Noturno para os notívagos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
Mais Recentes
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
>>> Fábulas 1 - Edição de Luxo de Bill Willinghan pela Panini Books (2018)
>>> O Incrível Hulk - Planeta Hulk de Greg Pak pela Panini Books (2018)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Ediouro (1972)
>>> O Cachorrinho Samba na Floresta de Maria José Dupré pela Ática (1987)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> Programado Para Aprender de H. Ronald Pulliam e Christopher Dunford pela Zahar (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1986)
>>> Didática e Psicologia: Crítica ao Psicologismo na Educação de Maria Mercedes Capelo Alvite pela Edições Loyola
>>> O Pensamento Vivo de Gandhi: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1985)
>>> Da Sua Vida & dos Seus Negócios de Clóvis Mezzomo pela C. Mezzomo (1998)
>>> As Batalhas do Castelo de Domingos Pellegrini pela Moderna (1991)
>>> O Diário Roubado de Régine Deforges pela Klick (1998)
>>> James Dean por Ele Mesmo - Edição Ilustrada de James Dean/ Estudo: Edgar Morin (e Outros) pela Martin Claret (1994)
>>> Contato Imediato com Criação de Propaganda de Julieta de Godoy Ladeira pela Global (1997)
>>> Vida, Caminho & Destino - Missão Vórium de Edson Luiz Pocahi pela Novo Século (2016)
>>> Relaxe... e Viva Feliz de Núbia Maciel França e Haroldo J. Rahm pela Edições Loyola (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2016
Noturno para os notívagos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos

Eu sei que nem todo mundo janta. Esta é uma generalização só para ser didática. Não é para se transformar em caso de luta de classes. Mas vejamos: dos que preferem o lanchinho com pão na chapa aos que não têm o que comer à noite, todos estão fora do grupo que quero descrever aqui: os que trabalham à noite.
É que eu trabalho à noite. Muito. E sempre. E mais: eu gosto de trabalhar à noite. Toda vez que penso nisso, me vem a lembrança de uma música do Kid Abelha, alguém recorda? Não lembro o disco, mas é fácil de achar. "Trabalhador da noite, meu serviço é seu prazer... sempre em casa depois do amanhecer". Eu achava bonitinha a homenagem, mas não me enquadrava bem nisso. Tá certo que a canção é para os profissionais do sexo, provavelmente, o que não é meu caso.

Os deslocados
Eu me senti meio deslocada por isso, por trabalhar à noite. Faça aí uma listinha, para além das prostitutas e assemelhados: guarda noturno, vigia, porteiro, padeiro (?), motorista, médico (os de plantão, geralmente os mais jovens), enfermeira (e assistentes e técnicos), coveiro, jornaleiro, jornalista também, garçom, balconista de todo tipo, caixa e... professor. Veja que uma enormidade de pessoas executa profissões de turno noturno. Pegam depois das seis, largam no dia seguinte, chegam em casa ao contrário de todo mundo, cumprimentam o ascensorista do elevador com cara de quem ainda vai dormir, lancham em turnos trocados, dormem até meio dia e levam má fama injustamente.
Ah, os padrões. Como me enchiam a paciência! A começar pelas minhas preferências na escola. Sempre tive muita dificuldade de me concentrar de dia, então preferia fazer tudo da tarde para a noite. Aproveitar a madrugada e dormir de manhã eram minhas especialidades. E sempre me dei bem com o que eu tinha de cumprir, mas não com os outros, os olhares dos outros e as regras predeterminadinhas dos outros. Ouvi muita palestra dispensável sobre por que eu deveria gostar das manhãs. Minha cabeça estaria descansada, minha inteligência estaria mais arguta, minha vida seria melhor, meu futuro seria muito mais promissor. (Bocejos incontroláveis).

Não atendo!
Minha dificuldade era visível. Eu preferia então turnos vespertinos, estudar à tarde ou à noite, descansar enquanto todos dormiam. Na adolescência, já tinham em casa minha ordem expressa: não atendo telefone antes das 12h. Combinado. Mas jamais digam que estou dormindo. O comando era dizerem que eu "saí". Volto logo. Porque o mundo jamais entendeu que enquanto dormiam, eu trabalhava ou estudava, à luz do abajur. (Abajur e lâmpada são objetos da minha enorme estima). Já diziam logo, com tom de condenação: "dorminhoca, hein?" E era injustiça.
Mas tinha regra para tudo, e eu não estava dentro da regra. Não me daria bem nos estudos nem no trabalho. Não conseguiria sobreviver se não acordasse todos dia às 6h. Era meu terror. E durante muito tempo, fiz isso, é claro. Até ir conquistando a vida que me parecia de mais qualidade: obedecer o que pediam meu corpo e minha atenção.

Professora
Ser professora tem destas. Todo mundo quer pegar as aulas da manhã, as da tarde já soam como castigo. Pois eu quero tudo depois das 16h. Alegria. Com a vantagem incomensurável de andar sempre na contramão do trânsito. Eu vou. Eu quero. Pego aula, pego orientação, pego serviço administrativo. Mas só quando as pessoas estiverem retornando para seus lares. Enquanto esquentam a janta ou abrem o pão de forma, eu dou aulas para trinta ou quarenta alunos (e nem todos satisfeitos com o horário).
Mas é tudo tão feito para quem vive no horário comercial! Tão difícil fazer de outro modo ou enxergar os outros. Trabalhar à noite não tem prestígio, afinal. Talvez apenas para os veneráveis médicos, que dão plantão e soam como heróis. Para os demais, é como se fosse um limbo, falta de opção, desgraça recaída. Para mim não era, não.

Nutricionista do dia
Há uns doze anos, lembro de frequentar um nutricionista. Era uma clínica-laboratório, dessas dentro de faculdades, movidas a professores e estudantes. Ótimo. Fui lá iniciar minha reeducação alimentar. E recebi minha lista de substituição de alimentos, empolgada, a fim de mudar tudo. Menos uma coisa: os horários possíveis para me alimentar à noite. Conversei com o nutricionista-chefe, expliquei que não havia a menor chance de eu jantar naquele horário X, quando eu sempre estaria em sala de aula. Ele me olhou assim meio lamentoso, disse qualquer coisa, pediu que eu me adaptasse. OK. Vamos aprender a comer barrinha de cereal entre uma frase e outra. E assim foi minha reeducação alimentar: fora do horário comercial, dos almoços e jantares das pessoas que trabalham de oito às dezoito e podem cumprir horários de lanche.
Uma lástima mesmo: nem mesmo nas escolas, onde tanta gente trabalha à noite, as cantinas ficam abertas até o encerramento da batalha diária. Quando saio da sala de aula, topo com corredores vazios, quase escuros, estacionamentos silenciosos, portas fechadas, nada para comer e perigos insinuantes. Um horror. O mundo não é feito para nós, embora algumas cidades se gabem - hiopócritas! - de serem 24h.

Vendedora de colchas
Certa vez, uma mulher veio vender colchas e cobre-leitos à porta de casa, bem na hora em que eu saía para trabalhar. Tentei me desvencilhar dela para não me atrasar. Ela era insistente, agressiva. Eu fechei o portão, disse que precisava sair. Ela me questionava, por que não poderia atendê-la, seria rápido, e fazia menção de tirar uns produtos de dentro do porta-malas do carro. Eu entrei no meu e não dei chance. Tinha mesmo de chegar. E eram quase cinco da tarde. Quando ela se irritou de vez e disse: "pensa que me engana? Quem é que pega serviço a esta hora?" Não, não perdi tempo explicando que professores, por exemplo. Saí pela esquina atrás dela.

Uma vida perfeita depende de turno
Regras, regras. Dia desses, li um texto que falava de pais e filhos, receitas para ter e manter a família perfeita. Quanto clichê e quanto discurso científico. E que amargor na boca, meu Deus. Estarei condenada à infelicidade eterna e a ter filhos problemáticos? Insanos, incuráveis? Que terror me veio enquanto lia aquelas linhas sobre pais (geralmente pais) que chegam às 18h30 em casa e vão brincar com seus rebentos saudáveis; mães que vêm do emprego de meio horário e fazem, elas mesmas, a sopinha nutritiva. E então vão fazer programas em família, num lar com jeito de aconchego, TV de led, Netflix, filmes edificantes ou os deveres da escola. Perfeição. Mas só para quem trabalha em horário comercial. Tudo ali era padrão. E eu cá... com meus horários ao contrário, filho que estuda à tarde, dorme tarde da noite, faz dever em outro horário e está muito bem, obrigada. Lá pelas tantas, esse tal desse texto dedicava um ou meio parágrafo a dizer que existem aquelas pessoas que trabalham em outros horários e para as quais a vida precisa ser adaptada. Aleluia! Alguém se lembrou de nós.

Noturna sim
Sem vitimismo. Alguém precisa trabalhar à noite, para que as escolas tenham turnos estendidos ou para que os bares funcionem à noite ou para que haja diversão, segurança, transporte, saúde. Minha riqueza foi perceber minhas dificuldades desde cedo e ir desenhando minha vida para que ela me parecesse menos árida, mais possível, mesmo que na contramão da maioria. Há quem odeie trabalhar à noite e sonhe com um "emprego normal". Há quem não. Há. E por que não?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pecados, demônios e tentações em Chaves de Ademir Luiz
02. Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado de Jardel Dias Cavalcanti
03. A jovem guarda desvirtuou a família brasileira de Eduardo Mineo
04. Suicídio on-line põe internet no banco dos réus de Marcelo Spalding
05. Para a criançada de Clarissa Kuschnir


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MANDARINS DA REPUBLICA - ANATOMIA DOS ESCÂNDALOS DA ADMINISTRAÇÃ...
JOSÉ CARLOS DE ASSIS
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 11,76



NO VERAO, A PRIMAVERA
LUCILIA DE ALMEIDA PRADO
MELHORAMENTOS
R$ 8,00



MODERNA GRAMÁTICA EXPOSITIVA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA
ARTUR DE ALMEIDA TÔRRES
FUNDO DE CULTURA
(1966)
R$ 39,00
+ frete grátis



DIREITO PENAL PARA UNIVERSITÁRIOS E CONCURSANDOS - CONCEITOS, HISTÓRIA
ESTANISLAU FRAGOSO BATISTA
FORENSE
(1996)
R$ 19,28



TESTES PARA ADMISSÃO EM EMPRESAS E EMPREGOS PÚBLICOS
JEAN GOBET
EDIOURO
(1985)
R$ 5,60



JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA -13 EDIÇAO
ATHOS GUSMÃO CARNEIRO
SARAIVA
(2004)
R$ 18,50



O RETORNO DE HOOLIGAN
NORMAN MANEA
AMARILYS
(2012)
R$ 20,00



DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS
ARCHÉ INTERDISCIPLINAR Nº 27 VOL. 9 DE 2000
UNIV CÂNDIDO MENDES
(2000)
R$ 18,82



365 BENÇÃOS - TEXTOS BÍBLICOS....
MAX LUCADO
THOMAS NELSON
(2007)
R$ 39,90
+ frete grátis



CRESCER É PERIGOSO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1986)
R$ 4,06





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês