Notas confessionais de um angustiado (I) | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> O Mordomo do Imperador - Coleção General Benício de Américo Jacobina Lacombe pela Biblioteca do Exército (1994)
>>> Aunt Dimity, Vampire Hunter de Nancy Atherton pela Viking (2008)
>>> Der Domino Killer de Kate Pepper pela Thriller
>>> Mal Secreto Inveja - Coleção: Plenos Pecados de Zuenir Ventura pela Objetiva (1998)
>>> Conferência dos pássaros de Farid Ud-Din Attar pela Círculo do Livro (1991)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Operação Impensável de Vanessa Barbara pela Intrínseca (2015)
>>> O Momento Mágico de Jeffrey Zaslow pela Novo Conceito (2013)
>>> Cadernos do Silêncio 1990-2002 Pequeno Itinerário de Sobrevivência de Beatriz Araujo Lima Coelho pela Relume Dumará (2005)
>>> Na Toca dos Leões de Fernando Morais pela Planeta (2005)
>>> Escuta Só - do Clássico ao Pop de Alex Ross pela Companhia das Letras (2011)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2007)
>>> Johnny Depp de Danny White pela Best Seller (2012)
>>> Opostos Que Se Atraem de Julie Gilbert pela Record (1998)
>>> O Coronel Chabert de Honoré De Balzac pela Saraiva (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/10/2015
Notas confessionais de um angustiado (I)
Cassionei Niches Petry

+ de 2200 Acessos

(Trechos da minha dissertação de mestrado, formada pelas notas sobre o processo de criação do romance Os óculos de Paula e o romance propriamente dito, que foi editado no ano passado.)

(...)
IV.
Entre as angústias do processo de criação, encontra-se a angústia da influência. É o título, aliás, de um livro de Harold Bloom. As influências perseguem o escritor. Às vezes, é o escritor que as persegue. Para Raimundo Carrero, "é sempre necessário falar em influências, de que os artistas se esquivam, embora elas existam sempre: conscientes e inconscientes."

A sombra sobre mim agora é a de Enrique Vila-Matas, sombra que lembra a capa do seu livro de contos Exploradores del abismo, ilustrada com uma foto de André Kertész, tirada em 1972.


Na contracapa do volume editado pela Anagrama, de Barcelona, lê-se que, quando perguntado sobre o que estava escrevendo depois da publicação de Doctor Pasavento, Vila-Matas respondeu: "Escribo el título de un libro". A partir do título, relacionado com a sensação de estar com um abismo a sua frente depois de terminar seu romance, o escritor catalão começou a escrever os relatos, sempre relacionados ao tema.

Meu romance também começou com um título, Os óculos de Paula, citado entre as obras de uma personagem minha que é escritor em um dos contos de um livro ainda inédito. [O livro foi publicado em 2012.] O escritor da minha narrativa escreveu inclusive um livro de contos cujo título é o mesmo do livro que eu escrevi e também o mesmo de um livro infantil cujo título é o mesmo do que eu escrevi. As semelhanças com as obras de Vila-Matas não são um mero acidente de percurso.

Falando em semelhanças e sincronias, a foto de Kertész também foi usada na capa de um livro de outra das minhas influências. Trata-se de Deixe o quarto como está, de Amílcar Bettega, editado pela Companhia das Letras.

Como se pode perceber, a literatura é "um jardim de caminhos que se bifurcam", só para citar outra influência, esta não tão forte assim.

V.
Há uma pilha de livros sobre criação literária ao meu lado, alguns com o forte cheiro de cigarro do orientador, que me emprestou algumas obras. Depois de escrever os dois últimos ensaios para disciplinas do mestrado, agora é mergulhar na dissertação e no romance. Meu estudo sobre o processo de criação da narrativa longa que estou escrevendo envolve a leitura de textos sobre o assunto. Mas como essas notas são, também, sobre o possível fracasso que será meu livro - no que se refere à publicação e número de leitores -, reflito sobre outros dois fracassos anunciados.

Tenho prontos dois livros para serem publicados. Prontos é força de expressão, porque estou sempre tentando melhorar alguma coisa neles. Um é de contos, um projeto antigo, que está nas mãos de uma editora local. Iria ser publicado no início do ano passado, depois passou para o final do ano e agora, talvez, saia em 2012. [Não saiu pela editora local.] Esse já é um fracasso antes de ser publicado. Confesso que, como sempre, as esperanças são poucas, mas é o livro que está mais próximo de sair da gaveta. [Como disse, saiu em 2012 mesmo. Trata-se de Arranhões e outras feridas".]

O outro é uma narrativa infantil, já negado por uma grande editora. Fracasso na primeira tentativa de mandar para uma editora de renome. O projeto surgiu a partir de um conto, que foi ampliado, e que fazia parte do livro anterior. Talvez ainda mande para um concurso recente, que teve as inscrições prorrogadas. O prêmio é a publicação e um adiantamento de 30 mil reais pelos direitos autorais. Aliás, devido à produção dos ensaios, perdi o primeiro prazo. Seria um bom sinal a prorrogação? [O livro não foi encaminhado para o concurso.]

Isso tudo me angustia, mas é a angústia que me move. Como escreveu Raimundo Carrero, "o erro e o fracasso devem funcionar como incentivo. O ato de escrever precisa se tornar algo essencial nas nossas vidas."

VI.
Na minha adolescência, quando já pensava em seguir o caminho da literatura, tinha uma imagem bem romântica sobre o ato de escrever: uma sala repleta de livros, tendo como luminosidade apenas um abajur e em cima da mesa uma máquina Olivetti, a qual era martelada pelos dedos ágeis do escritor. Pensava que bastaria ganhar uma máquina de escrever de presente e pronto, surgiria uma nova revelação nas letras. Já me via escrevendo crônicas diárias para os jornais (como Rubem Braga e Luís Fernando Veríssimo) e publicando um romance a cada ano. O tempo, como diz o ditado, é o senhor da razão. Cronos foi implacável comigo, devorando meus sonhos assim como fazia com seus filhos.

Mais tarde aprendi que não bastava a ferramenta. Eram necessárias, também, boas ideias para pôr no papel. De nada adiantava tê-las, porém, sem ter a técnica para desenvolvê-las. Aí é que entram as oficinas ou livros sobre arte da escrita. São sobre estes livros que estou me debruçando agora para me ajudarem a desenvolver o romance e a dissertação.

(...)
VIII.
Não sabemos se o que escrevemos é bom. Isso é fato. Por mais que o escritor tenha acumulado um número de leituras de outras obras suficiente para poder julgar o trabalho alheio, ele jamais poderá julgar sua própria escrita. Não pode dizer que seu trabalho é bom. Não pode dizer que seu trabalho é ruim. Tanto aquele que se julga o escritor do momento, quanto o que queima seus manuscritos (penso num Ernesto Sabato, por exemplo), estão sendo injustos consigo mesmos. É necessária a leitura de outra pessoa. Outra não, outras, pois apenas um leitor também não nos dá um parecer mais próximo da verdade. Para um leitor a obra pode ser muito boa, enquanto para outro a obra pode ser colocada num patamar tão inferior que nem mesmo servirá para calçar estantes bambas de uma biblioteca.

Também não enxergamos erros gramaticais. Por maior que seja o número de revisões, faz-se necessário o olhar de uma pessoa mais atenta, que leia com distância o texto. Digo isso porque sou professor de língua portuguesa e, mesmo assim, os erros pulam das páginas quando são lidas, por exemplo, pelo orientador da dissertação ou pelo revisor do jornal para o qual escrevo regularmente.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 14/10/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (1) de Marilia Mota Silva
02. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) de Ana Elisa Ribeiro
03. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2015
01. A coisa tá preta - 8/7/2015
02. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) - 19/8/2015
03. O romance do 'e se...' - 22/7/2015
04. Do inconveniente de ter escrito - 9/9/2015
05. As sombras e os muros de José J. Veiga - 11/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Lógica da Criação Literária - 2ª Edição - 1ª Reimpressão
Käte Hamburger
Perspectiva
(2013)



Uma Bruxa Apaixonada - Livro 2 - 1ª Edição
Ruth Warburton
Leya
(2014)



Exame de Ordem Nacional Fgv 1ªfase Questoes da Oab Comentadas
Vauledir Ribeiro Santos
Gen Metodo
(2013)



Renascença - Biblioteca de Hist. Universal Life
John R. Hale
Jose Olympio
(1970)



Barbie : the Class Act
Rita Balducci and Judy Gittenstein
Grolier Books
(1998)



Tormenta de Paixões
Emilie Richards
Best Seller
(2002)



Sus : o Que Você Precisa Saber Sobre o Sistema único de Saúde
Associação Paulista de Medicina
Atheneu
(2004)



Última palavra
Tércia Soares Sharpe
Literare Books International
(2018)



Lela a Formiguinha
Alessandra Medeiros
Prazer de Ler
(2008)



Manual de Condutas Clínicas Cardiológicas 3
Benedito Carlos Maciel e Outro
Segmento Farma
(2005)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês