Blue Man Group: uma crítica bem-humorada ao rock | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tiro de Letra
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Mais Recentes
>>> Manual jurídico para agências de turismo de Joandre Antonio Ferraz pela Baraúna (2015)
>>> O Menino Do Dinheiro. Sonhos De Família de Unknown Author pela Dsop (2011)
>>> Apometria Para Iniciantes de Patricia Barz pela Conhecimento (2002)
>>> O fio da aranha,o fio da vida de Renan Eraldo Soeiro de Faria pela Cortez (2008)
>>> Ideias que colam de Chip Heath pela Alta Books (2018)
>>> O segredo do meu marido de Liane Moriarty pela Intrínseca (2013)
>>> Gabriel E A Torre De Pedra de Max Velati pela Ftd (2008)
>>> O zoológico em Festa de Evan Bessa pela Imeph (2009)
>>> As miniaturas de Andréa Del Fuego pela Companhia das letras (2013)
>>> Química Geral de I. M. Rozenberg pela Edgard Blucher (2002)
>>> O Amigo Do Rei de Ruth Rocha pela Salamandra (2009)
>>> O lobo e as sete cabritinhas de Irmãos Grimm pela Prazer de Ler (1963)
>>> Livro Literatura Estrangeira Wicked A Historia Não Contada das Bruxas de OZ de Gregory Maguire pela Leya Casa da Palavra (2016)
>>> É O Primeiro Dia De Aula... Sempre! de R. L. Stine pela Seguinte (2012)
>>> The Original Allustrated de Arthur Gonan Doyle pela Castle (1908)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Livro Literatura Brasileira Meu Eu de Ilze Lisboa Ferreira pela Chiado
>>> A queda de Atlântida - 2 volumes de Marion Zimmer Bradley pela Círculo do livro
>>> Max Havelaar de Multatuli pela New York Review of Books (2019)
>>> Os Americanos de Antonio Pedro Tota pela Contexto (2009)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Cabeça de Alvise de Lina Wertmüller pela Record (1981)
>>> Reencarnação de Roque Jacintho pela Luz No Ar (1990)
>>> Livro Religião Teologia e os LGBT+ de Luís Corrêa Lima pela Vozes (2021)
>>> Como Criar Filhos Tiranos: Manual De Antiajuda Para Pais de Mark Beyebach E Marga Herrero de Vega pela Vozes (2017)
>>> O menino que furou o céu de João Anzanello Carrascoza pela Scipione (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 8/9/2009
Blue Man Group: uma crítica bem-humorada ao rock
Diogo Salles
+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dois anos após a bem sucedida passagem do excêntrico e performático Blue Man Group pelo Brasil, eles estão de volta com seu espetáculo que mistura música, humor e pirotecnia. O grupo ― formado em Nova York no final dos anos 80 e que conta hoje com 60 membros que se revezam em trios na turnê mundial ―, trabalha sempre com o elemento surpresa. A premissa do espetáculo é despretensiosa: ensinar a fórmula perfeita para se criar um verdadeiro show de rock, através de uma espécie de workshop, onde todos os clichês do gênero são desconstruídos de forma bem-humorada.

A sátira anda constantemente ao lado da crítica, sem que o trio azul diga uma única palavra durante as duas horas do espetáculo. Para apresentar o fictício vídeo "How to be a Megastar 2.0", um apresentador histriônico aparece num telão interativo, explicando o processo num passo-a-passo para "vender" seus milagres, fazendo uma caricatura das vídeo-aulas e DVDs que prometem realizar sonhos impossíveis. O clima é de paródia, mas foge do tosco, pois não dispensa uma produção caprichada e uma execução tecnicamente perfeita de todos os envolvidos. A sincronia do som com as luzes e os números apresentados é perfeita e os três Blue Man são sempre imprevisíveis, mantendo a curiosidade e o interesse de todos até o final.

Desde o princípio, o público (de idades variadas) é instado a participar. E ninguém pode se sentir excluído. Nem mesmo quem comprou os ingressos mais baratos. Para isso, o Blue Man vai até as dependências mais remotas da casa de espetáculo arrancar os gritos mais distantes. O número em que marshmallows são arremessados à distância chega a impressionar, tamanha a precisão do trio. Outro momento divertido é quando as cabeças azuis viram televisões, que interagem entre si, como se uma tela invadisse a outra.

A música se torna um show à parte. No espaço de trás do palco, uma numerosa e afiada banda toca estandartes do rock. Muito além do que seria um simples "pano de fundo", eles criam uma parede sonora, que dá toda a sustentação para que as três carecas azuis brilhem lustrosas no front. Tubos de PVC, antenas de fibra de vidro, cítaras e outras engenhocas se tornam instrumentos musicais, criando timbres exóticos, que dialogam com o rock produzido pela banda. Outros instrumentos são reutilizados de forma pouco ortodoxa. Caso do piano surrado, que foi posicionado aberto e de pé no palco, recebendo violentos golpes de baqueta e produzindo estrondosos acordes.

A mensagem crítica é quase sempre direcionada ao rock e a seus maneirismos mais questionáveis. O gesto típico do metal, que supostamente representa o satanismo, vira um símbolo do escracho, tal qual as cabeças sacolejantes dos headbangers, com breves citações a AC/DC, Metallica e Judas Priest. Quem participa frequentemente desses "rituais", ganha agora uma boa oportunidade de se olhar no espelho e fazer uma autoavaliação. As danças afetadas, muitas vezes usadas para esconder a mediocridade dos grupos pop, também rendem boas piadas. Nada escapa do humor dos azuis, que sabem equilibrar, na mesma medida, acidez e uma certa ingenuidade, sem ofender ninguém.

Uma das maiores doenças do rock (ou seria de toda a humanidade?) é seguramente a vaidade. E é daí que o Blue Man proporciona os melhores momentos do espetáculo. Nessa hora, o alvo mais fácil para o escárnio torna-se o guitarrista virtuoso, que precisa de um milhão de notas para massagear seu ego. "Jump", do Van Halen é interrompida para que o guitarrista tome um "banho" de humildade... E também de psicodelia, onde "One of these days", do Pink Floyd, torna-se o palco ideal.

Matt Goldman, um dos idealizadores do grupo, se diz fã da cultura brasileira e que se sente influenciado pelos ritmos latino-americanos. Logo, era de esperar que o Brasil recebesse suas homenagens. E elas vieram. Primeiro, com "Detalhes", de Roberto Carlos, numa versão encanada em tubos de PVC. Depois, numa ode ao futebol e à Copa do Mundo, outro ópio brasileiro.

Nem mesmo o "bis" dos shows de rock é poupado de ironias e se torna um "falso fim", abrindo alas para o clássico "Baba O'Riley" (The Who) encerrar a noite de maneira arrasadora. A maior crítica, porém, fica escondida e silenciosa. Ao final do show, os três homens azuis saem do palco discretamente, no estilo mais low profile possível. Sem colher os louros do grande espetáculo que proporcionaram ao público, produzem uma espécie de anticlímax, numa solene renúncia ao próprio ego. A crítica fica implícita, mas denota uma gigantesca contraposição aos egomaníacos do rock, que nunca se dão por satisfeitos nem mesmo com as adulações mais exageradas.

O espetáculo, enfim, consegue unir o melhor dos dois mundos, pois agrada até mesmo aos que não gostam de rock ― principalmente aos que nunca souberam criticá-lo sem soar elitista ou reacionário. Estes finalmente têm a chance de ir à forra, encontrando nas paródias dos homens azuis todos os argumentos para a defenestrar o gênero. E o Blue Man agrada ainda mais aos roqueiros... Quer dizer, desde que tenham senso de humor e saibam não se levar tão a sério. Assim, os únicos excluídos da festa ficam sendo os adeptos do fundamentalismo headbanger. Portanto, se aparecer um grupo de metaleiros xiitas carrancudos, com cabelos ensebados e usando camisas do Manowar por ali, á altamente recomendável que você desencoraje-os. O Blue Man Group pode causar-lhes seríssimos efeitos colaterais.

Para ir além
São Paulo: 8 a 13 de setembro, no Credicard Hall
Rio de Janeiro: 16 a 20 de setembro, no Citibank Hall


Diogo Salles
São Paulo, 8/9/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Humor x Desamparo de Carla Ceres
02. Produtores de Mario Marques
03. O Último Samurai Literário de Paulo Polzonoff Jr


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2009
01h54min
Qualquer crítica é bem-vinda, sempre. Tanto a sua sobre a deles, quanto a deles sobre o rock. Se todos soubessem ao menos ouvir as críticas...
[Leia outros Comentários de Érico Salutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre Fantasmas
Fernando Vallejo
Alfaguara Argentina
(2005)



Livro de bolso Poesia Mensagem Obra Poética I
Fernando Pessoa
L&pm Pocket
(2010)



Livro Literatura Brasileira Grandeza e Misérias no Caminho da Liberdade
José Barbosa Ferreira
Confluência
(1997)



Muito Além do Paraíso
Jorge Luis Gomez
Livre Expressão
(2012)



Pequenos Milagres
Yitta Halberstam
Sextante
(1998)



Dread: The Dizziness of Freedom
Juha Zelfde
‎ Valiz
(2013)



Livro Literatura Estrangeira Anjos e Demônios A primeira aventura de Robert Langdon
Dan Brown
Sextante
(2004)



Geometria Analítica
Smith-Gale-Neeley
Ao Livro Técnico



A vida em poesia
A vida em poesia
Lura Editorial
(2021)



Naquele Exato Momento
Dino Buzzati
Nova Fronteira
(1986)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês