Descobrindo David Goodis | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival Brincando na Praça acontece em versão online com atrações para toda a família
>>> IED lança blogs sobre Design
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Toma Vacilão: clip de Natasha Sahar no YouTube
>>> Startup lança projeto para retorno às aulas
>>> Os Doidivanas chegam às plataformas de podcasts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Roots, bloody roots
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Escritor: jovem, bonito, simpático...
>>> O iPad, da Apple e de Steve Jobs
>>> Poesia para os ouvidos e futebol de perebas
>>> Hell’s Angels
>>> Desfile de homens ocos
>>> Na casa do mouro
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Mais Recentes
>>> Senhor das Moscas de William Golding pela Alfaguara (2014)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Dez Mulheres de Marcela Serrano pela Alfaguara (2012)
>>> Quem Tem Medo de Escuro ? de Sidney Sheldon pela Record (2005)
>>> Manual de Direito das Famílias de Maria Berenice Dias pela Revista dos Tribunais (2015)
>>> O infame comércio de Jaime Rodrigues pela Unicamp (2000)
>>> O Clube do Livro do Fim da Vida de Will Schwalbe pela Objetiva (2013)
>>> O Amigo de Infância de Donna Tartt pela Companhia das Letras (2004)
>>> Antologia dos Santos padres de C. Folch Gomes pela Paulinas (1979)
>>> Mentiras no divã de Irvin D. Yalom pela Ediouuro (2006)
>>> Construção da nação e escravidão no pensamento de José Bonifácio de Ana Rosa Cloclet da Silva pela Unicap (1999)
>>> As Forças do Bem de Diamantino Coelho Fernandes pela Freitas Bastos (1979)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Bravo! 90 - Março 2005 - Zé Celso e o Teatro de Michel Laub pela Abril (2005)
>>> As muitas mães de Ariel de Mirna Pinsky pela Melhoramentos
>>> Bravo! 108 - Agosto 2006 - Jorge Amado de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Um Passeio pelo Tempo Machadiano - Suplemento Pedagógico de Adriane Gomes Farah e Outros pela Rovelle (2009)
>>> As 16 Leis do Sucesso de Napoleon Hill pela Faro Editorial (2017)
>>> O Segredo do Meu Marido de Liane Moriarty pela Intrínseca (2014)
>>> Bravo! 95 - Agosto 2005 - Cinema: os Brasileiros no Exterior de Almir de Freitas pela Abril (2005)
>>> O milagre da manhã para se tornar um milionário de Hal Elrod pela Best Seller (2019)
>>> O símbolo perdido de Dan Brown pela Arqueiro (2009)
>>> As 5 Habilidades Essenciais do Relacionamento de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> Uma breve história do Universo de Ken Wilber pela Nova Era (2006)
>>> História 2° Ano Ensino Fundamental de Cândido Domingues Grangeiro pela Cereja (2014)
>>> Oye orixa - umbanda e a síntese dos princípios do Branco de Rafael Alves; Marcelo Costa Nunes pela Casa Das Musas (2009)
>>> De costa a costa de Jaime rodrigues pela Companhia das letras (2005)
>>> Dicionário de teatro de Patrice Pavis pela Perspectiva (2005)
>>> Historia da África: Anterior aos descobrimentos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (2007)
>>> O Papel do Corpo no Corpo do Ator de Sônia Machado De Azevedo pela Perspectiva (2008)
>>> Longe é Um Lugar Que Não Existe de Richard Bach pela Record (1979)
>>> Muita Alma Nessa Hora - Lições para Empreender com Propósito de Kiko Kislansky pela Voo (2018)
>>> Etnologia africana de Eduardo dos Santos pela J. Castelo Branco, Lisboa (1969)
>>> Decifre e Influencie Pessoas de Paulo Vieira + Deibson Silva pela Gente (2018)
>>> Bravo! 105 - Maio 2006 - Degas de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Que mundo? que homem? que Deus? de Juan Luis Segundo pela Paulinas (1995)
>>> Consciéncia -Volume 8 -/2p de instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo pela Lilacl (2000)
>>> Amor Com Amor Se Paga: a nova moeda no mundo do trabalho de Dulce Ribeiro pela Doravante (2005)
>>> As origens cristãs a partir da mulher: uma nova hermenêutica de Elisabeth S. Fiorenza pela Paulinas (1992)
>>> Fama, fortuna e ambição de Osho pela Academia (2012)
>>> Mistérios Ocultos de Joshua David Stone pela Pensamento (1995)
>>> Como Fazer : Guia Pratico de Tecnicas ,projetos e Ideias para o Lar -Vol3 = de Jorge Adib pela Rio Grafica (2000)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (1968)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (2020)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> Encontro: Fragmentos Autobiográficos de Martin Buber pela Vozes (1991)
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Penguin (2020)
>>> O livro da sabedoria de Pe. Mário de Oliveira pela Edium editores (2020)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/3/2010
Descobrindo David Goodis
Luiz Rebinski Junior

+ de 5600 Acessos

Com certa frequência a literatura traz boas novas. De tempo em tempo dou de cara com determinados autores que não conhecia, me apaixono e entro com tudo na obra do escritor. Vou a sebos e livrarias, compro tudo que posso do autor e vou pra casa me entorpecer com a "descoberta". Isso aconteceu recentemente com Raymond Carver, Harry Kemelman e João Gilberto Noll.

Esse é um dos grandes baratos da literatura. Quando tudo parece monótono e repetitivo, de repente, sem ser avisado, você leva um soco no estômago. Um livro com quarenta, cinquenta anos te faz cair na real, te mostra como você é babaca por achar que não vai mais encontrar nada que te emocione e que faça você terminar logo suas atividades só pra voltar a um livro que ficou na metade. Isso é ótimo porque te deixa ciente da própria mediocridade e mostra a força da história da literatura. Mas também porque é um ótimo indício de que você ainda está vivo para a literatura, não se cansou dela e ainda se emociona, é capaz de se inebriar com um livro.

Isso tudo pra dizer que acabo de me apaixonar novamente. Desta vez por um autor norte-americano que fez fama escrevendo livrinhos noir sobre a decadência do trabalhador americano. David Goodis é o nome dele. Goodis ficou na sombra de nomes mais famosos do romance policial, como Raymond Chandler e Dashiel Hammett. Um lugar propício para um escritor que tinha como matéria-prima os vencidos que transitavam lentamente na escuridão dos portos, que se escondiam de seu destino na névoa viciante dos bares mais mal frequentados.

Na orelha de um de seus livros, Goodis revela como encarava a literatura: "No começo eu queria escrever de modo solene e só abordar os grandes problemas, mas logo aprendi que o problema mais importante era comer, então eu me conformei em escrever o que os editores queriam". E assim Goodis se tornou um escritor de revistas pulp, aqueles magazines baratos que faziam sucesso até a primeira metade do século XX nos Estados Unidos. Escrevia qualquer coisa que lhe rendesse dinheiro e assim se tornou, por um período, roteirista de Hollywood. Queria ser Hemingway, mas acabou tendo um fim mais parecido com o de Fitzgerald. Morreu em decorrência de ferimentos recebidos em uma briga de rua, aos 49 anos. Exatamente como os brigões e arruaceiros que engrossam o caldo de sua literatura.

Goodis escreveu contos e novelas, mas são os seus romances que lhe deram certa notoriedade. O mais conhecido deles, certamente, é Atire no pianista (L&PM, 2005, 224 págs.), que foi filmado por Truffaut em 1960. É, de longe, o filme mais experimental do mestre da Nouvelle Vague. Um filme muito parecido, por sinal, com a estreia de Godard, Acossado, que tem roteiro do próprio Truffaut. Em ambos os filmes a câmera corre rápido, há cortes abruptos e a narrativa não é linear. Truffaut, depois desse filme, nunca mais seria tão experimental no modo de filmar, deixou esse papel para o colega e, mais tarde, desafeto Godard.

No livro de Goodis, Eddie, um pianista de taverna, é envolvido em uma trama obscura quando resolve ajudar um irmão picareta a escapar de dois mafiosos. O livro começa com uma perseguição veloz e empolgante, com Turley, o irmão do pianista, sendo cassado como rato entre as caixas de cerveja do bar de Harriet, onde Eddie toca, pelos bandidões Morris e Feather.

Eddie, assim como vários outros personagens de Goodis, é um tipo de fracassado que já perdeu totalmente a esperança: tem um ar resignado que não lhe deixa fazer mais do que aquilo que já está acostumado. Não quer mais nada da vida, não espera compaixão, muito menos amor, de ninguém. Está plenamente satisfeito com sua condição, por pior que seja. Mas essa desesperança tem explicação. Eddie outrora era Edward Webster Lynn, um promissor concertista de Nova York que vê sua carreira desmoronar quando descobre que sua mulher, Teresa, vendeu o próprio corpo em troca de um contrato com um famoso agenciador de pianistas. A carreira de Edward deslancha com o contrato, mas sua vida acaba. A mulher, envergonhada com o que fez, comete suicídio. Edward então cai na vida, vira Eddie, o pianista de pocilgas, e tenta esquecer não só o passado, mas também o presente.

O mais incrível na literatura de Goodis é que ele consegue empreender uma linguagem poética mesmo sendo simples e bastante direto em seu texto, como no trecho em que narra o suicídio da mulher: "Edward fez meia-volta, atravessou a sala correndo, e entrou no dormitório. Teresa estava no parapeito da janela. Ele pulou para frente e tentou agarrá-la, mas nada havia para agarrar. Havia apenas o ar frio que entrava pela janela".

Goodis se utiliza do passado negro de Eddie para dar mais credibilidade ao estoicismo do personagem. Eddie é um homem acabado, que não pensa muito antes de tomar uma decisão. Qualquer coisa que lhe aconteça será algo "inevitável".

Goodis usou recurso parecido em outro romance. Em A garota de Cassidy (L&PM, 2006, 224 págs.), o personagem central, Jim Cassidy, é um ex-piloto de avião que desiste da profissão e torna-se estivador após se envolver em um acidente aéreo. Mesmo não sendo culpado pelo acidente, é atormentado pela consciência e resolve fugir. Os personagens de Goodis estão quase sempre em fuga. Seja do passado ou do presente. E o melhor paliativo que encontram é a bebida. Os livros de Goodis são altamente alcoólicos, o uísque verte das páginas como uma fonte de água mineral.

Goodis é daqueles autores que não te deixam em paz até que você se liberte por completo dele. Para isso, é preciso chegar à última linha do livro. Li A garota de Cassidy em meio a uma gripe forte, daquelas que te deixam anuviado. Quando largava o livro e adormecia, era comum sonhar com Cassidy. Via-o em sua fuga, imaginava-o bebendo no Lundy's Place e me sentia deprimido quando despertava. Não sei se estou supervalorizando Goodis, só sei que a literatura dele me pegou em cheio, me atordoou.

Quando se procura sobre Goodis, é comum encontrar textos que o relacionam com Bukowski. Esqueça! Não há nada de similar. Personagens beberrões encontramos em toda literatura, não só na americana. Os personagens de Goodis têm uma força diferente dos de Bukowski. Suas personalidades são mais rijas, são pessoas intransponíveis, mesmo que façam parte da ala dos vencidos, dos fracos. Os personagens de Bukowski são muito mais caricatos, nos convencem de outra forma.

As tramas de Goodis também não seguem a cartilha de autores clássicos do romance policial. A trama, em seus livros, é importante, claro, há sempre aquele suspense pairando no ar, mas não é nunca um quebra-cabeça. A trama está sempre a serviço do personagem, nunca o contrário. Quando se termina um livro de Goodis, lembramos de Cassidy, Eddie ou Hart, o personagem de Sexta-feira negra. A história vem acoplada ao personagem. Por isso que o adjetivo "noir" é muito mais apropriado do que o termo "policial" quando se fala em David Goodis. As tramas do escritor são mais muito mais negras do que policialescas.

David Goodis escreveu dezenove livros. Apenas quatro foram publicados por aqui (Atire no pianista, A lua na sarjeta, A garota de Cassidy e Sexta-feira negra), todos pela L&PM. Em um país em que Henry Chinaski se deu tão bem, os beberrões malditos de Goodis certamente mereciam melhor sorte.

Para ir além









Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 24/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
03. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
04. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA MINHA ASSISTENTE COISAS QUE EU NUNCA FAREI PARA VOÇÊ
LYDIA WHITLOCK
PLANETA
(2014)
R$ 9,90



EU MEREÇO TER DINHEIRO!
REINALDO DOMINGOS
DSOP
(2013)
R$ 9,90



MACHADO DE ASSIS, PERSONAGENS E DESTINOS
ANTENOR SALZER RODRIGUES
BOM TEXTO
(2008)
R$ 24,90



ENCONTRO MARCADO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(1992)
R$ 5,00



PRETÉRITO QUASE PERFEITO
RONALD GUIMARÃES
RHJ
(2004)
R$ 9,90



POLÍTICA EDUCATIVA COMO TECNOLOGIA SOCIAL, AS REFORMAS DO ENSINO
SÉRGIO GRÁCIO
LIVROS HORIZONTE
(1986)
R$ 31,88



O MAL NO PENSAMENTO MODERNO - UMA HISTÓRIA ALTERNATIVA DA FILOSOFIA
SUSAN NEIMAN
DIFEL
(2003)
R$ 100,00



AO CORRER DA PENA
JOSE DE ALENCAR
MELHORAMENTOS
R$ 6,90



A DANÇA DA SERPENTE
SEBASTIÃO MARTINS

(1990)
R$ 8,00



CURSO DE INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1971)
R$ 22,50





busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês