Submissão, oportuno, mas não perene | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/5/2016
Submissão, oportuno, mas não perene
Guilherme Carvalhal

+ de 4200 Acessos

Smiley face

A leitura de Submissão, de Michel Houellebecq, se justifica menos pelas suas qualidades artísticas e mais pela polêmica que provoca. É um livro de momento, tendo em vista os profundos choques culturais que afetam o mundo, como a intensa migração de pessoas do Oriente Médio à Europa e os atentados terroristas deflagrados contra a França, país do escritor.

Esse choque cultural se dá por várias dimensões na obra. O personagem principal, François, é um professor universitário, figura desapegada a vínculos e sentimentos, porém estudiosa de Joris-Karl Huysmans, escritor francês naturalista (da geração de Émile Zola) que migrou para o decadentismo e para um apego maior ao mundo espiritual. Entre seus estudos e suas relações afetivas mais carnais do que emocionais, ele acompanha uma mudança na política de seus país, quando o islâmico Ben Abbes é eleito presidente.

A premissa de um futuro assolado por um inimigo previsível é algo corrente. George Orwell e Aldous Huxley lançaram à cultura global através da literatura o receio por uma sociedade controlada e pela individualidade suprimida por um estado poderoso. Porém, o contraponto de Houellebecq se encontra na via oposta, quando a presença do inimigo acaba gerando resultados encarados como positivos.

Em Submissão, a eleição de Ben Abbes através de sua Fraternidade Islâmica acaba sendo um contraponto aos modelos políticos franceses, como a tradicional ambivalência das alas esquerdista e direitista. Com sua medidas contra os princípios do estado laico (no país onde tal conceito se originou), ele inicia mudanças de cunho islâmico e o resultado inesperado acontece, com melhorias em questões de emprego e economia. Aí vem a principal sacada do livro, de colocar o leitor em contradição com as expectativas de que a islamização representaria a decadência dos valores europeus. Essa temida islamização acaba sendo a salvação para os princípios ocidentais da estabilidade econômica, do emprego e da segurança.

Essa relação entre ocidente e oriente não é nenhuma novidade nas obras literárias. Desde obras como Canção de Rolando que as diferenças culturais e os interesses políticos e financeiros entre nações de duas religiões quase antagônicas no campo prático vem sendo expostas em livros. A preponderância militar e econômica a partir da Idade Moderna desenvolveu uma relação de representação mais significativa do oriente pelo crivo da visão do ocidente, o que levou Edward Said a afirmar que o oriente não se representa, mas é representado pelos outros. Um exemplo simplório desse processo é a história de Aladdin, que é expressa com valores e estética típicos do ocidente.

A realidade criada por Houellebecq mostra o efeito contrário, das invasões de islâmicos na sociedade ocorrendo paulatinamente até a tomada do poder político — e pela via democrática. É o momento então em que a Europa se viria submissa a um modelo político novo, representada ela própria por um padrão diferente do seu. E, se o ocidente sempre se enxergou na função de modernizar um povo bárbaro, ele próprio se viu impulsionado pelos padrões ditos bárbaros.

A figura de François tem pouca relação com o andamento das mudanças políticas que ocorrem. Seu perfil é neutro e passivo, apenas observando sem interagir. Suas poucas preocupações residem apenas no âmbito privado, e essa é uma outra crítica nesse conflito de cultura. De um lado, há o europeu individualizado e preocupado apenas consigo mesmo, enquanto do outro surge o elemento estrangeiro imbuído de forte senso de pertencimento a uma cultura e a uma religião, tanto que o grupo político chama-se Fraternidade Islâmica. A crítica então se estende a essa individualismo, que acaba formando uma população desapegada das questões pública, a ponto dessa ser tomada pelo inimigo (uma ideia já também fartamente discutida em várias obras).

Submissão é um livro oportuno pelo momento em que a Europa vive, de incertezas com relação as ondas migratórias e de insegurança pela violência perpetrada por grupos extremistas. Não há maiores novidades em seu texto exceto pela fantasia de uma França impulsionada por um governo islâmico. Sua polêmica é proveitosa pelos debates que suscita, porém deixa uma forte sensação de não ter perenidade, de que aquilo que enseja discutir seja rapidamente esquecido caso as dúvidas e os problemas atuais sejam solucionados.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 5/5/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo
02. A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
03. A violência do silêncio de Carina Destempero
04. De volta à cultura audiovisual de Marta Barcellos
05. Guerra dos sexos: será o fim? de Pilar Fazito


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016
05. Dheepan, uma busca por uma nova vida - 28/7/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático de do In: Saúde e Vitalidade pela Auto-massagem
Gérard Edde
Record
(1981)



Nos Bastidores da Obsessão
Divaldo P. Franco
Feb
(1997)



Childrencraft - the How and Why Library Volume 12
Varios Autores
Field Enterprises
(1972)



Los Partidos de Centro y La Evolucion Politica Chilena
Timothy R. Scully
Cieplan
(1992)



Um Dia, uma Vida
Leão Serva
Tres Estrelas
(2015)



Manual das Sociedades e Associações Civis
Jero Oliva
Aide
(1988)



Cours Elemntaire de Macanique
M Ch Delaunay
Garnier
(1885)



Cão Come Cão
Edward Bunker
Barracuda
(2004)



Cem Noite Tapuias
Ofélia e Narbal Fontes
Ática
(1982)



Atlas Geografico Espaco Mundial 3ª Edição
Graca Maria Lemos Ferreira
Moderna
(2012)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês