O Código Da Vinci em tela plana | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Clássicos do Mundo Corporativo de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> Manual do Empregador Doméstico Prático de Eliane Maria Silva De Macedo pela Saraiva (2000)
>>> Cliente Nunca Mais de Telma Teixeira de Oliveira Almeida pela Casa da Qualidade (1997)
>>> A arte de separar-se de Edoardo Giusti pela Nova Fronteira (1987)
>>> Contribuições a uma Teoria de Personalidade de S. Elyseu Jr. pela Alínea (1996)
>>> Feminilidade - Perdida e Reconquistada de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> A Espiral em busca do infinito de Glória Kreinz e Crodowaldo Pavan pela Njr (2021)
>>> Anjos Cabalísticos de Monica Buonfiglio pela Própria (1993)
>>> Como a criança pensa de Ruth M. Beard pela Ibrasa (1976)
>>> A Força das Pirâmides de Max Toth e Greg Nielsen pela Record (1976)
>>> Deuses, Espaçonaves e Terra - Provas de Däniken de Erich Von Däniken pela Círculo do livro (1977)
>>> O Erotismo Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Circulo do livro (1992)
>>> Uma nova era para educação da humanidade de Nelson Ruas Santanna pela Caravela (1995)
>>> O Último Olimpiano - Volume 5. Série Percy Jackson e os Olimpianos EAN: 9788580575439 de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Documento de teresopolis de Vários Autores pela Cbcisc (1968)
>>> Lições de Ciência Política e Teoria do Estado de Espedito Pinheiro de Souza pela Mackenzie (2000)
>>> Bozza del testo della regola de Giuseppini del Murialdo pela Congregazione di san giuseppe (2005)
>>> A Batalha do Labirinto - Volume 4. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Nero de Alexandre Dumas pela Saraiva (1952)
>>> A Maldição do Titã - Volume 3. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> O Mar de Monstros - Volume 2. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/5/2006
O Código Da Vinci em tela plana
Marcelo Miranda

+ de 6400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ataques da Igreja Católica, greve de fome, cabeça a prêmio, tentativa de censura, processo por plágio, enigmas, o mistério de Jesus. O caminho que o livro O Código Da Vinci (Sextante, 2004, 480 págs.) vem trilhando desde que foi lançado no começo da década daria um filme por si só. O autor Dan Brown vendeu por US$ 6 milhões os direitos de adaptação do best-seller que já foi traduzido para 44 idiomas e teve até o momento mais de 45 milhões de exemplares vendidos no mundo. Uma mina de ouro que Hollywood não tardou a assumir. E o filme, alardeado por todo tipo de confusão possível em meio ao seu lançamento, já está em cartaz em 500 salas de exibição brasileiras.

O Código Da Vinci O longa-metragem, dirigido por Ron Howard, teve pré-estréia de gala no último dia 17 de maio, na abertura do 59º Festival de Cannes (França), maior e mais importante de todos os eventos cinematográficos. A recepção foi das mais mornas: jornalistas e críticos torceram o nariz, houve risos e vaias durante a projeção e muita gente saiu reclamando - normalmente, mesmo tipo de gente que já não era adepta do livro de Brown e seguiu o mesmo gosto ao tomar contato com a visão de Howard. Obviamente que isso não fará a menor diferença para a bilheteria de O Código Da Vinci. Antes mesmo da estréia, mais de 20 mil ingressos já tinham sido vendidos antecipadamente apenas no Brasil.

A superprodução da Columbia Pictures orçada em US$ 125 milhões chega repleta de controvérsias. Sob ataques da Igreja, do grupo Opus Dei (espécie de repartição do Vaticano que defende os conceitos cristãos de forma conservadora e ortodoxa) e de fiéis em geral, o filme vem ganhando destaque justamente por conta dessa algazarra em torno de seu lançamento. Por aqui, o deputado federal Salvador Zimbaldi (PSB-SP) tentou na justiça barrar a estréia no país. Alegou que o filme "agride a liberdade de crença", o que seria inconstitucional. Censura? Em entrevista a veículos de comunicação, Zimbaldi disse que "não há censura neste caso, mas sim defesa da verdade. O direito de um termina onde começa o de outro". Conta outra, deputado.

Na Índia, um grupo participante do Fórum Social Católico decretou greve de fome em protesto ao lançamento, e um membro ofereceu US$ 25 mil pelo autor do livro, Dan Brown, vivo ou morto. Em diversos outros países, como China e Tailândia, o filme ou está proibido ou teve cenas cortadas. Muçulmanos da Rússia pediram a autoridades que embargassem a produção em solo nacional, comparando a visão sobre Jesus de Dan Brown às caricaturas de Maomé que causaram recentes choques diplomáticos em Estados do Oriente Médio. Antes da primeira exibição pública em Cannes, uma freira britânica se postou em frente ao Palácio onde acontecem as exibições e, com uma cruz enorme e recitando versos da Bíblia, buscou desanimar as pessoas a entrarem para assistir ao filme. Desde A Paixão de Cristo (2004), de Mel Gibson, não se via reação tão forte a uma realização do cinema americano.

E qual o motivo de tanta discórdia? Ironicamente, pela razão inversa ao que ocorreu com A Paixão de Cristo. Se este reafirmava crenças sobre o sacrifício de Jesus Cristo e toda a sua flagelação antes de morrer, devido à ortodoxia da crença de Gibson de que o filho de Deus esteve na Terra única e exclusivamente para se entregar de corpo e alma aos seus filhos, O Código Da Vinci é uma ficção policial que se sustenta na tese de que Jesus não foi o santo apregoado pela Bíblia. Ele teria se casado com Maria Madalena e tido uma filha. Após a crucificação, Madalena, que originalmente seria de família de elite, teria se mudado para a França e ajudado a perpetuar sua descendência de sangue nobre ao longo dos séculos. Uma seita, denominada Priorado de Sião, seria a responsável por manter as provas do segredo intactas e evitar que cristãos conservadores as destruíssem. E a organização Opus Dei estaria disposta a tudo - inclusive a mentir e matar - para colocar as mãos nesse mistério.

Como todos sabem, mexeu com religião, política ou futebol, mexeu com vespeiro. Não é a primeira vez que um filme causa rebuliço por tocar em temas mais delicados dentro do cristianismo. Em 1988, A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, teve dificuldades até mesmo para ser finalizado, devido às insinuações de que o filho de Deus teria sido um homem comum que se descobriu o salvador da humanidade, mas decidiu não assumir essa responsabilidade de imediato, preferindo viver um romance com Maria Madalena, beber e conversar com o amigo Judas. Destino parecido teve o francês Je Vous Salue, Marie, de Jean-Luc Godard, que três anos antes foi para o limbo da censura por modernizar a história da mãe de Cristo a uma realidade pobre e profundamente melancólica. O então presidente José Sarney proibiu a estréia do filme no Brasil alegando "ofensa à religião católica". Em 1999, a comédia Dogma, de Kevin Smith, causou alarde ao brincar com "regras" da Igreja e colocar uma descendente de Jesus como prostituta e Deus encarnado na figura da cantora Alanis Morissetti. Políticos e fiéis se posicionaram contra a produção, que estreou e não fez tanto barulho quanto se esperava.

Porém, caso O Código Da Vinci, o livro, tivesse vendido irrisoriamente, ninguém se lembraria dele. Com milhões de exemplares, ganhou a tal adaptação de peso no cinema, e obviamente não iria passar incólume. Por mais que o enredo da conspiração criada por Brown tenha lances simplistas, resoluções apressadas, ganchos narrativos sem maiores propósitos exceto "segurar" a trama por mais algumas páginas e jeitão de que foi mesmo escrito para consumo rápido, o autor vem recebendo ódio de todos os lados só por questionar a fé católica - desde os mais fundamentalistas, como chefes de igrejas, até escritores que o acusaram de plagiar obra alheia, no caso, um livro sobre o Santo Graal, que Dan Brown teria utilizado no seu trabalho sem dar o crédito.

O Código Da Vinci No filme, o simbologista Robert Langdon e a criptógrafa Sophie Neveu são interpretados pelo queridinho americano Tom Hanks e por Audrey "Amélie Poulain" Tatou. A dupla é protagonista e responsável por desvendar os vários enigmas que surgem no caminho a partir da morte do curador do Museu do Louvre, assassinado na principal galeria de arte do local - aliás, a equipe de filmagem teve acesso direto a salas do museu para algumas cenas-chave. Ainda no elenco, estão nomes importantes, como Ian McKellen e Jean Reno, além do britânico Paul Bettany, elogiado em Cannes pela encarnação do albino Silas, um dos enviados do Opus Dei para ajudar na obtenção do "maior segredo de todos os tempos".

Se a versão em filme de O Código Da Vinci fará sucesso semelhante ao do livro, é difícil saber. O marketing vem sendo pesado. Há, inclusive, rumores de que o departamento de publicidade da Columbia estaria espalhando boatos e colocando lenha na fogueira de discussões com o intuito de levar mais e mais curiosos para assistirem à aventura no cinema. Esse boca-a-boca funcionou com A Paixão de Cristo, que arrecadou mais de US$ 200 milhões apenas nos EUA. Pode funcionar de novo.

Nota do Editor
Leia também "Perseguindo o Código Da Vinci".


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 22/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
03. Cognição Estética contra o Logos (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
05. A guerra das legendas e o risco da intolerância de Marta Barcellos


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2006
11h51min
Assisti ao filme e digo; é bobo, com se diz em Taubaté, "de ma-ré-de-si", bobo por se levar a sério demais, com suas cenas "pesadas" com luz escura, e musicas melancólicas. Caça ou caçada ao Tesouro Perdido, com Nicolas Cage, espécie de santo graal dos tesouros templários, é melhor por se saber bobo e fazer um filme bobo então, com efeitos e explosões, e o principal: diversão. Agora, o Código não sabe o que quer ser, se filme sessão pipoca, ou discussão séria – acho impossível quando o mote do roteiro é "qual a próxima charada a ser resolvida". Como você colocou, Marcelo, apenas um filme polemista, e um dos piores filmes deste ano, tanto em diversão quanto em discussão.
[Leia outros Comentários de léo]
24/5/2006
13h59min
Não assisti ao filme, mas confesso que seu artigo e o comentário de Léo fazem parte dos motivos que me instigam a vê-lo. Não conheço nada neste mundo melhor que a crítica negativa para estimular o outro. Quando somos pequenos e a mãe diz NÃO, a vontade de agir cresce. É um dos males do ser humano... Por isso, acredito que o "boca-a-boca" mais uma vez irá reinar no caso do Código Da Vinci e renderá mais milhões para Brown!
[Leia outros Comentários de ceila]
24/5/2006
15h48min
as drogas existem, e so' as consome que quer... a curiosidade e' quem manda, e a publicidade, tambem. uns gostam de coca-cola, outros de pepsi... cinema e' fantasia, mesmo quando baseado em fatos reais. o livro nao li, nem o filme vou ver, pois, de tanto se falar deles, ja' sei de cor e salteado. a verdade e' uma so': a inveja e' uma merda e quando alguem faz sucesso... lascou. escrevi junto com meu irmao um livro que esta' pra ser lancado aqui no brasil, e que tambem ira' criar polemica porque, apesar de ser uma ficçao, fala da criaçao do mundo.
[Leia outros Comentários de Luis Caio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




El Desarrollo Institucional de La Corte Suprema de Justicia Nacio
Andrés del Río
Crv (curitiba)
(2014)



Véu do Passado
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho/antônio Carlos
Lúmen
(1997)



What is Not in My World - Selfishness
Fabio Gonçalves Ferreira
New Horizons
(2013)



A História Sombria do Oculto: Magia, Loucura e Assassinato
Paul Roland
Madras
(2012)



O Mal-amado Graças e Desgraças do Leão
Maria Eugenia Sahagoff
Cultura
(2001)



O Mistério do Relógio na Parede
John Bellairs
Record
(2005)



Mudanças, Permanências e Desafios Sociológicos
Vários Autores (xv Congresso Bras de Sociol)
Ufpr
(2011)



O Médico e o Monstro - Coleção Grandes Clássicos Gênios
Robert L. Stevenson
Editorial Argentino



Vade Mecum Rideel Concursos e Oab - 2014 - 2ªsemestre
Anne Joyce Angher
Rideel
(2014)



Perfect Phrases For Managers and Supervisors
Meryl Runion (second Edition)
Mcgraw Hill (ny)
(2011)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês