Séries? Que papo é esse? | Fernando Lago | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
Mais Recentes
>>> Lições de Sociologia de Émile Durkheim pela Martins Fontes (2002)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (2020)
>>> Orações da noite junto a um recém-nascido de Jean Yves Garneau pela Ave-Maria (2019)
>>> Le Lagon Noir de Arnaldur Indridason pela Métailié (2016)
>>> Vernon Subutex - Tome 1 de Virginie Despentes pela Bernard Grasset (2015)
>>> Com Teresa de Jesus, Desejo ver a Face de Deus! de Irmã Maria José do Espírito Santo pela Edições Loyola (2013)
>>> A Náusea de Sartre Jean-Paul pela Europa-América
>>> The petroleum handbook de Royal detch e outros B8 pela Elsevier (1983)
>>> O Conto Da Aia de Margaret Atwood pela Rocco (2021)
>>> Um Chute Na Rotina de Roger Von Oech pela Cultura (2006)
>>> Os poderes de cura da Cabala de Dr. Raphael Kellman pela Campus (2004)
>>> Os Endereços Curiosos de Roma de Claudia Monteiro de Castro pela Panda Books (2002)
>>> Teresa de Ávila: É Tempo de Caminhar de Frei Patrício Sciadini pela Edições Loyola (2015)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Espaço (1997)
>>> Les Émotions Cachées des Plantes de Didier Van Cauwelaert pela Plon (2018)
>>> Los abogados del dolar de Joseph C goulden pela Grijalbo (1973)
>>> Guia da Ecologia de Fábio Feldmann pela Abril (1992)
>>> Gramática da Língua Portuguesa de Pasquale & Ulisses pela Scipione (1998)
>>> Signos da Marca: Expressividade e Sensorialidade de Clotide Perez pela Thomson (2004)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene, Joost Elffers pela Rocco (2021)
>>> Anna Karenina - Volume I e II de Tolstói pela Nova Cultural (1995)
>>> Un Avios Sans Elle de Michel Bussi pela Presses de La Citê (2016)
>>> Caminho para a Plenitude: As Três Vidas de Teresa D'Ávila de Erika Lorenz pela Santuário (2017)
>>> Os Endereços Curiosos de São Paulo volumes 1 e 2 de Marcelo Duarte pela Panda Books (2004)
>>> La Muraille de lave de Arnaldur Indridason pela Métailié (2012)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Quinta-feira, 13/10/2011
Séries? Que papo é esse?
Fernando Lago

+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dentre todas as coisas que me fazem ser um sujeito muito estranho, talvez a mais estranha seja ser estranho e não gostar de algumas coisas que a maioria dos estranhos como eu gosta. Leio livros que pouca gente lê, assisto programas que pouca gente assiste, durmo de dia pra acordar de noite, essas coisas tão estranhas que aos estranhos é perfeitamente normal.

Mas observo que escapo da compulsão que estes sujeitos têm por séries, especialmente as americanas, especialmente as difíceis de entender. Digamos que meu gosto para séries seja um pouco clássico ou até mesmo, diria, "empreguiçado". Tenho uma preferência estranha (e olha nossa palavra aí) por séries antigas.

Calma, amigos apreciadores das novidades que têm surgido em matéria de séries. Não estou aqui para espinafrar nem mesmo invalidar a qualidade das séries novas. Quem disse que para falar de coisas velhas devem-se anular as coisas novas? Fiquem tranquilos, pequenos gafanhotos, também as assisto e morro de rir com algumas delas; com outras me emociono; com outras me envolvo no mistério e vou tentando desvendar a trama toda. Mas acabo não acompanhando muito.

Primeiro por este negócio de ter que acompanhar a história, de ter que voltar no dia seguinte pra continuar, arre! Ainda sou fã de episódios livres, que não dependam tanto um do outro. Segundo, e acho que eis aí a principal questão, eu não tenho TV paga em casa (isso mesmo, sou pobre; se alguém tiver um "bolsa família" aí eu aceito) e fico a cargo das séries transmitidas pela TV aberta. Touché!

E é na TV aberta que eu encontro duas das minhas séries antigas favoritas, especialmente no SBT. Sei o que lhes veio às mentes, salafrários, devem estar pensando que sou mais um fã de Chaves. E, olha, acertou. Mas apesar do mexicano fazer parte da minha vida, como da de muita gente, não é dele que eu estou falando. Até porque, El Chavo dispensa comentários, basta lembrar que é um produto mexicano que está no ar há décadas e continua a ser exibido sem apelação alguma.

Outro fato legal das séries antigas é que elas me fazem, quase sempre, lembrar da minha infância tão linda no "interior do interior do interior". E eu sou um sujeito muito apegado às memórias. É por isso que assisto, sempre que posso, a Um maluco no pedaço (The Fresh Prince of Bel-Air) que além de ser muito engraçado, com piadas sutis e inteligentes, me fazem lembrar da época em que eu chegava da escola e fazia maratona na frente da TV para assistir ao Will Smith, cujas piadas na época eu nem entendia, e estava interessado mesmo no Chapolim e no Chaves, que passava logo em seguida.

Mas uma das séries que mais me chamaram a atenção foi Arnold (ou Minha Família é uma Bagunça, na Nickelodeon), quando exibida em 2009 pelo SBT. Não conhecia a série, nunca sequer tinha ouvido falar; passaria facilmente por mim como uma série nova, não fossem as imagens. O nome original é Diff'rent Strokes, exibida nos EUA de 1978 a 1986. Conta a História de Arnold e Willis Jackson (respectivamente, Gary Colleman e Todd Bridges), dois irmãos que viviam no Harlem (isso lhes lembra alguma coisa? Jackson, Harlem...) até sua mãe morrer e eles serem adotados pelo patrão dela, Phillip Drummond (Conrad Bain), um rico empresário que vive numa mansão em Manhattan. Juntamente com eles vivem ainda a empregada Sr.ª Garret (Charlotte Rae) e a filha de Drummond, Kimberly (Dana Plato).

Além de ser muito engraçada, a série traz uma discussão muito interessante. Negros, Arnold e Willis constantemente se envolvem em situações de racismo protagonizadas pelos amigos do senhor Drummond, que não imaginam como dois negros podem ser filhos de um ricaço empresário e viverem numa cobertura em Manhattan. A trama é repleta de discussões sobre a diferença entre o Harlem e Manhattan, quase sempre puxada por Willis, quando o senhor Drummond tenta lhe convencer que nem todos são preconceituosos ou racistas.

Lembro-me de um episódio em que Drummond defendia arduamente a justiça americana e tentava convencer Willis de que o cidadão era julgado como merecia, garantido o seu direito de defesa. Para Willis, isso podia até acontecer, mas só se aplicava aos cidadãos que se encaixavam em alguns padrões sociais (isto é, brancos), porque um negro, pobre e do Harlem não teria direito algum, seria considerado culpado só por ser negro, pobre e do Harlem. Quando o peixinho dourado de Arnold aparece nadando na banheira da casa e o senhor Drummond acusa o menino de tê-lo posto lá, Willis vê na situação a chance de mostrar que muitas pessoas (da justiça, inclusive) tem o hábito de não julgar devidamente àqueles que já são considerados culpados por suas características sociais.

Este tipo de discussão é o que há de comum entre The Fresh Prince of Bel-Air e Different Strokes, o que é feito com muito bom humor. Há algo do gênero também em Everbory hates Chris, nas narrativas exageradas e deliciosas de Chris Rock sobre a sua infância e adolescência no Brooklin.

Não são as únicas séries que eu assisto, ressalto. Gosto de várias séries novas também, dentro das minhas limitações de pobre lascado e de sujeito impaciente para acompanhar temporadas longas de episódios dependentes um do outro. Já sei! Dirão que gostar de Albert e de Will Smith reflete um pouco essa minha personalidade gaiata e presepeira, cheia de piadinhas sem graça das quais só eu rio... E eu simplesmente direi: "Que papo é esse, leitor?"


Fernando Lago
Teixeira de Freitas, 13/10/2011


Mais Fernando Lago
Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2011
11h14min
Não é questão de ser pobre e não ter tv a cabo, grande parte das pessoas que assistem a séries baixam pela internet, através de sites de download ou torrents. Procure por essas séries pela rede, são pirateadas, mas é melhor do que estar sempre acompanhando as mesmas antigas...
[Leia outros Comentários de Nilton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Filho Teu Não Foge a Luta
Fellipe Awi
Intrínseca
(2012)



Tendências Básicas de nossa época
Pitrim A. Sorokin
Zahar
(1966)



Peregrinos das Estrelas
Dilip Kumar Roy e Indira Devi
pensamento
(1973)



A Libertação dos Condicionamentos
Krishnamurti
ICK
(1977)



Nas Horas de Meditação
J. F. Alexander
Lorenz
(1997)



Carlos Wizard - Sonhos Não Tem Limites
Ignácio de Loyola Brandão
Gente
(2013)



Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



O Triângulo das Bermudas - a História Incrível de Estranhos e Ine
Charles Berlitz (autor), Carmem Ballot (trad
Nova Fronteira
(1974)



The Art of Marriage (inglês)(2012)
Rabbi N. D. Dubov and Rabbi N. Silberburg
Jli
(2012)



A Magia do I Ching
J.H. Brennam
Madras
(2011)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês