Wiki, wiki, hurra! | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS >>> Especial Wikipedia

Quarta-feira, 25/4/2007
Wiki, wiki, hurra!
Guga Schultze

+ de 4200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O labirinto
Ilustra por Guga Schultze

Uma das coisas mais divertidas da Wikipedia é a ausência de um filtro hierárquico na apresentação dos assuntos. Não tenho a menor idéia de como se faziam essas coisas nas tradicionais enciclopédias de papel; na verdade não tinha a noção clara de que isso era feito, mas basta navegar até a Wikipedia que, por comparação, a coisa salta aos olhos.

Você encontra assuntos que não figurariam numa enciclopédia tradicional, seja por um elitismo natural (e talvez inconsciente) de seus autores ou, talvez - e provavelmente esta seja a razão mais forte - por economia de espaço, mesmo que a enciclopédia em questão apresentasse quinze, vinte ou mais volumes pesados. Nisso está a primeira grande tacada da Wiki em relação às suas (pretensas) rivais de papel: o tamanho.

O tamanho é um dos fatores decisivos para a efetividade, ou utilidade, de uma enciclopédia. A biblioteca mítica e universal, que Jorge Luis Borges imaginou em um de seus contos mais famosos, nunca esteve tão próxima de se materializar, mesmo que seja de forma puramente virtual. Poder transportar na mão (num laptop, por exemplo) a quantidade assustadora de um milhão de verbetes enciclopédicos, imediatamente acessíveis a um toque de dedos, é uma forma de poder intelectual que poderia chocar McLuhan. Ou Nietzsche. Falando em Nietzsche, lembro-me agora de uma historinha do Super Homem, o dos quadrinhos, em que ele, usando sua super memória e sua super velocidade, lê, em minutos, uma biblioteca inteira. Mas ainda assim ele precisava armazenar tudo na cabeça. Nós precisamos apenas armazenar a memória da combinação de teclas no processo de ligar o micro e acessar a informação. Nossa memória está sendo poupada em escalas anteriormente inimagináveis; o excesso de informação não é o grande diferencial da nossa época. A questão, a grande virada no status quo da cultura é que toda essa informação está disponível. Muito facilmente disponível.

O microcomputador e, conseqüentemente, a rede mundial de micro computadores se transformou numa extensão, praticamente ilimitada, da nossa memória, da nossa memória pessoal, se quiserem. E os pequenos mecanismos mnemônicos - que por pequenos que sejam não são menos relevantes - dos celulares que nos avisam de tudo, agendas programáveis, apitos, chamados, nos alertam eficientemente para as coisas que não queremos esquecer; as conversas, as vozes e as imagens daquilo que nos é caro; uma parte significativa da nossa intimidade está guardada e protegida contra o esquecimento.

Essa memória preservada ciberneticamente, que não se "apaga no vento dos dias" e cujo acesso é também parcialmente regulado pela memória artificial dos alertas e chamadas que criamos em nosso benefício, talvez seja a segunda grande revolução no processo cognitivo humano, desde a invenção da escrita. Podemos, mais do que nunca, nos dar ao luxo de ser desmiolados. Podemos guardar no bolso uma memória geral ou seletiva do mundo. Podemos guardar uma memória íntima cujo tamanho e diversidade de meios ultrapassa nossa capacidade mnemônica natural.

O fato é sem precedentes na história e, por isso mesmo, é difícil especular sobre ele. A experiência não pode dar "pitaco" numa situação realmente nova. Por exemplo, o fenômeno das vendas pela internet, traduzido graficamente na long tail, a "cauda longa", já mencionado aqui no DC, tem muito a ver com o tamanho da rede, com a facilidade de acesso e com a preservação da informação - milhões de pessoas acabam fazendo com que um produto, que não é um sucesso de vendas, valha a pena ser mantido no mercado pelos vendedores. Isso porque o produto está lá, na grande memória da rede, ou seja, não foi "esquecido" e milhões de usuários, ou compradores em potencial, acabam por fazer com que ele tenha uma saída significativa, a longo prazo.

Voltando: a segunda grande tacada da Wikipedia é a democratização brutal da sua fonte; a abertura que permite que qualquer um se arrisque como fornecedor de informação. O corolário disso é uma espécie de baixo nível na confiabilidade geral. Mas isso não é um problema específico da Wiki, é um problema geral da informação na nossa era. Desde que os efeitos especiais do cinema começaram a representar simulacros perfeitos de qualquer realidade, desde que a fotografia tornou-se completamente modelável em softwares cada vez mais sofisticados; em suma, desde que a falsificação na mídia se tornou potencialmente acessível a qualquer um com um mínimo de capacidade - ou seja, escapou do âmbito profissional ou especializado - somos forçados, a despeito da nossa costumeira credulidade, a assumir um ceticismo inédito e defensivo. Me parece uma atitude irrevogável, a partir de então. Deus permita (hahahaha) que esse ceticismo amplie seus limites e alcance as pobres almas atormentadas dentro das seitas, cultos, assembléias, igrejas, etc, etc... (Ok, isso é só uma opinião, pessoal e intransferível).

Isso é também, esse quesito "opinião", um dos problemas técnicos enfrentados pela Wikipedia. Quem se aventurar por lá pode, por exemplo, acessar o verbete sobre Paulo Francis (ele, de novo...) A discussão que se segue - lá você pode discutir o conteúdo dos verbetes - é interminável, entre o autor do artigo, o responsável por aquela seção da Wikipedia e mais alguns leitores. A outra discussão, sobre a Wikipedia, corre também na rede e trata, entre outras coisas, dessa faceta incômoda da Wiki. Uma enciclopédia não deve ser lugar para opiniões (é até risível constatar que nas instruções gerais para os colaboradores, estão vetadas as palavras "felizmente" ou "infelizmente". E há vários verbetes citados, como exemplos do uso indevido dessas palavras). No entanto, essa é a Wiki.

Então, a Wikipedia não é uma enciclopédia tradicional. Também não é uma nova enciclopédia. Tem o mesmo formato e tem também coisas que estão aquém ou que vão além das expectativas do leitor. Mas me parece mais um grande "almanaque" popular, um tipo de publicação que foi comum no passado, já não tão recente, e que costumava cobrir a necessidade de informação específica de segmentos sociais. A diferença é que o "segmento social" que a Wiki pode atender é, praticamente, o mundo todo. Não é mais um segmento; de certa forma não se limita mais a grupos, camadas ou extratos - é simplesmente a grande rede, quase uma classe social, inédita nos anais dos estudos socioeconômicos. Também foi invisível aos profetas sociais de duas décadas atrás e, ainda, imprevisível. Mais do que as projeções que a ficção científica pôde conjurar. É uma nova selva que se alastra sobre o mato ralo. A grande floresta é a informação, e "as árvere, somu nózes".


Guga Schultze
Belo Horizonte, 25/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Velhice de Marilia Mota Silva
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
03. Um conto de duas cidades de Gian Danton
04. A busca de Marta Barcellos
05. Minha lista possível de Luiz Rebinski Junior


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


Mais Especial Wikipedia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2007
08h41min
Oi, Guga. Eu já ia te falar sobre o verbete da Wikipedia sobre o Francis, que penso ter sido um dos melhores verbetes da Wikipedia que já li. Abraços do Lúcio Jr.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
25/4/2007
15h04min
Guga, embora a Wikipédia seja um fenômeno fantástico, recorro muito pouco a ela. À maneira antiga, gosto de folhear dicionários, enciclopédias, livros que tratam de diversos assuntos. O cheiro é muito bom. Cheiro de papel, cheiro de mistério, cheiro de livro. Sei que a Wikipédia aborda qualquer coisa, qualquer palavra, qualquer tema. Mas ainda não me rendi ao seu encanto. O seu texto faz jus à importância desse instrumento, acessível aos mais diversos usuários. Mas, um almanaque é muito mais gostoso, ainda que arcaico. Já que temos tanta fontes de informação, as mais diversas, vamos dar uma vida mais longa a eles, aos livros, às enciclopédias. Está cedo matá-los. Até quando durarão os livros no formato que conhecemos? E a delícia de segurá-los, fazer um carinho, colocá-los junto à cama ou deixá-los perdidos em uma estante, para mais tarde reencontrá-los, como um velho amigo ou um antigo amor? Isso, tenho certeza, a Wikipédia jamais nos trará. Bjs. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
26/4/2007
14h54min
Guga, sempre quando consulto a Wikipedia fico completamente tonto que nem o ratinho do seu desenho. O problema é que quando você busca um assunto, você acaba entrando noutro e depois noutro e aí você não sabe nem mais o que você estava procurando. Mas de qualquer forma, essa tonteira sem álcool é sempre divertida e interessante. Abração. Henrique
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
26/4/2007
22h48min
A busca da representação de conteúdo ou a ousada tentativa de inventariar parcelas significativas de conhecimento é uma utopia utilitária. Sempre haverá quem questione a fidelidade, a necessidade de complementação ou o tratamento dado a determinado tema. Pensar na Wiki como uma enciclopédia é referir-se carinhosamente com um tipo de alinhamento de informação que acaba de ser superado, e a síntese é sim a Wikipedia. A participação e o "debate" servem para autenticar as diversidades e os possíveis impactos da informação sobre determinados segmentos culturais. Teremos choques assim como temos na representação do mundo real quando tema ou personagem forem controversos, considero isto bastante saudável. Devemos analisar o enunciado talvez a analogia que tenta contextualizar esta nova relação com o conhecimento esteja determinando novas hierarquias, reduzindo a influência acadêmica e reavaliando cátedras. Acredito que a nova fonte de informação possibilirá outra relação com o conhecimento.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
3/5/2007
19h09min
Oi, Guga, gostaria de perguntar o seguinte: fui ao verbete da Wiki do Francis, mas não consegui encontrar os tais comentários. Achei aquele artigo equilibrado, mas você e o Julio provavelmente não devem gostar, uma vez que o tom de quem escreveu é bem de esquerda. Aliás, quem foi?
[Leia outros Comentários de Lúcio Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês