Uma Receita de Bolo de Mel | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/10/2018
Uma Receita de Bolo de Mel
Heloisa Pait

+ de 7500 Acessos

Um bolo de mel é uma presença indispensável para um feliz ano novo judaico. Cada família tem sua receita, mas elas convergem em trazer o mel, produto doce antigo, anterior ao açúcar, para simbolizar a alegria e a esperança de um novo ano, e também algo que contraste com essa doçura, mas sem amargor: um condimento como o cárdamo ou o canela, ou alguma adaptação tropical.

As receitas todas têm algo em comum: são muito simples. Para ensinar uma criança a cozinhar, é uma boa pedida, pois é gostoso misturar os ingredientes e, depois disso, não há muito o que fazer além de despejar numa travessa e assar. Entretanto, na vida moderna, essa facilidade pode ser um problema, pois reservamos pouco tempo para o bolo e na pressa esquecemos alguns detalhes que fazem toda a diferença.

Os saberes culinários são passados de mãe para filha, mas a minha sempre trabalhou muito, e sua unívoca receita era a seguinte: “Quando entrar na cozinha, seu objetivo é sair de lá o mais rápido possível.” Então em minha casa as receitas foram passadas de cadernos de receitas para nossa cozinheira, a Terezinha, de saudosa memória, e dela para nós, observadores atentos. Em raros casos foram passados de nossa avó materna, igualmente de saudosa memória, mas pela crítica implacável a tudo e todos, também de culposo alívio.

Com o bolo de mel aconteceu de recebermos duas receitas. Minha mãe tinha um respeito comovente pela própria mãe, uma devoção ainda maior pois conhecedora de todos os seus defeitos enquanto ser humano, distinto de meu pai que adorava uma mãe idealizada que, no que me conste, nunca nos amou. Aliás, nunca nem conversou conosco, presa a um mundo só dela que também nunca compartilhou. Mas cozinhava bem.

Um dia essa avó, que vejo mais como sogra de minha mãe que como avó minha, sentenciou a respeito da nora: “É. Filha é filha; nora é nora.” Minha mãe concordou geometricamente: “E mãe é mãe; sogra é sogra.” A mesma matemática fazia minha mãe anotar em seu ensebado livro de receitas a receita de bolo de mel da vó Fanny, sua sogra, que reconhecia como superior.

E segue portanto a receita.

São 4 ovos.

1 copo de açúcar, que sempre economizo, pois pra que tanto açúcar? Uso mascavo, inda por cima.

1 copo de mel. Esse não se economiza. Um dia usei melaço, e não deu certo. É mel e mel mesmo.

3 copos de farinha. Por que seriam copos, e não xícaras? Na casa de meu pai tomava-se sopa em copos, para estranhamento das crianças. Era o hábito.

Meio copo de café. Aqui é a coisa.

4 colheres de azeite. Na minha versão, é meio copo de azeite, que também sempre economizei. Acho que 4 colheres será pouco, entretanto.

1 colher de chá de bicarbonato e 1 colher de chá de pó royal. Veja que essencialmente se trata do mesmo produto. Eu simplesmente ponho uma colher generosa de pó royal, uma colher de sopa rasa, que deve dar umas 3 de chá.

A receita, como disse, é simples: misture tudo. Melhor misturar o pó royal na farinha, para ficar distribuído, antes de misturar essa com os ingredientes molhados. Melhor bater os ovos, ou ao menos misturá-los, antes de jogar o mel e o café. Melhor, enfim, usar o mínimo de bom senso para fazer a massa fluida e dourada, já tentadora antes de entrar no forno.

Agora, é hora de untar a forma, o que pode ser feito com manteiga ou óleo, depois polvilhada com alguma farinha. Muito óleo ou muita farinha, aqui, vai aparecer no final. Seja comedido. E as nozes?

O mesmo bolo com nozes fica muito melhor: use nozes em pedaços para misturar à massa e nozes partidas ao meio para a cobertura. Antes de juntar à massa, passe os pedaços pequenos e as metades pela farinha, para que não grudem na massa. As metades você deve colocar depois de despejar a massa na forma, de modo geométrico. Já os pedaços pequenos eu não sei como misturar na massa para que fiquem no meio do bolo assado.

Você acharia que o bolo de minha avó materna é muito distinto deste, para que justificasse a traição culinária de minha mãe. Mas comparando as duas receitas, notei que a grande diferença é que a receita é em xícaras, e portanto vão apenas 3 ovos. Como uma mera diferença de proporção poderia fazer tanta diferença? Não tenho a quem perguntar, estando as duas avós e minha própria mãe mortas e enterradas, a uma respeitosa distância, umas das outras, no cemitério do Butantã. A receita pede ainda apenas uma colher de chá de pó royal, mas há uma nota dizendo: “pode por mais”. A única diferença de ingrediente é que, ao invés do café, vai muita canela.

Meu erro é sempre descuidar dos detalhes. Por exemplo, é importante sacudir bem as nozes para tirar a farinha, de modo a evitar que restem bolotas brancas no belo bolo moreno. Também esqueço de virar a forma do bolo para que ele asse por igual, sem queimar nos locais que ficaram mais próximos do calor. O bolo fica bom de qualquer modo, mas a estética se perde com a pressa. Neste ano me enchi do café, e não me lembrava da canela. Do nada, botei a polpa de dois maracujás direto na massa, e meus convidados amaram. Com um pouco mais de esmero, eu teria coado a polpa e o bolo teria saído sem as sementes crocantes da fruta tropical.

Enfim, a receita é essa, simples mas cheia de significados. Tradicional, mas aberta a inovações. Profundamente pessoal, mas parte de um viver coletivo. Há momentos de escolha decisivos, mas há também o ato mecânico de bater e misturar e assar. Há ingredientes insubstituíveis e outros que se alternam no banco reserva. A ciência do bolo é simples, e se o bolo ficar bom deve mesmo ao bom senso.

Com esse texto, reinauguro nas páginas jornalísticas o hábito salutar, perdido com a redemocratização, da publicação de receitas de bolos além dos cadernos culinários. Nos anos 1970, era comum que se comprasse o Estadão e, ao invés da notícia, ali estavam receitas, poesias e mesmo um vazio estrondoso, maior que o da Bienal do Vazio de 2008. Os mais informados liam os poemas como um sinal de que uma outra notícia, de um fato relevante, tivesse sido censurada. Falavam com amigos e tentavam descobrir de que se tratava, pois ao menos os jornalistas sabiam. Outros, talvez mais ingênuos, celebravam a pausa do noticiário, testavam receitas novas e contemplavam versos bonitos. Já os sábios faziam as duas coisas: registravam a ausência de notícia e iam para a cozinha dar vida a receitas. É que as palavras são como as farinhas: por que desperdiçar? Você pode usar farinha de rosca ou de trigo, mas use na medida certa, sem jogar nada fora. Cada grão é um grão, cada palavra é uma palavra. Impressa então, já torrada e processada, mais valiosa ainda. Cada palavra foi alguém que escreveu, receita ou poesia, merecendo então um crédito só dela, independentemente de como chegou lá, na capa do Estadão.

Se nos séculos passados foi difícil fazer passar as notícias pelos jornais e para isso toda a sorte de truques foram criados e testados, nesse século o desafio será outro: fazer com que nossos textos busquem nas entranhas dos algoritmos um lugar de relevo. Fazer com que o leitor o classifique ao lado das receitas ou das reflexões, das afrontas ao sistema ou da submissão. Num mar de informação, sem “matéria de capa”, nem capa, nem nada, como questionar a ordem? Sem contexto, sem uma moldura, onde cairão nossas palavras, que leitor será sábio para tanto compreender o significado escondido quanto se deleitar no significado revelado? Como entregar-se ao leitor, o objetivo último de cada escritor, e ao mesmo tempo imunizar-se contra o delator, que é o leitor-mor do regime autoritário? Como, enfim, repensar a censura numa era de profusão de informações?

Para lidar com isso tudo, engenheiros da informação, arquitetos digitais e sociólogos da comunicação terão que trabalhar duro. As plataformas que criamos e usamos terão que ser avaliadas e redesenhadas, de forma a permitir ao leitor que faça suas melhores escolhas sobre que textos ler, aceitar, repartir. Mas isso não bastará, e não fará sentido se nós não soubermos também ler. Clarice Lispector, em um texto quase religioso, “A Repartição dos Pães”, descreve um almoço onde a comida caprichada servida a convidados apáticos acaba lhes inspirando um sentimento de comunhão. Como esses convidados, nós teremos que aprender a ler novamente, aprender a ver os “redondos tomates de pele quase estalando” no meio de uma paisagem sem graça ou, o contrário, ofuscante, pois a censura de hoje se dá pela força mas também pela ofuscação. Teremos que prender a identificar sutis diferenças em receitas quase idênticas, a dar o toque pessoal sem lhes modificar a essência. A fazer parte, enfim, de um conversa democrática difícil e necessária, onde cada qual contribui um pouco, sempre mantendo as normas mais fundamentais que nos permitem sentar à mesa.

Hora de ir para a cozinha resgatar receitas antigas.


Heloisa Pait
São Paulo, 25/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
04. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
05. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês