Brasil, o buraco é mais embaixo | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/7/2017
Brasil, o buraco é mais embaixo
Luís Fernando Amâncio

+ de 3400 Acessos

Terminou no último domingo (02/07), a edição 2017 da Copa das Confederações. O Brasil não participou, então pouco se falou do torneio por aqui. Mesmo no cenário internacional, a competição teve importância discreta e corre o risco de ser extinguida em 2021.

Situação bem diferente ocorreu há quatro anos. Quando o Brasil sediou o evento preparatório para a Copa do Mundo de 2014, foi uma edição histórica. Muito pouco pela dimensão esportiva, é verdade. O que ganhou as manchetes de todo o mundo aconteceu fora dos estádios. Volumosos protestos cruzaram as capitais onde as partidas ocorreram e confrontaram a polícia ao tentar ultrapassar os perímetros delimitados pela Fifa como “zonas de segurança”. Era bomba pra todo lado, correria, pedrada, pneu queimado, gás de pimenta, pancadaria. Da minha janela, onde costumava ter uma vista pacata do voo de urubus e congestionamentos, eu vi, literalmente, as chamas tomarem os céus.

Eram manifestações apartidárias – inclusive hostis a bandeiras de partidos. E de pauta bem ampla. Eram contra a Copa do Mundo e as imposições de sua organização, que desrespeitavam especificidades do país-sede para estabelecer o famoso “padrão Fifa” nas arenas e seus entornos. Também protestou-se contra o aumento das tarifas de transporte coletivo, os gastos públicos, a violência policial, a recessão econômica… Em resumo, um tradicional levante “contra tudo isso que está aí”. Mas foram, sobretudo, protestos em oposição ao sistema político e à corrupção.

Dos protestos de junho de 2013 germinaram outros capítulos, de panelaços a manifestações verde-amareladas. E, se o legado da Copa, dentre outras coisas, foram estádios superfaturados e subaproveitados, o dos protestos foi, de certa forma, a queda da presidente reeleita em 2014. Afinal, os protestos legitimaram a eclosão da crise política que cuidou para que o processo de impeachment caminhasse nas devidas instâncias sem problemas. Tudo sob o pretexto das “gravíssimas” pedaladas fiscais, que fique claro.

Lá se foram quatro anos de muita turbulência. Muita coisa mudou. E a política? Houve troca de presidente, é verdade, mas voltou ao poder aquele partido que sempre esteve lá. Afinal, a história recente do Brasil ensina que não se governa o país sem fazer pactos. E um dos primeiros a exigirem que sua mão seja beijada é o PMDB. Está no poder desde 1985 e não deve sair tão cedo.

Até existe uma proposta de reforma política que deverá circular nas casas legislativas nos próximos meses. Ela mexe, basicamente, com a criação de um fundo partidário, visando um confortável financiamento de partidos para a campanha eleitoral de 2018. Duvido que alguém tenha ido às ruas em 2013 para pedir isso.

Política aqui continua sendo algo que se faz em negociatas pelos corredores de Brasília. Ou com jantares no Planalto e idas à churrascarias. É assim que Michel “tem que manter isso aí” Temer vai se manter até o fim de 2018, apesar do áudio escandaloso gravado pela JBS e de todas as denúncias e evidências envolvendo sua tropa de choque. E é assim que as reformas impopulares serão aprovadas. Pois nada pode desagradar o pato amarelo gigante da Avenida Paulista.

Ou seja, quem lutou “contra tudo isso que está aí” deve estar frustrado. Tudo continua lá. Afinal, no Brasil, o novo é um partido com as cores de um banco. É o político engomadinho, filho da elite colonial, que come pastel com cara de nojo. É uma mudança em que tudo fica igual, tirando o que piora.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 7/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
05. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2017
01. Bates Motel, o fim do princípio - 8/12/2017
02. Fake news, passado e futuro - 25/8/2017
03. Brasil, o buraco é mais embaixo - 7/7/2017
04. Em nome dos filhos - 31/1/2017
05. O dia que nada prometia - 26/5/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês