Meio Sol Amarelo | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
33053 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/9/2015
Meio Sol Amarelo
Guilherme Carvalhal

+ de 3300 Acessos

Meio Sol Amarelo

A literatura africana é bastante distante de nós brasileiros. Se formos retratar autores deste continente, provavelmente vamos nos referir a Luandino Vieira ou Mia Couto por causa da lusofonia, incluindo o livro Os Cus de Judas, de Antônio Lobo Antunes nesse rol. Figuram ainda entre os mais conhecidos J. M. Coetzee e Naguib Mahfouz, que conseguirem ser alçados ao patamar de autores mundiais e traduzidos para diversos idiomas. Albert Camus era argelino, mas aparentemente costuma ser mais tratado como europeu do que como africano.

O livro Meio Sol Amarelo, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, é exemplar muito claro de como determinadas barreiras culturais tem sido derrubadas e que um livro de uma autora negra e africana pode sim se tornar mundial e altamente representativo para seu país, levando sua história e sua cultura ao mundo inteiro.

Para compreender o livro, é preciso entender a história da Nigéria. O país foi uma colônia britânica, que introduziu seu idioma, sua cultura e o dividiu etnicamente. Então sua estrutura se tornou complexa, contendo vários idiomas, uma parcela da população ocidentalizada e outra mais tradicional, além da questão da multiplicidade religiosa, com o cristianismo, o islamismo e religiões tradicionais do país.

Em 1960 o país conquistou sua independência. Em 1966 passou por dois golpes de estado em sequência e os problemas étnicos e políticos levaram a etnia igbo a declara a independência da República de Biafra, situada a leste do país. Daí então sucedeu a guerra civil, deixando um saldo de mortos acima de um milhão, entre vítimas de combate e mortos do fome. Em 1970 Biafra capitulou e a Nigéria se reunificou. Esse conflito é considerado o primeiro envolvendo causas étnicas desde a Segunda Guerra Mundial.

O livro de Chimamanda Ngozi Adichie se passa durante esse período, mostrando a relação de diversos personagens com o país e com a guerra que se desenrolou. Além de ser uma história muito bem desenvolvida, é uma aula de história de seu país e de seus muitos conflitos.

O ambiente estabelecido pela autora em seu livro visa construir no leitor um painel profundo de seu país e da sua complexidade. Pode ser compreendido de diversas maneiras: o processo de ocidentalização a destruir as práticas tradicionais, a submissão popular diante de culturas tidas como mais "nobres" e que desvalorizam a cultura local, os choques entre ricos e pobres, mesmo que dentro de um igual grupo étnico, as relações pouco compreendidas que unificam um país de sociedade diversificada, como se a identidade de um nigeriano fosse fruto mais do colonialismo europeu do que do próprio entendimento de seu povo enquanto nação.

A trama conta com vários personagens principais, com destaque para Olanna, uma jovem de classe alta educada na Inglaterra. Filha de um empresário, sua família igbo é ocidentalizada e ela e sua irmã gêmea, Kainene, estudaram em outros países e possuem um padrão de vida alto.

Olanna se envolve em um relacionamento com Odenigbo, professor universitário oriundo de uma família com vínculos tribais. Odenigbo é engajado em questões políticas e é de classe alta, reunindo em sua casa um amplo grupo de intelectuais, contando de professores a militares.

Esse núcleo de personagens apresenta uma abordagem dos choques de modernidade do país, inserindo sua multiplicidade étnica e religiosa no meio. O pai de Olanna, após o golpe de estado, começa a procurar os governantes para traçar seu relacionamento empresarial, mesmo ele sendo parte da minoria igbo. Para ele não interessavam as diferenças, mas a necessidade de se lucrar dentro dessa situação, uma visão do capitalismo inserido no país a atropelar quaisquer barreiras étnicas. Da mesma maneira Olanna possui um pretendente islâmico e rico, considerado um bom partido, porém as diferenças religiosas impediriam o relacionamento. Por sua vez, Olanna enfrenta conflitos com a mãe de Odenigbo, que não aceita de maneira alguma os dois juntos por motivos étnicos.

A narrativa de Adichie constrói todo o contexto sem ser enfadonha, inserindo os personagens na sequência dos fatos históricos. São as conversas na casa de Odenigbo ou o rádio ligado nas notícias que permitem o entendimento da situação, bem como o posicionamento dos mesmos. São personagens em fuga durante os ataques, pessoas perdidas sem entender o que se passa, ricos indo para a Inglaterra, alguns confiantes de que tudo terminará bem.

Além desse grupo de personagens, há dois de destaque, que são Ugwu e Richard. Ugwu é um rapaz que mora em uma vila e vai trabalhar para Odenigbo. Ele é seu criado doméstico, limpando a casa, cuidando das roupas, fazendo comida. Ele é uma visão inocente e desinformada dos conflitos, assistindo a tudo e respaldando suas opiniões nas do patrão. Além disso, sua presença ajuda a situar Odenigbo dentro de todo contexto, porque mesmo sendo um militante contra a opressão (isso em um mundo no qual a Guerra Fria fervilhava) ele ainda era um patrão, alguém de uma situação social superior.

Richard é um escritor inglês que está estudando a cultura da Nigéria para um livro que nunca sai do papel. Ele é uma excentricidade no meio de toda a história: é inglês e mora em uma ex-colônia de sua nação sem um objetivo muito claro. Se apaixona por Kainene, uma relação que nunca se conclui de fato; ele tem dificuldades em manter ereção e ela possui outros amantes além dele. Quando começam os conflitos, ele não busca abrigo nem retorna à Inglaterra, mas se mantém em meio às animosidades do país. Durante um processo de guerra civil em um país africano, é um personagem europeu que esboça toda o absurdo do que se passa, talvez pelo seu próprio afastamento cultural. Vale destacar também seu criado Harrison, que continuamente afirma que tudo que é europeu é superior, em contraponto a Richard, cada vez mais interessado em se tornar nigeriano.

O valor do livro é muito amplo devido à abrangência de seu conteúdo. Seu contexto em torno da proclamação da República de Biafra e da guerra civil sequente o coloca como um livro de expressão de uma desgraça humana, pareado com livros e filmes como Hotel Ruanda e Diamantes de Sangue. Porém, o livro vai bem além disso. Mesmo que situado temporalmente no período do conflito, Meio Sol Amarelo é mais vasto, apresentando ao leitor toda a singularidade da Nigéria, como seus aspectos culturais, geográficos e econômicos. Sua proposta se assemelha a um romance de formação do país, mostrando o modo artificial como a Nigéria surgiu, fruto das relações do colonialismo, passando pelos conflitos que se sucederam para a construção da nação em si.

Adichie dá uma contribuição imensa para a popularização de seu país, de sua cultura e de sua literatura. O afastamento cultural inviabiliza uma melhor compreensão da literatura nigeriana, mas o número de vendas acima de um milhão de exemplares no mundo inteiro e sua tradução para 30 idiomas mostram que seu trabalho gerou um forte impacto.

Meio Sol Amarelo é um livro excelente em todos os sentidos e sua vendagem significativa mostra como a autora conseguiu levar a literatura de seu país a um amplo público. Um feito que a coloca como umas das artistas mais relevantes da atualidade.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 3/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
02. Dooois ou um? de Adriane Pasa
03. Não era pra ser assim de Carina Destempero
04. Alívios diamantinos de Ana Elisa Ribeiro
05. Muitos amores ao mesmo tempo de Fabrício Carpinejar


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015
05. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOBBIT
J.R.R. TOLKIEN
MARTINS FONTES
(2012)
R$ 30,00
+ frete grátis



WALTER BENJAMIN - EXPERIÊNCIA HISTÓRICA E IMAGENS DIALÉTICAS
RUBENS M. JUNIOR; MIGUEL VEDDA; CARLOS E. MACHADO
UNESP
(2015)
R$ 71,90



A LINGUAGEM NA PESQUISA SOCIOCULTURAL
SILVANA M. SERRANI
UNICAMP
(1993)
R$ 40,00



UMA LONGA JORNADA
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
R$ 15,00



PRETO & BRANCO 1
TAIYO MATSUMOTO
CONRAD
(2001)
R$ 29,00



ERRÂNCIAS MIGUELISTAS (1834-43) COSMOS HISTÓRIA
MARIA TERESA MÔNICA
EDIÇÕES COSMOS
(1997)
R$ 35,70



NÔMADES CONTEMPORÂNEOS: FAMÍLIAS EXPATRIADAS E UM MOSAICO
CÉLIA NUNES SILVA E OUTROS
VIEIRA & LENT
(2009)
R$ 25,00



CARTAS DE HASTINGS E DE PARIS (1908 - 1914)
PIERRE TEILHARD DE CHARDIN
LIVRARIA MORAIS
(1967)
R$ 20,00



A PINTURA ENCARNADA
GEORGE DIDI-HUBERMAN
ESCUTA
(2012)
R$ 30,00



EU VI ONDE TERMINA O MAR
ROSALIE GALLO Y SANCHES
IE
(2003)
R$ 5,07





busca | avançada
33053 visitas/dia
1,3 milhão/mês