Literatura, Interação e Interatividade | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> As Profecias da Pirâmide de Max Toth pela Record (1979)
>>> Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Ftd (2006)
>>> Universo de Desencanto Volume 1 de Manoel Jacinto Coelho pela Racional Superiror (1973)
>>> Os astros sempre nos acompanham: Um manual de astrologia contemporânea de Claudia Lisboa pela Best Seller (2018)
>>> Inocência - Edição Renovada de Visconde de Taunay pela Ftd (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/8/2012
Literatura, Interação e Interatividade
Marcelo Spalding

+ de 7600 Acessos

Ano a ano, a literatura digital ganha força e torna-se uma preocupação também de acadêmicos e professores, ávidos por apresentar algo novo a seus alunos. Muitas vezes, porém, diante de algo sem parâmetros semelhantes na história da literatura, a análise dá lugar ao encantamento e sobram adjetivos para essa literatura multimídia produzida com o auxílio das novas tecnologias de comunicação, destacando-se o caráter "interativo" desse novo gênero.

Cabe-nos perguntar, porém, o que é a interatividade? O que é interativo? O computador, por sua "arquitetura sui generis", e tudo o que nele for publicado? Nesse caso, poderíamos considerar um livro publicado em PDF, digamos Dom Casmurro, de Machado de Assis, como interativo? Reformulando a questão em outras palavras, em que medida e por que a versão para iPad de um livro - Alice no País das Maravilhas, por exemplo - é mais "interativa" que uma versão impressa do mesmo livro?

Diversos autores abordaram a questão da interatividade. Marco Silva, em Sala de Aula Interativa, busca recuperar a origem do termo, distingui-lo do termo "interação", usado na psicologia e ciências sociais, por exemplo, e apontar as duas críticas principais a que o termo esteve sujeito desde sua aparição: a polissemia e a banalização.

Já Alex Primo escreve seu Interação mediada por computador "a partir de uma insatisfação com as teorias e conceitos de 'interatividade'", preferindo abordar a questão de outro modo e retomando o termo interação para distinguir entre interação mútua e reativa: 

"não se fará uma distinção do que é ou não interação, ou seja, os intercâmbios mantidos entre dois ou mais integrantes (seres vivos ou não) serão sempre considerados formas de interação, devendo ser distinguidos apenas em termos qualitativos. Sendo assim, irá se considerar aqui que tanto (a) clicar em um link e (b) jogar um videogame quanto (c) uma inflamada discussão através de email e (d) um bate-papo trivial em um chat são interações. O que se pretende é distingui-las quanto ao relacionamento mantido."

Tanto Silva quanto Primo apresentam, ainda, tentativas de escalas de graduação da interatividade elaboradas por respeitados pensadores da cibercultura, que buscam diferenciar o simples clicar a, digamos, um jogo de estratégia em que o usuário precisa de ação contínua.

Jens Jensen produziu uma tipologia que concentra sua atenção em dois aspectos do tráfego de informação: quem possui e oferece a informação e quem controla sua distribuição. A partir disso, apresenta a seguinte definição de interatividade: "a medida da habilidade potencial da mídia em permitir que o usuário exerça uma influência no conteúdo e/ou na forma da comunicação mediada". Um cubo tridimensional ajuda a representar a classificação de Jensen:

Embora o modelo do autor peque ao centrar-se especificamente nas características do canal, é sintomático o espaço reservado por Jensen para a "novel": um espaço de seleção e registro, o mais básico em termos de interatividade, ao lado da televisão, do cinema e do rádio.

Outra gradação é a sugerida por F. Holtz-Bonneau, que distingue três modalidades, uma baseada na seleção de conteúdos, outra na intervenção sobre conteúdos e uma terceira tomando os dois processos em conjunto. Segundo Silva, a autora vê interatividade de seleção quando a operação consiste em tocar nas teclas de um videocassete para fazer avançar mais rapidamente a seqüência de imagens. E ainda qualifica essa modalidade em gradações, conferindo grau zero às operações que se efetuam segundo um encaminhamento linear, como no exemplo do filme em videocassete e, acrescentamos nós, dos romances literários. Adiante, a autora chamará atenção para a "necessidade de ultrapassar a linearidade como condição para se chegar a graus mais elevados de interatividade".

Já Kretz, ao propor uma distinção de seis gradações para a interatividade, distingue a leitura de um romance linearmente e com avanços, retornos, saltos. No "grau zero da interatividade", que trata da interatividade de acesso, estaria o romance, o disco, os cassetes lidos linearmente do início ao fim. Já na "interatividade linear", uma espécie de grau um, estaria o romance, o disco ou os cassetes quando folheados (sequência, retorno, saltos adiante ou atrás, avanço ou retorno rápidos). Os demais graus, a saber, são: "interatividade arborescente", quando a seleção se faz por escolha em um menu; "interatividade linguística", que utiliza acessos por palavras-chave; "interatividade de criação", que permite ao usuário compor uma mensagem; "interatividade de comando contínuo", que permite a modificação, o deslocamento ou a transformação de objetos, como nos videogames. Dessa forma, ainda que Kretz confira uma gradação da interatividade na leitura de um romance, também em seu modelo a literatura ocupa um espaço de baixíssima interatividade, assim como nos modelos de Jensen e Holtz-Bonneau.

Entretanto, muito antes dessas escalas centradas na relação homem-objeto, pensadores como os alemães Wolfgang Iser e Hans Robert Jauss, hoje identificados como expoentes da chamada Teoria da Recepção, trataram da interação literária. Iser, por exemplo, aborda centralmente a interação em artigos como o clássico "A interação do texto com o leitor", em que afirma que esta é um caso especial de interação, pois não há a situação face a face característica da interação humana, mas observa haver no texto um sistema de combinações com um lugar dentro do sistema para aquele a quem cabe realizar a combinação:

"este lugar é dado pelos vazios (Leerstellen) no texto, que assim se oferecem para a ocupação do leitor. Como eles não podem ser preenchidos pelo próprio sistema, só o podem ser por meio doutro sistema. Quando isso sucede, se inicia a atividade de constituição, pela qual tais vazios funcionam como um comutador central da interação do texto com o leitor. Donde os vazios regulam a atividade de representação do leitor, que agora segue as condições postas no texto."

Umberto Eco, em Obra Aberta, chega a utilizar essa abertura como uma distinção entre a arte clássica e a arte moderna, afirmando que a obra clássica consistia num conjunto de realidades sonoras que o autor organizava de forma definida e acabada, enquanto os novos tipos de arte "não consistem numa mensagem acabada e definida, numa forma univocamente organizada, mas sim numa possibilidade de várias organizações confiadas à iniciativa do intérprete, apresentando-se portanto não como obras acabadas, que pedem para ser revividas e compreendidas, numa direção estrutural dada, mas como obras abertas, que serão finalizadas pelo intérprete no momento em que viver sua fruição estética".

Assim, qualquer obra literária traz por si só essa abertura que pede um leitor participativo, cúmplice, capaz de preencher os "lugares vazios", para usarmos um termo de Iser. Entretanto, quando se fala em interatividade associada às ferramentas digitais, o que está se esperando é uma gradação maior de participação do leitor na estrutura, no próprio andamento do texto, da história.

Interagir, na nova era e com as novas ferramentas, é mais do que preencher alguns espaços vazios em busca da "verdade" de um autor, e sim construir juntamente com o autor a partir de possibilidades e alternativas que ele possa ter criado. Nesse contexto, clicar ou arrastar não são ações interativas se essas ações não representarem alterações no texto final, na construção da obra, por mais atraente que sejam os livros digitais com essas ferramentas. Por outro lado, não podemos negar que tais ações demonstram que a literatura é mais do que o objeto livro e atravessará, sim, séculos e gerações através de gêneros hipertextuais, gêneros multimídia e/ou gêneros interativos. E, talvez, isso seja mesmo motivo de encantamento por parte de quem está descobrindo esse gênero agora.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 24/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numeração de CDs: resta-nos a socialização da arte de Waldemar Pavan


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Palavras Não Se Afogam ao Atravessar o Atlântico
Carlos Vaz Marques / 1ª Ed
Tinta da China
(2015)



Inocência Serie Bom Livro 23ªed (1996)
Visconde de Taunay
Atica
(1996)



Profissionais da Educação Infantil
Isabel de Oliveira e Silva
cortez
(2001)



Aborrecente Não, Sou Adolescentes
Rosângela
Petit
(2000)



Noite Brancas e Outras Histórias - Col. Obra Prima de Cada Autor
Dostoiévski - de Bolso
Martin Claret
(2007)



As 100 + - o Guia de Estilo Que Toda Mulher Fashion Deve Ter
Nina Garcia
Best Seller
(2009)



O Pensamento Vivo de Buda
José Geraldo Simões Jr.
martin claret
(1985)



Erasmo de Rotterdam - o Mais Eminente Filosofo da Renascença
Luiz Feracine
Livros Escala



Livro - Saga Brasileira - a Longa Luta de um Povo por Sua Moeda
Miriam Leitão
Record
(2011)



Até as Águias Precisam de um Empurrão
David McNally
pronet
(1995)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês