MPTA, Dança feita de Afetos Condensados | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 18/3/2014
MPTA, Dança feita de Afetos Condensados
Duanne Ribeiro

+ de 3100 Acessos

As relações humanas são compostos instáveis, desequilibram-se e transformam-se, desfazem-se e reconstituem-se - são devir. Nas coreografias Nós somos semelhantes a esses sapos... e Ali, apresentadas pela companhia francesa Les Mains, les Pieds et la Tête Aussi (MPTA) em março, no Centro Cultural São Paulo, o conforto, a tensão crescente e a violência dos relacionamentos é exibida através da dança com sutileza e sagacidade - os movimentos dos artistas compondo um percurso narrativo ponteado de metáfora e de ironia, com uma visualidade marcante.

O mais impressionante das duas peças é sua capacidade de representar sentimentos e processos com signos concisos, descrever o essencial de certos tipos de relação com ciclos sutis de gestos. O MPTA é atuante desde 2001; Nós somos semelhantes a esses sapos..., de 2013, foi concebida por Ali e Hédi Thabet; Ali, de 2008, é encenada por Mathurin Bolse e Hédi Thabet. Por aqui, as peças foram montadas na 1ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que ocorreu de 9 a 16 de março e trouxe à cidade espetáculos de vários países do mundo e um ciclo de debates. Abaixo, tentamos exibir como a companhia condensa e cifra os afetos, e os faz dança.

Equilíbrio feito do Desequilíbrio Alheio
Ali é uma peça curta. Dois homens de muletas azuis volteiam o palco. Um deles tem ambas as pernas, o outro apenas uma. De imediato o que pensamos saber sobre a deficiência física vem à tona; especulamos sobre a dança de que é capaz esse bailarino, e cremos cômico que o outro não ande por si só. Nessa primeira percepção, já está em jogo um tema da peça: nossa relação com a fraqueza e a força do próximo, com ele quando está "abaixo" ou "acima" de nós. Vamos passear de um ponto a outro dessa relação.

Já essa situação inicial enquadra uma pergunta nesse sentido: pelo homem não-deficiente estar de muletas, isso significa que ele "se desfalca" pelo benefício do outro? Ainda outra: eles podem parecer iguais nos movimentos iniciais, mas quando estiverem em choque, as diferenças vão se converter em vantagens desiguais. Existe uma dialética deste gênero em todo relacionamento? Os dois personagens se unem e andam juntos, se separam e se desafiam. Variam as relações de poder entre eles: por ora um "domina", depois outro é "dominado". Os sentimentos envolvidos nessas mudanças não são estanques, bem definidos. Um bom exemplo disso é a agressividade gratuita e engraçada de um tapa na nuca do outro, molecagem.

Há, por fim, os momentos em que eles se mesclam. Dispondo-se de certa maneira no palco, parecem ser partes de um mesmo corpo, a perna de um ocupando a que falta do outro. Até o ponto em que não sabem bem qual é o corpo de quem: sentados juntos, ao colocar a mão sobre o joelho que seria seu, a coloca na do próximo, e assim por diante. Essa dissociação, essa mistura, ela parece ter uma versão mais dramática nos versos de Chico Buarque: "Se nós, na travessura das noites eternas, já confundimos tanto as nossas pernas, diz, com que pernas eu devo seguir? (...) Se na bagunça do teu coração meu sangue errou de veia e se perdeu (...) Te dei meus olhos pra tomares conta, agora conta, como hei de partir?".

Tudo se passa como se o bem estar de alguém, seu equilíbrio, se construísse por vezes sobre os vários desequilíbrios alheios de que consegue fazer bom proveito - e vice-versa, as pessoas se conectando e desconectando como quebra-cabeças.

Os Desníveis Temporais entre os Corpos
Nós somos semelhantes a esses sapos que nas austeras noites dos pântanos se chamam e não se veem, seus gritos de amor curvados frente à fatalidade do universo (em tradução livre - o título cita um verso do poeta René Char), põe em cena um triângulo amoroso. A princípio, quatro músicos sentam-se em um lado do palco e permanecem em silêncio. Um casal entra - parecem noivos recém-casados, ele de casaco e calças pretas, ela de vestido branco. Satisfeitos, felizes, caminham, cumprindo uma primeira volta no palco. Na segunda volta, a satisfação é contida, e na terceira o homem já está francamente contrariado: anda à frente e a puxa pelo braço. O amor enferruja. Surge então o terceiro personagem. Sem uma perna, movendo-se com muletas azuis, ele acompanha os dois anteriores, tanto atrás. Nas voltas sucessivas, ele pisa no vestido dela - interrompe o fluxo, a peça paralisa neste gesto - mas ela se solta. Outra captura parcial: pisa, paralisam-se, prosseguem. Por fim, ele se suspende e lhe chuta as costas: a captura completa.



Os músicos começam a tocar - o rebético, um estilo tradicional grego, de tom sofrido e vocais que lembram a música árabe, seguirá como trilha sonora até o fim. A canção ressalta a quebra daquele primeiro casal. Vimos os jogos da sedução, insistência, resistência e conquista, e agora assistiremos, no movimento circular, a uma paixão. Este segundo casal não anda lado a lado. Ela engatinha, recuando, frente ao homem que a derrubou; o outro, abandonado, anda sozinho de casaco na mão. Ela se levanta, ele morde seu vestido. Ela, de quatro no chão, o carrega; ela, as pernas sobre seus ombros, o cavalga também. É uma ligação intensa, sexual, em que o poder de um sobre o outro se troca com o tempo - até que algo muda e um deles se torna um fardo (a mesma linha narrativa acontece nos filmes Nove Canções e O Último Tango em Paris). No caso, é ela, como um saco sobre as espáduas dele. Deixando-a, o bailarino com deficiência empreende uma coreografia cheia de força e agilidade, um elogio à independência e autonomia.

Abre-se uma oportunidade de reconciliação ao primeiro casal. Sentados lado a lado, sucedem-se nos gestos do primeiro casal a hesitação, a carência, a agressividade - se enlaçam um momento, apenas para se repelir no seguinte; deixam a cabeça do outro recostar-se, apenas para empurrá-lo para longe. Quero e não quero, diz simultaneamente essa dança; talvez: preciso... Segue-se a isso uma luta entre os dois personagens masculinos. O primeiro deles, o "noivo", vence, com uma poderosa voadora no peito - o chute aéreo é simétrico àquele da "captura", e significa algo semelhante: trata-se da força à serviço do desejo. O vitorioso, preenchido de empáfia, baila sozinho, exibe trocas de perna complexas e abre os braços e o peito em desafio ao mundo - e mesmo esquecido dela, a mulher por quem lutou. Esse estado de coisas é instável como os demais, e novamente a roda embaralhará a relação do trio: abatido, será a vez do homem com as muletas se arrastar no solo, preso à barra do vestido, para iniciar uma nova relação, de humor e erotismo.

É sempre como se houvesse alinhamentos temporários entre a vontade de um e outro, e, para além desses momentos tensos, os corpos separados por bruscos desníveis. Enfim, vemos que os três se enredam em um mesmo bailado; dançam juntos, e esse é só o resumo do que fizeram ao longo de todo esse tempo - entre avanços e recuos, formavam uma constância, possuíam o apego, o descaso e o desafio que precisavam em cada instante dado. Aqueles sapos, assim, são como nós, que nos chamamos e não nos vemos, gritando por um amor dobrado pelo acaso.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
02. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
03. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
04. Marcador de página inteligente de Wellington Machado
05. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014
03. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
04. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grupo de Vanguarda
Vicente Sanches
Cotovia (lisboa)
(1997)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



Historias do Roseiral
Vários Autores
Pentagrama
(2003)



Edifícios Comerciais. Megastore Rio Center. Felipe Bezerra
Fernando Serapião
Ateliê Editorial
(2004)



Governabilidade e Reformas
João Paulo dos Reis Velloso e Roberto Cavalcanti
José Olympio
(1995)



The Place At the Edge of the Earth
Bebe Faas Rice
Clarion Books
(2002)



Consciência e Valor
Samuel Rawet
Orfeu (rj)
(1969)



The Shorter Cambridge Medieval History (volume 2)
C. W. Previté-orton (editor)
Cambridge University Press
(1953)



La Logique de Lantisémitisme; de La Question Antisémite
Revista Temps Critiques, Nº 2 de 1990
Impliqué
(1990)



Tristezas à Beira-mar
Manuel Pinheiro Chagas
Saraiva
(1960)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês