Com quantos eventos literários se faz uma canoa? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Cegueira
>>> Blog da Petrobras como Napster
>>> Menos fé e mais razão
>>> Aluga-se um escritório
>>> Para gostar de ler
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
Mais Recentes
>>> Retorno à Amazônia de Jean-Michel Cousteau pela Guascor
>>> Introdução ao Design Gráfico de Renata Krusser pela UnisulVirtual (2011)
>>> Todas as Copas de 1930 a 1998 de Vários autores pela Lance! (1999)
>>> Para Sempre: Amor e Tempo de Ana Maria Machado pela Record (2001)
>>> Casamento Blindado de Ranato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Análise das Demonstrações Financeiras de John N. Myer pela Atlas S.A (1972)
>>> Memórias das Trevas de João Carlos Teixeira Gomes pela Geração Editorial (2022)
>>> O Livro De São Cipriano: Tratado Completo Da Verdadeira Magia de Vários Autores pela Pallas (2013)
>>> Marketing de Guerra de Al Ries e Jack Trout pela Mcgrawhill (2009)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Dcl (2013)
>>> Eles continuam entre nos de Zibia Gasparetto pela Vida E Consciencia (2008)
>>> Sara Says No! - Confira! de Norman Whitney pela Heinemann (1992)
>>> Comédia Em Pé - o Livro de Vários Autores pela Mirabolantre (2009)
>>> Miss Bronte de Juliet Gael pela Lafonte (2011)
>>> A dama da fé de Ester Bezerra pela Planeta Do Brasil (2016)
>>> O Poder da Esperança de Julián Melgosa pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> Reencarnação de Swami Tilak pela Feeu (1974)
>>> Andarilha de Núbia Feitosa pela Cbje (2011)
>>> Gestação: Tratamento Em Dose Única das Infecções Não Complicadas Das Vias Urinárias de Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A pela Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A (2022)
>>> Crimes Hediondos de Antonio Lopes Monteiro pela Saraiva (1997)
>>> O executante de Rubem Mauro Machado pela Record (2000)
>>> Gestão de estoques otimizando a logística e a cadeia de suprimentos de Eduardo saggioro garcia e outros pela E papers (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 - Parte Especial de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2000)
>>> Revista Sinais dos Tempos Eventos Finais (10 dias de Oração e 10 horas de jejum) de Cpb pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Poder de Uma Mulher de Barbara Taylor Bradford pela Europa América (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/1/2016
Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos

Eventos literários. Estamos cheios deles. Não, não quero dizer "cheios" como quem diz exaustos, cansados, enjoados ou enojados - o que seria pior. Estamos com farta oferta, é isso. Muitos eventos literários pipocam aqui e ali, por todo lado, como deveria sempre ser. De norte a sul, e em todos os pontos cardeais, é possível ouvir falar de eventos literários, com profusão de convidados, horários, temas. Embora tais eventos nem sempre apresentem novidades... Para que serve, então, um evento literário?

Tenho um amigo poeta que pensa assim: o público mais amplo não conhece a literatura contemporânea. Quase tudo é inédito para todos. Sendo assim, penso - eu - que um evento literário sirva para que as pessoas menos ligadas às artes da palavra tenham a oportunidade de ver e ouvir escritores atuantes de que dificilmente ouvirão falar na grande mídia, na escola ou no boteco.

De fato, muita gente sentada na plateia do evento literário está ali para ouvir, pela primeira vez, algum autor já badalado, premiado e queridinho, mas apenas de um círculo concêntrico já ligado ao campo literário. E pode ser bem interessante. E pode ser até que algum livro se venda depois disso. E siga-se um autógrafo a um desconhecido recém-leitor. Strike! Afinal, a batalha não é essa?

Já outro amigo diz: mas os eventos precisam chover no molhado. O público mais amplo é chamado pelas coisas que já conhece e já lê. Pegar o autógrafo da celebridade literária (e me esforcei aqui para não pendurar aspas em algum termo) é já motivo suficiente para pintar naquele evento. Então vamos lá. Daí a mescla importante (e não é ironia) entre autores dos quais as pessoas nunca ouviram falar - a despeito de serem badalados & premiados - e autores conhecidos, com altas tiragens e vendagens ao longo do ano, inclusive os sem muita "literatura". Às vezes até frequentadores das listas de mais vendidos das revistas brasileiras - que não são promessas de listas literárias, são listas de mercado, ora, bolas.

Misturemos então o comercial e o não-comercial ou o artístico e o não-artístico. Será que é assim que funciona? Para muitos, é. Para outros, isso é uma grande bobagem e um enorme preconceito.

Nos anos 1990, lembro de passar por um evento acadêmico na Unicamp cujo tema era - e sempre é - a leitura. O debate começava a se abrir. A ideia era discutir, não sem polêmicas, esse papo de que a máxima repetidíssima de que "o brasileiro não lê" é um discurso, e não uma verdade absoluta; e um discurso que precisa ser combatido. A questão então era: o que é "ler"? O que o brasileiro lê, então? É que uns preconizam que a "verdadeira leitura" é essa das artes, da sofisticação, do cânone literário; outros pensam que é preciso buscar e conhecer as práticas de leitura reais, sociais, que ocupam mesmo as cabeceiras e as mochilas das pessoas. Pois não é que se o critério mudar... mudam também os números e as ideias?

Moçada lendo calhamaços aos montes, pedindo livro de Natal, trocando leituras com amigos, mas tudo "besteira". Enquanto isso, escritores de "alto padrão" fazem tiragens de 100 exemplares e ganham prêmios até robustos, mas sem serem amplamente lidos. Será que é uma espécie de compensação pelo que não venderão? E as livrarias? Quererão expor logo esses que ninguém conhece?

Lastimo que as pessoas leitoras não acompanhem as páginas de nossos raros segundos cadernos. Muitos escritores bons frequentam ali e dão entrevistas e noticiam seus lançamentos. E muitos são mesmo ótimos. Não são apenas amigos do jornalista do caderno de cultura. Muitos são mesmo bons nas artes da pena. E vá lá: seria mesmo legal que muitas pessoas abrissem seus leques, o que não significa abandonar os vampiros e os bruxos, mas apenas ampliar seus horizontes. Isso sem mencionar uma infinidade de bons livros de autores que não aparecerão nos cadernos dois, jamais.

Em certo evento literário de 2015, ouvi um elogio desbragado que um autor argentino (que grande parte das pessoas ainda não conhece) a um autor brasileiro já bastante consagrado, mas talvez ainda pouco conhecido. Leopoldo Brizuela falou sobre Bernardo Carvalho: "O livro de Bernardo Carvalho é o contrário da autoajuda. Ele não ajuda nada. Ele simplesmente te enfrenta." Quase não pensei em mais nada depois dessas palavras. Esse enfrentamento deveria ser obrigatório em nossa formação como leitores. Muito embora o fácil e o conhecido sejam conciliáveis, necessários, animadores, o enfrentamento com o difícil, o desconhecido ou o mais sofisticado - o artístico radical - é tão importante, tão energizante! E provavelmente tão ampliador.

Os eventos literários pululam, mas não sei quanto em 2016. Ir até eles, ouvir pessoas e conhecer o que nunca se (ou)viu é parte da educação artística nossa de cada dia. Ou deveria. Lastimo dizer, mas os horizontes da escola não irão além dos currículos preestabelecidos, parados em 1945. Não dá para fazer muito sem o empreendimento, sem rasgar novos horizontes, à força de muita curiosidade e investigação. Inclusive na leitura de autores e autoras que querem ser lidos, além de conhecidos, ou mesmo a despeito de seus próprios preconceitos sobre qualidade & vendas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/1/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Oficina literária com Michel Laub de Débora Costa e Silva
02. A Letras, como ela é? de Verônica Mambrini
03. Para a criançada de Clarissa Kuschnir


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cabeça de Lobo
J. K. Mayo
Globo
(1989)
+ frete grátis



Movimentos Populares na Idade Média
José Rivair Macedo
Moderna
(2003)



Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei
Malika Oufkir e Michèle Fitoussi
Companhia das Letras
(1999)



Teletandem - um Contexto Virtual, Autônomo e Colaborativo para a Apren
João A. Telles
Pontes Fapesp



Para Onde o Coração Aponta
Marcelo Lelis; Murilo Silva Cisalpino
Formato
(1996)



Pesquisa Qualitativa: um Instigante Desafio - 2ª Edição
Maria Lucia Martinelli ( Organizadora )
Veras
(2012)



As Armadilhas do Poder - Bastidores da Imprensa
Gilberto Dimenstein
Summus
(1990)



O Noviço (1997)
Martins Penas
Publifolha
(1997)



Estação Terminal
Boileau Narcejac
Globo
(1980)



A Violência da Moeda
Michel Aglietta, André Orléan
Brasiliense
(1990)





busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês