Os novos filmes de Iñárritu | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/3/2016
Os novos filmes de Iñárritu
Guilherme Carvalhal

+ de 3000 Acessos



De sua aparição ao público com Amores Brutos até o superindicado ao Oscar O Regresso, Alejandro González Iñárritu consolidou sua carreira como um dos maiores diretores de cinema do novo século. De um cinema mais autoral no México ele migrou para Hollywood, onde suas duas últimas produções foram mais marcadas pela qualidade técnica e levou o Oscar de Melhor Filme de 2015 com Birdman.

A estreia de Iñárritu se deu com Amores Brutos (2000), uma tradução pouco clara do original Amores Perros, pela forte simbologia com cachorros. Esse filme apresenta uma característica que será comum aos dois próximos trabalhos do autor, que são histórias de personagens diferentes que se entrelaçam.

Aqui, o ponto de convergência entre três histórias é um acidente de carro provocado por um rapaz que cria cachorro para brigas em rinha. Nesse acidente ele bate em Valeria, uma modelo, e seu cachorro foge, sendo resgatado por um velho que na verdade é um assassino profissional. É um filme, como sugere o título em português, bruto sobre relações humanas e afetivas, e foi indicado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

No seu segundo filme, 21 gramas (2003), Iñarritu começa a transição México-Estados Unidos. Se primeiro filme foi plenamente mexicano e situado na cidade do México, agora sua trama já está do outro lado da fronteira e é falado em inglês.

Nesse filme, novamente o ponto de convergência entre três personagens é um acidente de carro. Nesse caso, Jack, um ex-presidiário convertido e repleto de aspirações divinas um pouco inortodoxas atropela um homem e o mata. O coração da vítima acaba sendo transplantado a Paul, que possui uma situação de saúde complicada. Paul começa a investigar sobre seu doador e acaba tendo contato com Cristina, a esposa.

Iñarritu mostra nesses dois primeiros filmes seu potencial em realizar obras com forte apelo dramática, focando na condição humana, nas suas fragilidades e na necessidade de buscar apoio. Ele explora as angústias e os anseios, seja na pessoa casada em busca de refúgio na infidelidade, seja em uma pessoa doente em busca de esperança. Suas obras são de uma profunda análise humana exibida em forma de sétima arte.

Já em Babel (2006) a proposta de vidas que se entrelaçam ganha cunho internacional. Um casal norte-americano viaja ao Marrocos e deixa seus filhos sob os cuidados de sua empregada mexicana. O casal viaja pelo Marrocos e leva um tiro disparado pelos filhos de um criador de cabras, rifle esse que pertencia a um japonês que tenta inserir socialmente sua filha surda-muda que sofre devido ao suicídio da mãe. Devido ao incidente do tiro, o casal não retorna para casa e a empregada leva ilegalmente as crianças para o México, onde seu filho irá se casar.

Aqui os dramas pessoais dos filmes anteriores se misturam ao contexto do choque cultural de pessoas em locais diferentes. São as crianças levadas a uma festa no interior do México, a emprega imigrante ilegal nos Estados Unidos, a polícia marroquina investigando o disparo contra estrangeiros, o japonês que foi a um safári na África. Esse filme é uma das principais obras a retratar o mundo globalizado, utilizando de diversas localidades e idiomas, mostrando justamente o conceito de Babel, de mundo multicultural onde o entendimento não é um fator significativo.

Já Biutiful (2010) tem uma mudança de padrão, trazendo elementos de sua filmografia anterior e indicando alguns passos para seus trabalhos sequentes. Não há mais o esquema de histórias cruzadas, mas o mergulhar na realidade de Uxbal, um contrabandista espanhol em meio à descoberta de um câncer, os contatos com a ex-esposa, as dificuldades com o crime e a polícia e a criação dos dois filhos. A narrativa fragmentada e esse mergulhar nas mazelas humanas são o pé ainda ficando nos seus trabalhos anteriores.

O lançamento de Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) representa uma forte guinada na sua filmografia. Do cinema de estilo autoral, quase visceral, iluminação pesada e locações reais, ele migrou para o estilo de Hollywood, com efeitos especiais e computação gráfica. Porém, essa mudança não significou uma perda de qualidade.

Birdman traz a história de um ator na meia-idade que vive eclipsado pelo seu passado de sucesso quando interpretou o personagem Birdman nas telas. Agora, envolvido na produção de uma peça teatral, ele se vê eclipsado por atores mais jovens e famosos e seus egos, além de se ver perseguido pela voz de seu antigo personagem.

O filme apresenta algumas marcas do trabalho de Iñárritu, como a profundidade dos dramas humanos e o mergulhar na pessoalidade dos personagens. Um dos pontos principais da diferença é o que se tem para desmascarar nos personagens. Nos trabalhos anteriores, ele apresenta temas como pessoas com doenças terminais, os choques culturais, pobreza, violência. Em Birdman o drama pessoal é mais ameno, como o indivíduo que se sente deslocado do mundo, que lida com o sucesso do passado que não enxerga mais no presente.

Sair de um padrão mexicano para uma produção estadunidense parece afetar diretamente o modo como se conduz a história. Os dramas latino-americanos ou de países de Terceiro Mundo referem-se à pobreza, à violência, ao indivíduo em conflito com o aparelho estatal. Em Birdman, esse conflito se apresenta na família, na carreira, em alguns aspectos de maneira mais existencial.

O passo seguinte do diretor, com O Regresso, levou mais adiante essa mudança de padrões. A história aqui é simplória, para não dizer que é batida. Um grupo de caçadores de peles sai para uma área selvagem dos Estados Unidos no século XIX. Após a caçada, um deles é ferido brutalmente por um urso e, enquanto se recupera, vê um dos membros do grupo matar seu filho. Ele então se recupera e vai atrás de vingança.

O grande demérito desse filme dentro de todo o histórico de Iñárritu está na fragilidade do roteiro. É um filme bem produzido, sendo um belo retrato da época, com efeitos especiais e fotografia muito bons e a atuação premiada de Leonardo DiCaprio. Só que esse ganho não compensa o roteiro fraco, ainda mais por se tratar de um diretor que tem histórias bem elaboradas e tramas complexas em seu histórico.

Pelo lado pessoal, Iñárritu conseguiu um grande mérito com esse filme, pois agora se junta a John Ford e Joseph L. Mankiewicz como os únicos a ganharem o Oscar de Melhor Diretor por dois anos seguidos. O Regresso obteve sucesso de bilheteria e suas premiações ajudaram a garantir seu nome junto ao público.

Iñárritu já mostrou seu forte talento para produzir grandes obras. Sua mudança de estilo trouxe um filme grandioso do nível de Birdman e um pastiche de sucesso como O Regresso. Fato típico da indústria de cinema. Resta saber se essa será uma característica marcante em suas obras de agora em diante.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 17/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
02. Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Casimiro de Brito de Maria João Cantinho


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida - 28/7/2016
05. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês