Influências da década de 1980 | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> A Lua no Cinema e outros poemas de Vários pela Companhia das Letras (2011)
>>> Goosebumps - Praia Fantasma de R. L. Stine pela Fundamento (2010)
>>> Ciências Naturais - Aprendendo o Cotidiano 6 de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (2009)
>>> Matemática 6 - Projeto Araribá de Juliana Matsubara Barroso pela Moderna (2007)
>>> A Cidade Inteira Dorme e Outros Contos de Ray Bradbury pela Biblioteca Azul (2019)
>>> Contos Universais - Para Gostar de Ler 11 de Vários pela Ática (2003)
>>> Agatha Christie O Incidente da Bola do Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> The 39 Clues - Uma Nota Errada de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> David Copperfield de Charles Dickens pela Macmilan Readers (2008)
>>> Hamlet Adaptado Série Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> Os Miseráveis adaptado por Walcyr Carrasco de Victor Hugo, Walcyr Carrasco pela FTD (2002)
>>> O Corcunda de Notre-Dame adaptação Série Reencontro de Victor Hugo, Jiro Takahashi pela Scipione (1997)
>>> Romeu e Julieta Adaptado Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> La Nausée de Jean Paul Sartre pela Éditions Gallimard, (1972)
>>> La Guerra de Guerrillas de Ernesto Che Guevara pela Ocean Sur (2006)
>>> La Emancipación de la Mujer en la URSS de Solomín pela Ediciones Europa-América, (1936)
>>> Juca Mulato de Menotti Del Pcchia pela Cprculo do Livro (1976)
>>> Inferno de Dan Brown pela Doubledays Books (2013)
>>> I Am a Strange Loop de Douglas Hoftstadter pela Basic Books, (2008)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Ática (1996)
>>> História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão Ao Sol da Onça Caetana de Ariano Suassuna pela José Olympio (1977)
>>> Grundrisse Manuscritos econômicos de 1857-1858 - esboços da crítica da economia política de Karl Marx pela Boitempo (2011)
>>> Great Expectations de Charles Dickens pela BBC Books (2011)
>>> 1808 de Laurentino gomes pela Planeta (2007)
>>> Coisas da Casa de Zélia Maria Guerra Simões pela Karmim (1990)
>>> A Marca De Uma Lágrima de Pero Bandeira pela Moderna (1994)
>>> Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o desafio Japonês de William Ouchi pela Fundo Educativo Brasileiro (1982)
>>> Hesse Obstinação de Hermann Hesse pela Record (1971)
>>> Bilionários Por Acaso de Ben Mezrich pela Intríseca (2009)
>>> Melhores Filhos Melhores Pais de Pe. Zezinho, scj pela Universo dos Livros (2012)
>>> O Amor Humilde de Pe. Zezinho, scj pela Paulinas (2003)
>>> Pais e filhos Companheiros de viagem de Roberto Shinyashiki pela Gente (1992)
>>> Reiniciados de Teri Terry pela Farol literário (2019)
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/7/2015
Influências da década de 1980
Guilherme Carvalhal

+ de 4400 Acessos

A década de 1980 é um divisor histórico contemporâneo. Essa época é marcada como a transição da Guerra Fria para uma nova ordem mundial, com os primeiros ensaios para uma economia neoliberal mais abrangente (vide o Consenso de Washington) e o término entre as tensões do mundo bilateral.

Um dos principais pontos sobre a compreensão desse período está na exacerbação midiática que veio se construindo (e se desconstruiu e reinventou após o boom da internet e da informatização). Desde a década de 1950 começou a se formar uma cultura de massa mais consolidada, quando surgiu a TV e a música passou a se tornar mais e mais globalizada. Kennedy foi eleito presidente com apoio da força da TV e nomes como Elvis Presley e Beatles extrapolaram as barreiras culturais ainda existentes e começaram a dar início a um processo verdadeiro de aglutinação cultural.

A própria cultura de massa já permitiu criar uma definição histórica e social desse período, como na moda, no cinema e em demais mídias. Porém, a década de 1980 contou com uma expansão nas relações de interação entre pessoas e mídia que levaram esse aspecto a um patamar um pouco mais elevado. E, obviamente, quando se fala em cultura de massa se fala majoritariamente de cultura dos Estados Unidos.

Entre as inovações tecnológicas que surgiram podemos destacar o videocassete, o computador pessoal e o vídeo game. Em uma questão estética, temos a elevação do videoclipe a um nível mais artístico e teatralizado e a cultura urbana, ou cultura de rua, entrando para os padrões de cultura de massa e até de uma cultura mais elitizada (caso de Basquiat).

Essas alterações de nível tecnológico e estético interagiram com questões políticas, econômicas e sociais. O processo de abertura política da União Soviética, a Revolução Islâmica, o novo mapa da geopolítica se desenhando ao se apontar o fim da Guerra Fria, a contraposição aos movimentos de afirmação das duas décadas anteriores (configurada na figura do yuppie a substituir o hippie), o fim das utopias e o predomínio do capitalismo e do consumismo são algumas das características desse período.

Um ponto interessante de se notar é a violência. A década de 1970 começou a registrar índices mais assustadores de violência e essa se tornou uma das características principais da pauta atual de políticas públicas (casos das FARCs, do tráfico no Brasil e a política de Tolerância Zero implantada por Rudolph Giuliani em Nova York). Seu impacto no dia a dia esteve presente nas mais variadas mídias.

A indústria de cinema e de TV tornou esse um de seus principais filões do período. Seriados de policiais pegando bandidos ganharam mais popularidade, com uma diferença, que é a perda da inocência. A figura do assaltante de banco ou do contrabandista cedeu espaço para um novo vilão, o traficante de drogas. O crime se tornou organizado, os bandidos tiveram acesso a armas mais pesadas e a figura do bom moço com valores nobres deu lugar a heróis cheios de falhas e dúvidas, que muitas vezes atropelam a bondade em prol de eliminar o mal. São alguns casos a série Desejo de Matar, Robocop, As Cores da Violência, entre muitos outros.

Um clássico dessa época foi The Warriors - Os Selvagens da Noite. A premissa desse filme é uma gangue na cidade de Nova York sendo perseguida ao longo de uma noite, mostrando um aspecto do mundo pós-moderno, que é a identificação juvenil por determinados grupos sociais, com comportamento, gostos e vestimentas similares (vide nos tempos adiantes o hip hop, o surfista, o hipster e as identidade própria de cada estilo). Nesse filme, existe uma figura clássica em narrativas, que é a do excluído enquanto herói, a figura deslocada e perseguida, mas ainda assim com força e alguma nobreza, uma reminiscência de Jean Valjean.

No videoclipe, Michal Jackson levou essa configuração da violência a peças como Bad e Beat It. Mais uma vez, a figura do criminoso com uma vestimenta heroica em meio aos conflitos por território e identidades marcadas por cada grupo. O videogame, mídia que dava seus passos iniciais e se afirmava majoritariamente entre os jovens, sempre teve a violência como um de seus pilares. Alguns jogos de destaque foram Double Dragon, Vigilante e também Streets of Rage de maneira tardia (esse último é de 1990, mas toda sua roupagem é anos 80). Nesses três casos há uma mesma premissa, lutadores marciais em combate com gangues de rua que tomam conta da cidade, uma associação com a influência de Bruce Lee, no qual o herói usa apenas das próprias mãos para derrotar o vilão. E nessas obras se vê o visual urbano decadente, o beco, o ferro-velho, as calçadas com suas fachadas de lojas pichadas e tomadas pelos criminosos.

Nos quadrinhos, a exacerbação da violência foi um fator notável. Histórias como Demolidor e Watchmen começaram a mostrar o crime com maior crueza. O ambiente escuro, a figura do assassino em série, do traficante, tornaram-se chavões em suas narrativas. Sai aquele mero embate entre bem e mal e criam-se relações mais complexas de poder.

Em todos esses casos citados, a mídia retrata a relação entre espaços públicos tomados por bandidos organizados, guiados por uma figura de liderança a ser derrotada ao final. A falência do poder público em combater a violência também costuma abrir espaço a outra figura, a do justiceiro, a da pessoa que precisa recorrer aos próprios recursos para lidar com o crime, seja em um senso de heroísmo individual, seja para se livrar de uma ameaça contra si mesmo.

Em questões políticas, a cultura midiática da época foi um palco para o que estava em voga. Isso não é nenhuma novidade, pois em todos os tempos essa correlação existiu. Um dos pontos notórios foi a exacerbação do poderio militar dos Estados Unidos no cinema, em contrapartida com a geração anterior.

Durante os tempos da Guerra do Vietnã, boa parte da cultura de massa se posicionou de maneira contrária à ação militar e o escândalo de Watergate chegou a render o filme Todos os Homens do Presidente. Já na década de 1980, houve uma produção cinematográfica menos crítica e voltada mais ao entretenimento, tendo como enredo um militarismo favorável à política externa dos Estados Unidos.

Obras como Rambo, Braddock, Comando Delta e Top Gun são alguns dos exemplos mais óbvios. Nesses casos, é nítida a participação do poderio militar dos Estados Unidos em vários continentes, como América Latina, Oriente Média e Sudeste Asiático. O choque de alteridade novamente se percebe, como a figura do civilizado portador de valores a confrontar o vilão em um país bárbaro, normalmente libertando um povo sofrido e atrasado.

Na música da época a política não se fez tão presente, pelo menos não de maneira tão escancarada, exceto por uma ou outra voz. Esse é um contraponto interessante, pela alta participação da música ao abordar esse assunto nas décadas anteriores. Os videoclipes seguem a mesma lógica: é uma era de consumo, em que o individualismo se torna um valor mais importante. Apenas um movimento vai na direção contrária, que é o funk e a cultura do hip hop (apesar de igualmente influenciado pela ótica do consumo, expressa nos cordões, tênis e demais objetos).

Os videogames fizeram bom uso das questões políticas, principalmente no que diz respeito a guerras e a intervenções militares. São os ambientes típicos da terra do inimigo, como o deserto e a floresta tropical que aparecem em muitos desses jogos, atacados por soldados a pé, helicópteros e aviões, muitas vezes identificando a nação do herói como os Estados Unidos.

Os quadrinhos sempre mantiveram seu pé na política. Homem de Ferro teve sua participação na Guerra Fria, Super-Homem e Capitão América envergam as cores dos Estados Unidos em seus uniformes. Na década de 1980 a política foi tônica nessas histórias. No X-Men se acirrou a questão da perseguição aos mutantes com direito a um futuro distópico, Justiceiro enfrentou terroristas islâmicos, intervenções militares foram temas de várias histórias.

A política teve um papel complexo nessa época. A politização se tornou menor, mas a disputa de poder continua ocorrendo. Então a indústria de entretenimento se tornou mais próxima aos muitos interesses, se valendo de uma posição menos crítica por parte do público. Portanto exacerbou-se a relação entre diversão com algum grau de politização, geralmente alienada e tendenciosa.

Outro aspecto interessante está na maior relevância que grupos minoritários obtiveram após os conturbados anos 1960 e 1970. Tendo por destaque grupos negros e femininos, essas duas figuras tiveram uma dimensão bastante diferenciada nessa década.

No cinema, a presença dos dois grupos são um tanto quanto dúbias. Douglas Kellner, em seu livro A Cultura da Mídia, retrata que nessa década o cinema andou na contramão das conquistas existentes nas duas décadas anteriores. A figura da mulher se tornou reduzida diante da masculina, sendo limitada à mocinha salva pelo herói. Um destaque destoante é a figura adolescente nos filmes de John Hughes, que mostra suas personagens imersas em tantos dilemas como a questão da aparência, os estudos e a descoberta sexual.

A figura do negro no cinema segue a mesma ótica feminina. Alguns figuras de destaque surgiram, como Richard Pryor e Eddie Murphy, mas ainda assim foi uma presença limitada. Nos filmes de dupla policial, a relevância do policial negro fica aquém do branco. Outro destaque nessa época veio com Spike Lee, que iniciou uma quebra de paradigmas significativa quando lançou Faça a Coisa Certa.

Já na música a presença de mulheres e negros foi preponderante. Ícones como Madonna, Cyndi Lauper, Public Enemy e Run-D.M.C conseguiram ter uma presença própria, influenciando no comportamento geral. O impacto da cultura negra foi significativo e sua presença se nota até hoje. Mais do que meramente uma questão musical, a era do videoclipe influenciou também no comportamento.

Nessa inicial era de videogames a presença feminina se viu em algumas séries, como no caso de Metroid. Nesse caso, há a correlação com o cinema. No filme Alien - O oitavo Passageiro, Sigourney Weaver interpreta Ripley, uma militar em uma nave especial (há quem considere esse o primeiro filme feminista, por colocar uma mulher em um papel de liderança e em posição de superioridade aos homens). A personagem da série Metroid recebe daí alguma influência. Por outro lado, boa parte do enredo de jogos eletrônicos tinham a premissa do herói correndo para salvar a mocinha do vilão. Apenas na década seguinte surgiria uma gama mais vasta de mulheres em ação.

A figura do negro é igualmente escassa, apesar de existente. Uma aparição mais constante é como inimigo em jogos em que tenha a perspectiva de luta de rua, configurado como membro da gangue. Com papel de herói, pode-se citar Adam Hunter, em Street of Rage.

Já os quadrinhos viveram um terreno bem mais fértil. Na década de 1980 começaram a surgir vários personagens negros e femininos de destaque, muitos deles quebrando esteriótipos correntes. Sua presença já existia anteriormente e nesse período se tornou ainda maior.

Nesse aspecto, a questão midiática foi dúbia. Houve maior presença de negros e mulheres, em alguns aspectos atrelados a esteriótipos, em outros de maneira mais autorrepresentativa. Foi um primeiro passo para uma geração diferenciada, funcionando como meio termo. No caso do cinema a situação foi de maior retrocesso, não correspondendo a um padrão de mudanças que vinha se desenhando.

Por último, pensar também na questão de cultura urbana e moda. Talvez esses sejam aspectos que se tornam mais emblemáticos através da cultura de massa, influenciando no jeito de vestir e de se comportar. E a década de 1980 contou com alguns fatores que influenciaram muito os anos seguintes, como o hip hop, os ícones femininos, Basquiat.

O cinema dos anos 1980 possivelmente foi o que mais mostrou a diversidade cultural de seus tempos nas telonas. O adolescente revoltado, o nerd, o yuppie, o rapper, foram figuras bastante comuns (a Sessão da Tarde deixou isso muito marcado na mente dos brasileiros). E sua repercussão massiva foi bastante influente sobre a população, principalmente na juventude.

A mesma lógica se aplica aos videoclipes. Neles se estampam a nova cultura, mais moderna e urbana, até em contraponto ao desapego que o movimento hippie procurou promover. A música Girls Just Want To Have Fun mostrou bastante disso, desde a revolta juvenil e o empoderamento feminino até um hedonismo que deixava de lado a politização. Nos quadrinhos e nos jogos eletrônicos, a estética urbana se fez cada vez mais presente. Os traço retratam uma nova estética, um novo modo de se vestir e de se portar.

O impacto desse período foi muito extenso. Ele simbolizou uma reviravolta completa na geopolítica e essa relação se refletiu nas sociedades, juntamente à ascensão de grupos populares e sua inserção na grande mídia com um senso de alienação política e foco no consumo. Foi uma mudança de paradigma, do fim da utopia e do afastamento das questões públicas, ponto fundamente da construção do mundo atual. Os anos seguintes vieram como um reflexo seu: o nível de participação política não sofreu mudanças para melhor e as expressões agora contam com as redes sociais e a a grande mídia cada vez mais se influencia pelo baixo clero. A mesma dualidade se mantém, em um mundo ainda pautado pelo consumo, dessa vez mais assoberbado através das ferramentas de web 2.0.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 30/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
03. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
04. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015
05. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOSSO LIVRO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
LAKE
R$ 16,00



PREPARANDO PARA O SÉCULO XXI
PAUL KENNEDY
CAMPUS
(1993)
R$ 19,83



CINEMA NO MUNDO: ESTADOS UNIDOS VOL IV
ALESSANDRA MELEIRO (ORGS)
ESCRITURAS
(2007)
R$ 17,28



CENOURA? DE JEITO NENHUM!
E M E P KES / PETER DAY
SCIPIONE
(1993)
R$ 4,87



REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
IZABELA MARIA REZENDE TAVEIRA
CRV
(2016)
R$ 40,00



SONETOS DO AMOR OBSCURO E DIVÃ DO TAMARIT
FEDERICO GARCIA LORCA
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 20,00
+ frete grátis



FILHO DA GUERRA
EMMANUEL JAL
ROCCO
(2010)
R$ 19,00



O SOL TAMBÉM SE LEVANTA
ERNEST HEMINGWAY
ABRIL CULTURA
(1982)
R$ 10,00



O DRAGÃO DOURADO
ELIZABETH LOWELL
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 4,25



EL ESPIRITU
CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCHE
LOGOSÓFICA
(1984)
R$ 100,00





busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês