Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 26/2/2013
Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9100 Acessos

A escolha óbvia: título de um desenho. Um tubarão afogado em um copo d'água. Um simples desenho de caneta sobre papel, retirado do caderno de anotações de Sturmspiel (peça escrita e dirigida por Gerald Thomas em 1989). Linhas singelas, mas que desenham o que pode ser uma metáfora perturbadora da condição do artista. O tubarão reaparecerá em várias das obras plásticas de Gerald, que agora podem ser apreciadas no livro Arranhando a superfície, publicado pela editora Cobogó, do Rio de Janeiro.

O livro apresenta um amplo conjunto de desenhos e ilustrações, coloridos ou em preto e branco, feitos em cadernos (como notas de projetos), alguns para cartazes de peças, outros para capas de revistas ou para publicação no The New York Times, Vanity Fair etc. Junto aos desenhos, textos de Isabel Diegues, Zuenir Ventura e Antonio G. Filho que apontam leituras e narram a trajetória de Gerald em relação às artes plásticas.

Que perdoem ao crítico o uso subjetivo do adjetivo, mas são desenhos belíssimos. De uma beleza que, indo além, não dispensa o pavor. Manchas de sangue, deformidade corporal, feridas abertas, gargantas escancaradas em vômitos verdes ou vermelhos, figuração humana grotesca como bestas num circo de horrores, arquitetura absurda, objetos já sem função e carcomidos pela ferrugem e animais aprisionados. Um mundo de imagens para lá de temíveis.

Não é diferente do que sempre vemos nas peças de Gerald Thomas. E não podemos pensar o artista dividido entre uma atividade e outra: artes plásticas e teatro. A plástica de seu teatro é criada como pintura, na qual luzes e sombras, corpos e gestos, gritos e sussurros compõem esse mesmo circo de horrores. Sua música, na mesma medida, dramatiza, ao máximo, essa plástica. E a preparação de uma cena pode antes ser um desenho, como também um desenho pode ser o resultado de uma cena. E um desenho pode vir a fazer parte do cenário.

Se existe uma arte total (sonhada por Wagner), existe também o artista total, aquele que desenha, pinta, compõe, encena, ilumina e escreve. Pensa tudo ao mesmo tempo, e para isso precisa fazer uma arte que abranja todas.

O caso de Gerald Thomas não é raro, quando sabemos das experiências de desenho e manchas criadas por Victor Hugo (que também misturava tinta e café para desenhar), ou os desenhos de Henri Michaux, para quem o material de desenho e pintura era tão importante em sua mesa quanto o caderno de anotações de seus textos. Também o cineasta Eisenstein, entre outros artistas, fazia da obra plástica o preparo para seu trabalho cinematográfico. Em todos esses casos, o desenho, a pintura e a ilustração ganham vida própria, respirando com enorme potência, para além de sua função inicial.

Os desenhos criados por Gerald Thomas conseguem unir vários universos artísticos sem perder o seu poder expressivo, motivo que prende imediatamente o espectador: de uma figuração que faz pensar em Rauschenberg e outros artistas da pop art (pela delicadeza das composições), às cores penetrantes da pintura e o desenho seguro que indicam uma proximidade com a arte dramática de Philip Guston, passando pelos terrores do cinema e da pintura expressionistas, até o deformador de corpos (e da pintura) que foi Francis Bacon. E não podemos deixar de mencionar Saul Steinberg, que talvez seja, no que diz respeito aos desenhos para o The New York Times, a influência mais marcante.

O material usado para a criação dos desenhos e ilustrações, do ponto de vista técnico (e por que não também da expressão?), são tinta naquim, café, lápis de cor aquarelado, caneta, bico de pena, tinta; usados sobre papel canson, Fabriano, cartolina, Schoeller e papel de caderno escolar. Além do desenho, aparecem nas composições, aqui ou ali, algumas colagens como as de recortes de jornal, palavras, band-aid.

Gerald Thomas provém de uma tradição de vanguarda, portanto não se pode interpretar de forma fácil seu trabalho. Se assim o fizéssemos estaríamos negando o próprio princípio de uma arte que não se dobra ao realismo fácil, à narrativa clara, ao entendimento óbvio. Aproveitando o acaso das manchas de café, ou rabiscando uma linha sem muito sentido inicial, depois desdobrando tudo isso sob a forma de cores também jogadas sem muito controle, a obra aparece e se presentifica potencialmente.

Como artista à flor da pele, Gerald pretende com seus desenhos expor a "anarchy-orgy" deste mundo e seus próprios sentimentos sobre o mesmo. Nesse sentido, a representação do tubarão se torna aqui uma das figuras mais importantes na galeria de seus desenhos. Reaparecendo inúmeras vezes, o tubarão está sempre amarrado, machucado, afogado em um copo de água, ao lado de uma crucificação, sangrando ou enfaixado. Encarnação, talvez, da figura do artista (e, em determinadas circunstâncias, autobiografia imagética do próprio Thomas), o tubarão é força, habitante das profundidades e, deslocado de sua natureza marítima, um ser frágil.

A condição da fragilidade do artista, como no tubarão que solta sangue na capa do livro de Gerald, pode ser pensada a partir da fala de Fausto: "(...) de agora em diante/ às dores todas escancaro esta alma./ As sensações da espécie humana em peso,/ quero-as eu dentro de mim; seus bens, seus males/ mais atrozes, mais íntimos, se entranhem/ aqui onde à vontade a minha mente/ os abrace, os tateie; assim me torno/ eu próprio a humanidade."

Como obras que destilam as agruras do mundo contemporâneo, sua força não está propriamente no que representa, mas na forma com que representa. Exemplo é a obra "E é assim que os tabloides britânicos são feitos", de 2003, em que uma vagina explode em respingos de sangue, sobre uma perna aberta e escancarada ao máximo de sua flexibilidade, em que ainda aparece a inscrição "anarchy orgy". Retrato de uma época que se consome na sede de aparição exibicionista, quando se educa e se fabrica o gosto pela violência, que alimenta milionários impérios midiáticos sadomasoquistas. Para dizer isso, Gerald usa recursos mínimos, bastando o contorno das pernas pela caneta, as cores vibrantes que misturam café e lápis aquarelado na agressiva violência do sexo feminino jorrando sangue e na colagem, sob o desenho, de duas palavras. O impacto da imagem é brutal, pois quer chamar a atenção imperativamente para a prática sanguinária da exploração dos instintos mais baixos do homem pela "cultura" perversa da mídia.

Apreender o mundo moderno com uma arte moderna, para Gerald,é fazer uma arte da crise: formas fragmentárias, estruturas estranhas e parodísticas, ambiguidades, ironia trágica. Uma arte para uma época fragmentada, doente e estranha deve necessariamente colocar as tripas desse mundo para fora.

A possibilidade de uma leitura alegórica (procedimento da fragmentada arte de vanguarda) é indicada em alguns dos desenhos preparatórios de Gerald, como na criação de uma boca sustentada por uma "coluna do império das meias verdades", uma "viagem do presidente Clinton pela América do Sul", que solta o "vômito fluorescente do terceiro milênio", enquanto "lá fora o presidente da China espera para entrar". Uma ideia reunida em pequenas (e grotescas) imagens e textos que se transformam na cabeça do espectador-montador em leitura dos desdobramentos e novos agenciamentos do poder.

Esses desenhos provam que o artista é quem consegue nadar até o fundo, e, se arranha apenas a superfície, ainda é a superfície do mais profundo, o tempo dos "homens ocos", denunciado por T. S. Eliot, que não deixou de existir. E artistas, para não deixar esse mundo impune, também não deixam de existir.

Gerald Thomas é um desses artistas resistentes, tanto nos seus desenhos, como no seu teatro, sempre além de qualquer superfície.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. O Mito da Eleição de Marilia Mota Silva
03. O fim e o café solúvel de Ana Elisa Ribeiro
04. O Precioso Livro da Miriam de Marilia Mota Silva
05. Homens-máquina em autoconstrução de Carla Ceres


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TOQUE - MÉTODOS E MILAGRES DE CURA
M. A. DOUG HEYES
MADRAS
(2018)
R$ 34,90



INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS
PIERRE JACCARD
LIVROS HORIZONTE
(1977)
R$ 24,82



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 15,00



THE HOLLOW EARTH
RAYMOND BERNARD
ADVENTURES UNLIMITED PRESS
(2009)
R$ 35,00



ORAÇÃO QUE TRANSFORMA
SUELY BEZERRA
FÔLEGO
(2009)
R$ 10,00



A 8 SERIE C
ODETTE DE BARROS
MUNDO JOVEM
(1987)
R$ 11,00



OS TERRITÓRIOS DO REINO DE DEUS:
MARCUS CASTRO FARIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



O SELF ESSENCIAL
WILL SELF
ALFAGUARA BRASIL
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis



CLARA-COMO-O-SOL, ESCURO-COMO-A-NOITE 2º EDIÇÃO
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2005)
R$ 4,00



SÓCRATES ENCONTRA SARTRE
PETER KREEFT
VIDE EDITORIAL
(2013)
R$ 150,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês