Fake news, passado e futuro | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> English in Formation 6 de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metodologia de análise gramatical de Ursula Wiesemann, Rinaldo de Mattos pela vozes (1980)
>>> Marketing de Guerrilha de Jay Conrad Levinson e Charles Rubin pela Record (2000)
>>> Pescadores de Corações de Padre Antonio Maria pela Universos dos Livros (2011)
>>> Modelo de Atendimento Terapêutico Com Informática - Modelo Barbosa & D de George Barbosa e Outros pela Vetor (2003)
>>> falencia da critica de leyla perrone moises pela perspectiva (1999)
>>> The Science of Jurassic Park and the Lost World de Rob Desalle & David Lindley pela Harper Perennial
>>> Contabilidade Gerencial - Nova Edição de Ray H Garrison Eric W. Norreen pela Ltc (2001)
>>> Jornalismo investigatigação - O caso Quércia de Sérgio Buarque de Gustão pela Civilização Brasileira (1993)
>>> A Vertigem da Imortalidade de Paulo Schiller pela Companhia das Letras (2000)
>>> Retalhos da Minha Vida de Laurentina Murici de Medeiros pela Do autor (2008)
>>> Tatuagem de Jenifer Lynn Barnes pela Rocco (2005)
>>> Contabilidade Financeira de Stickney & Weil pela Atlas (2001)
>>> Viver vale a pena de Lucília Junqueira de almeida Prado pela Moderna (1988)
>>> Direito e Justiça de Victor Avarbach pela Pini (1991)
>>> Revolução Em Tempo Real de William G Mcgowan pela Campus (1991)
>>> Sortes de Villamor de Nilma Lacerda pela Scipione (2010)
>>> Inventario de Desimportâncias de Grupo escritores pela Obaduque (2013)
>>> Livros de Christiane Zschirnt pela Globo (2006)
>>> A Cerimônia do Chá de Paulo Coelho pela Caras
>>> Semântica - Série Princípios de Roldofo Ilari e João Wanderley Geraldi pela Atica
>>> Kings Ransom de Ed Mcbain pela Oxford Bookworms
>>> Procura-se na Mansao Banks de Rafael Malagutti pela Sinergia (2012)
>>> Quando é Inverno em nosso coração de Américo Simões pela Barbara (2012)
>>> Indentidades Trocadas de Lisa Scottoline pela Abdr (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/8/2017
Fake news, passado e futuro
Luís Fernando Amâncio

+ de 3900 Acessos

Certa vez, me permiti assistir a um documentário sobre a existência de sereias no Discovery Channel. A teoria do documentário, baseado em evidências científicas, supostamente, dizia que uma ramificação dos primatas teria se adaptado à vida aquática. Mas, após insistentes intervalos, animações em computação gráfica de má qualidade e a opinião de especialistas nada convincentes – a dublagem pode ter culpa – o documentário terminou com uma mensagem de que tudo não passava de ficção. Que poderia ser substituída por “enganei o bobo na casca do ovo”.

Infelizmente, o tal documentário não é um caso isolado. É cada vez mais comum que ficções circulem com roupagem de notícia, só que sem mensagem no fim desmentindo seu conteúdo. Isso ganhou até um termo, fake news. E, acredite, quando uma notícia falsa circula, as pessoas não estão se divertindo com seu teor ficcional. Elas estão acreditando com todas as forças. Passou o tempo em que mentira tinha perna curta. Hoje, ela tem milhões de compartilhamentos.

Vivemos a era da pós-verdade. Não importam fatos ou apuração de fontes. Se algo é dito com convicção, é válido. A internet, infelizmente, tem se mostrado um terreno fértil para esse comportamento. Você pode estar certo ou errado, não importa. O que vale é o tom, é “lacrar” e ganhar montagem com óculos escuros e a música “Turn down for what”.

Pode parecer inofensivo se pensarmos que fake news são só notícias como “Homem morre ao fazer sexo com cobra de estimação” ou “Chupa-cabra é fotografado em fazenda do interior de Goiás”, apelos de sites sensacionalistas desesperados por cliques – e renda. A desinformação viralizada, porém, é o combustível da pós-verdade. Um perigo sendo habilmente manuseado, por exemplo, no debate político. Donald Trump não foi eleito por acaso.

Vejamos, por exemplo, uma recente polêmica nas redes sociais: classificar, após o massacre de Charlestone, o Nazismo como um fenômeno político de esquerda. Não há fundamentação teórica alguma para uma afirmação dessas. Na academia ninguém questiona isso. Não há um pesquisador sério que vá nesse sentido – pesquise antes de atacar.

Para se ter uma ideia, o argumento mais comum dessa sandice é dizer que o partido de Adolf Hitler se chamava Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Logo, se tem “socialista” e “trabalhador”, só pode ser coisa de esquerdista, esbraveja o “humano da pós-verdade”. Simples assim, para quê complicar? Pouco importa que o Nazismo tenha perseguido comunistas, não pretendia fazer distribuição de renda e, avesso ao internacionalismo, perseguia minorias, como os judeus.

Não vou me estender sobre esse debate – não vale a pena. Sugiro ao leitor, entretanto, o ótimo vídeo do canal Coisa de Nerd. É bem didático. Podemos ver que oyoutuber a quem são dadas as respostas atua como um típico “humano da pós-verdade”: com embasamento crítico paupérrimo, construído em citações rasas e fora de contexto. Mas ele tem muita convicção de estar certo.



Ao que tudo indica, a internet, depois das fake news, inventou a fake history. Com base em revisionismos e muita parcialidade, tudo é possível. Inclusive mudar um fenômeno político de extrema direita, como o Nazismo, de lado.

Se as notícias sobre o presente são fake, se a história é fake, o que será do futuro? A princípio, eu pensava que seria algo no estilo do filme Mad Max, com desertos e visual punk. Mas atualmente chuto que o futuro será pior: os eleitores do Bolsonaro deixarão de ser apenas avatares comentando notícias nos grandes portais e estarão por todos os lados no mundo real. Em resumo, o futuro, no mundo da pós-verdade, é tenebroso.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 25/8/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra de Renato Alessandro dos Santos
02. A Velhice de Marilia Mota Silva
03. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
04. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
05. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2017
01. Bates Motel, o fim do princípio - 8/12/2017
02. Fake news, passado e futuro - 25/8/2017
03. Brasil, o buraco é mais embaixo - 7/7/2017
04. O dia que nada prometia - 26/5/2017
05. Em nome dos filhos - 31/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês