Outono antecipado de seus anos | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia BR em Paris
>>> Animismo
>>> E Éramos Todos Thunderbirds
>>> Lares & Lugares
>>> Arco da Crise
>>> 24 Horas: os medos e a fragilidade da América
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> Precisa-se de empregada feia. Bem feia.
>>> I won’t dance, don’t ask me
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
Mais Recentes
>>> Cabo Anselmo - Minha Verdade de José Anselmo dos Santos pela Matrix (2015)
>>> Pablo Escobar Em Flagrante - O que meu Pai nunca me contou de Juan Pablo Escobar pela Planeta (2017)
>>> Oiobomé - A epopeia de uma nação de Nei Lopes pela Agir (2010)
>>> Simplicidade e Plenitude de Sarah Ban Breathnach pela Ediouro (2000)
>>> A Expedição da Esperança. de Neltair Pithan e Silva pela Nativa (2002)
>>> Futuro Espiritual da Terra ( Espiritismo ) de Samuel Gomes pela Dufax (2016)
>>> D. Leopoldina - a História Não Contada de Paulo Rezzutti pela Leya (2017)
>>> Maíra de Darcy Ribeiro pela Círculo do Livro (1977)
>>> O Poder da Autorresponsabilidade - A ferramenta comprovada que gera alta performance e resultados em pouco tempo de Paulo Vieira pela Gente (2018)
>>> A Face Oculta da Medicina de Paulo Cesar Fructuoso pela Lar de Frei Luiz (2013)
>>> Morte a Vossa Excelência - Entenda a verdadeira história do juiz que desafiou e abalou a máfia de Alexander Stille pela Citadel (2020)
>>> Curso de Filosofia de Régis Jolivet pela Agir (1965)
>>> O Menino do Pijama Listrado de John Boyne pela Seguinte (2007)
>>> Tiro no coração - A história de um assassino de Mikal Gilmore pela Companhia das letras (1996)
>>> Os Olhos Dourados do Ódio de José Carlos Oliveira pela José Alvaro
>>> Os quarenta dias de Musa Dagh de Franz Werfel pela Paz e Terra (1995)
>>> É isto um homem? de Primo Levi pela Rocco (1998)
>>> O Romance da Atlântida de Taylor Caldwell e Jess Stearn pela Record (1975)
>>> Dentro e fora da Broadway - O teatro moderno norte-americano de Jean Gould pela Bloch (1968)
>>> O melhor de Carmen da Silva - A arte de ser mulher de Laura Taves Civita (Org.) & Julia Tavares pela Rosa dos tempos (1994)
>>> Introdução à Filosofia de Julián Marias pela Livraria Duas Cidades (1966)
>>> Shalimar, o equilibrista de Salman Rushdie pela Companhia das letras (2005)
>>> Canhões de agosto de Barbara W. Tuchman pela Objetiva (1994)
>>> Vínculos do fogo de Alberto Dines pela Companhia das letras (1992)
>>> Massa e poder de Elias Canetti pela Melhoramentos (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/3/2011
Outono antecipado de seus anos
Maurício Dias

+ de 5000 Acessos

Talentos precoces existem desde que o mundo é mundo, em diferentes áreas. Jesus, questões teológicas à parte, foi um deles: aos doze anos impressionou os sábios do templo (Ev. Lucas 2:41-51). Mozart foi criança-prodígio: desde seus seis anos de idade seu pai levava-o, juntamente com sua irmã, em excursões por cidades europeias. Alguns alegam que Pablo Picasso foi também um exemplo, sendo aos catorze anos admitido na escola de belas artes La Lonja, de Barcelona ― mas há aqui um porém: seu pai era professor da instituição, o que pode ter facilitado sua entrada.

O Vaudeville americano das duas primeiras décadas do século XX está repleto de casos. Fred Astaire, incentivado por sua mãe, se apresentava desde os seis anos, juntamente com sua irmã Adele, dois anos e meio mais velha. Judy Garland, os Irmãos Marx... são muitos os exemplos. Alguns leitores podem já estar, com razão, chiando por achar que, ao citar os Irmãos Marx e Mozart, eu pretenda colocá-los no mesmo patamar. Não é o caso, garanto.

Há a questão de que uma parcela significativa do contingente de estrelas-mirins/adolescentes foi e ainda é explorada impiedosamente pelos pais, seja para que estes últimos compensassem frustrações de suas próprias vidas, ou pelo dinheiro, simplesmente. O há pouco falecido Michael Jackson, junto com seus irmãos, foi um dos exemplos mais notórios.

Mas estas estrelas-mirins citadas acima, em que pese a esmerada preocupação que os pais tiveram com sua preparação, o foram por méritos próprios. Foras de série que eram, provavelmente seriam celebridades em qualquer época. E, excetuando-se Jesus, cujo projeto de vida não deve ser qualificado exatamente como "carreira", os outros mantiveram suas atividades profissionais ao longo da vida adulta.

Mas eu quero falar é de outro tipo de estrela-mirim, aquela que não tem um talento específico, e só existe para atender a uma demanda.

Existem aquelas celebridades-mirins que tornaram-se famosas por encantarem principalmente ao público adulto ― formado por aqueles que tinham idade para serem seus pais ― como foi o caso da atriz-mirim Shirley Temple, que, mesmo tendo o auge de sua carreira nos anos 1930, até hoje gera clones, vide a Maísa do Sílvio Santos. Seu equivalente masculino seria seu contemporâneo Mickey Rooney, o qual, ao contrário de Shirley, seguiu carreira vida adulta afora.

Mas, sobretudo na segunda metade do século XX, foi ganhando força um público infanto-juvenil com poder de demanda, o qual desejava ver-se retratado ― de forma idealizada e irreal, claro ― no mundo pop e da mídia. Aí abriram-se as comportas para as crianças nas telas e na música pop, muitas delas adestradas e robotizadas, totalmente despidas de qualquer autenticidade.

E estes ídolos, como tudo no mundo pop, podiam ser descartados depois de devidamente usados. E, depois de descartados, o que sobrava para eles? Eram em grande parte crianças que tiveram uma infância totalmente diferenciada, sem o longo aprendizado de socialização que se costuma obter nas brincadeiras em grupo; em sua grande maioria tinham uma educação escolar altamente deficiente em detrimento de seus compromissos profissionais; muitas vezes eram detentores de um poder/potencial econômico que tornava seus pais condescendentes/subservientes; e estavam acostumadas a serem o centro das atenções, a sofrer assédio de fãs e serem paparicados.

Mas como estrelas meramente infanto-juvenis que eram, ao chegarem numa certa faixa etária perdiam seu encanto. E, de repente, aqueles que cresceram em meio ao assédio e bajulação, entre os dezoito e vinte e poucos anos de idade se viam na condição de "acabados". Um has been, alguém cujo tempo já passou. Aos vinte anos! Não é muito diferente do mundo dos esportes, este talvez ainda mais cruel, onde muitos atletas, aos trinta e poucos anos, por fadiga e lesões acumuladas ao longo da carreira, sentem que já é muito difícil competir com alguém de vinte anos.

Ao que eu lembre ― cartas para a redação se estiver errado ―, a primeira vez que o próprio mundo pop apontou este problema do ídolo-mirim esquecido foi em O que terá acontecido a Baby Jane? (What ever happened to Baby Jane?, 1962). A trama: duas irmãs idosas moram sozinhas, uma delas a ex-estrela infantil Jane (a "bebê" Jane do título), a qual, enlouquecida, vive a torturar sua irmã paraplégica, que ousou fazer sucesso depois que a carreira de Jane já estava em declínio. Jane, apesar de idosa, se veste como uma menina de dez anos.

Tudo que foi escrito acima é basicamente um preâmbulo para o que segue. E o que segue é uma resposta a uma questão que me veio à mente uma noite destas:

Que fim levaram as crianças do Clube do Mickey (The Mickey Mouse Club)?

Tendo o programa da TV americana começado em 1955, houve três gerações de crianças/adolescentes que integraram os elencos. Da última, produzida nos anos 1990, saíram nomes que protagonizaram carreiras-solo, como Christina Aguilera, Britney Spears e Justin Timberlake.

À primeira versão do programa ― a de 1955, em preto e branco ― eu não lembro de ter algum dia assistido. Annette Funicello, atriz que nos anos 1960 viraria um ícone algo kitsch graças aos "filmes de praia" que estrelou com Frankie Avalon, era um dos nomes que apresentavam esta primeira versão.

A versão que acompanhou minha infância foi o revival de 1977 a 1979, The New Mickey Mouse Club, reprisada aqui por anos a fio. Em minha defesa devo dizer que, na verdade, mesmo criança, eu queria ver apenas os desenhos da Disney ― curtas-metragens com Pato Donald e Pateta; e trechos dos longas ― que eram exibidos no programa. Eram anos pré-internet, pré-DVD, e, aqui no Brasil, até pré-video-cassete. Então, para ver o que você queria, tinha que se sujeitar a certas chaturas. Eu aturava os esquetes com os adolescentes por causa dos desenhos, e também porque algumas das meninas que apresentavam o show já me falavam aos baixos meridianos. Uma delas, Kelly Parsons, loirinha de olhos azuis, o sonho de eugenia hitlerista e uma de minhas paixões infantis, anos mais tarde seria concorrente a Miss America.

E, sendo criança, você acaba capturado por aquela eficiente estrutura que é montada justamente para este fim. Assim como os soldados ao final de Nascido para matar (Full Metal Jacket, 1987), de Kubrick, eu sabia de cor a canção que abria e encerrava o programa ― no meu caso, a versão tupiniquim, claro.

Dos jovens que estrelaram esta versão do programa, alguns morreram ― um deles por doenças ligadas a AIDS ―, outros despontaram pro anonimato, uma se revelou uma devota religiosa extremada (ou, como alguns qualificariam, uma fanática). Uma delas era irmã de um dos astros adolescentes dos anos 1980 ― Corey Feldman, o qual trabalhou em filmes como Goonies e Conta comigo. Foi o que descobri buscando os nomes que podem ser lidos neste link.

Pelo menos nenhuma das meninas virou atriz-pornô, mas houve um boato envolvendo uma das sete meninas que interpretaram a Tabitha Stephens do seriado A Feiticeira (clique aqui para ver uma lista com o elenco da série). Busquei bastante a história na internet, mas não achei confirmação. Ao que parece, uma aspirante a atriz pornô sem nenhuma conexão com a série resolveu adotar como seu nome de guerra um muito similar ao da personagem ― Tabitha Stevens. Uma homenagem, se é que se pode chamar assim.

Nota do Editor
Mauricio O. Dias é roteirista de cinema e mantém o blog Como eu era trouxa aos 18 anos.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 23/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mas se não é um coração vivo essa linha de Elisa Andrade Buzzo
02. Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões de Luis Dolhnikoff
03. Se ele não me lê de Ana Elisa Ribeiro
04. O homem que inventou o Natal de Gian Danton
05. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias
01. 100 homens que mudaram a História do Mundo - 16/3/2004
02. Crítica à arte contemporânea - 20/5/2002
03. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
04. Escrita e Artes Visuais - 21/11/2002
05. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Reis Magos
Nani
Desiderata
(2006)



Eugênia Grandet
Honoré de Balzac
Abril Cultural
(1981)



O Coração de Meu João
Hericka Medeiros
Pandorga
(2014)



O Sol Se Põe na Tinturaria Yamada - 1ª Edição
Cláudio Fragata
Pulo do Gato
(2017)



Urso Benjamim Pede Desculpas
Claire Freedman
Hagnos
(2008)



É Proibido Calar! Precisamos Falar De Ética E Cidadania
MODIFICAR
MODIFICAR



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vai para a Obra - 1ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho
Edgard Blucher
(2016)



Otaku os Filhos do Virtual
Étienne Barral
Senac
(2000)



Assim Falava Zaratustra - um Livro para Todos e para Ninguém/6ª Edição
Friedrich Nietzsche
Vozes
(2011)



Gagueiras Infantis
Claudia Regina Furquim de Andrade
Prófono
(1999)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês