Somos todos consumidores | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sessão da peça infantil
>>> Consulado Geral da Hungria promove na capital paulista:
>>> Monja Cohen, Rabino Schlesinger e Gilberto Dimenstein vão debater sobre a mentira como um obstáculo
>>> Caixa de Fuxico estreia Cabeças Trocadas, da obra de Thomas Mann, na SP Escola de Teatro
>>> Saraus do Plástico Bolha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jackie O., editora
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Não estou lá, com Cate Blanchett
>>> Little Joy, o disco
>>> O Vendedor de Passados
>>> O que é crítica, afinal?
>>> O massacre da primavera
>>> Feedback risonho
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> E se... Você Começasse a Agir?
>>> Choques Cósmicos: Transformando Crises em Oportunidades de Crescimento
>>> Elite da Tropa
>>> A Sabedoria de São Bento para o nosso Tempo
>>> A Reunificação da Alemanha: do Ideal Socialista ao Socialismo Real
>>> Miséria da Filosofia
>>> Crônica de um Amor Louco
>>> O Correio Continua
>>> Os Adoradores do Sol
>>> Eat Pray Love
>>> Pronto Socorro
>>> Ego e Arquétipo
>>> Mulheres Cheias de Graça
>>> Manual Completo de Ascensão
>>> Religião, Psicoterapia e Aconselhamento Espiritual
>>> O poder cósmico da mente
>>> Éléments de Syntaxe Structurale - Lucien Tesnière
>>> História do cerco de Lisboa
>>> Estate Gardens of California
>>> Raios de luz espiritual ensinos esotéricos
>>> O Morro das Ilusões
>>> Introduccion Al Oleo
>>> Kg 200 - O Esquadrão Fantasma
>>> História dos Clubes de Cabo Frio
>>> Poesia Portuguesa Erótica e Satírica Séculos XVIII e XIX
>>> A Revolta de Seis de Setembro (a Ação de S. Paulo)
>>> Gramática grega
>>> Almanaque de Sorocaba 1950
>>> Derivativos no Brasil
>>> Tornar-se Pessoa
>>> Eneagrama para os Pais
>>> O Rio de Janeiro do Meu Tempo - 5 Volumes - Luiz Edmundo
>>> La Novela Picaresca Española - Angel Valbuena y Prat
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> A Grande Aventura de Cousteau - 37 Volumes - Jacques Cousteau
>>> Manual Completo de Análise Transacional
>>> Panelinha
>>> Comer Bem
>>> Almanaque Light
>>> don quijote de la mancha I
>>> don quijote de la mancha II
>>> True colors
>>> Yôga Antigo Para Iniciantes
>>> The Hound of the Baskervilles
>>> Felicidade Roubada
>>> Dom Quichote de la Mancha - Cervantes / Dom Quixote
>>> Aspectos surrealistas em O Agressor de Rosário Fusco
>>> Bíblia de Jerusalém - Antiguo Testamento - Nuevo Testamento (em espanhol)
>>> Revista Língua Portuguesa 30 Volumes - do nº 1 ao 30
>>> Os Mistérios de Paris
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2011
Somos todos consumidores
Marta Barcellos

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

― Obrigada, mas odeio promoção.

― A senhora nem gostaria de conhecer as vantagens?...

― Não gosto de levar vantagem. Prefiro pagar caro ― respondo. Não fosse o risco de prolongar a conversa, eu acrescentaria: Não acredito mais em almoço grátis.

Já acreditei, confesso. Penso mesmo ter almoçado de graça, algumas vezes, por conta da camaradagem de quem não contabilizava aquilo como investimento. Mas isso foi antes de todos fazermos parte de bancos de dados gerenciados por softwares de última geração, antes de os relacionamentos serem agrupados em redes de influência, antes de sermos primeiro consumidores e depois cidadãos.

É verdade que dá para ser um consumidor mais, ou menos, esperto. Veja o exemplo da internet. Se você souber usufruir da gratuidade sem entupir a sua caixa postal de spam, nem infectar o computador com o vírus que rouba a sua senha bancária, o almoço sai quase de graça.

Quase porque, de qualquer forma, terá que investir o seu tempo (dinheiro?) para manter a expertise de não desperdiçar o seu tempo (dinheiro?) com propaganda indesejada. Se você trabalha o dia inteiro no computador, e ainda por cima na área de tecnologia, não há desperdício nisso, mas se for um acrobata de circo ou cirurgião plástico, o almoço na internet pode sair caro e desagradável.

Mas deixemos a internet de lado, para não parecer implicância, pois já falei aqui da minha desconfiança de que ela não seja isso tudo. Passemos a uma situação de compra corriqueira, off-line, da qual você, uma vez nascido consumidor, numa sociedade eminentemente de consumo, não pode fugir, mesmo se fizer o estilo frugal ou consciente. Na hora de pagar por um produto ou serviço (até um corte de cabelo), lhe pedem o CPF. Um cadastro abre-se na tela do computador do lado de lá e a mocinha do caixa, como quem não quer nada (só quer você, o consumidor), começa a lhe pedir "alguns dados". Endereço. Ok, ninguém mais gasta dinheiro enviando papel pelo correio. Telefone da residência. Ok, a empregada está acostumada a despachar o telemarketing. E-mail. Juro que não tenho. Celular. Por acaso (?) está na minha mão. Preciso mesmo dar o número? Ok, cedo.

Sábado, 9h35 da madrugada, o telefone toca.

― Oi, Marta! Aqui é a Priscila, da Folic!

― Quem?

― Priscila, da Folic!

― Ahn.

― Estou ligando para avisar que a nossa liquidação continua!

Quem mandou fazer cadastro em butique para acumular pontos? Aliás, por que diabos as pessoas agora vivem para juntar pontos? Lembro da cena de O amor sem escalas em que George Clooney é saudado no avião por ter batido um recorde de milhas e atingido, assim, o objetivo de sua vida. O mesquinho que antes juntava dinheiro no colchão poderia ter sua imagem substituída pela do cliente que soma pontos no cartão fidelidade. Para continuarmos no cinema, Marilyn Monroe diria hoje que o cartão diamante é o melhor amigo de um homem.

Voltando à lição de sábado, mesmo quem não sonha com diamantes precisa aprender que o preço de ser um "cliente fidelidade" é acordar com o celular exigindo novas compras. Mas digamos que você não se considere cliente, muito menos fiel. Odeia shopping center. Não preenche cadastro de loja nem sob tortura. Afinal, não é uma mulherzinha consumista, repudia quem tem mais de três pares de sapatos e só corta o cabelo em casa. Não adianta. Também aqueles sem o tal poder aquisitivo, ou que abriram mão dele em busca de outro tipo de poder (o do conhecimento?), correm o risco de passar o dia recusando "ofertas" especialmente selecionadas para o seu CPF ou número de telefone. É como ser um vegetariano tentando apreciar saladas em churrascaria rodízio. Não, obrigado, não.

― Senhora Marta, esta ligação é para informar a senhora que a Vivo vai reduzir as suas tarifas nos fins de semana.

― Sei... E o que eu preciso fazer em troca? Não quero mudar de plano, não quero contratar nenhum "pacote" e já me aborreci com uns "pacotes" que vocês enfiaram na minha conta no ano passado.

― A senhora não precisa fazer nada. Apenas concordar na redução de tarifa nos fins de semana. Gostaria de informar a senhora que esta ligação está sendo gravada.

― Olha, não gosto de promoção, não gosto de levar vantagem...

― Mas a senhora não gostaria de estar reduzindo as tarifas nos fins de semana? É uma iniciativa da Vivo para clientes especiais como a senhora. Gostaria de lembrar à senhora que esta ligação está sendo gravada.

― Ok, tudo bem, pode reduzir a tarifa. Mas não inventa nada na minha conta, tá?

― A Vivo agradece a sua atenção, senhora, e uma boa tarde para a senhora.

Apesar da interrupção, consegui avançar no livro, e à noite comentei o quanto havia sido dura com a atendente da operadora. Estava com aquele peso na consciência que temos depois de explodir com uma ligação de telemarketing, esquecidos de que aqueles trabalhadores, afinal, são os operários dos novos "tempos modernos". Coitada da moça, retrucou o meu interlocutor, e para aumentar a minha culpa citou uma reportagem que lera sobre a redução de tarifas de telecomunicações, motivada pela concorrência entre as empresas. O almoço estava ficando mais barato.

Deixei a culpa pra lá, porque afinal culpa combina mais com a época em que éramos primeiro cidadãos e depois consumidores, e não o contrário. No dia seguinte, quando o torpedo apitou, levei alguns segundos antes de começar a espumar: "Parabéns. Você adquiriu o pcte fim de semana 50min no valor mensal de R$19,90" (sic).

Às vezes penso em virar hippie. Morar no meio do mato, abdicar dos bens materiais, ignorar os avanços da tecnologia, acender um incenso. Mas aí me lembro que a década de 70 acabou faz tempo. Melhor respirar fundo e repetir o mantra: não existe almoço grátis, não existe almoço grátis, não existe almoço grátis...

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ainda, sempre, Oranje! de Tatiana Mota
02. Bonjour, tristesse de Adriana Baggio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2011
16h41min
Com o tempo desenvolvi minhas táticas de afugentar estes telepentelhos da minha vida. Volta e meia me passo por um jardineiro ou pedreiro e digo que o patrão não está. Noutras digo que o atendente interrompeu uma atividade particular que estava fazendo, dando a entender várias coisas. E, por fim, repito várias vezes não quero, não me interessa, eu tenho 7 cartões de crédito e por aí afora. Estes dramas já me renderam até poesia.
[Leia outros Comentários de Ricardo Mainieri]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



HISTÓRIA DO DIREITO
VICENTE BAGNOLI ET AL
CAMPUS - ELSEVIER
(2009)
R$ 40,90



BACEN - APOSTILA PREPARATÓRIA - TÉCNICO NÍVEL MÉDIO
AUTOR OBCURSOS
OBCURSOS
(2009)
R$ 39,90



OS NOVOS DESEJOS
MIRIAN GOLDENBERG
RECORD
(2000)
R$ 13,90



OS GOONIES
STEVEN SPIELBERG
RECORD
(1985)
R$ 12,99



OUTRAS MORADAS
ADELICE SOUZA ET AL.
EPP PUBLICAÇÕES / PUBLICIDADE
(2007)
R$ 15,00



PEQUENA HISTÓRIA DE D. PEDRO II
COLEÇÃO BRASIL Nº 10
MEC
R$ 8,97



O PROFETA TRICOLOR
NELSON RODRIGUES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 50,00



MANGÁ YUKI - VINGANÇA NA NEVE Nº 2
KAZUO KOIKE - KAZUO KAMIMURA
CONRAD
R$ 7,00



A CONSTRUÇÃO DO ESPETÁCULO
LUIZ NORONHA E ROGÉRIO FAISSAL
AEROPLANO
(2000)
R$ 15,00





busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês