As sombras e os muros de José J. Veiga | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
Mais Recentes
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
>>> O Pequeno Príncipe 25 Edição de Antoine de Saint Exupéry pela Agir (1983)
>>> Autoridade Docente no Ensino Superior: Discussão e Encaminhamentos de Maria Lucia M. Carvalho Vasconcelos pela Intertexto (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/11/2015
As sombras e os muros de José J. Veiga
Cassionei Niches Petry

+ de 2600 Acessos

"Que são eles, quem eles pensam que são", versos que pertencem à música "3ª do plural", dos Engenheiros do Hawaii, seriam uma ótima epígrafe para boa parte das narrativas do escritor José J. Veiga. Há em muitos dos enredos de seus contos e romances uma localidade que recebe alguns forasteiros, cujas identidades nunca são reveladas, que instalam máquinas ou fábricas que interferem de certa forma na vida dos habitantes. Muda o cotidiano, as relações familiares são abaladas, amizades desfeitas e um clima de desconfiança entre os moradores fica evidente. Penso, só para exemplificar, no romance A hora das ruminantes e no conto "A usina atrás do morro".

Sombras de reis barbudos, obra de 1972 reeditada recentemente pela Companhia das Letras, segue o mesmo caminho. O protagonista Lucas narra a história, a pedido de sua mãe, já alguns anos depois do ocorrido: "Sei que esse pedido insistente", diz o rapaz, "é um truque para me prender em casa, a senhora acha perigoso eu ficar andando por aí mesmo hoje, quando os fiscais já não fiscalizam com tanto vigor." O ambiente, porém, parece ainda tenso: "Preciso ter muito cuidado para não deixar o caderno esquecido por aí (...)." Seu ponto de vista não é do jovem quase adulto, mas sim do menino de 11 anos, cuja inocência começa a dar lugar a certo ceticismo em relação aos fatos.

Tudo teve início com a chegada da Companhia Melhoramentos Taitara, chamada apenas de Companhia durante todo o relato, fundada pelo tio de Lucas, Baltazar, que, entretanto, logo foi afastado do cargo através de um golpe, o que o deixou doente. Depois disso, uma onda de repressão foi instaurada, tendo como ponto de partida a construção de enormes muros nas ruas: "Da noite para o dia eles brotaram assim retos, curvos, quebrados, descendo, subindo, dividindo as ruas ao meio conforme o traçado, separando amigos, tapando vistas, escurecendo, abafando." Símbolo da separação e da divisão, a relação entre as pessoas jamais seria a mesma.

Logo após, o pai de Lucas, Horácio, que já trabalhava na Companhia, obteve um novo cargo, de fiscal, e passou a vestir uma farda que impunha respeito. "Você precisa ver como a cambada me trata. Só faltam se mijar", dizia ao filho. A alusão à ditadura militar que vivia o Brasil nos anos 70 torna-se mais evidente.

Outros fatos aparentemente insólitos passariam a acontecer. Não bastassem os muros, começaram a aparecer na cidade uma enorme quantidade urubus. Num lugar sem grandes atrativos, crianças e adultos miravam o céu ou a parte de cima dos muros para ver as aves, utilizando-se às vezes de lunetas e binóculos, logo proibidos pela Companhia, que também passou a baixar "novas proibições bobocas, só pelo prazer de proibir (ninguém podia mais cuspir para cima, nem carregar água em jacá, nem tapar o sol com a peneira, como se todo mundo estivesse abusando dessas esquisitices); mas outras bem irritantes, como a de pular muro para cortar caminho". Quem descumpria as normas, sofria mutilações, como ter os dedos da mão costurados.

Quando Horácio decidiu deixar a Companhia, as dificuldades da família foram se acumulando até ele ser preso, acusado de contrabandear madeira. Nunca mais voltaria para casa. O relato de Lucas prossegue com outros fatos insólitos, como a moda dos meninos de passarem o tempo olhando para o horizonte nos campos, escondidos dos fiscais, lógico. Depois disso, homens surgiam voando sobre a cidade, e a Companhia, não podendo evitar mais esse insólito fato, proibiu que as pessoas levantassem a cabeça para olhá-los: "com penas tão severas, era evidente que a Companhia tinha se aparelhado de todos os sentidos, e nós compreendemos que ela não estava brincando. O jeito era obedecer, e andar de cabeça baixa para evitar mal-entendidos".

Conformar-se, aceitar, baixar a cerviz. Sombras de reis barbudos pode ser a alegoria da ditadura militar no Brasil, mas não só dela, de outro modo seria uma obra datada, como bem lembrava o próprio José J. Veiga quando falava sobre seus livros. Hoje, nos conformamos com os muros das redes sociais, aceitamos proibições de fumar um cigarro porque faz mal, como se outras coisas não o fizessem também, baixamos a cabeça para olhar apenas a tela de um celular, deixamos de mirar e alcançar o horizonte para ir adiante e transpor os muros que nos cercam. Sombras severas nos observam e não querem que fiquemos nem mesmo em cima do muro. O romance de José J. Veiga é, pois, bastante atual.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 11/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Onda de Protestos e o Erro de Jabor de Humberto Pereira da Silva
02. Os contos de degeneração de Irvine Welsh de Luiz Rebinski Junior
03. As trevas modernas de Arcand de Marília Almeida
04. Romance quebrado de uma era fraturada de Daniel Lopes
05. Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego de Ana Elisa Ribeiro


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2015
01. A coisa tá preta - 8/7/2015
02. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) - 19/8/2015
03. O romance do 'e se...' - 22/7/2015
04. Do inconveniente de ter escrito - 9/9/2015
05. As sombras e os muros de José J. Veiga - 11/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Textos Medievais Portuguêses e Seus Problemas
Serafim da Silva Neto
Ministério da Saúde e Educa
(1956)
R$ 24,50



A Linha Amarela - por Onde Passa e Proximidades
Vera Voto
Prefeitura do Rio de Janeiro
(1998)
R$ 9,80



Mr. North
Thornton Wilder
Best Seller
(1985)
R$ 10,00



Contabilidade Rural
Jospe Carlos Marion
Atlas
(2009)
R$ 20,00



Mies Van der Rohe Critical Essays
Vários Autores
Moma
(1990)
R$ 100,00



Histoire de Leurope et de La France - de 1610 a 1789 - 10412
Victor Duruy
Hachette
(1892)
R$ 85,00



Repressão Penal da Greve
Christiano Falk Fragoso
Lumen Juris
(2016)
R$ 115,00



O outro lado do tabuleiro (Literatura Infanto-Juvenil)
Eliane Ganem
Record
(2000)
R$ 10,00



Atenção Plena Mindfulness - Esoterico
Mark Williams E Dany Penman
Sextante
R$ 39,00



Quantificação Em Psicologia
W. L. Hays
Herder
(1970)
R$ 5,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês