Três filmes sobre juventude no novo século | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Budapeste de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2003)
>>> Sábado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2008)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Redes Sociais -Twitter,Orkut e Facebook -Oque é certo e errado nas redes sociais de Revista exame pela Abril (2013)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
>>> Mojo The Collectors´ Series de Led Zeppelin 1968 - 1973 pela Bauer Media (2020)
>>> O Cortiço [Coleção Vestibular] de Aluisio Azevedo pela Klick (2000)
>>> Psicologia Para A Vida Familiar – Uma Abordagem Situacional de Paul Hersey e Kenneth H. Blanchard pela Epu (1986)
>>> Julio Cesar de William Shakespeare de William Shakespere pela Ediouro (2015)
>>> Personalidade de Dante Moreira Leite pela Nacional (1967)
>>> He – A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> O Cão de Baskerville -uma aventura de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Lpm pocket (2015)
>>> Introdução à Psicologia das Relações Humanas de Irene Mello Carvalho pela Fundação Getúlio Vargas (1964)
>>> A Arte do Aconselhamento Psicológico de Rollo May pela Vozes (1987)
>>> Entre o sertão e Sevilha - de Joao Cabral de Melo Neto pela Ediouro (1997)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1983)
>>> Um olhar sobre as serviçais domésticas na literatura portuguesa de Sonia Mara Ruiz Brown pela Brazil Publishing (2020)
>>> o Feiticeiro da Montanha de Fogo - de Steve Jackson pela Jambo (2010)
>>> A definição da psicologia de Fred S.Keller pela E.p.u (1975)
>>> CD Gaúcho da fronteira de Warner music Brasil pela Chantêcler Sonopress (1994)
>>> A inteligência aprisionada de Alicia Fernández pela Artmed (1991)
>>> Veja 25 anos - Reflexões para o Futuro de Diversos pela Abril (1990)
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/11/2016
Três filmes sobre juventude no novo século
Guilherme Carvalhal

+ de 3700 Acessos



Há dois filmes sobre juventude pós-ano 2000 bastante significativos. Um é dos Estados Unidos, Na Natureza Selvagem (2007, de Sean Penn). O outro é o alemão Os Edukadores (2004, de Hans Weingartner).

Essas duas obras são repletas de um romantismo juvenil que beiram a ingenuidade. No filme alemão, um trio de jovens se dedica a uma militância rebelde (anticapitalista, socialista, ou alguma terminologia do gênero). Eles invadem a casa de pessoas ricas, reviram seus móveis e deixam um recado politizado. Já Na Natureza Selvagem traz a história real de Chris McCandless, um jovem estadunidense de classe média e boa instrução que se cansa da vida em sociedade e viaja rumo ao Alasca por considerar que a vida em meio à natureza reserva maior felicidade para ele. Sujeito citadino, não consegue se virar em ambiente inóspito e morre.

Esses dois filmes se assemelham no ponto de mostrar uma pulsão juvenil por rebeldia canalizada por uma causa sem sentido, ou sem utilidade prática. Fazendo mais jus ao nome que o filme estrelado por James Dean, são rebeldes sem causa. Isso porque a geração de 1950 até 1970 ainda enfrentava uma relação forte de autoridade que seguia da casa ao governo. Foi a geração do movimento hippie, das revoltas de 1968, etc. Uma geração que se posicionou em vários extremas, da luta contra ditaduras na América Latina, contra a Guerra do Vietnã nos Estados Unidos, contra o regime socialista em Praga ou simplesmente contra o status quo na França.

Já a geração pós-2000 é de uma rebeldia bem menos direcionada, e até bastante conservadora, pode-se dizer. Foi uma juventude que cresceu beneficiada pelos ganhos da geração anteriores, pelas liberdades e pelos direitos. Também é uma geração que nasceu dentro de um mundo globalizado, tendo logo na infância um vídeo game japonês e brinquedos com o selo Made in Taiwan. É a geração que formou o público-alvo desses dois filmes: bem esclarecida, gozando de muitas vantagens em relação à geração de seus pais e com esse instinto de rebeldia sem um bom equalizador.

A essa lista adiciono um terceiro, Elefante (2003, de Gus Van Sant), também dos Estados Unidos. Aqui, a questão da juventude é problematizada com outra visão, mostrando as muitas relações em uma escola tendo como ponto chave dois garotos que entram armados e causam uma chacina. Claramente inspirado no massacre de Columbine, coloca no cerne as frustrações de uma juventude materialista em que o consumo se sobrepõe às relações afetivas e que essa troca resulta em um senso de desorientação que descamba em violência.

Se os dois primeiros nos ajudam a construir uma visão mais próxima à política da juventude posterior à queda do muro de Berlim, enfocando o âmbito das questões públicas, o terceiro tem uma abordagem mais próxima do íntimo, mostrando relações mais privadas. É a questão afetiva, a ideia de desencaixe social existente no adolescente, a relação com os mais velhos e as expectativas de vida que guiam o roteiro.

Esse tipo de abordagem não é uma novidade no cinema. Desde James Dean e Marlon Brando que essas histórias juvenis carregadas de drama começaram a ganhar espaço. Filmes como Amor, sublime amor, Hair e Sem Destino colocaram em evidência a existência de uma juventude ávida por aventura, discordando da “caretice” e querendo construir uma nova percepção de realidade.

Na década de 1980 essa ideia de juventude nos cinemas deu uma mudada. O tom dramático deu espaço a algo mais jocoso, como na série Porky's, em Clube dos Cafajestes, e nos filmes de John Hughes (criando um estilo de humor que existe até os dias atuais). Algumas exceções como Cristiane F. foram produzidas, mas a concepção de juventude na era Madonna e Michael Jackson esteve mais perto da exacerbação do estilo e do consumo do que na questão política.

A década de 1990 retomou essa ideia da juventude perdida e decepcionada. Do suicídio de Kurt Cobain ao sucesso de Kids, a evidência de uma juventude desnorteada começava a se fazer presente. Da politização dos tempos hippies à rendição do consumismo, nasceu um novo filho, o do jovem sem base e sem referência em um mundo em que drogas e violência abundam. Por outro lado, a juventude também é mostrada de uma maneira plastificada, como na indústria de vídeo clipe da MTV ou na série American Pie. Nesses casos, persiste o jovem quer vive por conta dos pais, atrás de sexo e dos prazeres mundanos, encarando um mundo capitalista à sua frente quando a vida adulta chegar.

Os três filmes mais recentes que citei trazem uma perspectiva interessante nessa abordagem de uma juventude e sua relação com o mundo, pois formam uma retomada de uma visão do jovem enquanto alguém também imbuído de um sentido de politização. Gus Van Sant é um cineasta que mescla paixão pela juventude com uma fina percepção de mundo. Sean Penn tem em seu currículo como ator o filme Picardias Estudantis, uma comédia adolescente da década de 1980, mas que traz dramas profundos, como aborto. De certa maneira, os anos 2000 levaram quem se formou durante os períodos anteriores a propor uma visão diferenciada desse tema nas telonas, indo além do pastiche e da visão de juventude perdida.

Essa mescla de rebeldia descambada com uma vida desencantada formam um painel interessante para notar-se movimentos que eclodem, até porque nos últimos anos surgiram movimentos juvenis por vários cantos do mundo. Das manifestações convocadas pelo Pussy Riot em Moscou à Primavera Árabe que descambou na queda de ditaduras como Ben Ali na Tunísia, Mubarak no Egito e Kadafi na Líbia, uma nova relação com a política se formou, boa parte dela movida pela capacidade de comunicação produzida pela internet e pela geração que cresceu com a globalização.

Falar dessa geração pressupõe pensar em jovens bem diferentes de suas gerações anteriores. É uma geração que cresceu com TV, internet e vídeo games, cuja formação de valores ultrapassa a esfera de sua família, igreja e escola, historicamente os baluartes da formação do indivíduo. Os anseios dessa geração extrapolam as barreiras fronteiriças e seus sonhos de consumo se ampliam, associando-se essa perspectiva individual a um mundo menos seguro para as realizações, em que a violência nas cidades é uma ameaça constante e um colapso financeiro como o de 2008 podem transformar carreiras e projetos financeiros em pó.

Outro ponto dessa relação da juventude pós-2000 com os três filmes é o fator anacronismo. Gus Van Sant apresentou um filme genuinamente retratando o momento presente, porém quanto aos outros dois vale uma ressalva. Chris McCandless viveu suas aventuras no começo da década de 1990. Já a história de Os Edukadores parece ter saído da Guerra Fria. Foram filmes que chamaram a atenção da juventude contemporânea, mas possuem um contexto muito forte de tempos passados. Isso reverbera ao notar-se que a simbologia dessa rebeldia juvenil atual é muito motivada pelo passado. Grupos feministas enaltecem Frida Kahlo e grupos de esquerda se valem de Che Guevara. Em um movimento de ocupação de escolas, os adolescentes cantavam Pra não dizer que não falei das flores. A juventude atual carece de ícones e, para supri-los, busca-os no passado.

É com esse mundo complexo que se formou após a queda do muro de Berlim, a chamada nova ordem mundial originada a partir do momento em que a União Soviética se desmantelou, que os três filmes se comunicam. É essa geração, que passou seu início de carreira em meio a uma crise econômica e que vê muitas das esperanças irem abaixo através de maquinações no mercado financeiro, que se encantou com o romantismo meio abobalhado de Chris McCandless. É sobre as frustrações de uma juventude desnorteada por uma época desprovida de utopias que Elefante se refere. E é a busca por utopias, mesmo que vazias, o tema principal de Edukadores.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 3/11/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
02. Correio de Elisa Andrade Buzzo
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
05. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida - 28/7/2016
05. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRINCIPLES AND PRACTICE OF INFECTIOUS DISEASES VOLUME 1
GERALD L MANDELL
CHURCHILL
(1979)
R$ 39,90



O MERCADO NA ECONOMIA MODERNA
JAN S. HOGENDORN
ZAHAR
(1975)
R$ 18,00



MUITO BARULHO POR NADA
WILLIAM SHAKESPEARE
LELLO & IRMÃO
(1955)
R$ 20,00
+ frete grátis



MARKETING E COMUNICAÇÃO EM TEMPO REAL
SCOTT, DAVID MEERMAN
EDITORA ÉVORA
(2011)
R$ 89,90



EXPLOSÃO URBANA NA AMÉRICA LATINA
GLENN H. BEYER (CAPA DURA)
VICTOR PUBLICAÇÕES (RJ)
(1969)
R$ 27,00



O PEREGRINO
JOHN BUNYAN
PRINCIPIS
(2019)
R$ 15,00



DICIONÁRIO TÉCNICO DE AGRICULTURA
BERND KURT HASELOFF
GIRASSOL
(1975)
R$ 12,24



VOL 2 - 14ª EDIÇÃO - CURSO DE DIREITO COMERCIAL
RUBENS REQUIÃO
SARAIVA
(1995)
R$ 5,00



NUVENS E CALMARIAS
WALDIR CARTOLA
CARTHAGO
(1999)
R$ 12,00



ANUÁRIO DELTA UNIVERSAL 1991 VOL. 2
EDITORA DELTA
DELTA
(1991)
R$ 14,90





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês