACINE - MEMÓRIAS de Ministério da Cultura pela Festival de Niterói (2012)
>>> Tempo de Matemática 6ª série - LIVRO DO MESTRE de Miguel Asis Name pela do Brasil (1996)
>>> Matemática - Conceitos e Histórias 8ª série - EXEMPLAR DO PROFESSOR de Di Pierro Netto pela Scipione (1995)
>>> Interdisciplinar - Estação Criança 1 - Educação Infantil - Trenzinho de atividades- do Professor de Júnia La Scala e Outros pela Quinteto (2015)
>>> História das mulheres no Brasil de Mary del Priore. Organização pela Contexto/Unesp (1997)
>>> Moderna de Geografia vol. 1 - Noções Básicas de Geografia Geral e do Brasil - Primeiro Grau pela Moderna (1995)
>>> Ley Nº 393 - Ley de Servicios Financeiros de Ministério de Economía y Finanzas Públicas pela M.E.F.P
>>> Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas de Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome pela SNSAN (2012)
>>> PDE Prova Brasil - Plano de Desenvolvimento de Educação - Ensino Fundamental de Ministério da Educação Secretária de Educação Básica pela PDE (2009)
>>> Secretaria de Programas Regionais - Desenvolver as regiões para reduzir as desigualdades de Ministério da Integração Nacional pela M.I.N
>>> Ritmos da História 6º ano - DO PROFESSOR de Flavio de Campos se Outros pela Escala Educacional (2009)
>>> Matemática 2 - DO PROFESSOR de Ênio Silveira e Cláudio Marques pela Moderna (2010)
>>> Porta Aberta - História e Geografia 5º ano - DO PROFESSOR de Mirna Lima pela FTD (2009)
>>> Novo História 8º ano - Conceitos e Procedimentos - DO PROFESSOR de Ricardo Dreguer e Eliete Toledo pela Atual (2009)
>>> Geografia - Rio de Janeiro 3ª série - DO PROFESSOR de Siomara Sodré Spinola pela Ática (2006)
>>> Sociologia em Movimento -1º 2º e 3º anos do Ensino Médio - DO PROFESSOR de Afrânio Silva e Outros pela Moderna (2014)
>>> Práticas Pedagógicas Em Educação Física: Espaço, Tempo e Corporei de Fernando Jaime Gonzalez; M Simone / do Professor pela Edelbra Ltda (2012)
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 5º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 4º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 2º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Pensar, Refletir e Filosofar 1º ano - MANUAL DO EDUCADOR de Maria Amélia Vieira e Rute de Souza Galvão pela Construir
>>> Coleção Integralis História 1º Ano - do Professor de Divalte Garcia Figueira pela IBEP (2013)
>>> Ciências - Entendendo a Natureza 8ª - DO PROFESSOR de César, Sezar e Bedaque pela Saraiva (2001)
>>> Ciências - A Vida na Terra 7º ano - DO PROFESSOR de Fernando Gewandsznajder pela Ática (2011)
>>> Com Direito à Palavra: Dicionários em sala de aula de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2012)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Caderno 1 de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Educação Inclusiva de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática - Jogos na Alfabetização Matemática de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - Alfabetização Matemática -Educação Matemática do Campo de Ministério da Educação pela Ministério da Educação (2014)
>>> Orpheus Histoire Générale des Religions - 1909 de Salomon Reinach pela Motterz et Martinet (1909)
>>> Vontade de Saber Matemática 8º ano - DO PROFESSOR de Joamir Souza e Patricia Moreno Pataro pela FTD (2009)
>>> Cartas - Tomo I - 1856 de Alexandre Herculano pela Bertrand (1856)
>>> Projeto Teláris - Geografia 7 - o espaço social e o espaço brasileiro - DO PROFESSOR de J. William Vesentini e Vânia Vlach pela Ática (2013)
>>> Les Liaisons Dangereuses volumes I e II de De Laclos pela Librairie Grund (1936)
>>> Epitome de Historia Universal - 1931 de Jonathas Serrano pela Livr. Francisco Alves (1931)
>>> Gli Eroi Del Cielo, Della Terra e Del Mare de Socrate Ciccarelli pela A.Mondadori (1927)
>>> Interagindo com a Matemática 2 - DO PROFESSOR de Adilson Longen pela do Brasil
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 1 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2012)
>>> Noveau Formulaire Magistral de Thérapeutique Clinique... de Dr.Odilon Martin pela Librairie J.B.Baillière (1920)
>>> Facundo - 1942 de Domingo Faustino Sarmiento pela Editorial Losada (1942)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 4 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2012)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 5 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2013)
>>> Coleção Eu Gosto Mais - Caligrafia vol. 5 - DO PROFESSOR de Déborah Pádua Mello Neves pela IBEP (2013)
>>> História e Geografia 1 - Porta Aberta - DO PROFESSOR de Mirna Lima pela FTD (2002)
>>> Uma temporada no Inferno e Iluminações - 1957 de Arthur Rimbaud pela Civilização Brasileira (1957)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2016
Noturno para os notívagos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3200 Acessos

Eu sei que nem todo mundo janta. Esta é uma generalização só para ser didática. Não é para se transformar em caso de luta de classes. Mas vejamos: dos que preferem o lanchinho com pão na chapa aos que não têm o que comer à noite, todos estão fora do grupo que quero descrever aqui: os que trabalham à noite.
É que eu trabalho à noite. Muito. E sempre. E mais: eu gosto de trabalhar à noite. Toda vez que penso nisso, me vem a lembrança de uma música do Kid Abelha, alguém recorda? Não lembro o disco, mas é fácil de achar. "Trabalhador da noite, meu serviço é seu prazer... sempre em casa depois do amanhecer". Eu achava bonitinha a homenagem, mas não me enquadrava bem nisso. Tá certo que a canção é para os profissionais do sexo, provavelmente, o que não é meu caso.

Os deslocados
Eu me senti meio deslocada por isso, por trabalhar à noite. Faça aí uma listinha, para além das prostitutas e assemelhados: guarda noturno, vigia, porteiro, padeiro (?), motorista, médico (os de plantão, geralmente os mais jovens), enfermeira (e assistentes e técnicos), coveiro, jornaleiro, jornalista também, garçom, balconista de todo tipo, caixa e... professor. Veja que uma enormidade de pessoas executa profissões de turno noturno. Pegam depois das seis, largam no dia seguinte, chegam em casa ao contrário de todo mundo, cumprimentam o ascensorista do elevador com cara de quem ainda vai dormir, lancham em turnos trocados, dormem até meio dia e levam má fama injustamente.
Ah, os padrões. Como me enchiam a paciência! A começar pelas minhas preferências na escola. Sempre tive muita dificuldade de me concentrar de dia, então preferia fazer tudo da tarde para a noite. Aproveitar a madrugada e dormir de manhã eram minhas especialidades. E sempre me dei bem com o que eu tinha de cumprir, mas não com os outros, os olhares dos outros e as regras predeterminadinhas dos outros. Ouvi muita palestra dispensável sobre por que eu deveria gostar das manhãs. Minha cabeça estaria descansada, minha inteligência estaria mais arguta, minha vida seria melhor, meu futuro seria muito mais promissor. (Bocejos incontroláveis).

Não atendo!
Minha dificuldade era visível. Eu preferia então turnos vespertinos, estudar à tarde ou à noite, descansar enquanto todos dormiam. Na adolescência, já tinham em casa minha ordem expressa: não atendo telefone antes das 12h. Combinado. Mas jamais digam que estou dormindo. O comando era dizerem que eu "saí". Volto logo. Porque o mundo jamais entendeu que enquanto dormiam, eu trabalhava ou estudava, à luz do abajur. (Abajur e lâmpada são objetos da minha enorme estima). Já diziam logo, com tom de condenação: "dorminhoca, hein?" E era injustiça.
Mas tinha regra para tudo, e eu não estava dentro da regra. Não me daria bem nos estudos nem no trabalho. Não conseguiria sobreviver se não acordasse todos dia às 6h. Era meu terror. E durante muito tempo, fiz isso, é claro. Até ir conquistando a vida que me parecia de mais qualidade: obedecer o que pediam meu corpo e minha atenção.

Professora
Ser professora tem destas. Todo mundo quer pegar as aulas da manhã, as da tarde já soam como castigo. Pois eu quero tudo depois das 16h. Alegria. Com a vantagem incomensurável de andar sempre na contramão do trânsito. Eu vou. Eu quero. Pego aula, pego orientação, pego serviço administrativo. Mas só quando as pessoas estiverem retornando para seus lares. Enquanto esquentam a janta ou abrem o pão de forma, eu dou aulas para trinta ou quarenta alunos (e nem todos satisfeitos com o horário).
Mas é tudo tão feito para quem vive no horário comercial! Tão difícil fazer de outro modo ou enxergar os outros. Trabalhar à noite não tem prestígio, afinal. Talvez apenas para os veneráveis médicos, que dão plantão e soam como heróis. Para os demais, é como se fosse um limbo, falta de opção, desgraça recaída. Para mim não era, não.

Nutricionista do dia
Há uns doze anos, lembro de frequentar um nutricionista. Era uma clínica-laboratório, dessas dentro de faculdades, movidas a professores e estudantes. Ótimo. Fui lá iniciar minha reeducação alimentar. E recebi minha lista de substituição de alimentos, empolgada, a fim de mudar tudo. Menos uma coisa: os horários possíveis para me alimentar à noite. Conversei com o nutricionista-chefe, expliquei que não havia a menor chance de eu jantar naquele horário X, quando eu sempre estaria em sala de aula. Ele me olhou assim meio lamentoso, disse qualquer coisa, pediu que eu me adaptasse. OK. Vamos aprender a comer barrinha de cereal entre uma frase e outra. E assim foi minha reeducação alimentar: fora do horário comercial, dos almoços e jantares das pessoas que trabalham de oito às dezoito e podem cumprir horários de lanche.
Uma lástima mesmo: nem mesmo nas escolas, onde tanta gente trabalha à noite, as cantinas ficam abertas até o encerramento da batalha diária. Quando saio da sala de aula, topo com corredores vazios, quase escuros, estacionamentos silenciosos, portas fechadas, nada para comer e perigos insinuantes. Um horror. O mundo não é feito para nós, embora algumas cidades se gabem - hiopócritas! - de serem 24h.

Vendedora de colchas
Certa vez, uma mulher veio vender colchas e cobre-leitos à porta de casa, bem na hora em que eu saía para trabalhar. Tentei me desvencilhar dela para não me atrasar. Ela era insistente, agressiva. Eu fechei o portão, disse que precisava sair. Ela me questionava, por que não poderia atendê-la, seria rápido, e fazia menção de tirar uns produtos de dentro do porta-malas do carro. Eu entrei no meu e não dei chance. Tinha mesmo de chegar. E eram quase cinco da tarde. Quando ela se irritou de vez e disse: "pensa que me engana? Quem é que pega serviço a esta hora?" Não, não perdi tempo explicando que professores, por exemplo. Saí pela esquina atrás dela.

Uma vida perfeita depende de turno
Regras, regras. Dia desses, li um texto que falava de pais e filhos, receitas para ter e manter a família perfeita. Quanto clichê e quanto discurso científico. E que amargor na boca, meu Deus. Estarei condenada à infelicidade eterna e a ter filhos problemáticos? Insanos, incuráveis? Que terror me veio enquanto lia aquelas linhas sobre pais (geralmente pais) que chegam às 18h30 em casa e vão brincar com seus rebentos saudáveis; mães que vêm do emprego de meio horário e fazem, elas mesmas, a sopinha nutritiva. E então vão fazer programas em família, num lar com jeito de aconchego, TV de led, Netflix, filmes edificantes ou os deveres da escola. Perfeição. Mas só para quem trabalha em horário comercial. Tudo ali era padrão. E eu cá... com meus horários ao contrário, filho que estuda à tarde, dorme tarde da noite, faz dever em outro horário e está muito bem, obrigada. Lá pelas tantas, esse tal desse texto dedicava um ou meio parágrafo a dizer que existem aquelas pessoas que trabalham em outros horários e para as quais a vida precisa ser adaptada. Aleluia! Alguém se lembrou de nós.

Noturna sim
Sem vitimismo. Alguém precisa trabalhar à noite, para que as escolas tenham turnos estendidos ou para que os bares funcionem à noite ou para que haja diversão, segurança, transporte, saúde. Minha riqueza foi perceber minhas dificuldades desde cedo e ir desenhando minha vida para que ela me parecesse menos árida, mais possível, mesmo que na contramão da maioria. Há quem odeie trabalhar à noite e sonhe com um "emprego normal". Há quem não. Há. E por que não?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
02. O problema é com o assédio, não com os homens de Adriana Baggio
03. Suicídio, parte 2 de Marta Barcellos
04. O Free, de Chris Anderson de Julio Daio Borges
05. Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FABULAS DE LA FONTAINE TOMO
LA FONTAINE/IRACEMA COSTA
VERBO INFANTIL
R$ 10,00



RECURSOS HÍDRICOS - CONJUNTO DE NORMAS LEGAIS
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE
IMPRENSA OFICIAL
(2004)
R$ 11,00



RAMSÉS - A DAMA DE ABU-SIMBEL
CHRISTIAN JACQ
BERTTRAND BRASIL
(2000)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO CIVIL 6 VOLUMES
WASHINGTON DE BARROS MONTEIRO
SARAIVA
(2001)
R$ 50,00



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



OXFORD STUDENTS DICTIONARY OF ENGLISH (LIVRO SEM CD)
OXFORD UNIVERSITY PRESS
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2002)
R$ 35,00



GESTÃO DO SER INTEGRAL COMO INTEGRAR ALMA CORAÇÃO E RAZÃO
BENE CATANANTE
INFINITO
(2000)
R$ 10,00



OBRAS EM PROSA
FERNANDO PESSOA
NOVA AGUILAR
(1986)
R$ 100,00



A CIDADE DAS FLORES
AUGUSTO ABELAIRA
O JORNAL
(1990)
R$ 25,68



ART NOUVEAU AND ART DECO LIGHTING
ALASTAIR DUNCAN
THAMES AND HUDSON
(1978)
R$ 130,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês