Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Sexta-feira, 17/9/2010
Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores
Marta Barcellos

+ de 4100 Acessos
+ 5 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Esqueça as baixarias escritas nas portas de nossos banheiros públicos e imagine-se na Universidade de Harvard. Foi em um deles que surgiu o grafite: "Deus morreu. Assinado: Nietzsche". Alguns dias depois, alguém atestou embaixo: "Nietzsche morreu. Assinado: Deus".

Com essa história gaiata, o escritor e diretor da biblioteca de Harvard, Robert Darnton, iniciou sua resposta à inevitável pergunta sobre a morte do livro, que abriu o segundo debate sobre o tema na última Festa Literária de Paraty (Flip). "Com a morte decretada tantas vezes, certamente o livro vai continuar vivo", concluiu, para seguir adiante em questões mais prementes para a indústria do livro, como a dos direitos autorais e o poder do Google na era digital.

Não, o livro não vai acabar; sim, a digitalização já é uma realidade, concordaram Darnton e John Makinson, CEO do Penguim Group, na ocasião. Era a minha primeira Flip, eu estava mais interessada nos debates com escritores de ficção, e andava saturada da guerra travada entre adoradores-do-cheiro-e-da-textura-do-papel versus adoradores-de-toda-e-qualquer-nova-tecnologia. Mesmo assim, acabei despertada para alguns aspectos que, até então, me pareciam pouco explorados apesar (ou por causa) do excesso de ruídos.

O primeiro é o impacto que o livro digital causará (e provavelmente já está causando) na experiência de leitura. Tudo leva a crer que o leitor do futuro acabará abrindo mão da experiência "ponta a ponta" de um livro, e do tipo de aprendizado que ela proporciona, em prol de uma outra dinâmica de assimilação de conteúdos escritos na qual pontos de interesse prévios são facilmente localizados.

Isso já acontece hoje com as notícias na internet, onde o leitor pode atualizar-se apenas sobre "o mundo que lhe interessa", não mais conduzido por um editor de jornal que hierarquizava o mundo para ele. Da mesma forma, o leitor de livros não caminharia mais pelas mãos do escritor, do início ao fim do livro.

Assim como convivem, em Harvard, os que acham que Deus matou Nietzsche e os que defendem que foi Nietzsche quem matou Deus, haverá quem julgue superior uma ou outra experiência de leitura. No caso do noticiário, o fim da hierarquização por editores que detinham o monopólio da informação foi festejada: acabou a manipulação. Mas também a possibilidade de ser convencido sobre a relevância de um assunto novo ou de ter uma visão de mundo mais global, menos segmentada.

O efeito colateral da nova dinâmica de disseminação da informação seria o surgimento de internautas que se supõem bem informados apesar de viverem "em microguetos, sem contato com gente que pense diferente", como citou recentemente o antropólogo Hermano Vianna, a propósito do livro A era do radicalismo, de Cass Sunstein.

Com a facilidade do livro digital, posso comprar (baratinho?) neste instante o livro de Sunstein e buscar, no meu e-reader ou tablet, a parte citada por Vianna que me instigou em sua coluna. Lerei o livro como quem navega na internet, buscando o que acho que já sei, e que por isso me interessa. Terei contato com uma obra que dificilmente conheceria de outra forma, mas dispensarei a mão que o escritor americano oferece a seus leitores nas primeiras páginas, tentando conduzi-lo por algum raciocínio que somente a experiência ponta a ponta de leitura tornará possível compreender em toda a sua dimensão.

Lerei a mim mesma, partindo da minha festejada liberdade, como já faço com as notícias. Busco um espelho, que delineie os contornos das minhas convicções. É para essa experiência individualizada que serve o "personal" computer, não é mesmo?

Se o livro tiver características de uma obra de consulta, estarei economizando meu tempo, graças a esta nova forma de leitura. A dúvida, em relação ao leitor do futuro, é se esse novo hábito não o afastaria definitivamente da experiência proporcionada por um romance social de 600 páginas que, além de concentração e esforço, exige uma postura de abandono nas mãos do autor. O leitor precisa sair do comando, esquecer o "buscador" que transforma o mundo na "sua cara", para se lançar, sem interesses ou ideias prévias, no mundo que o escritor irá lhe descortinar. Um tipo de interatividade única com o mundo das ideias, mas que irá afastá-lo da outra interatividade, mais óbvia, piscando em seu celular.

Suponhamos que a minha preocupação, no entanto, parta de um preconceito em relação à dispersão dos novos leitores, e que a mente multitarefa consiga, sim, concentrar-se em Anna Karenina e usufruir de uma obra que transpõe os séculos. Despidos de preconceitos e convencidos da realidade digital, precisamos agora saber como conservar uma obra de Tolstói em nossas bibliotecas virtuais. A questão da perenidade dos livros, entretanto, foi outra que ficou sem resposta no debate da Flip. Com hardwares e softwares se tornando obsoletos tão rapidamente, parece inevitável conviver com o temor de perder obras que julgamos eternas. Darnton mencionou um pesadelo recorrente: o de acordar um dia e descobrir que todos os textos digitais desapareceram da face da terra. Makinson tentou tranquilizá-lo: certamente alguém já teria impresso aquele texto em alguma parte do mundo.

E assim voltamos a falar da segurança do papel... Como os visitantes da Flip não são colecionadores de papel nem de gadgets, o debate sobre o futuro do livro subitamente me parece tolo. Nas ruas de Paraty, uma multidão enfrenta e desfruta do solo e do clima instáveis para ter acesso ao que realmente lhe interessa: as ideias por trás dos livros. Observo o fascínio dos leitores pelo processo criativo dos escritores, como se quisessem desvendar o truque do mágico, descobrir o fundo falso da cartola. E escolho acreditar que novos leitores vão continuar, sim, se deixando conduzir pelas mãos habilidosas dos grandes escritores.

Assim como Robert Darnton, que usou o truque da piada sobre o banheiro de Harvard para iniciar sua exposição, os visitantes da Flip ― em toda a sua diversidade ― sabem que sempre haverá histórias para serem contadas, e gente interessada nelas. Pelo menos, nas boas e bem contadas.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 17/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
02. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
03. Lynch, David de Vicente Escudero
04. As redes sociais e a política de Wellington Machado
05. Por que as curitibanas não usam saia? de Adriana Baggio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/9/2010
08h18min
Se lerem "A queda da América", de Allen Ginsberg, verão como um autor trabalhou textos escritos em banheiro a favor de sua obra-prima. E ele foi o maior da geração beat americano.
[Leia outros Comentários de manoel Messias Perei]
18/9/2010
15h20min
Excelente artigo, Marta. É exatamente isso. Como sempre acontece quando surgem novas tecnologias e suportes para os produtos culturais, perde-se de um lado e ganha-se de outro. Ainda é cedo para termos certeza do que vai dar... Estou lendo no iPhone "O amante de lady Chatterley" (indo e voltando do trabalho) e me surpreendi comigo mesma, pois me pego tão mergulhada como fico com um livro impresso. Pensei que não fosse conseguir, mas olha aí!
[Leia outros Comentários de Mariana Simões]
19/9/2010
14h13min
Embora seja uma grande adepta dos livros impressos, acho que, nesse caso, a grande questão não é como leremos o livro no futuro - se físico ou virtual -, mas sim se ainda teremos os livros, e se eles ainda terão a relevância que sempre tiveram para a humanidade. O meu grande receio é que, nesses tempos de informação rápida e superficial, os livros acabem se tornando algo irrelevante para a futura geração de leitores...
[Leia outros Comentários de Cássia Regina da Sil]
5/5/2011
11h29min
Eu não acredito que esse tipo de coisa possa acontecer, ao menos, não comigo. Jamais compraria uma obra pra ler apenas o que me interessa, afinal, uma obra é um todo que só se faz entender se lido de cabo a rabo. Não faz sentido comprar um livro, em papel ou em bytes, e não querer entender a idéia que o autor quer passar. Quem faz isso tem é preguiça de ler, e de pensar.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
5/5/2011
18h32min
Hoje o mercado, dizem, só é possível vender melhor, se o livro tiver entre trezentas e quatrocentas páginas, vejam só. Para os grandes conflitos, eu digo, não dá para falar sobre uma única família, sendo uma saga. Bem, o mercado manda ou o escritor deve escrever para quem gosta de ler? Eu mesmo respondo. Para quem gosta de ler, escarafunchar todo ele, dar palpite, empolgar-se com a trama... Enfim, disputar com o autor o direito de pensar e refutar alguns argumentos, sentimentos e por aí vai. Tem os outros, para os preguiçosos, com bastante fotos e desenhos. Nâo, não é infantil, não. Coisa horrível de se comentar, mas é assim mesmo. Não é sempre que somos agradáveis. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês