Blue Man Group: uma crítica bem-humorada ao rock | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Terça-feira, 8/9/2009
Blue Man Group: uma crítica bem-humorada ao rock
Diogo Salles

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dois anos após a bem sucedida passagem do excêntrico e performático Blue Man Group pelo Brasil, eles estão de volta com seu espetáculo que mistura música, humor e pirotecnia. O grupo ― formado em Nova York no final dos anos 80 e que conta hoje com 60 membros que se revezam em trios na turnê mundial ―, trabalha sempre com o elemento surpresa. A premissa do espetáculo é despretensiosa: ensinar a fórmula perfeita para se criar um verdadeiro show de rock, através de uma espécie de workshop, onde todos os clichês do gênero são desconstruídos de forma bem-humorada.

A sátira anda constantemente ao lado da crítica, sem que o trio azul diga uma única palavra durante as duas horas do espetáculo. Para apresentar o fictício vídeo "How to be a Megastar 2.0", um apresentador histriônico aparece num telão interativo, explicando o processo num passo-a-passo para "vender" seus milagres, fazendo uma caricatura das vídeo-aulas e DVDs que prometem realizar sonhos impossíveis. O clima é de paródia, mas foge do tosco, pois não dispensa uma produção caprichada e uma execução tecnicamente perfeita de todos os envolvidos. A sincronia do som com as luzes e os números apresentados é perfeita e os três Blue Man são sempre imprevisíveis, mantendo a curiosidade e o interesse de todos até o final.

Desde o princípio, o público (de idades variadas) é instado a participar. E ninguém pode se sentir excluído. Nem mesmo quem comprou os ingressos mais baratos. Para isso, o Blue Man vai até as dependências mais remotas da casa de espetáculo arrancar os gritos mais distantes. O número em que marshmallows são arremessados à distância chega a impressionar, tamanha a precisão do trio. Outro momento divertido é quando as cabeças azuis viram televisões, que interagem entre si, como se uma tela invadisse a outra.

A música se torna um show à parte. No espaço de trás do palco, uma numerosa e afiada banda toca estandartes do rock. Muito além do que seria um simples "pano de fundo", eles criam uma parede sonora, que dá toda a sustentação para que as três carecas azuis brilhem lustrosas no front. Tubos de PVC, antenas de fibra de vidro, cítaras e outras engenhocas se tornam instrumentos musicais, criando timbres exóticos, que dialogam com o rock produzido pela banda. Outros instrumentos são reutilizados de forma pouco ortodoxa. Caso do piano surrado, que foi posicionado aberto e de pé no palco, recebendo violentos golpes de baqueta e produzindo estrondosos acordes.

A mensagem crítica é quase sempre direcionada ao rock e a seus maneirismos mais questionáveis. O gesto típico do metal, que supostamente representa o satanismo, vira um símbolo do escracho, tal qual as cabeças sacolejantes dos headbangers, com breves citações a AC/DC, Metallica e Judas Priest. Quem participa frequentemente desses "rituais", ganha agora uma boa oportunidade de se olhar no espelho e fazer uma autoavaliação. As danças afetadas, muitas vezes usadas para esconder a mediocridade dos grupos pop, também rendem boas piadas. Nada escapa do humor dos azuis, que sabem equilibrar, na mesma medida, acidez e uma certa ingenuidade, sem ofender ninguém.

Uma das maiores doenças do rock (ou seria de toda a humanidade?) é seguramente a vaidade. E é daí que o Blue Man proporciona os melhores momentos do espetáculo. Nessa hora, o alvo mais fácil para o escárnio torna-se o guitarrista virtuoso, que precisa de um milhão de notas para massagear seu ego. "Jump", do Van Halen é interrompida para que o guitarrista tome um "banho" de humildade... E também de psicodelia, onde "One of these days", do Pink Floyd, torna-se o palco ideal.

Matt Goldman, um dos idealizadores do grupo, se diz fã da cultura brasileira e que se sente influenciado pelos ritmos latino-americanos. Logo, era de esperar que o Brasil recebesse suas homenagens. E elas vieram. Primeiro, com "Detalhes", de Roberto Carlos, numa versão encanada em tubos de PVC. Depois, numa ode ao futebol e à Copa do Mundo, outro ópio brasileiro.

Nem mesmo o "bis" dos shows de rock é poupado de ironias e se torna um "falso fim", abrindo alas para o clássico "Baba O'Riley" (The Who) encerrar a noite de maneira arrasadora. A maior crítica, porém, fica escondida e silenciosa. Ao final do show, os três homens azuis saem do palco discretamente, no estilo mais low profile possível. Sem colher os louros do grande espetáculo que proporcionaram ao público, produzem uma espécie de anticlímax, numa solene renúncia ao próprio ego. A crítica fica implícita, mas denota uma gigantesca contraposição aos egomaníacos do rock, que nunca se dão por satisfeitos nem mesmo com as adulações mais exageradas.

O espetáculo, enfim, consegue unir o melhor dos dois mundos, pois agrada até mesmo aos que não gostam de rock ― principalmente aos que nunca souberam criticá-lo sem soar elitista ou reacionário. Estes finalmente têm a chance de ir à forra, encontrando nas paródias dos homens azuis todos os argumentos para a defenestrar o gênero. E o Blue Man agrada ainda mais aos roqueiros... Quer dizer, desde que tenham senso de humor e saibam não se levar tão a sério. Assim, os únicos excluídos da festa ficam sendo os adeptos do fundamentalismo headbanger. Portanto, se aparecer um grupo de metaleiros xiitas carrancudos, com cabelos ensebados e usando camisas do Manowar por ali, á altamente recomendável que você desencoraje-os. O Blue Man Group pode causar-lhes seríssimos efeitos colaterais.

Para ir além
São Paulo: 8 a 13 de setembro, no Credicard Hall
Rio de Janeiro: 16 a 20 de setembro, no Citibank Hall


Diogo Salles
São Paulo, 8/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A novilíngua petista de Julio Daio Borges
02. A última discoteca básica de Wellington Machado
03. O jornalismo cultural no Brasil de Luiz Rebinski Junior
04. De como alguns de nós viraram escritores de Ana Elisa Ribeiro
05. Empresa e consumidor: tentativa de aproximação de Adriana Baggio


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
03. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2009
01h54min
Qualquer crítica é bem-vinda, sempre. Tanto a sua sobre a deles, quanto a deles sobre o rock. Se todos soubessem ao menos ouvir as críticas...
[Leia outros Comentários de Érico Salutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês