Uma Receita de Bolo de Mel | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Fenomenologia e Direito de Aquiles Côrtes Guimarães -( Coordenador) pela Lumen Juris (2005)
>>> Bate - Papo Com o Além de Zibia Gasparetto pelo Espírito Silveira Sampaio pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Certain Girls de Jennifer Weiner pela Simon and Schuster (2008)
>>> Mountaing Fears de Stuart Woods pela Penguin Uk (2009)
>>> Danielle Steel de Granny Dan pela Dell (2009)
>>> Thirty Ways of Looking at Hillary: Women Writers Reflect on the Candidate and What Her Campaign Meant de Susan Morrison pela Harper Perennial (2008)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela O globo
>>> Iracema de Jose de Alencar pela Folha
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/10/2018
Uma Receita de Bolo de Mel
Heloisa Pait

+ de 19100 Acessos

Um bolo de mel é uma presença indispensável para um feliz ano novo judaico. Cada família tem sua receita, mas elas convergem em trazer o mel, produto doce antigo, anterior ao açúcar, para simbolizar a alegria e a esperança de um novo ano, e também algo que contraste com essa doçura, mas sem amargor: um condimento como o cárdamo ou o canela, ou alguma adaptação tropical.

As receitas todas têm algo em comum: são muito simples. Para ensinar uma criança a cozinhar, é uma boa pedida, pois é gostoso misturar os ingredientes e, depois disso, não há muito o que fazer além de despejar numa travessa e assar. Entretanto, na vida moderna, essa facilidade pode ser um problema, pois reservamos pouco tempo para o bolo e na pressa esquecemos alguns detalhes que fazem toda a diferença.

Os saberes culinários são passados de mãe para filha, mas a minha sempre trabalhou muito, e sua unívoca receita era a seguinte: “Quando entrar na cozinha, seu objetivo é sair de lá o mais rápido possível.” Então em minha casa as receitas foram passadas de cadernos de receitas para nossa cozinheira, a Terezinha, de saudosa memória, e dela para nós, observadores atentos. Em raros casos foram passados de nossa avó materna, igualmente de saudosa memória, mas pela crítica implacável a tudo e todos, também de culposo alívio.

Com o bolo de mel aconteceu de recebermos duas receitas. Minha mãe tinha um respeito comovente pela própria mãe, uma devoção ainda maior pois conhecedora de todos os seus defeitos enquanto ser humano, distinto de meu pai que adorava uma mãe idealizada que, no que me conste, nunca nos amou. Aliás, nunca nem conversou conosco, presa a um mundo só dela que também nunca compartilhou. Mas cozinhava bem.

Um dia essa avó, que vejo mais como sogra de minha mãe que como avó minha, sentenciou a respeito da nora: “É. Filha é filha; nora é nora.” Minha mãe concordou geometricamente: “E mãe é mãe; sogra é sogra.” A mesma matemática fazia minha mãe anotar em seu ensebado livro de receitas a receita de bolo de mel da vó Fanny, sua sogra, que reconhecia como superior.

E segue portanto a receita.

São 4 ovos.

1 copo de açúcar, que sempre economizo, pois pra que tanto açúcar? Uso mascavo, inda por cima.

1 copo de mel. Esse não se economiza. Um dia usei melaço, e não deu certo. É mel e mel mesmo.

3 copos de farinha. Por que seriam copos, e não xícaras? Na casa de meu pai tomava-se sopa em copos, para estranhamento das crianças. Era o hábito.

Meio copo de café. Aqui é a coisa.

4 colheres de azeite. Na minha versão, é meio copo de azeite, que também sempre economizei. Acho que 4 colheres será pouco, entretanto.

1 colher de chá de bicarbonato e 1 colher de chá de pó royal. Veja que essencialmente se trata do mesmo produto. Eu simplesmente ponho uma colher generosa de pó royal, uma colher de sopa rasa, que deve dar umas 3 de chá.

A receita, como disse, é simples: misture tudo. Melhor misturar o pó royal na farinha, para ficar distribuído, antes de misturar essa com os ingredientes molhados. Melhor bater os ovos, ou ao menos misturá-los, antes de jogar o mel e o café. Melhor, enfim, usar o mínimo de bom senso para fazer a massa fluida e dourada, já tentadora antes de entrar no forno.

Agora, é hora de untar a forma, o que pode ser feito com manteiga ou óleo, depois polvilhada com alguma farinha. Muito óleo ou muita farinha, aqui, vai aparecer no final. Seja comedido. E as nozes?

O mesmo bolo com nozes fica muito melhor: use nozes em pedaços para misturar à massa e nozes partidas ao meio para a cobertura. Antes de juntar à massa, passe os pedaços pequenos e as metades pela farinha, para que não grudem na massa. As metades você deve colocar depois de despejar a massa na forma, de modo geométrico. Já os pedaços pequenos eu não sei como misturar na massa para que fiquem no meio do bolo assado.

Você acharia que o bolo de minha avó materna é muito distinto deste, para que justificasse a traição culinária de minha mãe. Mas comparando as duas receitas, notei que a grande diferença é que a receita é em xícaras, e portanto vão apenas 3 ovos. Como uma mera diferença de proporção poderia fazer tanta diferença? Não tenho a quem perguntar, estando as duas avós e minha própria mãe mortas e enterradas, a uma respeitosa distância, umas das outras, no cemitério do Butantã. A receita pede ainda apenas uma colher de chá de pó royal, mas há uma nota dizendo: “pode por mais”. A única diferença de ingrediente é que, ao invés do café, vai muita canela.

Meu erro é sempre descuidar dos detalhes. Por exemplo, é importante sacudir bem as nozes para tirar a farinha, de modo a evitar que restem bolotas brancas no belo bolo moreno. Também esqueço de virar a forma do bolo para que ele asse por igual, sem queimar nos locais que ficaram mais próximos do calor. O bolo fica bom de qualquer modo, mas a estética se perde com a pressa. Neste ano me enchi do café, e não me lembrava da canela. Do nada, botei a polpa de dois maracujás direto na massa, e meus convidados amaram. Com um pouco mais de esmero, eu teria coado a polpa e o bolo teria saído sem as sementes crocantes da fruta tropical.

Enfim, a receita é essa, simples mas cheia de significados. Tradicional, mas aberta a inovações. Profundamente pessoal, mas parte de um viver coletivo. Há momentos de escolha decisivos, mas há também o ato mecânico de bater e misturar e assar. Há ingredientes insubstituíveis e outros que se alternam no banco reserva. A ciência do bolo é simples, e se o bolo ficar bom deve mesmo ao bom senso.

Com esse texto, reinauguro nas páginas jornalísticas o hábito salutar, perdido com a redemocratização, da publicação de receitas de bolos além dos cadernos culinários. Nos anos 1970, era comum que se comprasse o Estadão e, ao invés da notícia, ali estavam receitas, poesias e mesmo um vazio estrondoso, maior que o da Bienal do Vazio de 2008. Os mais informados liam os poemas como um sinal de que uma outra notícia, de um fato relevante, tivesse sido censurada. Falavam com amigos e tentavam descobrir de que se tratava, pois ao menos os jornalistas sabiam. Outros, talvez mais ingênuos, celebravam a pausa do noticiário, testavam receitas novas e contemplavam versos bonitos. Já os sábios faziam as duas coisas: registravam a ausência de notícia e iam para a cozinha dar vida a receitas. É que as palavras são como as farinhas: por que desperdiçar? Você pode usar farinha de rosca ou de trigo, mas use na medida certa, sem jogar nada fora. Cada grão é um grão, cada palavra é uma palavra. Impressa então, já torrada e processada, mais valiosa ainda. Cada palavra foi alguém que escreveu, receita ou poesia, merecendo então um crédito só dela, independentemente de como chegou lá, na capa do Estadão.

Se nos séculos passados foi difícil fazer passar as notícias pelos jornais e para isso toda a sorte de truques foram criados e testados, nesse século o desafio será outro: fazer com que nossos textos busquem nas entranhas dos algoritmos um lugar de relevo. Fazer com que o leitor o classifique ao lado das receitas ou das reflexões, das afrontas ao sistema ou da submissão. Num mar de informação, sem “matéria de capa”, nem capa, nem nada, como questionar a ordem? Sem contexto, sem uma moldura, onde cairão nossas palavras, que leitor será sábio para tanto compreender o significado escondido quanto se deleitar no significado revelado? Como entregar-se ao leitor, o objetivo último de cada escritor, e ao mesmo tempo imunizar-se contra o delator, que é o leitor-mor do regime autoritário? Como, enfim, repensar a censura numa era de profusão de informações?

Para lidar com isso tudo, engenheiros da informação, arquitetos digitais e sociólogos da comunicação terão que trabalhar duro. As plataformas que criamos e usamos terão que ser avaliadas e redesenhadas, de forma a permitir ao leitor que faça suas melhores escolhas sobre que textos ler, aceitar, repartir. Mas isso não bastará, e não fará sentido se nós não soubermos também ler. Clarice Lispector, em um texto quase religioso, “A Repartição dos Pães”, descreve um almoço onde a comida caprichada servida a convidados apáticos acaba lhes inspirando um sentimento de comunhão. Como esses convidados, nós teremos que aprender a ler novamente, aprender a ver os “redondos tomates de pele quase estalando” no meio de uma paisagem sem graça ou, o contrário, ofuscante, pois a censura de hoje se dá pela força mas também pela ofuscação. Teremos que prender a identificar sutis diferenças em receitas quase idênticas, a dar o toque pessoal sem lhes modificar a essência. A fazer parte, enfim, de um conversa democrática difícil e necessária, onde cada qual contribui um pouco, sempre mantendo as normas mais fundamentais que nos permitem sentar à mesa.

Hora de ir para a cozinha resgatar receitas antigas.


Heloisa Pait
São Paulo, 25/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Velhice de Marilia Mota Silva
02. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
03. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
04. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
05. Um Furto de Ricardo de Mattos


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Trapaça - o Paraiso dos Amantes - Clínica do Pecado
José Edson Gomes - Ricardo Veronese - Vic Lester
Cedibra
(1977)



Terra - Trilogia Enigma Das Fronteiras V.2
Ana Eduarda
N/d
(2012)



Comunidades de Base no Brasil
Almir Ribeiro Guimarães
Vozes
(1978)



Philia para Colorir
Padre Marcelo Rossi
Principium



Go Girl: uma Nova Brincadeira
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2007)



Take Over - Volume Único - Livro do Aluno
Denise Santos
Lafonte
(2011)



Guia Para Aguias Que Acreditam Ser Frangos
Mello, Anthony De
Academia



Instituições de Direito Civil- Vol. 5-direito de Família
Caio Mário da Silva Pereira
Forense
(1979)



Alternativas Poético-políticas ao Direito
Willis Santiago Guerra Filho
Lumen Juris
(2014)



Dicas de Alimentos e Plantas para a saúde
Sergio AugustoTeixeira
Ediouro
(1983)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês