Obama e o oba-oba | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
COLUNAS >>> Especial O Presidente Negro

Quarta-feira, 20/8/2008
Obama e o oba-oba
Guga Schultze

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não consigo pensar direito sobre o candidato ao governo americano, Barack Obama, mesmo que tudo aponte para que ele seja o futuro presidente. As razões desse meu impedimento mental me parecem que são duas, resumidamente.

A primeira é o descrédito geral da política americana, promovido por Bush, claro, e principalmente pelos detratores de Bush. Convenhamos, a dose foi cavalar. O presidente americano se tornou o maior boneco-de-malhar-o-judas que já existiu, virou sinônimo de escrotismo sem remédio e conjurou à sua volta o completo desinteresse pelos rumos da política americana. Ninguém mais tem saco de falar qualquer coisa sobre Bush ou sobre os rumos, as possibilidades, as nuances (não existem mais nuances) das jogadas políticas nos EUA, mesmo porque não existem mais jogadas, no sentido de ações que primam pela sutileza, é o que dizem. Só existem patadas e patuscadas.

Virou fato inquestionável que o homem representa o que há de mais obscuro em política, que ele é praticamente o irmão mais novo de satanás ou que ele é um troglodita completo, absurdamente eleito por um sistema de apuração de votos facilmente corrompível. Os EUA o elegeram aos trancos e barrancos e perderam, na seqüência, todos os votos de confiança que ainda restavam por aí. Ninguém mais quer saber de Bush, do que ele fez ou do que ainda pode fazer. Bush, na mitologia popular, virou um bicho-papão ridículo e sombrio e seu único destino concebível é o ostracismo político. "Hasta la vista, Chuck" (aquele boneco assassino do cinema) é o que se ouve das pessoas se despedindo de Bush.

Agora vem Obama, e um discreto oba-oba se instala. Eu realmente não consigo pensar livremente a respeito de Obama porque tenho que lidar com o reverso das expectativas do governo Bush, tenho que lidar com discursos excessivamente bem construídos para ser tudo o que o outro governo não foi e fico imaginando que, depois de uma tempestade, qualquer raiozinho de sol pode parecer uma bonança. Ou seja, a perspectiva fica comprometida pela simples comparação com o quadro anterior e, por último, tenho que lidar com um tabu, minha segunda pedra no caminho de qualquer tentativa de especular sobre o futuro governo americano.

Qualquer crítica que se faça a Obama deve, necessariamente, ser muito bem calculada para não ser confundida com alguma espécie de racismo. Porque Obama é negro e a confiante afirmação "não sou racista", que toda pessoa de bem, branca, negra ou verde e amarela, tem como princípio, não funciona muito aqui. O assunto não deve ser tocado porque, uma vez tocado, necessita explicação. Não se pode falar dos problemas que um presidente negro, só por ser negro, vai certamente ter que enfrentar. Qualquer menção a esses problemas revela a consciência desses problemas e, em se tratando de racismo, ninguém é mais consciente desses problemas do que um racista. E ninguém quer ser tachado de racista. Não queremos ver e não vemos problema nenhum, porque não somos mesmo racistas. Mas ignorar os problemas, que certamente surgirão, também não é uma boa postura. Lidar com esses problemas exigirá uma delicadeza e um tino político que me parece acima das capacidades da máquina administrativa de qualquer governo. Ou seja, mãos atadas num beco sem saída.

Tenho dois amigos americanos, um em Massachusetts e outro no Missouri. Brancos. O nortista não pode ser mais indiferente à eleição e o sulista é a favor de Obama. Existe a possibilidade, ventilada aqui e ali, de que as novas gerações de americanos conseguiram expurgar o amargo sentimento racial das gerações anteriores. É uma esperança e é fantástica. Seria quase um milagre e significaria uma grande revolução silenciosa. Digo silenciosa porque, me parece, não foi devidamente detectada. Ou seja, discreta demais pela sua enorme importância.

Por outro lado, não posso deixar passar batido um pensamento, muito incômodo, de que Obama se beneficia ― queira ou não, intencionalmente ou não ― desse estado de coisas, da cristalização meio forçada dessa coisa que atende pelo nome de o politicamente correto. Obama é inteligente demais para não se dar conta disso. Pretende ser o presidente de um país onde aconteceu uma guerra civil de cunho racial ― uma guerra, não um levante nem uma guerrilha ― e pretende, testando ao máximo a tolerância das facções políticas mais radicais dos EUA, ostentar um nome muçulmano na presidência de uma nação que já foi, tranqüilamente, tachada de racista.

A história recente dos EUA tem vários pequenos capítulos tumultuados versando sobre o problema racial, escritos por nomes como Malcolm X, Huey Newton e Elijah Muhammad, por exemplo. Onde muitos muros foram pichados (com muitos nomes muçulmanos, inclusive) e muitas portas foram abertas. O que é quase um eufemismo. Foram arrombadas. Até que ponto isso foi colocado para o próprio Obama, até que ponto ele tem consciência das cartas que ele tem na mão nesse jogo de pôquer (é um jogo de pôquer) e até que ponto ele tem certeza do resultado final do jogo, com blefe ou sem blefe, são perguntas que me passam pela cabeça.

Eu torço, definitivamente, para que dê certo, mas estou travado nessas questões e não consigo ir além. Não torço exatamente por ele, Obama, porque há muito já não torço para nenhum político em si, da forma pessoal que muita gente ainda insiste em praticar. Todos os políticos representam interesses diversos, econômicos e sociais. Que esses interesses representem aspirações do povo, isso é o exercício democrático numa democracia instituída. Idealmente seria assim. Que muitos políticos misturem seus interesses pessoais no coquetel que servem ao povo e que muita gente beba dessa pinga barata, é uma lástima. E que ninguém se engane, quase toda figura pública faz isso, é óbvio e ululante.

Eu torço para que o governo Obama, o que ele representa, dê certo. Mas não sou como o Jó bíblico e minha fé fraqueja o tempo todo. Me sinto como a hiena Hardy Ha-Ha, companheira do leão Lippy, do antigo desenho animado de Hanna e Barbera. Lippy é otimista ao extremo:

"Sorria, Hardy! Vamos organizar uma festa e vamos nos divertir, ho ho ho!"

Hardy: "Eu sei que não vai dar certo, Lippy".

Queira Deus, ou Alá (para ficar mais no contexto), ou melhor ainda, minha deusa preferida, a Estátua da Liberdade, que eu esteja errado.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 20/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
02. Na hora do batismo de Marta Barcellos
03. A melhor Flip de Marta Barcellos
04. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
05. Literatura engajada de Marta Barcellos


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


Mais Especial O Presidente Negro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2008
10h47min
Você entrou em um terreno delicado. Um leitor mais incauto diria que, de certa forma, você demonstra uma certa peninha de Bush e que Obama, aproveitando-se da situação em que se encontra o império, vai tentar se dar bem. E aí a sua cor pode ser uma grande aliada, nesse contexto. Bem, mas como não sou uma leitora incauta, entendi o que há por trás de seu texto e a mensagem implícita de suas palavras. Posso dizer que quem entender, vai gostar. Mais um bom texto. Parabéns. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COM VINHO E SANGUE
JANET DAILEY
RECORD
(1995)
R$ 6,00



SOCIEDADE MIDIATIZADA
ORGANIZADOR DÊNIS DE MORAES
MAUAD X
(2008)
R$ 27,00



ELEGIAS DE BIERVILLE BILINGUE
CARLES RIBA
VISOR
(1982)
R$ 50,00
+ frete grátis



AMOR NUNCA É DEMAIS
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,00



PASCHOAL CARLOS MAGNO - CRÍTICA TEATRAL E OUTRAS HISTÓRIAS
MARTINHO DE CARVALHO E NORMA DUMAR
FUNARTE
(2006)
R$ 80,00



SOBRE AS FEITICEIRAS
JULES MICHELET
AFRODITE
(1974)
R$ 50,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00



ARMANDO A BARRACA
NICK FISHER
MELHORAMENTO
(2001)
R$ 15,00



DIÁLOGOS IMPOSSÍVEIS
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2012)
R$ 15,00



CLEOPATRA
BENOIST MECHIN
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 10,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês