Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Vamos Fazer Barulho! Uma Radiografia de Marcelo D2 de Bruno Levinson pela Ediouro (2007)
>>> Metanoia - Um Novo Olhar Sobre a Liderança e os Negócios de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2002)
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/9/2010
Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores
Marta Barcellos

+ de 5000 Acessos
+ 5 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Esqueça as baixarias escritas nas portas de nossos banheiros públicos e imagine-se na Universidade de Harvard. Foi em um deles que surgiu o grafite: "Deus morreu. Assinado: Nietzsche". Alguns dias depois, alguém atestou embaixo: "Nietzsche morreu. Assinado: Deus".

Com essa história gaiata, o escritor e diretor da biblioteca de Harvard, Robert Darnton, iniciou sua resposta à inevitável pergunta sobre a morte do livro, que abriu o segundo debate sobre o tema na última Festa Literária de Paraty (Flip). "Com a morte decretada tantas vezes, certamente o livro vai continuar vivo", concluiu, para seguir adiante em questões mais prementes para a indústria do livro, como a dos direitos autorais e o poder do Google na era digital.

Não, o livro não vai acabar; sim, a digitalização já é uma realidade, concordaram Darnton e John Makinson, CEO do Penguim Group, na ocasião. Era a minha primeira Flip, eu estava mais interessada nos debates com escritores de ficção, e andava saturada da guerra travada entre adoradores-do-cheiro-e-da-textura-do-papel versus adoradores-de-toda-e-qualquer-nova-tecnologia. Mesmo assim, acabei despertada para alguns aspectos que, até então, me pareciam pouco explorados apesar (ou por causa) do excesso de ruídos.

O primeiro é o impacto que o livro digital causará (e provavelmente já está causando) na experiência de leitura. Tudo leva a crer que o leitor do futuro acabará abrindo mão da experiência "ponta a ponta" de um livro, e do tipo de aprendizado que ela proporciona, em prol de uma outra dinâmica de assimilação de conteúdos escritos na qual pontos de interesse prévios são facilmente localizados.

Isso já acontece hoje com as notícias na internet, onde o leitor pode atualizar-se apenas sobre "o mundo que lhe interessa", não mais conduzido por um editor de jornal que hierarquizava o mundo para ele. Da mesma forma, o leitor de livros não caminharia mais pelas mãos do escritor, do início ao fim do livro.

Assim como convivem, em Harvard, os que acham que Deus matou Nietzsche e os que defendem que foi Nietzsche quem matou Deus, haverá quem julgue superior uma ou outra experiência de leitura. No caso do noticiário, o fim da hierarquização por editores que detinham o monopólio da informação foi festejada: acabou a manipulação. Mas também a possibilidade de ser convencido sobre a relevância de um assunto novo ou de ter uma visão de mundo mais global, menos segmentada.

O efeito colateral da nova dinâmica de disseminação da informação seria o surgimento de internautas que se supõem bem informados apesar de viverem "em microguetos, sem contato com gente que pense diferente", como citou recentemente o antropólogo Hermano Vianna, a propósito do livro A era do radicalismo, de Cass Sunstein.

Com a facilidade do livro digital, posso comprar (baratinho?) neste instante o livro de Sunstein e buscar, no meu e-reader ou tablet, a parte citada por Vianna que me instigou em sua coluna. Lerei o livro como quem navega na internet, buscando o que acho que já sei, e que por isso me interessa. Terei contato com uma obra que dificilmente conheceria de outra forma, mas dispensarei a mão que o escritor americano oferece a seus leitores nas primeiras páginas, tentando conduzi-lo por algum raciocínio que somente a experiência ponta a ponta de leitura tornará possível compreender em toda a sua dimensão.

Lerei a mim mesma, partindo da minha festejada liberdade, como já faço com as notícias. Busco um espelho, que delineie os contornos das minhas convicções. É para essa experiência individualizada que serve o "personal" computer, não é mesmo?

Se o livro tiver características de uma obra de consulta, estarei economizando meu tempo, graças a esta nova forma de leitura. A dúvida, em relação ao leitor do futuro, é se esse novo hábito não o afastaria definitivamente da experiência proporcionada por um romance social de 600 páginas que, além de concentração e esforço, exige uma postura de abandono nas mãos do autor. O leitor precisa sair do comando, esquecer o "buscador" que transforma o mundo na "sua cara", para se lançar, sem interesses ou ideias prévias, no mundo que o escritor irá lhe descortinar. Um tipo de interatividade única com o mundo das ideias, mas que irá afastá-lo da outra interatividade, mais óbvia, piscando em seu celular.

Suponhamos que a minha preocupação, no entanto, parta de um preconceito em relação à dispersão dos novos leitores, e que a mente multitarefa consiga, sim, concentrar-se em Anna Karenina e usufruir de uma obra que transpõe os séculos. Despidos de preconceitos e convencidos da realidade digital, precisamos agora saber como conservar uma obra de Tolstói em nossas bibliotecas virtuais. A questão da perenidade dos livros, entretanto, foi outra que ficou sem resposta no debate da Flip. Com hardwares e softwares se tornando obsoletos tão rapidamente, parece inevitável conviver com o temor de perder obras que julgamos eternas. Darnton mencionou um pesadelo recorrente: o de acordar um dia e descobrir que todos os textos digitais desapareceram da face da terra. Makinson tentou tranquilizá-lo: certamente alguém já teria impresso aquele texto em alguma parte do mundo.

E assim voltamos a falar da segurança do papel... Como os visitantes da Flip não são colecionadores de papel nem de gadgets, o debate sobre o futuro do livro subitamente me parece tolo. Nas ruas de Paraty, uma multidão enfrenta e desfruta do solo e do clima instáveis para ter acesso ao que realmente lhe interessa: as ideias por trás dos livros. Observo o fascínio dos leitores pelo processo criativo dos escritores, como se quisessem desvendar o truque do mágico, descobrir o fundo falso da cartola. E escolho acreditar que novos leitores vão continuar, sim, se deixando conduzir pelas mãos habilidosas dos grandes escritores.

Assim como Robert Darnton, que usou o truque da piada sobre o banheiro de Harvard para iniciar sua exposição, os visitantes da Flip ― em toda a sua diversidade ― sabem que sempre haverá histórias para serem contadas, e gente interessada nelas. Pelo menos, nas boas e bem contadas.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 17/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/9/2010
08h18min
Se lerem "A queda da América", de Allen Ginsberg, verão como um autor trabalhou textos escritos em banheiro a favor de sua obra-prima. E ele foi o maior da geração beat americano.
[Leia outros Comentários de manoel Messias Perei]
18/9/2010
15h20min
Excelente artigo, Marta. É exatamente isso. Como sempre acontece quando surgem novas tecnologias e suportes para os produtos culturais, perde-se de um lado e ganha-se de outro. Ainda é cedo para termos certeza do que vai dar... Estou lendo no iPhone "O amante de lady Chatterley" (indo e voltando do trabalho) e me surpreendi comigo mesma, pois me pego tão mergulhada como fico com um livro impresso. Pensei que não fosse conseguir, mas olha aí!
[Leia outros Comentários de Mariana Simões]
19/9/2010
14h13min
Embora seja uma grande adepta dos livros impressos, acho que, nesse caso, a grande questão não é como leremos o livro no futuro - se físico ou virtual -, mas sim se ainda teremos os livros, e se eles ainda terão a relevância que sempre tiveram para a humanidade. O meu grande receio é que, nesses tempos de informação rápida e superficial, os livros acabem se tornando algo irrelevante para a futura geração de leitores...
[Leia outros Comentários de Cássia Regina da Sil]
5/5/2011
11h29min
Eu não acredito que esse tipo de coisa possa acontecer, ao menos, não comigo. Jamais compraria uma obra pra ler apenas o que me interessa, afinal, uma obra é um todo que só se faz entender se lido de cabo a rabo. Não faz sentido comprar um livro, em papel ou em bytes, e não querer entender a idéia que o autor quer passar. Quem faz isso tem é preguiça de ler, e de pensar.
[Leia outros Comentários de Guilherme]
5/5/2011
18h32min
Hoje o mercado, dizem, só é possível vender melhor, se o livro tiver entre trezentas e quatrocentas páginas, vejam só. Para os grandes conflitos, eu digo, não dá para falar sobre uma única família, sendo uma saga. Bem, o mercado manda ou o escritor deve escrever para quem gosta de ler? Eu mesmo respondo. Para quem gosta de ler, escarafunchar todo ele, dar palpite, empolgar-se com a trama... Enfim, disputar com o autor o direito de pensar e refutar alguns argumentos, sentimentos e por aí vai. Tem os outros, para os preguiçosos, com bastante fotos e desenhos. Nâo, não é infantil, não. Coisa horrível de se comentar, mas é assim mesmo. Não é sempre que somos agradáveis. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário de Sá
Pia pera
Objetivo
(1995)



Ondas à Procura do Mar
Pierre Weil
agir
(1987)



Os Caminhos do Amor
Dalva Silva Souza
feb
(1997)



Dange Rock
M. S. Fayes
Pandorga
(2016)



Os Smurfs o Poderoso Gargamel
Vale das Letras
Vale das Letras
(2011)



Livro - Era Melhor Não Saber
Barbara Taylor Bradford
Record
(1996)



Livro - Memórias de um Sargento de Milícias - Série Reencontro
Manuel Antônio de Almeida
Scipione
(2000)



Os Dez Mandamentos
Loron Wade
casa publicadora
(2006)



Fé a Chave Secreta
Marcos Daniel
Redacional
(2010)



Chuva ácida: Coleção Sos Planeta Terra
M. Bright
Melhoramentos
(2005)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês