Noturno para os notívagos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
68513 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2016
Noturno para os notívagos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3400 Acessos

Eu sei que nem todo mundo janta. Esta é uma generalização só para ser didática. Não é para se transformar em caso de luta de classes. Mas vejamos: dos que preferem o lanchinho com pão na chapa aos que não têm o que comer à noite, todos estão fora do grupo que quero descrever aqui: os que trabalham à noite.
É que eu trabalho à noite. Muito. E sempre. E mais: eu gosto de trabalhar à noite. Toda vez que penso nisso, me vem a lembrança de uma música do Kid Abelha, alguém recorda? Não lembro o disco, mas é fácil de achar. "Trabalhador da noite, meu serviço é seu prazer... sempre em casa depois do amanhecer". Eu achava bonitinha a homenagem, mas não me enquadrava bem nisso. Tá certo que a canção é para os profissionais do sexo, provavelmente, o que não é meu caso.

Os deslocados
Eu me senti meio deslocada por isso, por trabalhar à noite. Faça aí uma listinha, para além das prostitutas e assemelhados: guarda noturno, vigia, porteiro, padeiro (?), motorista, médico (os de plantão, geralmente os mais jovens), enfermeira (e assistentes e técnicos), coveiro, jornaleiro, jornalista também, garçom, balconista de todo tipo, caixa e... professor. Veja que uma enormidade de pessoas executa profissões de turno noturno. Pegam depois das seis, largam no dia seguinte, chegam em casa ao contrário de todo mundo, cumprimentam o ascensorista do elevador com cara de quem ainda vai dormir, lancham em turnos trocados, dormem até meio dia e levam má fama injustamente.
Ah, os padrões. Como me enchiam a paciência! A começar pelas minhas preferências na escola. Sempre tive muita dificuldade de me concentrar de dia, então preferia fazer tudo da tarde para a noite. Aproveitar a madrugada e dormir de manhã eram minhas especialidades. E sempre me dei bem com o que eu tinha de cumprir, mas não com os outros, os olhares dos outros e as regras predeterminadinhas dos outros. Ouvi muita palestra dispensável sobre por que eu deveria gostar das manhãs. Minha cabeça estaria descansada, minha inteligência estaria mais arguta, minha vida seria melhor, meu futuro seria muito mais promissor. (Bocejos incontroláveis).

Não atendo!
Minha dificuldade era visível. Eu preferia então turnos vespertinos, estudar à tarde ou à noite, descansar enquanto todos dormiam. Na adolescência, já tinham em casa minha ordem expressa: não atendo telefone antes das 12h. Combinado. Mas jamais digam que estou dormindo. O comando era dizerem que eu "saí". Volto logo. Porque o mundo jamais entendeu que enquanto dormiam, eu trabalhava ou estudava, à luz do abajur. (Abajur e lâmpada são objetos da minha enorme estima). Já diziam logo, com tom de condenação: "dorminhoca, hein?" E era injustiça.
Mas tinha regra para tudo, e eu não estava dentro da regra. Não me daria bem nos estudos nem no trabalho. Não conseguiria sobreviver se não acordasse todos dia às 6h. Era meu terror. E durante muito tempo, fiz isso, é claro. Até ir conquistando a vida que me parecia de mais qualidade: obedecer o que pediam meu corpo e minha atenção.

Professora
Ser professora tem destas. Todo mundo quer pegar as aulas da manhã, as da tarde já soam como castigo. Pois eu quero tudo depois das 16h. Alegria. Com a vantagem incomensurável de andar sempre na contramão do trânsito. Eu vou. Eu quero. Pego aula, pego orientação, pego serviço administrativo. Mas só quando as pessoas estiverem retornando para seus lares. Enquanto esquentam a janta ou abrem o pão de forma, eu dou aulas para trinta ou quarenta alunos (e nem todos satisfeitos com o horário).
Mas é tudo tão feito para quem vive no horário comercial! Tão difícil fazer de outro modo ou enxergar os outros. Trabalhar à noite não tem prestígio, afinal. Talvez apenas para os veneráveis médicos, que dão plantão e soam como heróis. Para os demais, é como se fosse um limbo, falta de opção, desgraça recaída. Para mim não era, não.

Nutricionista do dia
Há uns doze anos, lembro de frequentar um nutricionista. Era uma clínica-laboratório, dessas dentro de faculdades, movidas a professores e estudantes. Ótimo. Fui lá iniciar minha reeducação alimentar. E recebi minha lista de substituição de alimentos, empolgada, a fim de mudar tudo. Menos uma coisa: os horários possíveis para me alimentar à noite. Conversei com o nutricionista-chefe, expliquei que não havia a menor chance de eu jantar naquele horário X, quando eu sempre estaria em sala de aula. Ele me olhou assim meio lamentoso, disse qualquer coisa, pediu que eu me adaptasse. OK. Vamos aprender a comer barrinha de cereal entre uma frase e outra. E assim foi minha reeducação alimentar: fora do horário comercial, dos almoços e jantares das pessoas que trabalham de oito às dezoito e podem cumprir horários de lanche.
Uma lástima mesmo: nem mesmo nas escolas, onde tanta gente trabalha à noite, as cantinas ficam abertas até o encerramento da batalha diária. Quando saio da sala de aula, topo com corredores vazios, quase escuros, estacionamentos silenciosos, portas fechadas, nada para comer e perigos insinuantes. Um horror. O mundo não é feito para nós, embora algumas cidades se gabem - hiopócritas! - de serem 24h.

Vendedora de colchas
Certa vez, uma mulher veio vender colchas e cobre-leitos à porta de casa, bem na hora em que eu saía para trabalhar. Tentei me desvencilhar dela para não me atrasar. Ela era insistente, agressiva. Eu fechei o portão, disse que precisava sair. Ela me questionava, por que não poderia atendê-la, seria rápido, e fazia menção de tirar uns produtos de dentro do porta-malas do carro. Eu entrei no meu e não dei chance. Tinha mesmo de chegar. E eram quase cinco da tarde. Quando ela se irritou de vez e disse: "pensa que me engana? Quem é que pega serviço a esta hora?" Não, não perdi tempo explicando que professores, por exemplo. Saí pela esquina atrás dela.

Uma vida perfeita depende de turno
Regras, regras. Dia desses, li um texto que falava de pais e filhos, receitas para ter e manter a família perfeita. Quanto clichê e quanto discurso científico. E que amargor na boca, meu Deus. Estarei condenada à infelicidade eterna e a ter filhos problemáticos? Insanos, incuráveis? Que terror me veio enquanto lia aquelas linhas sobre pais (geralmente pais) que chegam às 18h30 em casa e vão brincar com seus rebentos saudáveis; mães que vêm do emprego de meio horário e fazem, elas mesmas, a sopinha nutritiva. E então vão fazer programas em família, num lar com jeito de aconchego, TV de led, Netflix, filmes edificantes ou os deveres da escola. Perfeição. Mas só para quem trabalha em horário comercial. Tudo ali era padrão. E eu cá... com meus horários ao contrário, filho que estuda à tarde, dorme tarde da noite, faz dever em outro horário e está muito bem, obrigada. Lá pelas tantas, esse tal desse texto dedicava um ou meio parágrafo a dizer que existem aquelas pessoas que trabalham em outros horários e para as quais a vida precisa ser adaptada. Aleluia! Alguém se lembrou de nós.

Noturna sim
Sem vitimismo. Alguém precisa trabalhar à noite, para que as escolas tenham turnos estendidos ou para que os bares funcionem à noite ou para que haja diversão, segurança, transporte, saúde. Minha riqueza foi perceber minhas dificuldades desde cedo e ir desenhando minha vida para que ela me parecesse menos árida, mais possível, mesmo que na contramão da maioria. Há quem odeie trabalhar à noite e sonhe com um "emprego normal". Há quem não. Há. E por que não?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/6/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As fronteiras da ficção científica de Gian Danton
02. Mitofagia: Machado ao molho pardo de Verônica Mambrini


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERVISORES CADERNOS DE GESTÃO
TREVOR FOXEN E TREVOR PECK
GRADIVA
(1992)
R$ 17,00



KEI MITSUUCHI: AI PIEDI DELLA CROCE (ITALIAN EDITION)
GIOVANNI TESTORI
MAZZOTTA
(1985)
R$ 45,82



PRINCÍPIOS DE RELAÇÕES HUMANAS - VOL. 3
NORMAN R. F. MAIER
RECORD
(1966)
R$ 6,90



NUEVO LISTO PARTE A . ESPAÑOL A TRAVES DE TEXTOS
ROBERTA AMENDOLA
SANTILLANA / MODERNA
(2012)
R$ 19,90



NOSSAS ACONTECÊNCIAS - CAUSOS DE IRAPÉ
ANDRÉIA CASSIA PINTO
CEMIG
(2006)
R$ 6,90



O COMPORTAMENTO ANIMAL
FERNANDO A. LUIS A. DE REYNA E FRANCISCO BRAZA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



SENÕES DA BÍBLIA
ALDEONOFF POVOAS
ND
(1953)
R$ 24,50



CAETANO VELOSO LITERATURA COMENTADA
PAULO FRANCHETTI E ALCYR PÉCORA
NOVA CULTURAL
R$ 6,90



O REI BIGODEIRA E SUA BANHEIRA
AUDREY WOOD; DON WOOD; GISELA MARIA PADOVAN
ATICA
(2010)
R$ 40,00



ATLAS DE ANATOMIA HUMANA - VOLUME I
WERNER SPALTEHOLZ
ROCA
(1988)
R$ 39,90





busca | avançada
68513 visitas/dia
2,6 milhões/mês