Meio Sol Amarelo | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/9/2015
Meio Sol Amarelo
Guilherme Carvalhal

+ de 3200 Acessos

Meio Sol Amarelo

A literatura africana é bastante distante de nós brasileiros. Se formos retratar autores deste continente, provavelmente vamos nos referir a Luandino Vieira ou Mia Couto por causa da lusofonia, incluindo o livro Os Cus de Judas, de Antônio Lobo Antunes nesse rol. Figuram ainda entre os mais conhecidos J. M. Coetzee e Naguib Mahfouz, que conseguirem ser alçados ao patamar de autores mundiais e traduzidos para diversos idiomas. Albert Camus era argelino, mas aparentemente costuma ser mais tratado como europeu do que como africano.

O livro Meio Sol Amarelo, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, é exemplar muito claro de como determinadas barreiras culturais tem sido derrubadas e que um livro de uma autora negra e africana pode sim se tornar mundial e altamente representativo para seu país, levando sua história e sua cultura ao mundo inteiro.

Para compreender o livro, é preciso entender a história da Nigéria. O país foi uma colônia britânica, que introduziu seu idioma, sua cultura e o dividiu etnicamente. Então sua estrutura se tornou complexa, contendo vários idiomas, uma parcela da população ocidentalizada e outra mais tradicional, além da questão da multiplicidade religiosa, com o cristianismo, o islamismo e religiões tradicionais do país.

Em 1960 o país conquistou sua independência. Em 1966 passou por dois golpes de estado em sequência e os problemas étnicos e políticos levaram a etnia igbo a declara a independência da República de Biafra, situada a leste do país. Daí então sucedeu a guerra civil, deixando um saldo de mortos acima de um milhão, entre vítimas de combate e mortos do fome. Em 1970 Biafra capitulou e a Nigéria se reunificou. Esse conflito é considerado o primeiro envolvendo causas étnicas desde a Segunda Guerra Mundial.

O livro de Chimamanda Ngozi Adichie se passa durante esse período, mostrando a relação de diversos personagens com o país e com a guerra que se desenrolou. Além de ser uma história muito bem desenvolvida, é uma aula de história de seu país e de seus muitos conflitos.

O ambiente estabelecido pela autora em seu livro visa construir no leitor um painel profundo de seu país e da sua complexidade. Pode ser compreendido de diversas maneiras: o processo de ocidentalização a destruir as práticas tradicionais, a submissão popular diante de culturas tidas como mais "nobres" e que desvalorizam a cultura local, os choques entre ricos e pobres, mesmo que dentro de um igual grupo étnico, as relações pouco compreendidas que unificam um país de sociedade diversificada, como se a identidade de um nigeriano fosse fruto mais do colonialismo europeu do que do próprio entendimento de seu povo enquanto nação.

A trama conta com vários personagens principais, com destaque para Olanna, uma jovem de classe alta educada na Inglaterra. Filha de um empresário, sua família igbo é ocidentalizada e ela e sua irmã gêmea, Kainene, estudaram em outros países e possuem um padrão de vida alto.

Olanna se envolve em um relacionamento com Odenigbo, professor universitário oriundo de uma família com vínculos tribais. Odenigbo é engajado em questões políticas e é de classe alta, reunindo em sua casa um amplo grupo de intelectuais, contando de professores a militares.

Esse núcleo de personagens apresenta uma abordagem dos choques de modernidade do país, inserindo sua multiplicidade étnica e religiosa no meio. O pai de Olanna, após o golpe de estado, começa a procurar os governantes para traçar seu relacionamento empresarial, mesmo ele sendo parte da minoria igbo. Para ele não interessavam as diferenças, mas a necessidade de se lucrar dentro dessa situação, uma visão do capitalismo inserido no país a atropelar quaisquer barreiras étnicas. Da mesma maneira Olanna possui um pretendente islâmico e rico, considerado um bom partido, porém as diferenças religiosas impediriam o relacionamento. Por sua vez, Olanna enfrenta conflitos com a mãe de Odenigbo, que não aceita de maneira alguma os dois juntos por motivos étnicos.

A narrativa de Adichie constrói todo o contexto sem ser enfadonha, inserindo os personagens na sequência dos fatos históricos. São as conversas na casa de Odenigbo ou o rádio ligado nas notícias que permitem o entendimento da situação, bem como o posicionamento dos mesmos. São personagens em fuga durante os ataques, pessoas perdidas sem entender o que se passa, ricos indo para a Inglaterra, alguns confiantes de que tudo terminará bem.

Além desse grupo de personagens, há dois de destaque, que são Ugwu e Richard. Ugwu é um rapaz que mora em uma vila e vai trabalhar para Odenigbo. Ele é seu criado doméstico, limpando a casa, cuidando das roupas, fazendo comida. Ele é uma visão inocente e desinformada dos conflitos, assistindo a tudo e respaldando suas opiniões nas do patrão. Além disso, sua presença ajuda a situar Odenigbo dentro de todo contexto, porque mesmo sendo um militante contra a opressão (isso em um mundo no qual a Guerra Fria fervilhava) ele ainda era um patrão, alguém de uma situação social superior.

Richard é um escritor inglês que está estudando a cultura da Nigéria para um livro que nunca sai do papel. Ele é uma excentricidade no meio de toda a história: é inglês e mora em uma ex-colônia de sua nação sem um objetivo muito claro. Se apaixona por Kainene, uma relação que nunca se conclui de fato; ele tem dificuldades em manter ereção e ela possui outros amantes além dele. Quando começam os conflitos, ele não busca abrigo nem retorna à Inglaterra, mas se mantém em meio às animosidades do país. Durante um processo de guerra civil em um país africano, é um personagem europeu que esboça toda o absurdo do que se passa, talvez pelo seu próprio afastamento cultural. Vale destacar também seu criado Harrison, que continuamente afirma que tudo que é europeu é superior, em contraponto a Richard, cada vez mais interessado em se tornar nigeriano.

O valor do livro é muito amplo devido à abrangência de seu conteúdo. Seu contexto em torno da proclamação da República de Biafra e da guerra civil sequente o coloca como um livro de expressão de uma desgraça humana, pareado com livros e filmes como Hotel Ruanda e Diamantes de Sangue. Porém, o livro vai bem além disso. Mesmo que situado temporalmente no período do conflito, Meio Sol Amarelo é mais vasto, apresentando ao leitor toda a singularidade da Nigéria, como seus aspectos culturais, geográficos e econômicos. Sua proposta se assemelha a um romance de formação do país, mostrando o modo artificial como a Nigéria surgiu, fruto das relações do colonialismo, passando pelos conflitos que se sucederam para a construção da nação em si.

Adichie dá uma contribuição imensa para a popularização de seu país, de sua cultura e de sua literatura. O afastamento cultural inviabiliza uma melhor compreensão da literatura nigeriana, mas o número de vendas acima de um milhão de exemplares no mundo inteiro e sua tradução para 30 idiomas mostram que seu trabalho gerou um forte impacto.

Meio Sol Amarelo é um livro excelente em todos os sentidos e sua vendagem significativa mostra como a autora conseguiu levar a literatura de seu país a um amplo público. Um feito que a coloca como umas das artistas mais relevantes da atualidade.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 3/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
04. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
05. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2015
01. Influências da década de 1980 - 30/7/2015
02. A trilogia Qatsi - 15/10/2015
03. Meio Sol Amarelo - 3/9/2015
04. A grande luta das pessoas comuns - 19/11/2015
05. O cinema de Weerasethakul - 2/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês