Do inconveniente de ter escrito | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> A Cor
>>> Ana Medeiros e Hiroshi Nishiyama levam o butoh segundo Yoshito Ohno para São Paulo
>>> As Irmãs Siamesas estreia com direção do francês Sébastien Brottet-Michel
>>> Universidade do Livro promove oficina de edição de tradução literária
>>> Conexão Berlim-Brasília chega em sua reta final
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Público, massa e multidão
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Tchekhov, o cirurgião da alma
>>> Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:>
>>> Internet em 2005
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Amizade (1)
Mais Recentes
>>> Destinations of ecotourism de Embrapa pela Ed
>>> Backpack--1--second edition. de Mario herrera/diane pinkley pela Pearson/longman
>>> Arte e storia dell egitto de Bonechi pela Bonechi
>>> Como se fosse dinheiro de Ruth Rocha pela FTD (2004)
>>> Bidu Caminhos de Eduardo Damasceno - Luis Felipe Garrocho pela Mauricio de Sousa (2014)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Convivendo com o pecado: na sociedade colonial paulista (1719-1822) de Eliana Maria Rea Goldschmidt pela Annablume (1998)
>>> De Carta em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2010)
>>> A Colcha de Retalhos de Conceil Corrêa da Silva - Nye Ribeiro Silva pela Brasil (2009)
>>> Gente, Bicho, Planta: O mundo me encanta de Ana Maria Machado pela Global (2012)
>>> O Sanduíche da Maricota de Avelino Guedes pela Moderna (2013)
>>> Um Homem, um Menino e um Burro de Jennifer Burrows pela Girassol (2012)
>>> Bat Pat - O tesouro do cemitério de Roberto Pavanello pela Fundamento (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne - Walcyr Carrasco pela FTD (2007)
>>> Com a Ponta dos dedos e os olhos do coração de Leila Rentroia Jannone pela Brasil (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2017)
>>> Minimanual Compacto de Gramática da língua portuguesa: teoria e prática de Maria Cecília Garcia pela Rideel (2000)
>>> Um amor grande demais de Yolanda Reyes pela FTD (1999)
>>> Laís, a Fofinha de Walcyr Carrasco pela Ática (2014)
>>> Zac Power - Codigo Vermelho de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Alto Risco de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - Treinamento Radical de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Encontro Desencontro & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente (1996)
>>> História do Brasil de Eduardo Bueno pela Zero Hora
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> Enciclopédia do Charadista - Vol. 2 de Sylvio Alves pela Livraria Tupã
>>> Zac Power - Viagem `A Lua de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - Aguas Profundas de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Invasão Noturna de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Aventura no espaço de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - O Golpe Fatal de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - O Ataque de Tubarão de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Sucesso de Cinema de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> O peregrino e a historia de a peregrina de John bunyan pela Literatura monte siao (2012)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> L'isola Misteriosa de Giulio Verne pela Sonzogno (1912)
>>> Macário - Noite na taverna de Álvares de Azevedo pela Globo (2006)
>>> Novos poemas para rezar de Michel quoist pela Edições Paulista (1995)
>>> Ame dormante de Jean e de coulomb pela Librairie bleriot (1918)
>>> Caderneta de campo de Lélis Espartel / João Lüderitz pela Globo (1979)
>>> A Bruxinha Domitila e o robô super - tudo de Edson Gabriel Garcia pela Brasil (2014)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas - Heloisa Prieto pela FTD (2014)
>>> As injustiças de Clio de Clóvis Moura pela Oficina de Livros (1990)
>>> As Aventuras de Simão e Bartolomeu - uma viagem especial de Cesar Cavezagna pela Globo (2008)
>>> Dissertação Sobre o Direito de Caçoar + Carta a Salvador do Couto de Filippe Alberto Patroni Martins Maciel Parente pela Loyola (1992)
>>> Deixei o Pum escapar de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Schwarcz S.A (2013)
>>> Nietzsche em Turim de Lesley Chamberlain pela Difel (2000)
>>> Tampinha Tira Os Óculos de Mariana Caltabiano pela Scipione (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/9/2015
Do inconveniente de ter escrito
Cassionei Niches Petry

+ de 2200 Acessos

Dia desses, provocado por muitos elogios sobre seu primeiro livro, li um romance de um escritor da nova geração da literatura brasileira. A leitura, no entanto, me decepcionou. Desde o prefácio, que demonstra um escritor medroso, como que se desculpando por ter trabalhado determinado tema, passando por algumas incoerências narrativas e uso de muitos lugares-comuns, a obra seria criticada por mim de forma impiedosa, apesar de alguns momentos muito bem elaborados. Já antevia alguma polêmica, talvez o escritor me bloqueasse nas redes sociais, como já o fizeram outros escritores, apesar de não fazer críticas muito duras a eles, ou talvez meu texto fosse apenas ignorado, como acontece geralmente.

Pensei melhor, porém, até porque minhas resenhas não têm como objetivo fazer críticas negativas. Apesar de muitas vezes me denominar como crítico literário, o que faço é algo como uma crônica literária, impressões de leitura, ensaios curtos. Sigo o conselho do filósofo romeno Emil Cioran: "Não perca tempo criticando os outros, censurando suas obras; faça a sua, dedique a ela todas as suas horas." Gosto mais da expressão ensaio, em que pese ela denominar geralmente textos mais longos. Isso tudo a partir de Montaigne. Acredito, porém, que o que escrevo são tentativas de entender algo, treinos para chegar ao conhecimento, logo, são ensaios, mesmo que, em geral, meus textos não ultrapassem duas laudas. São parte da minha obra literária esse diálogo com outros livros. Não por acaso utilizei textos do meu blog no meu primeiro romance, emprestando-os a um dos protagonistas.

Volto a Cioran, até porque este texto era para ser sobre ele, depois resolvi escrever sobre crítica literária e as coisas que escrevo, porém a leitura e releitura de novos textos de Cioran me perseguem, me inquietam, me jogam no desespero. Ensaiei, tentei escapar dele, no entanto não deu. Ensaio agora uma reflexão sobre algumas coisas que ele escreveu e no que elas me afetaram. Vou tentar, vou ensaiar. Não seguirei, portanto, seu conselho. Ou seguirei, de certa forma, pois, escrevendo sobre ele, escrevo também minha obra.

Filósofo contraditório (por isso me identifico com ele, pois também o sou), que disse em uma entrevista que não era ateu, porém também não acreditava em Deus e nem rezava. Aliás, uma análise sobre o autor feita por um crítico literário aponta como defeito justamente suas contradições. Respeito o crítico, por sinal, um dos melhores que temos (não estou citando nomes, não por ser medroso como o jovem escritor a quem me referi, mas é porque não é necessário), porém está nessa aparente contradição boa parte do que fez Cioran ser o que foi, ou melhor, o que é.

Só o título das obras do filósofo romeno já daria boas análises. Do inconveniente de ter nascido, por exemplo, de 1973, já é praticamente um aforismo da mais alta profundidade filosófica. Por que nascer? Por que isso é inconveniente? É inconveniente nascer ou quem nasceu se torna inconveniente? Cioran era inconveniente? Escrever é inconveniente? A morte é um dos temas mais presentes na obra de Cioran, porém neste livro é o início da vida o objeto das reflexões. Ou melhor, não é, porque morrer é o oposto de nascer. Só pode chegar à morte quem nasceu. "Gostaria de ser livre, inimaginavelmente livre. Livre como um ser abortado."

A morte voluntária, então, não poderia ficar de fora, um dos temas de seu primeiro livro, Nos cumes do desespero, outro título que valeria um ensaio. Se o meu leitor ainda não sabe, o suicídio é minha obsessão (entre tantas outras). Não cometê-lo, mas entendê-lo, principalmente na literatura, tanto o suicídio das personagens como o dos escritores. Já escrevi um ensaio sobre o tema, publicado na revista Signo, dos cursos de graduação e pós-graduação em Letras da Universidade de Santa Cruz do Sul.

Cioran escreveu algumas pérolas, com o perdão do clichê, sobre o assunto. "Um livro é um suicídio adiado." Usei esta citação na elaboração do meu primeiro romance. Adiei meu suicídio ao escrevê-lo e espero continuar adiando-o, escrevendo outros livros. Escreveu ainda: "Só vivo porque posso morrer quando quiser: sem a IDEIA do suicídio já teria me matado há muito tempo." "És mestre de tua vida, podes matar-te quando quiseres." "Quem jamais concebeu sua própria anulação, quem não pressentiu o recurso à corda, à bala, ao veneno ou ao mar, é um condenado abjeto ou um verme rastejante sobre a carcaça cósmica." "Como é difícil aprovar as razões que invocam as pessoas. Cada vez que nos afastamos de qualquer uma delas, a pergunta que vem ao espírito invariavelmente é: como é que não se mata? Pois nada é mais natural do que imaginar o suicídio dos outros." Tem como não gostar desse cara?

Cioran também me ajuda ou atrapalha ao pensar sobre a escrita, outra obsessão. Volto então a um dos possíveis objetivos deste ensaio que tento escrever, que era refletir sobre o que escrevo. "Uma obra só existe quando ela é preparada na sombra com a atenção, com o cuidado do assassino que medita seu golpe. Em ambos os casos, o que importa é a vontade de surpreender." Ah, como eu gostaria que lessem até o final o meu romance Os óculos de Paula. Na sua escrita, segui o aforismo sem ainda tê-lo lido. "Um livro deve cutucar as feridas, provocá-las inclusive. Um livro deve ser um perigo." Meu primeiro livro tem o título Arranhões e outras feridas. Precisa dizer mais? "Só deveríamos escrever livros para dizer coisas que não nos atreveríamos a confiar a ninguém." Há muitas coisas que penso que estão na minha ficção, mas nem tudo que está lá eu realmente penso. "-Seu livro é um livro fracassado. -É verdade, mas você se esquece de que eu o quis assim e que apenas desse modo poderia ficar perfeito." Quando comecei a elaboração do meu romance, escrevi reflexões teóricas sobre o processo de criação que conformaram, junto com o livro, minha dissertação de mestrado. O nome inicial dessa parte nem tão teórica assim foi "Notas de um fracasso anunciado", lembrando García Márquez, claro. Fui dissuadido a usar este título pelo meu orientador, que é um otimista. O título escolhido "Notas confessionais de um angustiado". Cioran não é citado nas notas, mas aparece no romance.

"Só somos nós mesmos pela soma de nossos fracassos," escreveu Cioran em Breviário de decomposição. De fracasso em fracasso vou escrevendo, vou ensaiando, vou filosofando ou ficcionalizando. Sinto que fracassei neste ensaio, mas ele está aí assim mesmo. Continuo sendo inconveniente como o foi Cioran. Peço desculpas por ter nascido.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 9/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
03. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
04. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
05. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2015
01. O romance do 'e se...' - 22/7/2015
02. A coisa tá preta - 8/7/2015
03. Do inconveniente de ter escrito - 9/9/2015
04. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) - 19/8/2015
05. As sombras e os muros de José J. Veiga - 11/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTOS GREGOS - A TARTARUGA E O DUELO
TERRY DEARY
CIRANDA CULTURAL
(2009)
R$ 7,90



A SOMBRA DO VENTO
CARLOS RUIZ ZAFÓN
SUMA DE LETRAS
(2007)
R$ 12,90



SÓ O AMOR CONSEGUE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2013)
R$ 16,00



DESTEMIDA 03
NATALIE JANE PRIOR
FUNDAMENTO
(2002)
R$ 5,99



A DAMA DAS CAMÉLIAS - PROGRAMA DO TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS - 1951
TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
(1951)
R$ 65,00



MINAS E SEUS CASOS
OLAVO ROMANO
ÁTICA
(1984)
R$ 10,00



BERNARDO SANTARENO - OBRAS COMPLETAS - VOLUME 2 (TEATRO PORTUGUÊS)
BERNARDO SANTARENO
CAMINHO
(1985)
R$ 70,00



A FACE PINTADA EM PANO DE LINHO
ALBERTO CIPINIUK
LOYOLA
(2003)
R$ 15,00



ATITUDE - A VIRTUDE DOS VENCEDORES
PAULO SILVEIRA
SER MAIS
R$ 14,95
+ frete grátis



LÍNGUA PORTUGUESA - ATIVIDADES DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
CARLOS ALBERTO MOYSÉS
SARAIVA
(2008)
R$ 19,00





busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês