As cicatrizes da Africa na Mocambique de Mia Couto | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diálogos de Platão, pela editora da Universidade Federal do Pará
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
>>> O Free, de Chris Anderson
>>> Cioran e a arte da provocação
>>> A man in full
>>> Maultaschen no Bier & Mais
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> O desconhecido do MSN
>>> Pizzaria São Paulo
Mais Recentes
>>> História Rio Grande do Sul – 4º ou 5º Ano de Felipe Piletti pela Ática (2011)
>>> Gramática do Cinema de Marie France Briselance e Jean Claude Morin pela Texto & Grafia (2011)
>>> A Linguagem do Cinema de Robert Edgar-Hunt , John Marland , Steven Rawle pela Bookman (2013)
>>> Cartas de um Piloto de Caça de Fernando Correa da Rocha - Heloisa Rocha Pires pela Ouro sobre Azul (2012)
>>> Figuras Traçadas na Luz. A Encenação no Cinema de David Bordwell pela Papirus (2009)
>>> Diretor e Ator no Cinema de V. I. Pudovkin pela Iris
>>> Geografia Rio Grande do Sul – 4º ou 5º Ano de Igor Moreira pela Ática (2010)
>>> Sobre Direçao de Cinema de David Mamet pela Civilização Brasileira (2010)
>>> O Cinema e a Encenação de Jacques Aumont pela Texto & Grafia (2008)
>>> Técnicas de Edição para Cinema e Vídeo de Ken Dancyger pela Campus (2003)
>>> Num Piscar de Olhos de Walter Murch pela Zahar (2004)
>>> Produção de Imagem e Som de Jan Roberts Breslin pela Campus (2009)
>>> A Verdade de Cada Um de Amir Labaki (org.) pela Cosac & Naif (2015)
>>> Introdução ao Documentário de Bill Nichols pela Papirus (2007)
>>> Projeto Presente - Língua Portuguesa 4º Ano de Vaz, Elody Nunes Moraes & Rosângela Veliago pela Moderna (2015)
>>> Projeto Presente - História 4º Ano de Ricardo Dreguer & Cássia Marconi pela Moderna (2015)
>>> Projeto Presente - Geografia 4º Ano de Neuza Sanchez Guelli & Cíntia Nigro pela Moderna (2015)
>>> Assassinato sem Memória de Sérgio Bandeira de Mello pela Razão Cultural (2000)
>>> O Fado de Rudi de Jair Lisboa pela Jl (2016)
>>> Recordes do Homem - 101 Recordes de Mônica Sánches Peréz pela Ciranda Cultural (2014)
>>> 11 in Campo - Racconti Di Calcio Brasiliano de Roberta Fregonese e Paola Vallerga Traduzione pela E/o (1998)
>>> Projeto Presente - Matemática 4º Ano de Luiz Márcio Imenes, Marcelo Lellis & Estela Milani pela Moderna (2015)
>>> Alex Rider Contra Stormbreaker de Anthony Horowitz pela Publifolha (2003)
>>> Meia Culpa de Leda Miranda Huhne pela Uapê (1999)
>>> A Queima Roupa de Greg Rucka pela Landscape (2003)
>>> Histórias para Contar, Amigos para Encontrar 1950 - 1979 de Ana Paula Soares pela Aeita (2012)
>>> Anjo da Morte - Horas Em Suspense de James Anderson pela Francisco Alves (1979)
>>> O Último Verão de Copacabana de Sonia Coutinho pela José Olympio (1985)
>>> O Gerente e o Estresse - Faça o Estresse Trabalhar para Você de Karl Albrecht pela Zahar (1988)
>>> Clube de Matemática: Jogos Educativos 1 de Mônica Soltau da Silva pela Papirus (2010)
>>> Gertrudes e Cláudio de John Updike pela Companhia das Letras (2001)
>>> Retrato de um Casamento - Com Ilustrações de Nigel Nicolson pela Nova Fronteira (1973)
>>> Projeto Presente - Ciências Naturais 4º Ano de Lilian Bacich, Célia R. Carone & Edilson A. Pichiliani pela Moderna (2015)
>>> Mulheres Poderosas no Trabalho de Elizabeth Hilts pela Academia (2013)
>>> Contos Brasileiros 2 - para Gostar de Ler 9 de Clarice Lispector e Outros pela Ática (2005)
>>> Fogo-fátuo de Patrícia Melo pela Rocco (2014)
>>> A Matemática Através de Brincadeiras e Jogos de Ivana V. D. Aranão pela Papirus (2004)
>>> Matemágica - Historia, Aplicações e Jogos de Fausto Arnald Sampaio pela Papirus (2005)
>>> Plano de ataque de Ivan Sant pela Objetiva (2021)
>>> A seta do tempo de Martin amis pela Rocco (1991)
>>> Abraçou-o e o Cobriu de Beijos - Lectio divina sobre a parábola do pai misericordioso de Marko Ivan Rupnik pela Paulinas (2005)
>>> Le Guide des Égarés de Moïse Maïmonide pela Rieder (1930)
>>> Primeiros Passos 126 - O Que é Aborto de Danda Prado pela Brasiliense (1991)
>>> Revista arquitetura & construçao--fevereiro de 2005--telhado sem erro. de Abril pela Abril (2005)
>>> Arquitetura & construçao--fevereiro de 2007--65 opçoes de pisos. de Abril pela Abril (2007)
>>> Revista arquitetura & construçao--junho de 2007--luxo & basico de Abril pela Abril (2007)
>>> Revista arquitetura & construçao--outubro de 2006--estrutura de madeira. de Abril pela Abril (2006)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2012--reformas 32+20 de Abril pela Abril (2012)
>>> Revista arquitetura & construçao--maio de 2007--morar em apartamento. de Abril pela Abril (2007)
>>> Arquitetura & construçao--junho de 2006--telhas de Abril pela Abril (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 5/12/2006
As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto
Marcelo Spalding

+ de 13000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

As feridas da África são profundas: cinco séculos de colonização, escravização do povo, exploração das minas, violências físicas e culturais como apagamento das tradições, dos cultos, das crenças, das línguas e das organizações sociais. Feridas tão profundas quanto antigas que impediram os países não apenas de se projetarem no mercado globalizado internacional como tiraram deles qualquer perspectiva de futuro. De presente.

Vejamos o caso de Moçambique, uma nação que compartilha com nós, brasileiros, a mesma língua e a mesma colonização portuguesas. Em Moçambique - país independente há cerca de trinta anos e em paz há menos de quinze - mais da metade da população é analfabeta, 1,5 milhão de pessoas estão vivendo com o vírus da Aids e a expectativa de vida não supera os 50 anos. Um índice muito comentado por aqui, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano da ONU), sintetiza bem essa realidade: enquanto Portugal ocupa a 28º posição com índice de 0,904, o Brasil está na 69ª posição com um IDH de 0,792 e Moçambique tem um índice que é metade do brasileiro, 0,390, e aparece como o 168º país menos desenvolvido entre 177 países pesquisados.

Fadado ao ostracismo e esquecimento por aqueles que tomam decisões nas cadeiras da ONU ou do Banco Mundial, o país encontrou um meio de expressão na velha e européia literatura, que nas mãos de escritores africanos como Mia Couto ganhou variações formais, novas preocupações, novos conflitos e transformou-se em voz dos milhões de moçambicanos em situação de extrema miséria. Mas não espere de Mia Couto (jornalista, biólogo, ex-militante político e descendente de portugueses) densos romances criticando a condição de vida dos africanos ou acusações contra a colonização portuguesa. Mia evita tratar das questões sociais de seu país de nascença de forma panfletária, combativa ou mesmo direta, prefere o lirismo a que a literatura se permite, a sutil representação de personagens e enredos complexos em textos cheios de ironia, ambigüidade e questionamentos, textos feitos ao gosto do público pós-moderno que compra e lê livros - e que naturalmente não está em Moçambique. Dessa forma, o autor é um dos mais europeus dos africanos e ao mesmo tempo o que talvez mais faça pela situação miserável de seu país desde Vozes Anoitecidas, o primeiro livro de contos, em 1986, até O outro pé da sereia (Companhia das Letras, 2006, 332 págs.), romance lançado agora e com edição também no Brasil.

Romance seguro de autor maduro, O outro pé da sereia consolida a forma Mia Couto de escrever - aqui com menos neologismos e mais espaço para ditos populares -, assim como recoloca a difícil retradicionalização africana no centro da narrativa. A questão fundadora das personagens, tanto do afro-americano que desembarca na Moçambique dos anos 2000 em busca do passado de seus ancestrais quanto dos filhos daquela terra que se esforçam por "inventar uma África" ao gosto do estrangeiro, é descobrir suas origens. Em momento avançado da obra um dos africanos dirá à esposa do estrangeiro: "Nós também não sabemos de onde viemos"; e eis a síntese da dificuldade que têm as pessoas e o país como um todo de se inserir num cenário internacional sem sequer reconhecer suas raízes.

Sintomático dessa busca por raízes profundas é a divisão que o autor faz da obra em duas histórias paralelas, que alternam-se capítulo a capítulo: uma que conta a chegada dos estrangeiros na Moçambique de 2002 e outra com a viagem de um padre português e sua santa abençoada pelo Papa a uma Moçambique selvagem no ano de 1560. Quem liga as duas histórias é uma humilde camponesa, Mwadia, ao encontrar em 2002 a estátua e alguns escritos desse padre, D. Gonçalo da Silveira, e seguir rumo à cidade para abrigar a santa com segurança.

Mas se você já leu o romance sabe que dizer que Mwadia liga as duas histórias é um exagero para uma mente racional como a de nosso leitor ocidental. Mwadia é um fio condutor com o qual o narrador costura (nem sempre de forma evidente, nem sempre de forma feliz) uma teia de acontecimentos, conflitos e personagens, permitindo que a obra trate ao mesmo tempo de política, relações pessoais, identidade, memória, permanência, pertencimento e morte. Nas pouco mais de trezentas páginas desfilam pelo menos dez protagonistas, que se alternam ao longo dos dezenove capítulos, todos com histórias complexas e muita ambigüidade, especialmente em relação a suas origens e personalidades, fazendo com que o leitor navegue em águas revoltas e sem segurança do seu destino.

Fundamental para entender essa teia é ler as epígrafes dos capítulos, que como já é tradicional em Mia Couto são excertos de frases das personagens do romance. Em uma delas está expressa a sina que move o romance, as personagens e também o narrador:

"Eis a nossa sina: esquecer para ter passado,
mentir para ter destino."


Tal sina é muito bem representada em certa cena em que os moçambicanos apresentam para o afro-americano uma árvore conhecida como "a árvore das voltas: quem rodasse três vezes em seu redor perdia a memória, deixaria de saber de onde veio, quem era os seus antepassados. Tudo para ele se tornaria recente, sem raiz, sem amarras. Quem não tem passado não pode ser responsabilizado" (p. 276). Desta forma, esquecer o passado torna-se a única forma de suportar as dores e não abrir ainda mais as feridas, pois os africanos seriam obrigados a reconhecer, por exemplo, que não apenas os brancos escravizaram e mataram os negros como também os negros escravizaram e mataram os próprios negros.

Por isso Mia Couto em sua obra vai além de questões político-sociais contemporâneas: acredita ele que para resolver os problemas moçambicanos - e de resto os problemas do continente - é preciso que o africano reencontre suas origens, suas tradições, seus cultos, suas crenças. Tal posicionamento explica porque em O outro pé da sereia não há apenas a história de Vila Longe e Mwadia no ano 2002, história por si só rica e interessante, mas também, intercalada, a história de D. Gonçalo em 1560: Mia aponta para este período como fundador da identidade africana, mas não para pensar num paraíso negro anterior à presença do branco nem para sugerir o pacifismo da raça negra, e sim para mostrar como a mistura estava acontecendo já àquela época com a presença de indianos, de tribos diversas e cultos diversos ao longo do enorme continente.

Em suma, Mia se nega a inventar uma África exótica e disposta a tudo para voltar a viver como nos tempos idos. Mia se nega a falar de florestas e animais selvagens ou crianças morrendo famintas nas estradas de terra, optando por representar as profundas feridas - mais ou menos cicatrizadas - que perpassam não apenas a nação moçambicana mas todo o continente africano, antes tão explorado e agora tão esquecido pelos racionais e globalizados do ocidente.

Nota do Editor
Leia também "Mia Couto revisitado".

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 5/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP de Elisa Andrade Buzzo
03. Textos movediços de Carla Ceres
04. Tchekhov, o cirurgião da alma de Jonas Lopes
05. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* de Adriana Baggio


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2007
13h54min
É difícil ser pessoa expressiva no mundo. Para mim, pessoa não é aquele que existe neste planeta mas, sim, que vive. Viver é compartilhar o seu saber com os outros pois, assim, passa a ser servidor activo e contribuinte valente das necessidades dos outros. Escrever com cultura é o que se quer e as obras do Mia Couto carregam algo disso, desterram o passado, mexem o presente e profetizam o futuro da vida para lá onde vamos. Não é por mero acaso que as ideias do Mia estão aí em todo o mundo a ser lidas como bíblia. Essa forma de escrever que cobre todo o planeta e encanta a todos, nasceu nas mãos dum escritor sábio, valente e único. Esta riqueza literária reside num canto oriental dum país africano miserável que, nos olhos do mundo, o dão o lugar "168". Colonizaram-nos durante séculos e não desenvolveram o país e vêm agora com números estatísticos de que são "superiores" a nós. Que pobreza é esta? Quem nos tornou tão assim, como somos? Parabéns, Mia Couto, pela competência da sua pena e do seu papel.
[Leia outros Comentários de Jorge Julio Manhique]
11/9/2007
07h19min
Orgulho-me por ter o Mia Couto como nosso "compatriota" e também por ele ser um homem que não cansa do trabalho que faz, pois o trabalho é que faz o homem que ele é.
[Leia outros Comentários de horacio uacitela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ELITE DA TROPA
LUIZ EDUARDO SOARES E OUTROS
OBJETIVA
(2006)
R$ 10,00



STAR ISLAND
CARL HIAASEN
SPHERE
(2011)
R$ 10,00



JERICOACOARA SONHADA
ALESSANDRO GAGNOR GALVÃO
ANNABLUME
(1995)
R$ 10,00



A ERA DOS AUTÔMATOS
P. E. CLEATOR
COMPANHIA NACIONAL
(1960)
R$ 10,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 10,00



OS FUNERAIS DA SANTA SÉ
AMÉRICA DELGADO - GUERRA JUNQUEIRO ESPÍRITO
FEB
(1974)
R$ 10,00



VERDES ANOS
LUIZ FERNANDO EMEDIATO
EMW
(1984)
R$ 10,00



SÓ ENTRE NÓS ABELARDO E HELOÍSA
JÚLIO EMÍLIO BRAZ JANAINA VIEIRA
SARAIVA
(2000)
R$ 10,00



GANDHI POR ELE MESMO
MARTIN CLARET
MARTIN CLARET
(2003)
R$ 10,00



O PRÍNCIPE - 3799
NICOLAU MAQUIAVEL
SARAIVA
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês