Por que o petrolão é muito diferente do mensalão | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/12/2014
Por que o petrolão é muito diferente do mensalão
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos

* Porque é muito maior: O mensalão não chegou a 200 milhões de reais. O petrolão chegou inicialmente a 10 bilhões, segundo o doleiro Alberto Youssef, mas já se fala em 20 bilhões de reais (pelas estimativas da operação Lava Jato).

* Porque ultrapassa as fronteiras nacionais: Antes mesmo da última eleição, apareceu uma ramificação na Holanda, que a presidente Graça Foster prontamente ocultou (na CPI da Petrobras). Só que a Holanda se pronunciou oficialmente agora. E, nos Estados Unidos, já abriram dois processos, de investidores contra a Petrobras, por perdas e danos. "Podem quebrar a empresa", disse um dos advogados entrevistados.

* Porque o escândalo não tem "defensores": Márcio Thomaz Bastos, o advogado do diabo, morreu. Foi ele quem salvou Lula do processo de impeachment, como ministro da Justiça, em 2005. E foi ele quem, como advogado dos "mensaleiros", classificou o mensalão como "uma fantasia", em pleno STF em 2012. José Eduardo Cardozo, atual ministro da Justiça, já reconheceu, nas páginas amarelas da Veja em 2008, que "o mensalão existiu". (Até o momento, Cardozo não negou a existência do petrolão.)

* Porque Dilma Rousseff não é Luiz Inácio Lula da Silva: Dilma não teve problema em ser "leviana" nos debates contra Aécio Neves. Mas não iria tão longe quanto Lula, que foi à TV portuguesa e proclamou: "O mensalão não existiu" (o vídeo está no YouTube). Nem o próprio Lula iria tão longe agora. Quando perguntado, recentemente, sobre o petrolão, respondeu: "Perguntem à Polícia Federal". Como se ele não tivesse sido presidente da República quando a história toda começou (2006 ou 2004, dependendo da fonte). Dilma ainda não negou o petrolão, até porque já passou da hora: Holanda e Estados Unidos atestam que o petrolão existiu. Dilma prefere não dar nenhuma declaração nesse sentido. Passa a bola para seu ministro da Justiça, que não é nenhum Márcio Thomaz Bastos, e que tem se atrapalhado cada vez mais.

* Porque o governo não está "fechado" com Dilma sobre a questão: Ao contrário de Lula, que combinou com todo mundo - desde os dirigentes do PT até o ministro da Justiça, até o PSDB -, só deixando escapar Roberto Jefferson e Duda Mendonça, Dilma combinou com Cardozo, mas "seu" procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acaba de declarar que os diretores da Petrobras deveriam ser "demitidos". Cardozo, na maior cara de pau do mundo, rebateu dizendo "não haver indícios" contra a diretoria. (A mesma diretoria de Paulo Roberto Costa, que é réu confesso, de Renato Duque, que já foi preso, e de Nestor Cerveró, responsável pela compra suspeitíssima da refinaria de Pasadena.) Fora Jorge Hage, que, ministro da Controladoria-Geral da União, se demitiu no meio do escândalo.

* Porque o PT não é mais o mesmo: Lula, que socorreu Dilma durante a campanha, já fugiu da questão (mandando perguntarem à Polícia Federal). José Dirceu, ex-braço-direito de Lula, estava preso, acaba de ser solto, mas já (re)apareceu no suposto escândalo das empreiteiras, com uma "consultoria" suspeita, e portanto não vai ajudar. José Genoíno, ex-presidente do PT, continua preso, e doente (dizem). Sobra Aloizio Mercadante, que não é nenhum José Dirceu, e que já deve estar "ajudando", à sua maneira. Sobra Rui Falcão, que, nessas horas, só serve para dar declarações inócuas, e que deve estar tentando "controlar" a mídia (e a internet), mas agora é tarde. (Fora que Rui Falcão não vai se oferecer ao sacrifício como o ex-presidente José Genoíno.) João Vaccari Neto? Vaccari Neto não é nenhum Delúbio Soares e não parece ter vocação para se fazer de "bobo", a fim de concorrer a uma vaga de "herói da pátria". Dilma se encontra sem socorro. Ou porque fugiram da raia, ou porque foram presos ou porque não têm como ajudar mesmo. Restam os "postes"... Fernando Haddad? Nem Marta Suplicy está mais do lado do PT... (Parlamentares do PT estão, supostamente, implicados no escândalo...)

* Porque a oposição não é mais a mesma: Deixar passar o impeachment de Lula em 2005 foi um erro. O PSDB, provavelmente, se arrepende hoje. E FHC deve se arrepender também. Eles achavam que Lula iria "sangrar" até perder a eleição, mas ele se refez e, em 2006, ganhou de novo. O PSDB escolheu um candidato fraco também: Geraldo Alckmin, que, até hoje, não faz *aquela oposição* ao PT. Felizmente, nem só do PSDB vive, hoje, a oposição brasileira. Temos Ronaldo Caiado que, aliás, foi o primeiro a solicitar a demissão de toda a diretoria da Petrobras. Temos Aécio Neves - que é do PSDB - mas que está se deixando empurrar para a direita (sabiamente). Temos as manifestações. Temos as redes sociais. Temos uma imprensa mais crítica (apesar de toda a mídia estatal). E teremos até um novo Congresso Nacional, com mais oposicionistas, em 2015.

* Porque o *Brasil* não é mais o mesmo: Além de toda essa movimentação cívica, o Brasil, como país, não está com essa bola toda. Em 2005, o Brasil era BRIC, estava em pleno "boom" das commodities. O auge da bolha aconteceria em 2009, com a capa da Economist. Era difícil contrariar Lula - associado a toda a pujança - naquela época. Agora, a bolha já estourou. Eike Batista, como símbolo-mor daquele período, inclusive se lamentou por ter virado "classe média". (Medo da Marilena Chauí?) Nem a China, grande cliente do Brasil, é mais a mesma. E nem o *petróleo* é mais o mesmo. Se a cotação do barril continuar caindo, nem o Pré-Sal será viável mais... E a Petrobras pode se converter numa nova OGX, guardadas as devidas proporções...

É por essas e por outras que o final da história do petrolão vai ser muito diferente do final do mensalão. Hoje não temos um Joaquim Barbosa, mas temos um Sérgio Moro. A diretoria da Petrobras será implicada, mesmo que, agora, fuja dos holofotes. Já está implicada fora do Brasil. Mesmo que Sergio Gabrielli se esconda numa secretaria de Estado no governo da Bahia. E mesmo que Graça Foster seja amiga de Dilma. Isso tudo só piora as coisas. Como Dilma foi presidente do Conselho de Administração, será, no mínimo, implicada como executiva. E mesmo que não enseje processo de impeachment, o petrolão, como um dos maiores escândalos de corrupção da República, será desmoralização o suficiente para fazer todo mundo cair, desde a diretoria até a presidente, até o presidente do Conselho, até a presidente da República.


Julio Daio Borges
São Paulo, 11/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Escritor: jovem, bonito, simpático... de Marta Barcellos
02. Foi apenas um sonho de Marcelo Spalding
03. Podcast mental de Adriana Carvalho
04. Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois de Daniela Sandler
05. Uma derrota moral de Daniela Sandler


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PÃO E CHOCOLATE
CLARA DE GÓES
GARAMOND
(2002)
R$ 7,29



OS MÓVEIS E SEUS ESTILOS ATRAVÉS DOS TEMPOS E SEU EMPRÊGO DECORATIVO
EDMUNDO RODRIGUES
EDIOURO
(1963)
R$ 33,00



É FÁCIL MATAR
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA LPM POCKET
(2008)
R$ 25,90



A LUTA PELO DIREITO
RUDOLF VON IHERING
FORENSE
(1997)
R$ 10,00



MESTRES DA PINTURA: RENOIR
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1977)
R$ 6,90



NOVAS TECNOLOGIAS E MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA
JOSÉ MORAN; MARCOS MASETTO; MARILDA BEHRENS
PAPIRUS
(2000)
R$ 35,00



PORTUGUÊS : LÍNGUAGENS 6º ANO
WILLIAM CEREJA E THEREZA COCHAR
SARAIVA
(2015)
R$ 40,00



YONA E O ANDROGINO: NOTAS SOBRE POESIA E CABALA
MOACIR AMÂNCIO
EDUSP
(2010)
R$ 25,90



PORCOS COM ASAS
MARCO L. RADICE LIDIA RAVERA
BRASILIENSE
(1981)
R$ 4,99



UM CAPRICHO DA NATUREZA
MARK SLOUNKA
RECORD
(2011)
R$ 23,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês