Figuras de linguagem e a escrita criativa | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/12/2012
Figuras de linguagem e a escrita criativa
Marcelo Spalding

+ de 26000 Acessos

Em setembro, publiquei aqui no Digestivo Cultural um texto com 3 dicas para a escrita criativa. A repercussão foi grande, maior do que a média, e surgiram alguns pedidos para novos textos nesse sentido. Resolvi, então, disponibilizar o material de uma das aulas da minha Oficina de Escrita Criativa Online, sobre figuras de linguagem, algo fundamental para quem quer escrever um texto com literariedade (o que não se aplica apenas para escritores, pois de um texto jornalístico, publicitário ou acadêmico também se requer alguma literariedade).

Figuras de linguagem, como se sabe, são estratégias/recursos que o escritor pode aplicar no texto para conseguir um efeito determinado na interpretação do leitor. São formas de expressão mais localizadas em comparação às funções da linguagem, que são características globais do texto. Reconhecer figuras de linguagem, ainda que sem saber os seus nomes técnicos, ajuda a compreender a linguagem literária e o que torna um texto mais criativo.

A grosso modo, podemos dividir essas figuras em quatro grandes grupos, as de construção, de som, de palavra e de pensamento. A lista das figuras é inesgotável, mas compartilhamos alguns dos mais importantes com nosso leitor.

Figuras de construção:

Paralelismo sintático: encadeamento de funções sintáticas idênticas ou encadeamento de orações de valores sintáticos iguais. Exemplo: Funcionários cogitam nova greve e isolamento do governador. Observe que a construção "Funcionários cogitam nova greve e isolar o governador" está errada devido à falta de paralelismo.

Elipse: consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto.
Exemplo: "Na sala, apenas quatro ou cinco convidados." (omissão de havia)

Zeugma: consiste na elipse de um termo que já apareceu antes. Exemplo: "Ele prefere cinema; eu, teatro." (omissão de prefiro).

Anáfora: consiste na repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases. Exemplo: "Amor é um fogo que arde sem se ver; / É ferida que dói e não se sente; / É um contentamento descontente; / É dor que desatina sem doer". Este poema de Luís de Camões tem quase 500 anos e até hoje é considerado um dos melhores poemas de amor da história da literatura de língua portuguesa. Confira uma releitura feita por Renato Russo na famosa música Monte Castelo.

Polissíndeto: consiste na repetição de conectivos ligando termos da oração ou elementos do período. Exemplo: "E sob as ondas ritmadas / e sob as nuvens e os ventos / e sob as pontes e sob o sarcasmo e sob a gosma e sob o vômito (...)"

Inversão: consiste na mudança da ordem natural dos termos na frase. Exemplo: "De tudo ficou um pouco. Do meu medo. Do teu asco."

Silepse: consiste na concordância não com o que vem expresso, mas com o que se subentende, com o que está implícito. A silepse pode ser: de gênero: Vossa Excelência está preocupado; de número: Os Lusíadas glorificou nossa literatura; de pessoa: O que me parece inexplicável é que os brasileiros persistamos em comer essa coisinha verde e mole que se derrete na boca.

Anacoluto: consiste em deixar um termo solto na frase. Normalmente, isso ocorre porque se inicia uma determinada construção sintática e depois se opta por outra. Exemplo: A vida, não sei realmente se ela vale alguma coisa.

Pleonasmo: consiste numa redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem. Exemplo: "E rir meu riso e derramar meu pranto." . Confira abaixo um divertido vídeo sobre o pleonasmo, aqui visto como um vício de linguagem, mas lembrando que ele pode ser um recurso usado intencionalmente.

Figuras de som:

Aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais.
Exemplo: "Esperando, parada, pregada na pedra do porto."

Assonância: consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos.
Exemplo:
"Sou um mulato nato no sentido lato
mulato democrático do litoral."


Paronomásia: consiste na aproximação de palavras de sons parecidos, mas de significados distintos. Exemplo: "Eu que passo, penso e peço."

Esta música de Chico Buarque consegue ter as três figuras de som na mesma letra, confira na voz da eterna Elis Regina:

Figuras de palavra:

Metáfora: empregar um termo com significado diferente do habitual, com base numa relação de similaridade entre o sentido próprio e o sentido figurado. A metáfora implica, pois, uma comparação em que o conectivo comparativo fica subentendido. Exemplo: "Meu pensamento é um rio subterrâneo."

Metonímia: como a metáfora, uma palavra que usualmente significa uma coisa passa a ser usada com outro significado. A metonímia explora sempre alguma relação lógica entre os termos. Exemplo: Não tinha teto em que se abrigasse. (teto em lugar de casa)

Catacrese: ocorre quando, por falta de um termo específico para designar um conceito, torna-se outro por empréstimo. Exemplo: O pé da mesa estava quebrado.

Antonomásia ou perífrase: consiste em substituir um nome por uma expressão que o identifique: Exemplo: ...os quatro rapazes de Liverpool (em vez de os Beatles)

Sinestesia: trata-se de mesclar, numa expressão, sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. Exemplo: A luz crua da madrugada invadia meu quarto.

Figuras de pensamento:

Antítese: consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelo sentido. Exemplo: "Os jardins têm vida e morte."

Ironia: é a figura que apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se, com isso, efeito crítico ou humorístico. Exemplo: "A excelente Dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças."

Eufemismo: consiste em substituir uma expressão por outra menos brusca; em síntese, procura-se suavizar alguma afirmação desagradável. Exemplo: Ele enriqueceu por meios ilícitos. (em vez de ele roubou)

Hipérbole: trata-se de exagerar uma ideia com finalidade enfática. Exemplo: Estou morrendo de sede. (em vez de estou com muita sede). A música "Exagerado", do Cazuza, é quase um hino da hipérbole.

Prosopopéia ou personificação: consiste em atribuir a seres inanimados predicativos que são próprios de seres animados. Exemplo: O jardim olhava as crianças sem dizer nada.

Gradação ou clímax: é a apresentação de ideias em progressão ascendente (clímax) ou descendente (anticlímax). Exemplo: "Um coração chagado de desejos / Latejando, batendo, restrugindo."

Apóstrofe: consiste na interpelação enfática a alguém (ou alguma coisa personificada). Exemplo: "Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus!"



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 21/12/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
02. Souza Dantas, Almoço e Chocolate de Daniel Bushatsky


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês