O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/1/2010
O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro
Luiz Rebinski Junior

+ de 7900 Acessos

Um dos primeiros representantes da literatura urbana brasileira, José Rubem Fonseca, mais de quarenta anos depois de sua estreia literária, iniciada com Os prisioneiros (1963), ainda segue com devoção a escrita rápida, seca e recheada de violência que cunhou em seus primeiros contos.

Contista por excelência, Fonseca vem, há anos, exercitando-se no romance, gênero em que, para muitos, não consegue alcançar a mesma maestria vista em suas histórias curtas. Talvez por tanto ouvir o que já se tornou, digamos, um quase lugar-comum, o autor fez de seu novo livro, O seminarista (Agir, 2009, 184 págs.), um romance com jeitão de conto. Digo isso porque, excetuando o personagem do título, os outros personagens passam raspando pelo texto.

E, diferentemente de seus romances mais famosos, como Agosto e A grande arte, em O seminarista as imbricadas tramas cedem espaço a um personagem carismático que tem suas façanhas contadas por meio de uma prosa extremamente eficiente, que lembra, em muito, o Rubem Fonseca de contos já antológicos como "O cobrador" e "Passeio noturno I", duas de suas melhores histórias breves. As frases curtíssimas, sem muita firula, dão ao texto um tom quase jornalístico. Característica reforçada pela obsessão de Fonseca em escrever histórias com alto grau de violência, o que lhe dá, involuntariamente, é verdade, status de cronista social.

"Coloquei sob a camisa a minha Beretta com silenciador e toquei a campainha da casa do freguês. Para sorte minha quem abriu a porta foi o Papai Noel. 'Entra, entra', ele disse, 'feliz Natal!' 'Faz Ô! Ô! Ô! pra mim', pedi, enquanto constatava a berruga ao lado do nariz. 'Ô! Ô! Ô!', ele fez. Dei um tiro na sua cabeça. Sempre dou um tiro na cabeça." Esse é "O Especialista", o anti-herói da vez de Rubem Fonseca. Culto, articulado, adorador de poesia, sarcástico e falante de latim, Zé é mais um exótico matador de aluguel a entrar para a galeria de tipos do escritor ― ao lado de figuras recorrentes como o detetive Mandrake.

Ex-seminarista, Zé não se envolve com suas vítimas (a quem chama de fregueses), não acompanha a repercussão dos casos e, por isso, não lê jornal. "Gosto de ver filmes. Também gosto de ler. Principalmente poesia". Zé resolve se aposentar, abandonando a vida bandida. Apaixona-se por uma alemãzinha, mais jovem do que ele, chamada Kirsten. A mudança parece radical demais a um matador frio acostumado com garotas de programa. "Muitas pessoas devem achar estapafúrdio um sujeito que matou por encomenda uma porção de pessoas ser dominado por sentimentos dessa natureza", confidencia o matador apaixonado.

O ponto alto da história é quando Zé, pensando já estar aposentado, se vê ameaçado por um de seus contratantes, que teme sua indiscrição e planeja seu assassinato. É a volta involuntária ao mundo do crime que sustenta o romance. Ou melhor, a trama policial, nesse caso, é engolida pela personalidade do protagonista, mais interessante até do que a própria história em si, que em determinado momento fica meio nebulosa. Rubem Fonseca parece perder um pouco mão quando resolve colocar um CD com dados sigilosos de um chefão do crime no epicentro da trama, lá pro final do livro. Mas, para sorte do escritor e de seus leitores, Zé tem brilho próprio, o que garante a Fonseca a atenção do leitor até a última linha.

Assim como os bastardos de Quentin Tarantino, o matador de Rubem Fonseca sempre tem um bom motivo para apagar alguém. Pois Zé só "matava gente ruim, filhos da puta que mereciam morrer". Os traficantes, pedófilos, necrófilos e mafiosos mortos por Zé, dão-lhe uma certa aura de justiceiro, um cara que mata com bons propósitos, tendo o leitor ótimos motivos para ficar ao seu lado, torcendo por ele. Isso pode parecer um artifício meio maniqueísta e simplista (e é!), mas com Rubem Fonseca funciona. E o leitor, invariavelmente, acaba "torcendo" para que "O Especialista" vá até o fim.

O livro não vai se tornar um clássico de Fonseca, certamente. Mas ainda assim é um bom livro, escrito com muita precisão. Algumas pessoas ― principalmente os leitores de poucos romances do autor ― ficam sempre na eterna expectativa de encontrar, a cada novo livro, o Fonseca dos anos 1960, quando a crueza de sua literatura era vista como algo "inaugural", inédito mesmo. Mas, de lá pra cá, esse tipo de literatura, muito por conta do próprio Fonseca, se alastrou feito praga em nossa literatura, com resultados às vezes pouco convincentes. Ainda que o saldo da influência de Rubem Fonseca, a meu ver, seja positivo.

Então, passado o impacto inicial, o que ficou da literatura de Fonseca foi sua capacidade de criar tipos interessantes, que se destacam pelo jeito exótico de viver, cheios de manias e com uma ética muito particular. Zé, por exemplo, deixa os seus preceitos éticos evidentes em frases edificantes, como "matar passarinho é pior que matar gente", "não tenho amigos, nem quero ter" ou "não mato mulheres nem crianças". E essa capacidade do autor em criar tipos psicologicamente interessantes deve ser valorizada. Isso porque, com um Rio de Janeiro tão violento, não sei se alguém ainda se espanta com as pequenas barbaridades dos personagens de Rubem Fonseca. Talvez leitores mais desavisados e pouco habituados com a trajetória do escritor ainda vejam na violência algo de transgressor. Pode ser.

É só pensar em autores como Cormac McCarthy. A violência ali é apenas mais um ingrediente de uma prosa bem elaborada e elegante. Assim como também acontece com o sexo na literatura de Fonseca. E aí estou lembrando de contos como "AA", uma história criativa e original sobre uma associação de arremessadores de anão, que vai na contramão dos clichês que foram colados à figura de Fonseca.

Rubem Fonseca é um dos grandes da nossa literatura, não tenho dúvida. Se não fez um romance à altura de seu talento, também não fez nada que o desabone. Sempre bato na tecla de que escritores como Dalton Trevisan, João Gilberto Noll e Cony, por exemplo, dificilmente vão cometer grandes heresias, escrever livros sofríveis daqui em diante. Alguns não têm mais muito tempo para isso. Mas, sinceramente, acho que esses caras alcançaram um grau de excelência que os impedem de escrever mediocridades. Sei que parece uma tese meio conformista e perigosa. Pode até ser. Mas o fato é que a cada novo lançamento dessas figuras, mais eu acredito na minha filosofia de almanaque.

Para ir além


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
02. Em 2016, pare de dizer que você tem problemas de Fabio Gomes
03. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I de Gian Danton
04. 'Cabeças' de Paulo Francis de Humberto Pereira da Silva
05. A palavra silenciosa de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ASSASSINS CREED - RENEGADO
OLIVER BOWDEN
GALERA RECORD
(2014)
R$ 14,90



REVISTA PLANETA Nº 31
DIRETORES; LUIS CARTA E OUTROS
TRÉS
(1975)
R$ 15,00



LULISMO-DA ERA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS À ASCENSÃO DA NOVA CLASSE MÉD...
RUDÁ RICCI
CONTRAPONTO
(2010)
R$ 39,00
+ frete grátis



JUST KIDS
PATTI SMITH
BLOOMS BURY
(2009)
R$ 130,00



TODOS OS TEXTOS - 6º ANO
WILLIAM ROBERTO CEREJA; THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL DIDÁTICOS
(2011)
R$ 20,00



PEQUENAS LIÇÕES DE SABEDORIA
INÁCIO DANTAS
VOZES
(2005)
R$ 15,00



REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO NO PRÓXIMO MILÊNIO
MEC
MEC
(1998)
R$ 10,50



ABC DO OGÃ - O VALOR DA CURIMBA NA UMBANDA
SEVERINO SENA
MADRAS
(2017)
R$ 29,90



ESPRIT TRIBAL OU PERSPECTIVES PLANÉTAIRES ?
BARBARA WARD
EDITIONS DU CHALET
(1967)
R$ 35,28



VIVA SEM CULPA - APRENDA A APROVEITAR SUAS PRÓPRIAS EXPERIÊNCIAS
HAZEL M. DENNING
MANDARIM
(1999)
R$ 10,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês