O romance do 'e se...' | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/7/2015
O romance do 'e se...'
Cassionei Niches Petry

+ de 3200 Acessos

E se não tivéssemos saído de casa naquele dia fatídico? E se eu não tivesse parado para amarrar os tênis antes de passar por baixo da marquise que desabou? E se você tivesse ficado em casa naquele dia em que conheceu a namorada na boate? E se Tancredo Neves não tivesse morrido? E se não existisse literatura?

Se eu não conhecesse a obra anterior de Miguel Sanches Neto, talvez não tivesse lido seu recente romance. A narrativa poética e memorialística de Chove sobre a minha infância, os romances com tintas de história em O amor anarquista e A máquina de madeira e os contos das coletâneas Hóspede secreto e Então você quer ser escritor?, assim como as crônicas sobre livros em Herdando uma biblioteca, mostraram um autor experimentado e dono de um estilo próprio, alimentado por leituras e reflexões a partir da condição de crítico literário, atividade que abandonou para se dedicar à elaboração de A segunda pátria (Intrínseca, 320 páginas).

Se Getúlio Vargas se aliasse a Adolf Hitler e cedesse a posse dos Estados com forte colonização alemã ao regime nazista, o que aconteceria? Com essa premissa, o escritor paranaense cria uma realidade paralela (possível de ter acontecido, diga-se de passagem) e solta a imaginação. Esse painel histórico alternativo, porém, não nos é contado a partir da macro mas sim da micro história. O ângulo escolhido é o reflexo do horror nazista nas pessoas comuns.

E se a perseguição nazista acontecesse numa sociedade recém-saída da escravidão dos negros e praticamente sem a presença de judeus? Com a justificativa da pureza da raça ariana, os descendentes africanos seriam os primeiros a sofrerem. É o que acontece na cidade de Blumenau, em Santa Catarina, com Adolpho Ventura. Apadrinhado por um alemão para quem seus pais trabalharam, o jovem recebeu boa educação e oportunidade de se formar engenheiro. Aprendeu a falar alemão e aprecia a literatura da terra de Goethe. Trabalhando como engenheiro na prefeitura, tem agora sua casa própria e cria sozinho um filho cuja mãe, de descendência alemã, não podia criá-lo. Com as novas leis, no entanto, as pessoas começam a se afastar dele e logo o obrigam a deixar o emprego e a casa. Esse era um sentimento que aumentava a cada dia. Não queriam mais a sua presença no serviço. Nem na cidade. Ele cruzara uma fronteira. Por fim, é obrigado a trabalhar em uma fazenda como escravo. O horror está estabelecido.

E se o enredo fosse contado a partir de outro ponto de vista? Pois o foco narrativo muda na segunda parte do enredo e se cola na figura de Hertha, jovem branca, criada pelo tio alemão. Tendo como fachada a atividade de pianista, ela na verdade presta serviços sexuais. O seu maior "recital" acontece em Porto Alegre e tem como "ouvinte" uma grande figura da época. Simpatizante do nazismo num primeiro momento, chegando a fazer parte da juventude hitlerista, ela passa, assim como o tio, a questionar o regime. Por isso, também são perseguidos. E é o tio quem faz uma interessante reflexão sobre a igualdade e a mistura de raças, através de uma comparação com as florestas nativas e as plantadas:

Karl ergueu o arame da cerca para Hertha e também passou pela fresta. Andaram no meio dos eucaliptos eretos, plantados em linha reta, com espaçamento fixo. O chão estava sem mato. Era fresco ali, e tudo tinha um cheiro forte de produto químico, liberado pelas folhas e cascas das árvores.
- Para mim, as florestas deviam ser todas assim, iguais, regulares. Demorei a me acostumar com as florestas tropicais, com a fartura, o excesso, a confusão. A gente olhava uma árvore e via o galho florido da outra dentro de sua copa.
Após um breve silêncio, Karl disse:
- Promiscuidade.
- O quê? - Hertha achou que ele a acusava.
- Uma floresta promíscua, mas muito rica, muito viva. Eu queria uma floresta militar.


Se Miguel Sanches Neto freasse sua imaginação e não recriasse os fatos históricos, ou melhor, não os invertesse, e não se furtasse inclusive de mudar a forma da morte de um chefe político importantíssimo, chegando a antecipá-la na linha do tempo da História, teríamos um romance mediano, pois falha em alguns pontos. Não desenvolveu, por exemplo, algumas personagens, que aparecem muito rapidamente, apesar de assumirem papéis relevantes. Também obscureceu em demasia a identidade da mãe da criança de Adolpho de tal maneira que, quando revelada, se tornou inverossímil, pelo menos para este leitor que não encontrou o elo e não identificou as mudanças de discurso temporal da narrativa. Esse hermetismo destoou do resto do romance. Saímos, no entanto, extasiados pelo enredo, um dos mais originais da literatura brasileira.

E se esse livro virasse filme? Pois parece que vai, pois os direitos de filmagem já foram comprados. Confesso que espero ansioso para ver audácia de Sanches Neto na grande tela. É uma obra que ainda dará muito que falar.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 22/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
02. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
03. Blindagem das palavras? de Daniel Bushatsky
04. Lear e Potter de Ricardo de Mattos
05. Dias sombrios de Elisa Andrade Buzzo


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2015
01. A coisa tá preta - 8/7/2015
02. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) - 19/8/2015
03. O romance do 'e se...' - 22/7/2015
04. Do inconveniente de ter escrito - 9/9/2015
05. As sombras e os muros de José J. Veiga - 11/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Máxima Mínimas e Outros Textos: um Caminho para Alguns
Suffit Kitab Akenat
Landy
(2003)



Eugene Onegin: a Novel in Verse
Alexander Pushkin
Penguin
(2003)



Educação: Truques Velhos, Palavras Gastas
Antonio Luiz Mendes de Almeida
Quórum
(2004)



Ensaios de Direito Tributário Volume II
Helenilson Cunha Pontes
Mp
(2008)



A Nova Constituição e os Direitos Fundamentais dos Trabalhadores
Julio Cesar do Prado Leite
Edições Trabalhistas (rj)
(1987)



Gestão da Qualidade
Vários Autores
Fgv
(2005)



Voa Comigo!
Maria Teresa Maia Gonzalez
Editorial Presença
(2008)



Doze Visões de Duas Cidades Maravilhosas Rio/são
Nirlando Beirao e Outros
Formarte
(2003)



A Conservação de Energia por Meio da Co-geracao de Energia Eletrica
Luiz Donizeti Clementino
Erica
(2001)



João de Barros: Educador Republicano
Rogério Fernandes
Livros Horizontes (lisboa)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês