Uma Receita de Bolo de Mel | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Quinta-feira, 25/10/2018
Uma Receita de Bolo de Mel
Heloisa Pait

+ de 10900 Acessos

Um bolo de mel é uma presença indispensável para um feliz ano novo judaico. Cada família tem sua receita, mas elas convergem em trazer o mel, produto doce antigo, anterior ao açúcar, para simbolizar a alegria e a esperança de um novo ano, e também algo que contraste com essa doçura, mas sem amargor: um condimento como o cárdamo ou o canela, ou alguma adaptação tropical.

As receitas todas têm algo em comum: são muito simples. Para ensinar uma criança a cozinhar, é uma boa pedida, pois é gostoso misturar os ingredientes e, depois disso, não há muito o que fazer além de despejar numa travessa e assar. Entretanto, na vida moderna, essa facilidade pode ser um problema, pois reservamos pouco tempo para o bolo e na pressa esquecemos alguns detalhes que fazem toda a diferença.

Os saberes culinários são passados de mãe para filha, mas a minha sempre trabalhou muito, e sua unívoca receita era a seguinte: “Quando entrar na cozinha, seu objetivo é sair de lá o mais rápido possível.” Então em minha casa as receitas foram passadas de cadernos de receitas para nossa cozinheira, a Terezinha, de saudosa memória, e dela para nós, observadores atentos. Em raros casos foram passados de nossa avó materna, igualmente de saudosa memória, mas pela crítica implacável a tudo e todos, também de culposo alívio.

Com o bolo de mel aconteceu de recebermos duas receitas. Minha mãe tinha um respeito comovente pela própria mãe, uma devoção ainda maior pois conhecedora de todos os seus defeitos enquanto ser humano, distinto de meu pai que adorava uma mãe idealizada que, no que me conste, nunca nos amou. Aliás, nunca nem conversou conosco, presa a um mundo só dela que também nunca compartilhou. Mas cozinhava bem.

Um dia essa avó, que vejo mais como sogra de minha mãe que como avó minha, sentenciou a respeito da nora: “É. Filha é filha; nora é nora.” Minha mãe concordou geometricamente: “E mãe é mãe; sogra é sogra.” A mesma matemática fazia minha mãe anotar em seu ensebado livro de receitas a receita de bolo de mel da vó Fanny, sua sogra, que reconhecia como superior.

E segue portanto a receita.

São 4 ovos.

1 copo de açúcar, que sempre economizo, pois pra que tanto açúcar? Uso mascavo, inda por cima.

1 copo de mel. Esse não se economiza. Um dia usei melaço, e não deu certo. É mel e mel mesmo.

3 copos de farinha. Por que seriam copos, e não xícaras? Na casa de meu pai tomava-se sopa em copos, para estranhamento das crianças. Era o hábito.

Meio copo de café. Aqui é a coisa.

4 colheres de azeite. Na minha versão, é meio copo de azeite, que também sempre economizei. Acho que 4 colheres será pouco, entretanto.

1 colher de chá de bicarbonato e 1 colher de chá de pó royal. Veja que essencialmente se trata do mesmo produto. Eu simplesmente ponho uma colher generosa de pó royal, uma colher de sopa rasa, que deve dar umas 3 de chá.

A receita, como disse, é simples: misture tudo. Melhor misturar o pó royal na farinha, para ficar distribuído, antes de misturar essa com os ingredientes molhados. Melhor bater os ovos, ou ao menos misturá-los, antes de jogar o mel e o café. Melhor, enfim, usar o mínimo de bom senso para fazer a massa fluida e dourada, já tentadora antes de entrar no forno.

Agora, é hora de untar a forma, o que pode ser feito com manteiga ou óleo, depois polvilhada com alguma farinha. Muito óleo ou muita farinha, aqui, vai aparecer no final. Seja comedido. E as nozes?

O mesmo bolo com nozes fica muito melhor: use nozes em pedaços para misturar à massa e nozes partidas ao meio para a cobertura. Antes de juntar à massa, passe os pedaços pequenos e as metades pela farinha, para que não grudem na massa. As metades você deve colocar depois de despejar a massa na forma, de modo geométrico. Já os pedaços pequenos eu não sei como misturar na massa para que fiquem no meio do bolo assado.

Você acharia que o bolo de minha avó materna é muito distinto deste, para que justificasse a traição culinária de minha mãe. Mas comparando as duas receitas, notei que a grande diferença é que a receita é em xícaras, e portanto vão apenas 3 ovos. Como uma mera diferença de proporção poderia fazer tanta diferença? Não tenho a quem perguntar, estando as duas avós e minha própria mãe mortas e enterradas, a uma respeitosa distância, umas das outras, no cemitério do Butantã. A receita pede ainda apenas uma colher de chá de pó royal, mas há uma nota dizendo: “pode por mais”. A única diferença de ingrediente é que, ao invés do café, vai muita canela.

Meu erro é sempre descuidar dos detalhes. Por exemplo, é importante sacudir bem as nozes para tirar a farinha, de modo a evitar que restem bolotas brancas no belo bolo moreno. Também esqueço de virar a forma do bolo para que ele asse por igual, sem queimar nos locais que ficaram mais próximos do calor. O bolo fica bom de qualquer modo, mas a estética se perde com a pressa. Neste ano me enchi do café, e não me lembrava da canela. Do nada, botei a polpa de dois maracujás direto na massa, e meus convidados amaram. Com um pouco mais de esmero, eu teria coado a polpa e o bolo teria saído sem as sementes crocantes da fruta tropical.

Enfim, a receita é essa, simples mas cheia de significados. Tradicional, mas aberta a inovações. Profundamente pessoal, mas parte de um viver coletivo. Há momentos de escolha decisivos, mas há também o ato mecânico de bater e misturar e assar. Há ingredientes insubstituíveis e outros que se alternam no banco reserva. A ciência do bolo é simples, e se o bolo ficar bom deve mesmo ao bom senso.

Com esse texto, reinauguro nas páginas jornalísticas o hábito salutar, perdido com a redemocratização, da publicação de receitas de bolos além dos cadernos culinários. Nos anos 1970, era comum que se comprasse o Estadão e, ao invés da notícia, ali estavam receitas, poesias e mesmo um vazio estrondoso, maior que o da Bienal do Vazio de 2008. Os mais informados liam os poemas como um sinal de que uma outra notícia, de um fato relevante, tivesse sido censurada. Falavam com amigos e tentavam descobrir de que se tratava, pois ao menos os jornalistas sabiam. Outros, talvez mais ingênuos, celebravam a pausa do noticiário, testavam receitas novas e contemplavam versos bonitos. Já os sábios faziam as duas coisas: registravam a ausência de notícia e iam para a cozinha dar vida a receitas. É que as palavras são como as farinhas: por que desperdiçar? Você pode usar farinha de rosca ou de trigo, mas use na medida certa, sem jogar nada fora. Cada grão é um grão, cada palavra é uma palavra. Impressa então, já torrada e processada, mais valiosa ainda. Cada palavra foi alguém que escreveu, receita ou poesia, merecendo então um crédito só dela, independentemente de como chegou lá, na capa do Estadão.

Se nos séculos passados foi difícil fazer passar as notícias pelos jornais e para isso toda a sorte de truques foram criados e testados, nesse século o desafio será outro: fazer com que nossos textos busquem nas entranhas dos algoritmos um lugar de relevo. Fazer com que o leitor o classifique ao lado das receitas ou das reflexões, das afrontas ao sistema ou da submissão. Num mar de informação, sem “matéria de capa”, nem capa, nem nada, como questionar a ordem? Sem contexto, sem uma moldura, onde cairão nossas palavras, que leitor será sábio para tanto compreender o significado escondido quanto se deleitar no significado revelado? Como entregar-se ao leitor, o objetivo último de cada escritor, e ao mesmo tempo imunizar-se contra o delator, que é o leitor-mor do regime autoritário? Como, enfim, repensar a censura numa era de profusão de informações?

Para lidar com isso tudo, engenheiros da informação, arquitetos digitais e sociólogos da comunicação terão que trabalhar duro. As plataformas que criamos e usamos terão que ser avaliadas e redesenhadas, de forma a permitir ao leitor que faça suas melhores escolhas sobre que textos ler, aceitar, repartir. Mas isso não bastará, e não fará sentido se nós não soubermos também ler. Clarice Lispector, em um texto quase religioso, “A Repartição dos Pães”, descreve um almoço onde a comida caprichada servida a convidados apáticos acaba lhes inspirando um sentimento de comunhão. Como esses convidados, nós teremos que aprender a ler novamente, aprender a ver os “redondos tomates de pele quase estalando” no meio de uma paisagem sem graça ou, o contrário, ofuscante, pois a censura de hoje se dá pela força mas também pela ofuscação. Teremos que prender a identificar sutis diferenças em receitas quase idênticas, a dar o toque pessoal sem lhes modificar a essência. A fazer parte, enfim, de um conversa democrática difícil e necessária, onde cada qual contribui um pouco, sempre mantendo as normas mais fundamentais que nos permitem sentar à mesa.

Hora de ir para a cozinha resgatar receitas antigas.


Heloisa Pait
São Paulo, 25/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
05. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM ESTUDO EM VERMELHO/O CÃO DOS BASKERVILLES
CONAN DOYLE
ABRIL
R$ 10,00



LASER INTERMEDIATE: GRAMMAR BANK
MAC MILLAN
MACMILLAN ELT
(2005)
R$ 10,00



FIQUEI COM O SEU NUMERO
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2012)
R$ 32,00



MARCADA
P. C. CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 4,99



PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS - UMA VISÃO HUMANÍSTICA
PETER L. BERGER
VOZES
(1994)
R$ 10,00



LENDAS E MITOS DO BRASIL - SANTOS
THEOBALDO MIRANDA SANTOS
NACIONAL
(1975)
R$ 14,80



MAGISTRATURA ESTADUAL EDITAL SISTEMATIZADO
LEONARDO DE MEDEIROS GARCIA / ROBERVAL ROCHA
JUSPODIVM
(2014)
R$ 35,00



UM AMIGO NO ESCURO (VEREDAS)
MÁRCIA KUPSTAS
MODERNA/ SP.
(1994)
R$ 28,90



A CAIXA DE SONHOS
LUCI GUIMARÃES WATANABE
ATUAL
(1989)
R$ 4,50



ARTE E VINHO
FERNANDO MIRANDA
AXCEL BOOKS
(2001)
R$ 59,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês