Wiki, wiki, hurra! | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Wikipedia

Quarta-feira, 25/4/2007
Wiki, wiki, hurra!
Guga Schultze

+ de 3700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O labirinto
Ilustra por Guga Schultze

Uma das coisas mais divertidas da Wikipedia é a ausência de um filtro hierárquico na apresentação dos assuntos. Não tenho a menor idéia de como se faziam essas coisas nas tradicionais enciclopédias de papel; na verdade não tinha a noção clara de que isso era feito, mas basta navegar até a Wikipedia que, por comparação, a coisa salta aos olhos.

Você encontra assuntos que não figurariam numa enciclopédia tradicional, seja por um elitismo natural (e talvez inconsciente) de seus autores ou, talvez - e provavelmente esta seja a razão mais forte - por economia de espaço, mesmo que a enciclopédia em questão apresentasse quinze, vinte ou mais volumes pesados. Nisso está a primeira grande tacada da Wiki em relação às suas (pretensas) rivais de papel: o tamanho.

O tamanho é um dos fatores decisivos para a efetividade, ou utilidade, de uma enciclopédia. A biblioteca mítica e universal, que Jorge Luis Borges imaginou em um de seus contos mais famosos, nunca esteve tão próxima de se materializar, mesmo que seja de forma puramente virtual. Poder transportar na mão (num laptop, por exemplo) a quantidade assustadora de um milhão de verbetes enciclopédicos, imediatamente acessíveis a um toque de dedos, é uma forma de poder intelectual que poderia chocar McLuhan. Ou Nietzsche. Falando em Nietzsche, lembro-me agora de uma historinha do Super Homem, o dos quadrinhos, em que ele, usando sua super memória e sua super velocidade, lê, em minutos, uma biblioteca inteira. Mas ainda assim ele precisava armazenar tudo na cabeça. Nós precisamos apenas armazenar a memória da combinação de teclas no processo de ligar o micro e acessar a informação. Nossa memória está sendo poupada em escalas anteriormente inimagináveis; o excesso de informação não é o grande diferencial da nossa época. A questão, a grande virada no status quo da cultura é que toda essa informação está disponível. Muito facilmente disponível.

O microcomputador e, conseqüentemente, a rede mundial de micro computadores se transformou numa extensão, praticamente ilimitada, da nossa memória, da nossa memória pessoal, se quiserem. E os pequenos mecanismos mnemônicos - que por pequenos que sejam não são menos relevantes - dos celulares que nos avisam de tudo, agendas programáveis, apitos, chamados, nos alertam eficientemente para as coisas que não queremos esquecer; as conversas, as vozes e as imagens daquilo que nos é caro; uma parte significativa da nossa intimidade está guardada e protegida contra o esquecimento.

Essa memória preservada ciberneticamente, que não se "apaga no vento dos dias" e cujo acesso é também parcialmente regulado pela memória artificial dos alertas e chamadas que criamos em nosso benefício, talvez seja a segunda grande revolução no processo cognitivo humano, desde a invenção da escrita. Podemos, mais do que nunca, nos dar ao luxo de ser desmiolados. Podemos guardar no bolso uma memória geral ou seletiva do mundo. Podemos guardar uma memória íntima cujo tamanho e diversidade de meios ultrapassa nossa capacidade mnemônica natural.

O fato é sem precedentes na história e, por isso mesmo, é difícil especular sobre ele. A experiência não pode dar "pitaco" numa situação realmente nova. Por exemplo, o fenômeno das vendas pela internet, traduzido graficamente na long tail, a "cauda longa", já mencionado aqui no DC, tem muito a ver com o tamanho da rede, com a facilidade de acesso e com a preservação da informação - milhões de pessoas acabam fazendo com que um produto, que não é um sucesso de vendas, valha a pena ser mantido no mercado pelos vendedores. Isso porque o produto está lá, na grande memória da rede, ou seja, não foi "esquecido" e milhões de usuários, ou compradores em potencial, acabam por fazer com que ele tenha uma saída significativa, a longo prazo.

Voltando: a segunda grande tacada da Wikipedia é a democratização brutal da sua fonte; a abertura que permite que qualquer um se arrisque como fornecedor de informação. O corolário disso é uma espécie de baixo nível na confiabilidade geral. Mas isso não é um problema específico da Wiki, é um problema geral da informação na nossa era. Desde que os efeitos especiais do cinema começaram a representar simulacros perfeitos de qualquer realidade, desde que a fotografia tornou-se completamente modelável em softwares cada vez mais sofisticados; em suma, desde que a falsificação na mídia se tornou potencialmente acessível a qualquer um com um mínimo de capacidade - ou seja, escapou do âmbito profissional ou especializado - somos forçados, a despeito da nossa costumeira credulidade, a assumir um ceticismo inédito e defensivo. Me parece uma atitude irrevogável, a partir de então. Deus permita (hahahaha) que esse ceticismo amplie seus limites e alcance as pobres almas atormentadas dentro das seitas, cultos, assembléias, igrejas, etc, etc... (Ok, isso é só uma opinião, pessoal e intransferível).

Isso é também, esse quesito "opinião", um dos problemas técnicos enfrentados pela Wikipedia. Quem se aventurar por lá pode, por exemplo, acessar o verbete sobre Paulo Francis (ele, de novo...) A discussão que se segue - lá você pode discutir o conteúdo dos verbetes - é interminável, entre o autor do artigo, o responsável por aquela seção da Wikipedia e mais alguns leitores. A outra discussão, sobre a Wikipedia, corre também na rede e trata, entre outras coisas, dessa faceta incômoda da Wiki. Uma enciclopédia não deve ser lugar para opiniões (é até risível constatar que nas instruções gerais para os colaboradores, estão vetadas as palavras "felizmente" ou "infelizmente". E há vários verbetes citados, como exemplos do uso indevido dessas palavras). No entanto, essa é a Wiki.

Então, a Wikipedia não é uma enciclopédia tradicional. Também não é uma nova enciclopédia. Tem o mesmo formato e tem também coisas que estão aquém ou que vão além das expectativas do leitor. Mas me parece mais um grande "almanaque" popular, um tipo de publicação que foi comum no passado, já não tão recente, e que costumava cobrir a necessidade de informação específica de segmentos sociais. A diferença é que o "segmento social" que a Wiki pode atender é, praticamente, o mundo todo. Não é mais um segmento; de certa forma não se limita mais a grupos, camadas ou extratos - é simplesmente a grande rede, quase uma classe social, inédita nos anais dos estudos socioeconômicos. Também foi invisível aos profetas sociais de duas décadas atrás e, ainda, imprevisível. Mais do que as projeções que a ficção científica pôde conjurar. É uma nova selva que se alastra sobre o mato ralo. A grande floresta é a informação, e "as árvere, somu nózes".


Guga Schultze
Belo Horizonte, 25/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
03. Ao Sul da Liberdade de Vicente Escudero
04. Pressione desfazer para viver de Ana Elisa Ribeiro
05. Frankenstein e o passado monstruoso de Carla Ceres


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


Mais Especial Wikipedia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2007
08h41min
Oi, Guga. Eu já ia te falar sobre o verbete da Wikipedia sobre o Francis, que penso ter sido um dos melhores verbetes da Wikipedia que já li. Abraços do Lúcio Jr.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
25/4/2007
15h04min
Guga, embora a Wikipédia seja um fenômeno fantástico, recorro muito pouco a ela. À maneira antiga, gosto de folhear dicionários, enciclopédias, livros que tratam de diversos assuntos. O cheiro é muito bom. Cheiro de papel, cheiro de mistério, cheiro de livro. Sei que a Wikipédia aborda qualquer coisa, qualquer palavra, qualquer tema. Mas ainda não me rendi ao seu encanto. O seu texto faz jus à importância desse instrumento, acessível aos mais diversos usuários. Mas, um almanaque é muito mais gostoso, ainda que arcaico. Já que temos tanta fontes de informação, as mais diversas, vamos dar uma vida mais longa a eles, aos livros, às enciclopédias. Está cedo matá-los. Até quando durarão os livros no formato que conhecemos? E a delícia de segurá-los, fazer um carinho, colocá-los junto à cama ou deixá-los perdidos em uma estante, para mais tarde reencontrá-los, como um velho amigo ou um antigo amor? Isso, tenho certeza, a Wikipédia jamais nos trará. Bjs. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
26/4/2007
14h54min
Guga, sempre quando consulto a Wikipedia fico completamente tonto que nem o ratinho do seu desenho. O problema é que quando você busca um assunto, você acaba entrando noutro e depois noutro e aí você não sabe nem mais o que você estava procurando. Mas de qualquer forma, essa tonteira sem álcool é sempre divertida e interessante. Abração. Henrique
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
26/4/2007
22h48min
A busca da representação de conteúdo ou a ousada tentativa de inventariar parcelas significativas de conhecimento é uma utopia utilitária. Sempre haverá quem questione a fidelidade, a necessidade de complementação ou o tratamento dado a determinado tema. Pensar na Wiki como uma enciclopédia é referir-se carinhosamente com um tipo de alinhamento de informação que acaba de ser superado, e a síntese é sim a Wikipedia. A participação e o "debate" servem para autenticar as diversidades e os possíveis impactos da informação sobre determinados segmentos culturais. Teremos choques assim como temos na representação do mundo real quando tema ou personagem forem controversos, considero isto bastante saudável. Devemos analisar o enunciado talvez a analogia que tenta contextualizar esta nova relação com o conhecimento esteja determinando novas hierarquias, reduzindo a influência acadêmica e reavaliando cátedras. Acredito que a nova fonte de informação possibilirá outra relação com o conhecimento.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
3/5/2007
19h09min
Oi, Guga, gostaria de perguntar o seguinte: fui ao verbete da Wiki do Francis, mas não consegui encontrar os tais comentários. Achei aquele artigo equilibrado, mas você e o Julio provavelmente não devem gostar, uma vez que o tom de quem escreveu é bem de esquerda. Aliás, quem foi?
[Leia outros Comentários de Lúcio Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SOBRADINHO DOS PARDAIS - EDIÇÃO DE BOLSO
HERBERTO SALES
HERBERTO SALES
(1973)
R$ 4,00



NIXONS TEN COMMANDMENTS OF STATECRAFT
JAMES C. HUMES (CAPA DURA)
SCRIBNER
(1997)
R$ 55,28



VIVER
JULIO CESAR PRADO LEITE
PAZ E TERRA (RJ)
(1991)
R$ 19,28



O TEMPO QUE NUNCA FOI - AMBER HOUSE II - 1ª EDIÇÃO
KELLY MOORE, TUCKER REED, LARKIN REED
JANGADA
(2014)
R$ 17,95



A MULHER PINTADA
FRANÇOISE SAGAN
RECORD
R$ 6,90



PORQUÉ CAYÓ ALFONSÍN - EL NUEVO TERRORISMO ECONÓMICO
LUIS MAJUL
SUDAMIRICANA
(1990)
R$ 30,00



ESTUDOS BRASILEIROS
LUIZ TOLEDO MACHADO
ITAMARATY
(1972)
R$ 15,00



A CIDADE DAS FLORES
AUGUSTO ABELAIRA
O JORNAL
(1984)
R$ 17,70



GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS
ANA CRISTINA DE FARIA & MARIA DE FATIMA GAMEIRO
GEN / ATLAS
(2008)
R$ 70,00



PRINCÍPIOS DE ELETRÔNICA VOL. 3 - CIRCUITOS ELETRÔNICOS II
PAUL E GRAY E CAMPBELL L SEARLE
LTC
(1974)
R$ 35,90
+ frete grátis





busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês