12 tipos de cliente do revisor de textos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Yoga, Imortalidade e Liberdade de Mircea Eliade pela Palas Athena (2009)
>>> The Bell - Her wise, witty and compulsive novel de Iris Murdock pela Penguin Books (1962)
>>> Os robôs e o império de Isaac Asimov pela Record (1985)
>>> Wallpaper Magazine May 2020 de Design Directory pela TI Media (2020)
>>> Contato de Carl Sagan pela Guanabara (1986)
>>> Os Três Reos e o Quarto Rei, Lendas Natalinas de Jakob Streit pela Edições Waldorf (1991)
>>> Neuromancer de William Gibson pela Aleph (1991)
>>> O Gênio do Crime de J.C. Marinho Silva pela Edijovem (1999)
>>> O incrível congresso de futurologia de Stanislaw Lem pela Nova Fronteira (1977)
>>> O cair da noite de Isaac Asimov pela Hemus (1981)
>>> Solaris de Stanislaw Lem pela Círculo do livro (1987)
>>> O Livro da Filosofia de Diversos pela Globo (2016)
>>> O homem bicentenário de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Os robôs do amanhecer de Isaac Asimov pela Record (1983)
>>> Cartas de Um Executivo a Seu Filho de G. Kingsley Ward pela Record (1985)
>>> Desenho de Perspectiva (Português) Capa dura , Livro Novo de David Sanmiguel pela Ambientes (2020)
>>> Os anéis de Saturno de Isaac Asimov pela Hemus
>>> Inimigo Rumor 17 de Carlito Azevedo e Outros Editores pela Naify (1993)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Hemus (1982)
>>> Pureza de Jonathan Franzen pela Companhia das Letras (2016)
>>> Os Anos 40 de Rachel Jardim pela José Olympio (1973)
>>> A maçã no escuro de Clarice Lispector pela Círculo do livro
>>> Prontuário de Yoga Antigo (SVÁSTHYA YOGA de Professor de Rose pela Ground (1986)
>>> De corpo inteiro de Clarice Lispector pela Artenova (1975)
>>> A cidade sitiada de Clarice Lispector pela José Olympio (1975)
>>> A paixão segundo GH de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Círculo do Livro (1982)
>>> Química e física de Daniel Cruz pela Ática (2002)
>>> Arnaldo Janssen de Alberto Kuyle pela Verbo divino
>>> Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres de Clarice Lispector pela Nova Fronteira (1982)
>>> Homo Deus de Yuval Noah Harari pela Companhia das Letras (2016)
>>> Eternidade por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> Para não esquecer de Clarice Lispector pela Ática (1978)
>>> Em busca do Príncipe Encantado de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> Um sopro de vida de Clarice Lispector pela Círculo do livro (1978)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> Os sapatos de Orfeu - Biografia de Carlos Drummond de Andrade de José Maria Cançado pela Scritta (1993)
>>> Sinfonia patética - A vida de Tchaikóvski de Klaus Mann pela Brasiliense (1989)
>>> Merendeiro (A) SGA-DF – Auxiliar de Educação. Especialidade: Copa/Cozinha de Pimentel. et al pela Vesticon (2005)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 3 - Manhã sombria de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 2 - O ano dezoito de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 1 - Duas irmãs de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> As mentiras que os homens contam de Luiz Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Dieta Low Carb de Eliana Rinaldi e Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Estatística fácil de Antônio Arnot Crespo pela Saraiva (1994)
>>> Simpatias de Antonio Carlos pela Pallas (1997)
>>> A idade da Razão de Sartre pela Cia das letras (2020)
>>> O pai minuto de Spencer Johnson pela Record (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/2/2016
12 tipos de cliente do revisor de textos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 9100 Acessos

Vira e mexe, topo com um texto sobre como fazer revisão de textos. Em sua maioria, são dicas sobre questões gramaticais. Raramente abordam aspectos discursivos, mais amplos. Vão, quase sempre, da gramática normativa ao "causo" sobre um serviço. E me divirto com ambos.

Dia desses mesmo tive de procurar uma dica sobre hífen e prefixos em português. Outra hora bateu uma dúvida em inglês e mandei ver no tradutor do Google. Na verdade, a dúvida era de pronúncia. Pus aquela vozinha de robô para dizer como falar. Tecnologia me dá muita alegria, de vez em quando. Recebi um link de um blog e corri lá para ver. Eram dicas de como pontuar enumerações. Achei bonitinho e didático, mas faltavam exemplos. Quem, meu Deus, trabalha sem exemplos?

Vez ou outra, sou invadida por lembranças das aulas de Português do colégio. Deve ser porque a professora faleceu outro dia e me deu um baixo astral danado. Ela era ótima em gramática. Nunca esqueci algumas frases dela e os exemplos, muitos, vários, em profusão. Achava-a incrível porque era autora de apostilas de cursinho. E sucumbi quando ela me ensinou sobre estada/estadia e sobre "cada". Nunca mais isso saiu da minha cabeça.

Mas fazer revisão não depende só de saber gramática. Fui ver isso depois de adulta, já enfiada na profissão. Sim, é profissão! Tem uns caras que são pagos para ler os textos alheios. Precisam saber gramática, é claro, mas às vezes precisam ignorá-la. Também precisam ser discretos e cordiais. Dá uma vontade danada de xingar, mas não pode. E nesse sentido tenho minha ídola. Revisora experiente de uma editora mineira, minha revisora-modelo escrevia impropérios impensáveis para os autores, nas margens dos trabalhos. A gente morria de rir, de dar dor de barriga, mas tinha de apagar tudo antes que o autor visse aquilo. Era de "que anta!" para baixo. E a gente se esbaldava quando vinha um sonoro "Pelo amor de Deus!" diante de alguma frase. Mas ela também já morreu.

Revisor morre de quê? De desgosto? Não, não. Revisor morre de tédio, de cansaço, de estresse, de arrependimento por ter perdido o churrasco, o Natal, o Carnaval e o próprio casamento. É que prazo é prazo. E os outros só se lembram do revisor no final.

Bom, mas tem a vingança do revisor. Do mesmo jeito que vão dizer por aí que tem revisor que é gramatiqueiro, revisor permissivo, revisor poeta, revisor intrometido, revisor omisso, revisor incompetente, revisor-autor-frustrado, revisor picuinha, revisor isto e aquilo, nós também podemos arriscar umas categorias de "cliente". Vamos lá:

Mister/miss simpatia
Tem um tipo de cliente que é bacana demais. Começa com uma abordagem correta, simpática, respeitosa. Entrega o trabalho para revisão dentro do prazo combinado. Desconsidera finais de semana e dá um prazo humanamente razoável ao revisor. Não enche o saco durante a revisão e termina pagando full, no dia da entrega. Se bobear, envia comprovante por Whatsapp. Esse é pra casar. Mas nem sempre é assim.

Cliente volátil
Este começa bem e termina sem terminar. Aborda, pergunta, orça, envia trecho para a gente avaliar, combina prazo e, de repente, some. Dissolve no ar. Deixa a gente à beira do caminho, inclusive depois de ter recusado outro trampo por conta do compromisso. Como adivinhar?

Caloteiro
Acredite se quiser, ele existe mas é raro. Este campo do livro, da revista, das teses e da revisão de textos não tem tanto cliente deste tipo. Em 20 anos de profissão, não passei nem duas vezes por esta agrura. Mas é preciso estar atento. Nem todo intelectual vai pagar. Imagina: você aceita o serviço, se mata de revisar, dia e noite, cumpre o prazo e o cara não paga. É dureza total.

Desconfiado dos infernos
Este tipo é bem comum. Ele aborda o revisor, faz orçamento, envia trechos, combina prazos, não chora preço, é tudo muito razoável. Mas aí, quando você entrega o serviço ou alguma etapa, ele quer se sentar ao seu lado e receber explicações - e aulas aprofundadas - de cada mudança que você fez no texto. Tudo, tudo. E aí ele começa a desafiar você, traz a gramática que ele usou na sétima série, consulta sites no celular, discute a regra ou o padrão. Não acredita de jeito nenhum na sua competência 100%. E você precisa ser cortês, andar na linha, porque queimar o filme, nesta seara, é ficar sem serviço por um tempo.

Marty McFly
Saudade de "De volta para o futuro"? De andar de Delorean? Então arranje um cliente como este. O cara - ou a fulana - chega junto, pede orçamento, combina tudo, ajeita o esquema com você, leva o serviço e paga. Mas aí, um mês depois, ela vem dizendo que ficou na dúvida, que a banca comentou e tal e que se você não pode "dar uma olhada de novo", isto é, ela volta do futuro ao passado e quer pagar uma vez só. Pois é. E dá-lhe cordialidade. É claro que se houver alguma falha mesmo, vale dar uma conferida. Mas e quando não?

Chorão
Este cliente já dá pra prever. Cumpre o protocolo todinho de aproximação com o revisor. Normalmente, as pessoas chegam por indicação, querem seu serviço porque ouviram dizer algo positivo. É, de fato, uma profissão de confiança (tem gente que não prega um bilhete na geladeira sem consultar o revisor preferido). Mas daí começa a avacalhação: prazo apertado, correria total, revisão feita, entrega, gol. Na hora de resolver o orçamento, o cliente quer desconto, quer pagar menos, quer dividido em dez vezes. Eu já tenho resposta pronta para isso: meu prazo de recebimento é na mesma rapidez com que fiz a revisão. Os prazos apertados também demandam pagamentos a jato.

Desnecessário
Abram alas, este tipo é meu preferido. Nem sempre ele fecha negócio, às vezes ele se confunde com o Desconfiado, mas não é. É melhor. Este é o autor/escritor que já sabe tudo. Ele liga e diz assim que eu não terei trabalho algum, que ele escreve muito bem, que sempre foi elogiadíssimo nas redações da escola, que está te ligando só porque a instituição exige, que nem precisava, mas que né... E você já sabe. É como se, salvando a proporção, você chegasse ao médico ou ao dentista já dizendo o dignóstico, o prognóstico e que o tratamento é uma grande bobagem. Revisor não mata ninguém, ainda bem. Daí você se ajoelha diante de tamanho talento, aceita fazer um serviço desnecessário e fica até culpado por cobrar a paga. Que honra, afinal.

Desgraçado sem cura
Sem ironia, eu me enganei. O melhor de trabalhar é este. Geralmente, sem estereótipos, ele é da área de exatas. (Muito raro um cara de humanas dizer coisas assim... ou assumi-las, especialmente os do Direito). A figura liga, chega, orça e fica um tempão alertando a gente sobre quão péssimo o texto dele é. Diz que nunca soube escrever, que odeia Português, que se deu mal a vida toda, que não sabe como passou no vestibular, que não tem ideia de como conseguiu chegar ao fim da tese, que vou sofrer muito, que meu trabalho deve ser um inferno. Bom, o Saramago pescou isso no livro A história do cerco de Lisboa. O revisor é mesmo um coitado que lê coisas que não mereceriam ser lidas nem uma vez. Mas acontece muita alegria também.

Atrasadinho
O cliente em foco tem problemas com o tempo. Já se aproxima dizendo que, pelo amor de Deus, só tem mais dois ou três dias. Tá. E eu? Que me dane, né? Tem uma tal de taxa de urgência que serve pra esses casos. Mas quem tem coragem de cobrar? Vamos lá. Negócios são negócios.

Compulsivo
Este cara me enche mesmo a paciência. A gente explica pra ele que a revisão é a última etapa da edição. Escreve tudo, termina e só me entrega depois. Se você mexer no texto depois da revisão, eu não me responsabilizo, ok? Mas ele mexe. Ele não aguenta. Ele não está seguro. Ele quer escrever mais e melhor. E fica enviando novas versões enquanto eu trabalho. E me dá ódio renovado a cada versão que chega. Pô, vou ter de voltar? Repassar para o outro arquivo? Retrabalhar? Pois é. Alguém pare esse maluco!

Licenciado
Mais um, mais um. O cara que tem licença poética para tudo. Qualquer maluquice que ele escrever será categorizada como "licença". Há quem seja até mais sofisticado e venha com o argumento do "neologismo", "produtividade linguística". #tamojunto, brô. Tem hora que não dá.

Revisor do revisor
Mas desculpem se pareci arrogante. Ninguém é perfeito e o revisor não seria uma exceção. Revisores erram, revisores nem sempre são bons redatores (creiam!), revisores precisam de revisores. O bom é que quando a gente trabalha em uma área, tem sempre colegas de profissão. Aí a gente liga e diz assim: "Cara, dá uma olhadinha pra mim?". E tenta um escambo, para não ter de pagar. :P

PS: clientes, podem vir. Este texto é pura diversão.

Fábrica de Chocolates




Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
02. Outono antecipado de seus anos de Maurício Dias


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEVEN DAYS IN MAY
FLETCHER KNEBEL
BANTAM BOOKS
(1963)
R$ 8,96



PAVIMENTOS PAREDES E TECTOS COMO ACABAR E REPARAR OS INTERIORES DE ...
GRAHAM BLACKBURN
CETOP
(1991)
R$ 31,26



QUANDO PINTA O AMOR
MARIA CAROLINA GARCIA
MODERNA
(1997)
R$ 6,90



NUNCA LHE APARECI DE BRANCO
JUDITH FARR
ROCCO
(1998)
R$ 5,00



PORTUGUESE AND ENGLISH PRONOUNCING DICTIONARY
J. F. VALDEZ
N I
R$ 36,00



AMOR MAIOR QUE TUDO
NORA ROBERTS
HARLEQUIN
(2014)
R$ 7,00



O BRASIL E OS HOLANDESES
VARIOS
BANCO REAL
(1999)
R$ 6,90



PRÉCIS DE CHIRURGIE INFANTILE
E. KIRMISSON
MASSON ET CIE
(1911)
R$ 65,66



TUDO É LINGUAGEM TRAMAS E TEXTO 6 ANO
ANA TRINCONI BORGATTO-TEREZINHA BERTIN-VERA MARCHE
ÁTICA
R$ 12,00



PSICOLOGIA HOSPITALAR C/ DEDICATÓRIA DA AUTORA 8183
TEREZINHA CALIL PADIS CAMPOS
E P U
(1995)
R$ 18,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês