Mulher no comando do país! E agora? | Débora Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
>>> Can’t stop the flood
>>> O Conselheiro também come (cru)
Mais Recentes
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
>>> Torto Arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2021)
>>> Historia de Roma de M. Rostovtzeff pela Guanabara (1986)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2010

Segunda-feira, 20/12/2010
Mulher no comando do país! E agora?
Débora Carvalho
+ de 4300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Já não basta comandar o fogão, a educação dos filhos, o orçamento doméstico, as salas de aula... Elas foram se infiltrando no trabalho ― depois de sofrer muito preconceito por serem consideradas incapazes. E agora, no Brasil, a primeira presidenta. Me lembro da sacada que ela teve ao puxar para si os votos de Marina Silva, no segundo turno, dizendo que mais da metade da população manifestava o desejo de ver uma mulher na presidência...

Me lembro também que, antes dos meus 9 anos de idade, foi a vez da Luiza Erundina. O fato de ela ser mulher e prefeita virou motivo de chacota nos corredores do condomínio, e até mesmo em casa ― entre os amigos do meu pai.

― Onde já se viu uma mulher na prefeitura de São Paulo? Vai afundar a cidade. Lugar de mulher é no fogão.

E, depois de um tempo, todo mundo reclamava da buraqueira no asfalto. "Os buracos da Erundina." E eu percebia até um pouco de maldade, sem entender direito o que significava (como quando alguém diz uma coisa querendo dizer outra mas você não entende o contexto porque não conhece a palavra, mas nota algo no tom de voz). Pirralha ainda, eu não entendia o contexto nem o conceito.

Minha família, à moda dos tempos das fazendas, é bem grande. Primogênita de seis, tenho quatro irmãos e uma irmã. Eles destruíam minhas bonecas e eu ajudava. Minha mãe conta que quando eu era bebê, não podia ver uma boneca que abria a boca a chorar ― morrendo de medo, quase apavorada. Então, eu brincava com meus irmãos de carrinho, de bolinha de grude, de fazer e soltar pipa, de futebol no meio da rua. As pessoas comentavam. Uma vez ouvi uma senhora criticando minha mãe por permitir que eu brincasse de bola com meus irmãos e os amiguinhos deles.

Por outro lado, assim como eu aprendi a cozinhar bem cedo, todos os meus irmãos também aprenderam. Casados, eles é que ensinaram as esposas a melhorar o desempenho no fogão. No entanto, isso também era visto de modo estranho por algumas pessoas.

Interessante como quando a gente é criança escuta conversa de adulto e não entende direito, mas sabe que tem algo misterioso... Depois que cresce e aprende o significado daquelas palavras desconhecidas, cai a ficha. ("Cai a ficha"? Isso não existe mais. Bem, poderíamos substituir a expressão por algo tipo "fazer o download", mas eu ainda sou do tempo do orelhão de ficha, que existiu até os meus 18 anos.)

A Erundina foi prefeita e os comentários eram que todo mundo votou nela achando que ela não ia ganhar mesmo. E que só por isso ela ganhou.

Mas... se ela foi boa ou péssima gestora (coisa que não tenho condições de avaliar), o que tem a ver com o fato de ser mulher ou homem?

O mesmo no caso de Barack Obama, nos Estados Unidos, o primeiro presidente negro dos Estados Unidos. Quanto drama em torno da quantidade de melanina na pele...

Por aqui a polêmica girou em torno do sexo do novo gestor do país. Será que uma mulher mereceria o cargo? Marina, Dilma... Em muitas rodas, e andando pela rua, nos corredores dos shoppings, parques e até na fila do supermercado, ouvi cada tipo de comentário...

É incrível como ainda vivemos em uma cultura preconceituosa em relação à cor da pele e ao sexo. Gente que presenciou e usufruiu tanto desenvolvimento da tecnologia, que viu surgir a televisão, o celular, o computador, a internet, a internet no celular, o cinema 3D, a webcam, os blogs, o Facebook e o Twitter, e agora a TV 3D... os robôs, as naves da Nasa... transplante de rosto, o uso das células tronco, a Dolly... o Lula presidente em dois mandatos e agora uma mulher na presidência. Mulher no poder?

Enquanto alguns criticavam o fato de ela ser mulher (mulher não dá conta disso não, mulher é emotiva demais, é o Lula quem vai continuar mandando...), muitos nem analisavam as competências pessoais e escolhiam a candidata por ser mulher. Lembro desse gancho na propaganda do segundo turno: "Juntando os meus votos e os da Marina, XX% dos brasileiros manifestaram o desejo de ter uma mulher na presidência." (Vou dar uma chance para ela; mulher sabe administrar melhor; mulher é mais sensível, vai saber ouvir os problemas do povo.)

Particularmente, o sexo não esteve na minha lista de motivos para votar. Na verdade, como a maioria dos brasileiros, infelizmente, entendo ou me interesso pouco por política. Mas, historicamente, não consigo entender essa cultura que costuma julgar positiva ou negativamente baseado no sexo. Recordo as aulas de história e o quanto as mulheres sofreram para conquistar autonomia. Também não sou feminista. Depois que me casei, menos ainda. Apesar de contribuir bastante com o orçamento doméstico, gosto de saber que não dependemos só da minha receita e que alguém se preocupa e cuida de mim. Mas ficaria doente se minha única atividade fosse em torno dos afazeres domésticos. E também admiro quando meu marido ajuda em casa no fim de semana quando a "secretária" não vem.

Mas, voltando ao assunto, eu bem gostaria de ver a cara daqueles machistas ― que já morreram ― recebendo o resultado do segundo turno. Provavelmente tentariam planejar um atentado só porque não seriam capazes de se sujeitar ao poder de governança nas mãos do "sexo frágil".

No Twitter, vi um post dizendo que a candidatura da Dilma era o cúmulo da petulância, pois ela nunca havia concorrido a um cargo eletivo. Petulante ou não, e se por ser mulher ou por ser simplesmente competente, o fato é que agora temos uma mulher na presidência.

Espero que ela se saia bem, para benefício da nação. Agora, se ela pisar na bola, não quero nem ouvir as piadinhas maldosas e preconceituosas. Prefiro o equilíbrio de avaliar diferente: boa ou má gestora, em vez de boa ou má simplesmente por ser mulher. Embora outra parte de mim deseje que ela cale a boca de quem a julga incompetente só por ser mulher. Quem sabe assim o preconceito diminui mais um pouquinho. Afinal, quem ainda acredita que lugar de mulher é só no fogão?


Débora Carvalho
São Paulo, 20/12/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Educação divertida e diversão educativa de Carla Ceres
02. As crônicas de Ivan Lessa de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Débora Carvalho
Mais Acessadas de Débora Carvalho em 2010
01. Choque de realidade no cinema - 23/2/2010
02. Por que comemorar o dia das mães? - 4/5/2010
03. Metade da laranja ou tampa da panela? - 13/7/2010
04. Orgasmo ao avesso - 22/6/2010
05. Desperte seu lado Henry Ford - 17/8/2010


Mais Especial Eleições 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/12/2010
06h20min
Sabemos que o sistema político e social é o mesmo, sabemos que a estrutura governamental do Brasil é a mesma. Só que há um olhar feminino observando os detalhes, e uma equipe administradora, que passa a ser comandada por alguém que usa o batom e aperfuma-se, muito mais do que os homens, que geriram conflitos, desigualdades, que estabeleceram assassinatos e torturas nos casos dos militares, que teve um País condenado pela OEA; e nem mesmo Lula teve coragem pra resolver esse impasse desabonador para um País que se diz democrático. Com certeza o olhar feminino fará a diferença e, em vez de botas pra esmagar as flores, estarão as sandálias femininas do respeito.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
22/12/2010
11h40min
Seria por demais ingenuidade acreditar que a eleição de Dilma Rousseff não foi uma jogada política. Um verdadeiro gol de mão do quase ex-presidente Lula. Não tem nenhuma nobreza ou algo legítimo que o sexo feminino possa se vangloriar na ascensão de Dilma ao poder, sendo que foi tudo premeditado. Eu aplaudiria de pé a eleição da Marina Silva.
[Leia outros Comentários de raimundo]
24/12/2010
09h07min
Manoel, eu sei que estamos em época de acreditar em Papai Noel, mas a partir do dia primeiro do ano que vem haverá diferença, sim. Mas veremos se esse avanço paranasianista que você diz acontecerá mesmo ou se não passa de um discurso do Linus da turma do Charlie Brown sobre a "grande abóbora". Não me oponho nunca ao governo das mulheres, mas sei que no governo Dilma não vai ser o caso. Repito. Não há uma mulher no governo do país, e sim um fantoche.
[Leia outros Comentários de Raimundo Torquato ]
1/1/2011
12h55min
Nossa! Ouvi comentários bem menos conservadores e preconceituosos dos "comentaristas imparciais" da Globo do que por aqui... Débora, sei que é difícil, nos tempos atuais do politicamente correto (muito chato às vezes), nos referirmos sem preconceito sobre qualquer profisssional, mas aqui em casa tenho uma "empregada doméstica" super respeitada, carteira assinada que soube alimentar uma relação profissional e pessoal de mão dupla. Nunca me referi a ela como secretária. No mais achei seu texto pertinente, que se avalie a presidenta e não o seu sexo.
[Leia outros Comentários de Márcia Braga]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Noite de Amor
Paul Verguin
Círculo do Livro



Química Orgânica - Vol 3
T. W. Graham Solomons
Ltc
(1995)



Torne sua vida mais simples
Karen Levine
Nobel
(1998)



Livro Literatura Estrangeira Artemis Fowl O Menino Prodígio do Crime
Eoin Colfer
Record
(2001)



Tec Título de Especialista Em Cardiologia - Guia de Estudo
Guilherme S. Spina
Nversos
(2011)



Horóscopo Sexual Para Praticantes
Marcio Paschoal
Record
(2001)



Nova Enciclopédia Ilustrada Folha - Vol 1
Folha de São Paulo
Itautec



Livro Pedagogia História Geral da Pedagogia
Francisco Larroyo
Mestre Jou



Inca: a saga da América Pré-Colombiana
Alexandre Raposo
Record
(1997)



Todas As Cores Do Mundo
Giovanni Montanaro
Alfaguara
(2014)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês