Entre livros e Moleskines | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
>>> A EDITORA estreia online dia 29 de outubro, de graça
>>> 'O Engenheiro', ópera de Tim Rescala, estreia em Porto Alegre
>>> Projeto Latitude apoia galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Web-based Finance Application
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> 20 de Novembro #digestivo10anos
>>> O boom e a bolha reloaded
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> A proposta libertária
>>> Noel — Poeta da Vila
>>> Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares
>>> Hermann Broch
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Mais Recentes
>>> O Egito dos faraós de Federico A. Arborio Mella pela Hemus (1981)
>>> Origens do totalitarismo - Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo (Pocket) de Hannah Arendt pela Companhia de bolso (2013)
>>> O Matuto de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Leviatã (Pocket Série Ouro) de Thomas Hobbes pela Martin Claret (2003)
>>> Tratado do Amor de Deus de São Francisco de Sales pela Santa Cruz (2016)
>>> Padre Léo Biografia de Marlon Arraes pela Canção Nova
>>> O Coronel de Osmarco Valladão Manoel Magalhães pela Nemo (2012)
>>> Copos de Cristal de Gabriel Rodrigues Cervantes pela Nova Consciência (2013)
>>> Essencial Um Guia Prático de Alimentação e Saúde Menopausa de Baby Abrão (redação) pela Nova Cultural
>>> Gotas de Esperança de Lynne Gerard pela Paulinas (1996)
>>> Calvário de libertação de Victor Hugo psicografado por Divaldo Franco pela Alvorada (1981)
>>> O faraó Mernephtah de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake (1983)
>>> Naêma, a bruxa de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake
>>> A lenda do castelo de montinhoso de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake (1976)
>>> A feira dos casamentos de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Correio Fraterno (1987)
>>> Gestão do Conhecimento de Fábio Câmara Araújo de Carvalho pela Pearson (2012)
>>> Dinâmica de Grupo e Textos Criativos de Canísio Mayer pela Vozes (2012)
>>> Raccolta Mega 2000 Nº15 de Walt Disney pela Fieg (1992)
>>> A Travessia do Canal da Mancha de Percival Milani pela Alfabeto (2009)
>>> Cooperativismo Primeiras Lições de Não Consta pela Sescoop (2007)
>>> A Obsessão de Allan Kardec pela O Clarim (1986)
>>> A guinada de Chip e Dan Heath pela Best Business (2010)
>>> A Vingança do Judeu de J. W. Rochester pela Feb (1993)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2008)
>>> Certificação Linux LPI. Rápido E Prático de Vários Autores pela Alta Books (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/2/2011
Entre livros e Moleskines
Marta Barcellos

+ de 6800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Entro em uma livraria e esbarro com um aramado repleto de Moleskines. Os sóbrios agora são minoria. Com capas coloridas, elásticos pretos selando o conteúdo vazio, permanecem suspensos, entre os livros que deveriam ser soberanos. Deveriam?

Antes, uma breve explicação a quem não conhece as míticas cadernetas. Segundo a empresa criada para explorar o filão, os Moleskines foram usados por escritores como Bruce Chatwin e Ernest Hermingway, e serviam para não deixar escapulir as boas ideias. Estavam sempre à mão. Caracterizavam-se pela cor preta, a capa dura, a lombada costurada.

Os candidatos a escritor passaram a adotá-los como se a inspiração viesse junto com os caderninhos ― nada condenável, já que os rituais acompanham a literatura desde que a escrita era a arte de psicografar mensagens divinas. Os escritores consagrados sempre são perguntados sobre a sua liturgia, e as histórias variam bastante: enquanto alguns revelam blocos à cabeceira, para anotar lampejos no meio da noite, outros preferem confiar na seleção natural da memória, apostando que as boas ideias sempre voltam.

Eu acrescentaria que as boas ideias voltam também recicladas, saídas de livros já escritos e redescobertas em Moleskines ainda em branco. Escrever e ler são atividades tão próximas que deixo a rabugice de lado para aprovar a diversificação de produtos na livraria (mas sem exageros: não deixemos que virem papelarias). Afinal, todo bom leitor é um potencial escritor. O boom de blogs e cursos de escrita criativa demonstra que, a exemplo da oportunidade descoberta pelas modernas livrarias, só faltava a tendência ser devidamente explorada.

Muito, muito antes dos Moleskines, os filósofos antigos já recomendavam aos discípulos a escrita como atividade intercalada à leitura. Os hypomnemata, surgidos como livros de contabilidade, se tornaram agendas pessoais utilizadas pelos filósofos como "livros da vida", cadernos nos quais anotavam suas leituras e considerações sobre os mais variados temas.

Vamos a um exemplo. Depois de descobrir os hypomnemata no ensaio "Entre o cristal e a chama", de Flávio Carneiro, lembro-me do aramado de Moleskines na livraria e de meus próprios caderninhos de anotações ― abandonados na adolescência, transformados em bloquinhos de entrevistas e retomados graças ao estímulo dos blogs e das oficinas literárias. A ideia de transformar a avalanche de pensamentos e associações em uma coluna do Digestivo surge. Vai embora. Volta.

Volta, talvez, porque os ensinamentos de Sêneca a Lucílio atingem em cheio à minha emoção. Queria ter sido o discípulo para perceber antes a importância da busca pelo equilíbrio entre escrita e leitura. "Escrever em demasia esgota o estilo, distende a tessitura do que se escreve...", me ensina Carneiro, minha ponte até o filósofo romano, dando conta do efeito que minha prática (demasiada?) como jornalista pode ter tido em meu texto. Para minha surpresa, sou apresentada ao outro prato da balança: "...do mesmo modo que ler em excesso dispersa o pensamento." E eu agindo como se fosse preciso fazer uma opção.

É preciso ler, mas também escrever. Interromper a leitura para se dedicar à escrita. Ao menos registrar as próprias observações e associações, frutos de uma leitura sempre pessoal, que reflete a cultura, o imaginário e a experiência de cada leitor. Lembro que sempre senti a necessidade de registrar minha "própria leitura" das leituras mais estimulantes que fazia. As anotações iam parar em cadernos que se perdiam ou no diário da ocasião. Talvez o fizesse apenas pelo temor respeitoso que me impedia de escrever em margens de livros (sequer sublinhados, para estarem como novos em mãos de outros estudantes/leitores).

O fato é que fazia anotações, e, tão logo ouvi falar dos Moleskines, me interessei pelo assunto. No primeiro momento, tracei comparações entre os formatos: eu usava cadernos de tamanho médio, com lombada em espiral, cujas páginas diminuíam cada vez que a autocrítica exacerbada identificava, em alguma linha, uma suposta bobagem. Assim como a tecla "delete" do computador é considerada por muitos escritores sua maior aliada, o arame em espiral e a lata de lixo também me pareciam fundamentais para depurar diários e cadernos de anotações. Com um Moleskine sempre à mão, os escritores pareciam bem mais confiantes...

Bloquinhos ainda mais descartáveis que os primeiros diários passaram a fazer parte de minha prática profissional. Ali ficavam rabiscadas entrevistas e impressões que, uma vez publicadas no jornal, podiam ser imediatamente descartadas. As outras anotações, as "leituras da vida", já não pareciam ter tanta importância, comparados às entrevistas com leitores garantidos e atentos no dia seguinte.

Hoje, a leitura que faço sobre teorias da leitura acontece no momento em que minhas anotações voltaram a ser guardadas com algum esmero, em cadernetas práticas como Moleskines (na verdade, imitações mais baratas) e sem os espirais da adolescência. Penso que a volta do hábito aconteceu, sobretudo, por causa do novo espaço que encontrei para organizar e valorizar os meus escritos: a internet.

Carneiro diz que os hypomnemata não eram simples auxiliares da memória, mas um exercício, "um ensaio cotidiano visando ao autoconhecimento pela observação e reflexão colocadas no papel, não como um tratado mas como recortes: o exercício regular de uma escrita fragmentada". Substitua a palavra "papel" por "blog", e teremos uma boa definição do fenômeno surgido na internet. Como uma via de mão dupla, a possibilidade de publicação, e reconhecimento, me levou também a organizar melhor as anotações de meus "Moleskines": já não me esqueço das referências bibliográficas, nem de destacar o que por mim já foi transformado.

Porque é nela, na caderneta, que começa a tomar forma o meu trabalho de abelha, é onde se inicia o meu diálogo pessoal entre leitura e escrita. A imagem de abelha, que escolhe o pólen das flores (leituras) para transformá-lo em um mel singular (texto) é de Sêneca, que aconselha ainda: "Não consintamos que nada do que penetra em nossa mente permaneça intacto; assim, talvez jamais venha a ser assimilado. Devemos digerir a matéria, pois de outro modo passará à nossa memória, mas não à nossa inteligência. Devemos aderir de coração a esses pensamentos alheios e saber fazê-los nossos, a fim de unificar cem elementos diversos ― como a adição faz de números isolados um número único, total que compreende somas menores e desiguais entre si". Agora que sou como Lucílio, seguirei tentando.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 11/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
02. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
03. As Aventuras de Pi de Duanne Ribeiro
04. A morte anunciada dos Titãs de Luiz Rebinski Junior
05. Obama e o oba-oba de Guga Schultze


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/2/2011
10h18min
O bloco de notas do PC é meu Moleskine.
[Leia outros Comentários de Cassionei N. Petry]
12/2/2011
19h01min
Eu leio, depois escrevo. Sem Moleskine. Não dá tempo de anotar, achando que os pensamentos são mais rápidos que a minha mão. Agora, quando estou escrevendo, a mão é mais rápida que a mente. Ou não sinto que é o contrário. Todas as ideias surgem e já vão direto para a tela, sem perguntar. Depois, relendo, sobra pouco para deletar. Presunçoso? Não, preguiçoso mesmo. Vou deixar para o revisor cortar. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
12/2/2011
23h12min
Não tão sofisticados como os Moleskines, uso cadernos pequenos em espiral, aos quais adapto o elástico. Os meus caderninhos são imprescindíveis. E quando não estou com eles, me arrependo amargamente, devo ter perdido um livro inteiro de poemas que passaram em minha mente e esqueci, pura e simplesmente.
[Leia outros Comentários de Edson B de Camargo]
13/2/2011
15h29min
Que bom! Ainda há escritores, poucos de verdade, nesse país de iletrados, de semi-analfabetos... país que não lê é país inculto, atrasado, amarrado nos grilhões da ignorância... Que bom que ainda os poucos anotam em seus caderninhos ou em seus sofisticados Moleskines o que escreverá em um possível livro; se bem que dificilmente será publicado... as editoras normais, as de papel, não "gostam" de escritores que vendam menos de 100.000 livros... Saiu na imprensa escrita agora em fevereiro de 2011: Mais de 60% dos estudantes brasileiros saem das escolas, das universidades sem entenderem os textos que leram, ou mesmo o que escreveram... isso quando conseguem escrever algo. Sendo assim, que futuro cultural, educacional terá esse país grandão, mas muito pobre de corpo, mente, e alma? Falando nisso, estão entendo o que está escrito aqui???
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
14/4/2011
10h28min
moleskines reais, twitter ou considerações esparsas em blocos de notas de cada computador, o exercício filosófico de ler, reler, pensar e refletir (sim são coisas diferentes) é eterno... eu simplesmente uso todos... um moleskine à mão, textos do word... twitter... rs... mas não à nada mais agradavel do que folhear sua caderneta...
[Leia outros Comentários de larissa Tork]
18/7/2011
15h35min
Tenho a terrível mania de sair anotando as coisas que leio em qualquer lugar. O problema é que nunca me lembro em qual lugar anotei o quê. Já tentei cadernos, grandes e pequenos, mas nunca deu certo, talvez pelo formato desajeitado. Agora, lendo seu texto, me identifiquei com esses Moleskines. Vou comprar um. Agora!
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Dama de Fé
Ester Bezerra
Planeta
(2016)



Nos Bastidores da Censura
Deonísio da Silva
Estação Liberdade
(1989)



Zico e Zeca Detetives
Eliana Valadares
Nacional
(1984)



A Laranja Mecânica
Anthony Burgess
ArteNova
(1972)



Novo Paradigma Holístico - Ciência, Filosofia Arte e Mística
Dênis M S Brandão ( Org)
Sammus
(1991)



Presença dos Cordelistas e Cantadores Repentistas em São Paulo
Assis Ângelo
Ibrasa
(1996)



Rita et Machin à Paris
Jean-philippe Arrou-vignod / Oivier Tallec
Gallimard Jeunesse
(2009)



A Doutrina Secreta - Vol. 06 - 14ª Reimpressão da 1ª Edição
Helena P. Blavatsky
Pensamento
(2015)



Coleção L&pm Pocket 5 Livros
Machado de Assis
Lpm Pocket
(1998)



Alltruísmo
Guilherme Ramos
Talentos
(2015)





busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês