O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/1/2010
O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro
Luiz Rebinski Junior

+ de 7800 Acessos

Um dos primeiros representantes da literatura urbana brasileira, José Rubem Fonseca, mais de quarenta anos depois de sua estreia literária, iniciada com Os prisioneiros (1963), ainda segue com devoção a escrita rápida, seca e recheada de violência que cunhou em seus primeiros contos.

Contista por excelência, Fonseca vem, há anos, exercitando-se no romance, gênero em que, para muitos, não consegue alcançar a mesma maestria vista em suas histórias curtas. Talvez por tanto ouvir o que já se tornou, digamos, um quase lugar-comum, o autor fez de seu novo livro, O seminarista (Agir, 2009, 184 págs.), um romance com jeitão de conto. Digo isso porque, excetuando o personagem do título, os outros personagens passam raspando pelo texto.

E, diferentemente de seus romances mais famosos, como Agosto e A grande arte, em O seminarista as imbricadas tramas cedem espaço a um personagem carismático que tem suas façanhas contadas por meio de uma prosa extremamente eficiente, que lembra, em muito, o Rubem Fonseca de contos já antológicos como "O cobrador" e "Passeio noturno I", duas de suas melhores histórias breves. As frases curtíssimas, sem muita firula, dão ao texto um tom quase jornalístico. Característica reforçada pela obsessão de Fonseca em escrever histórias com alto grau de violência, o que lhe dá, involuntariamente, é verdade, status de cronista social.

"Coloquei sob a camisa a minha Beretta com silenciador e toquei a campainha da casa do freguês. Para sorte minha quem abriu a porta foi o Papai Noel. 'Entra, entra', ele disse, 'feliz Natal!' 'Faz Ô! Ô! Ô! pra mim', pedi, enquanto constatava a berruga ao lado do nariz. 'Ô! Ô! Ô!', ele fez. Dei um tiro na sua cabeça. Sempre dou um tiro na cabeça." Esse é "O Especialista", o anti-herói da vez de Rubem Fonseca. Culto, articulado, adorador de poesia, sarcástico e falante de latim, Zé é mais um exótico matador de aluguel a entrar para a galeria de tipos do escritor ― ao lado de figuras recorrentes como o detetive Mandrake.

Ex-seminarista, Zé não se envolve com suas vítimas (a quem chama de fregueses), não acompanha a repercussão dos casos e, por isso, não lê jornal. "Gosto de ver filmes. Também gosto de ler. Principalmente poesia". Zé resolve se aposentar, abandonando a vida bandida. Apaixona-se por uma alemãzinha, mais jovem do que ele, chamada Kirsten. A mudança parece radical demais a um matador frio acostumado com garotas de programa. "Muitas pessoas devem achar estapafúrdio um sujeito que matou por encomenda uma porção de pessoas ser dominado por sentimentos dessa natureza", confidencia o matador apaixonado.

O ponto alto da história é quando Zé, pensando já estar aposentado, se vê ameaçado por um de seus contratantes, que teme sua indiscrição e planeja seu assassinato. É a volta involuntária ao mundo do crime que sustenta o romance. Ou melhor, a trama policial, nesse caso, é engolida pela personalidade do protagonista, mais interessante até do que a própria história em si, que em determinado momento fica meio nebulosa. Rubem Fonseca parece perder um pouco mão quando resolve colocar um CD com dados sigilosos de um chefão do crime no epicentro da trama, lá pro final do livro. Mas, para sorte do escritor e de seus leitores, Zé tem brilho próprio, o que garante a Fonseca a atenção do leitor até a última linha.

Assim como os bastardos de Quentin Tarantino, o matador de Rubem Fonseca sempre tem um bom motivo para apagar alguém. Pois Zé só "matava gente ruim, filhos da puta que mereciam morrer". Os traficantes, pedófilos, necrófilos e mafiosos mortos por Zé, dão-lhe uma certa aura de justiceiro, um cara que mata com bons propósitos, tendo o leitor ótimos motivos para ficar ao seu lado, torcendo por ele. Isso pode parecer um artifício meio maniqueísta e simplista (e é!), mas com Rubem Fonseca funciona. E o leitor, invariavelmente, acaba "torcendo" para que "O Especialista" vá até o fim.

O livro não vai se tornar um clássico de Fonseca, certamente. Mas ainda assim é um bom livro, escrito com muita precisão. Algumas pessoas ― principalmente os leitores de poucos romances do autor ― ficam sempre na eterna expectativa de encontrar, a cada novo livro, o Fonseca dos anos 1960, quando a crueza de sua literatura era vista como algo "inaugural", inédito mesmo. Mas, de lá pra cá, esse tipo de literatura, muito por conta do próprio Fonseca, se alastrou feito praga em nossa literatura, com resultados às vezes pouco convincentes. Ainda que o saldo da influência de Rubem Fonseca, a meu ver, seja positivo.

Então, passado o impacto inicial, o que ficou da literatura de Fonseca foi sua capacidade de criar tipos interessantes, que se destacam pelo jeito exótico de viver, cheios de manias e com uma ética muito particular. Zé, por exemplo, deixa os seus preceitos éticos evidentes em frases edificantes, como "matar passarinho é pior que matar gente", "não tenho amigos, nem quero ter" ou "não mato mulheres nem crianças". E essa capacidade do autor em criar tipos psicologicamente interessantes deve ser valorizada. Isso porque, com um Rio de Janeiro tão violento, não sei se alguém ainda se espanta com as pequenas barbaridades dos personagens de Rubem Fonseca. Talvez leitores mais desavisados e pouco habituados com a trajetória do escritor ainda vejam na violência algo de transgressor. Pode ser.

É só pensar em autores como Cormac McCarthy. A violência ali é apenas mais um ingrediente de uma prosa bem elaborada e elegante. Assim como também acontece com o sexo na literatura de Fonseca. E aí estou lembrando de contos como "AA", uma história criativa e original sobre uma associação de arremessadores de anão, que vai na contramão dos clichês que foram colados à figura de Fonseca.

Rubem Fonseca é um dos grandes da nossa literatura, não tenho dúvida. Se não fez um romance à altura de seu talento, também não fez nada que o desabone. Sempre bato na tecla de que escritores como Dalton Trevisan, João Gilberto Noll e Cony, por exemplo, dificilmente vão cometer grandes heresias, escrever livros sofríveis daqui em diante. Alguns não têm mais muito tempo para isso. Mas, sinceramente, acho que esses caras alcançaram um grau de excelência que os impedem de escrever mediocridades. Sei que parece uma tese meio conformista e perigosa. Pode até ser. Mas o fato é que a cada novo lançamento dessas figuras, mais eu acredito na minha filosofia de almanaque.

Para ir além


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPLEMENTOS DE CASAS, CHALÉS, PALACETES E MANSÕES
FEDERICO ULSAMER
MEC
(1977)
R$ 22,97



O RELATÓRIO POPCORN
FAITH POPCORN
CAMPUS
(1993)
R$ 10,00



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA HISTÓRIA DO BRASIL
LEANDRO NARLOCH
LEYA CASA DA PALAVRA
(2009)
R$ 20,00



UNITED STATES OF AMERICA
PATRIZIA RAFFIN
TIGER BOOKS INTERNAT
(1996)
R$ 21,00



MATEMÁTICA PARA ELETRÔNICA
JOHN J DULIN E VICTOR VELEY
HEMUS
R$ 169,00



A FELICIDADE DE CADA UM
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 12,00
+ frete grátis



BOLETIM DA SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGICOS ANO 1 N. 1 TOMO 1
SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGICOS
SOCIEDADE DE ESTUDOS FILÓGI
(1945)
R$ 111,65



CINCO DIAS EM PARIS
DANIELLE STEEL
ALTAYA/RECORD
R$ 7,00



A CIDADE INTEIRA DORME E OUTROS CONTOS
RAY BRADBURY
BIBLIOTECA AZUL
(2019)
R$ 14,90



ARTE PARA SENNA 6288
PAULO SOLARIS
PIBLIHAUS
(2004)
R$ 20,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês