Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
>>> Um ano de blog
>>> Aracy Guimaraes Rosa
Mais Recentes
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
>>> Gramatyka? Dlaczego nie?!: Ćwiczenia gramatyczne dla poziomu A1 de Joanna Machowska pela Universitas (2014)
>>> Você e a Mediunidade de M. B. Tamassia pela O Clarim (2001)
>>> Depois da Queda de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2018)
>>> Erros e Acertos de Célia Xavier De Camargo pela O Clarim (2002)
>>> História Moderna e Contemporânea de Alceu Luiz Pazzinato; Maria Helena Valente Senise pela Ática (1998)
>>> Atlas Visual Compacto do Corpo Humano de Rúbia Yuri Tomita pela Rideel (1999)
>>> Tranca ruas das almas de João Ribeiro & Decelso pela Eco (1974)
>>> Umbanda dos pretos velhos de Antonio Alves Teixeira pela Eco (1985)
>>> O livro da bruxa de Amadeo de Santander pela Eco (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/6/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
Heloisa Pait

+ de 2200 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

Mónika subiu as escadas meio apreensiva com seu atraso, mas ninguém a esperava na porta da sala de aula. Abriu a sala, janelas, cortinas, botou o repelente na tomada e ficou esperando.

Justificava-se. Era reposição de greve, meados de janeiro. Como as outras faculdades não tinham aula, os ônibus que traziam alunos de cidades satélites não corriam. Quem tinha carro, vinha. Quem morava na cidade, também. Além disso, o curso era optativo, ou seja, só era dado no quarto ano. E no quarto ano a evasão já se fazia sentir.

Mónika gostava de números, e tinha estimado, levando em conta as graduações duplas, que apenas 27,38% dos ingressantes se formavam. Mas os números vinham da seção de alunos, de onde um funcionário tinha sido afastado por manipular o bolão semestral de jubilamentos alterando notas e faltas. Mónika sabia que seus números não eram exatos.

Pior é se não viesse ninguém e ainda ficasse doente.

Yasmin entrou na sala com o corpo inclinado, a cara meio desanimada, Mónika matou a charada na hora: catolotolo. A aluna sentou numa cadeira longe da professora, deu um bom dia desanimado e ficou em silêncio, esperando a aula começar. Mónika também ficou em silêncio, esperando alguma coisa acontecer.

– Como vai, Yasmin?

– Bem, professora, e a senhora?

Mónika sempre tinha um certo receio dessas perguntas. Outro dia mesmo um orientando havia perguntado isso e ela desatou a chorar.

– Bem. Mas você está com uma cara meio desanimada. Tudo bem mesmo?

– Não, professora. Acordei com febre e com o corpo todo duro. Nem andar direito estou andando. Vim porque...

– Catolotolo? Está dando catolotolo no campus, eu vi numa lista de discussão dos professores.

– Que é isso?

– Tipo dengue, mas dá uma dor nas juntas. Não mata, mas debilita.

Ficaram as duas em silêncio. Havia uma jovem doente, e uma adulta em boa saúde. Sabiam que não havia escapatória, a única coisa civilizada a fazer era a adulta cuidar da outra.

– Vamos ao médico, Yasmin? Acho que ninguém vem na aula.

– É verdade, ninguém vem. Sabia que eu escolho os cursos assim, professora? Se a sala está vazia, eu entro. São os melhores professores. O Nestor, a senhora.

– Que Nestor?

– O Nestor Kaingang.

– Ah, o Nestor...

Desceram até a portaria do prédio, Mónika deixou a chave da sala e disse que ia levar a aluna no médico. Foram andando lentas até a saída do campus, e lá pediram carona.

O carro era do catedrático da faculdade, um kautskista de idade já avançada, que havia escrito um livro. Entraram.

– Professor, a aluna está adoentada, conhece algum médico na cidade?

– Vou deixar vocês no posto de saúde.

– Mas vai estar lotado, melhor particular.

O catedrático proferiu um longo discurso sobre a valorização do serviço público e os efeitos do neoliberalismo sobre a solidariedade humana. Mónika teve medo. E se fosse ele que estivesse por trás das acusações da diretora? E se fosse ele o mentor de tudo?

De quê, afinal, poderiam acusá-la? De não dar “certos autores” em aula?

Em Ambaíba havia muitas clínicas de cirurgia plástica, vários pet shops, alguns escritórios de advocacia. Também uma clínica de olhos muito bonita na avenida principal, numa casa antiga e bem preservada. Além das fertilizações. Mas Mónika não se lembrava de ver clínico geral ou pediatra. Nem infectologista.

– Pára aqui! – ela gritou.

Tinha visto uma placa muito sóbria com um nome, Dr. Frederico Szmere, na transversal. Abriu a porta de trás, ajudou a aluna a sair e se despediu da cátedra sem agradecer a carona.

Na sala de espera, muita gente. Deu seu nome e o nome da aluna para a secretária, perguntou a especialidade do médico, que na pressa não tinha checado, e se sentou. O médico abriu a porta de seu consultório, passou os olhos sobre todos, chamou o próximo paciente, deu um dinheiro para a secretária, olhou novamente para os presentes na sala de espera com um jeito severo e voltou ao consultório.

A secretária pediu licença e voltou depois de quinze minutos com garrafas de Gatorade para todos, inclusive os acompanhantes. Limpou o termômetro com álcool e tirou a temperatura de cada um.

– O doutor Frederico pediu para dar dois comprimidos de Tylenol para quem está com febre muito alta – explicou.

Estavam acomodadas, hidratadas e medicadas. Talvez levasse a manhã toda, mas o Dr. Frederico inspirava confiança. Mónika então sugeriu:

– Yasmin, assim sem preparo, posso falar da história da Hungria, quer?

– Quero.

Mónika, confortável no sofá fixo da sala de espera, começou a falar de seu avô, um advogado importante de Budapest nas primeira metade do século XX. Tinha clientes grandes, industriais, senhoras da sociedade, muitos judeus. O que o colocava em contato com negócios internacionais, até na América. E garantia para a família uma vida bem confortável, até a subida do governo pró-alemão. Com a guerra, foi o caos. Os clientes deportados tinham deixado recursos em seu nome, que ele usava para que outros conseguissem sair do país ou ao menos ficassem presos ali por perto. Ao final da guerra, não tinha nada. Alguns voltaram perguntando dos depósitos, aos poucos, às vezes filhos, sobrinhos. Ele não tinha nada. Não tinha nem recibos. Não argumentava. Ficava em silêncio, até que o herdeiro visse as paredes sem pintura, as cortinas puídas, e também em silêncio fosse embora.

Não podia mais advogar. Não conseguia pedir uma procuração para alguém, não conseguia pedir confiança e muito menos cobrar por isso. Então os amigos lhe arrumaram um posto na defensoria pública, onde recebia um salário miserável mas ao menos não precisava cobrar. Estudava e se preparava para representar seus clientes como se solicitassem grandes empréstimos internacionais, mas eram causas pequenas. E perdidas, pois os jovens juízes animados com o novo governo tinham sua própria lógica, à margem da razão e do direito.

– E sua avó?

– Boa pergunta, minha avó. Minha avó era sensacional, eu a conheci bastante. Tinha crescido no bem-bom, o mundo tinha mudado algumas vezes ao longo de sua vida mas ela continuava vivendo no bem-bom. Depois da guerra, para complementar o salário do meu avô, deu aulas de piano até cansar. Cobrava pouco pois ninguém tinha dinheiro, era o socialismo. Mas dava muitas aulas. Foi chamada para dirigir uma escola estatal de música, ia toda arrumada, colar de pérolas e tal, como se fosse um trabalho beneficiente. Tratava as alunas como se fossem todas filhas da nobreza ou grandes herdeiras. E eram mesmo! Eu cheguei a ter aulas nessa escola, era divertidíssimo, Yasmin! Tudo caindo aos pedaços e minha avó lá, chique. E a música era boa. Eu não sabia tocar, mas tinha meninas que sabiam e o lugar era mágico mesmo. Nossa, minha avó no piano era uma coisa de emocionar. Recitais.

– Eram os pais do seu pai?

– Não, da minha mãe. Do meu pai, quer dizer, da família do meu pai não sei nada. Nem minha mãe sabia.

– E quando vocês chegaram no Brasil?

O médico abriu a porta do consultório mais uma vez, e já era hora da Yasmin.

– Dr. Frederico, essa é a Yasmin, hoje na aula ela não estava muito bem e resolvi trazê-la aqui, pois o senhor me foi muito bem recomendado. Eu sou professora da...

– Não precisa se apresentar, Mónika – o médico disse, com um tom um pouco impaciente, como se falasse com uma adolescente exibida. – Diga, Yasmin, quando você começou a se sentir mal?

Yasmin falou dos sintomas, da febre, das dores, de como havia melhorado com o Tylenol e as histórias da professora. O médico receitou mais Tylenol, líquidos, repouso, perguntou se Yasmin tinha dúvidas. Mónika já sentia fome, e interrompeu:

– Ela pode comer de tudo, doutor?

– Sim – o médico falou seco e anotou o celular no verso da receita.

– Mas se a Yasmin passar mal, eu não moro na cidade...

– Anotei o celular no verso da receita, Mónika, como você pôde ver – o médico respondeu já irritado, e terminou a consulta tranquilizando a jovem: – Yasmin, apenas se cuide, que isso vai passar, você é jovem e não vai ser nada. Qualquer coisa estranha, me telefone. Se tudo correr bem, volte aqui em um mês, para ver como andam suas articulações.

Saíram felizes do consultório como se tivessem passado na prova e, a convite de Mónika, foram se esbaldar na lanchonete mais famosa da cidade.

Está no ar a terceira aventura de Mónika, Um jogo de poker.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência

Heloisa Pait
São Paulo, 15/6/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
02. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
03. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cinquenta tons de cinza
E L James
Intrínseca
(2012)



Estandartes das Tribos de Israel
Plínio Martins Filho
Atiliê Editorial
(2001)



O Fabricante de Terremotos
Wilson Rocha
Ática
(1995)



Contornos do Dia Que Vem Vindo - 1ª Edição
Leonora Miano
Pallas
(2009)



Inglês: Guia de Conversação para Viagens
Folha de São Paulo
Publifolha
(1999)



O Círculo Matarese
Robert Ludlum
Nova Fronteira
(1979)



Os Portais do Santuario
Os Portais do Santuario
Esotera
(2001)
+ frete grátis



Soltando os Bichos Em Três Tempos
Lindomar da Silva
Rhj
(2011)



É Facil Decorar/ Bolos-doces-salgados Vol Ii
Francisco / Elza Henriques
Calçada
(1958)



A Estrutura do Tesão Melissa
Claudia Riecken
Universidade Quantum
(2012)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês