MPTA, Dança feita de Afetos Condensados | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 18/3/2014
MPTA, Dança feita de Afetos Condensados
Duanne Ribeiro

+ de 2500 Acessos

As relações humanas são compostos instáveis, desequilibram-se e transformam-se, desfazem-se e reconstituem-se - são devir. Nas coreografias Nós somos semelhantes a esses sapos... e Ali, apresentadas pela companhia francesa Les Mains, les Pieds et la Tête Aussi (MPTA) em março, no Centro Cultural São Paulo, o conforto, a tensão crescente e a violência dos relacionamentos é exibida através da dança com sutileza e sagacidade - os movimentos dos artistas compondo um percurso narrativo ponteado de metáfora e de ironia, com uma visualidade marcante.

O mais impressionante das duas peças é sua capacidade de representar sentimentos e processos com signos concisos, descrever o essencial de certos tipos de relação com ciclos sutis de gestos. O MPTA é atuante desde 2001; Nós somos semelhantes a esses sapos..., de 2013, foi concebida por Ali e Hédi Thabet; Ali, de 2008, é encenada por Mathurin Bolse e Hédi Thabet. Por aqui, as peças foram montadas na 1ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, que ocorreu de 9 a 16 de março e trouxe à cidade espetáculos de vários países do mundo e um ciclo de debates. Abaixo, tentamos exibir como a companhia condensa e cifra os afetos, e os faz dança.

Equilíbrio feito do Desequilíbrio Alheio
Ali é uma peça curta. Dois homens de muletas azuis volteiam o palco. Um deles tem ambas as pernas, o outro apenas uma. De imediato o que pensamos saber sobre a deficiência física vem à tona; especulamos sobre a dança de que é capaz esse bailarino, e cremos cômico que o outro não ande por si só. Nessa primeira percepção, já está em jogo um tema da peça: nossa relação com a fraqueza e a força do próximo, com ele quando está "abaixo" ou "acima" de nós. Vamos passear de um ponto a outro dessa relação.

Já essa situação inicial enquadra uma pergunta nesse sentido: pelo homem não-deficiente estar de muletas, isso significa que ele "se desfalca" pelo benefício do outro? Ainda outra: eles podem parecer iguais nos movimentos iniciais, mas quando estiverem em choque, as diferenças vão se converter em vantagens desiguais. Existe uma dialética deste gênero em todo relacionamento? Os dois personagens se unem e andam juntos, se separam e se desafiam. Variam as relações de poder entre eles: por ora um "domina", depois outro é "dominado". Os sentimentos envolvidos nessas mudanças não são estanques, bem definidos. Um bom exemplo disso é a agressividade gratuita e engraçada de um tapa na nuca do outro, molecagem.

Há, por fim, os momentos em que eles se mesclam. Dispondo-se de certa maneira no palco, parecem ser partes de um mesmo corpo, a perna de um ocupando a que falta do outro. Até o ponto em que não sabem bem qual é o corpo de quem: sentados juntos, ao colocar a mão sobre o joelho que seria seu, a coloca na do próximo, e assim por diante. Essa dissociação, essa mistura, ela parece ter uma versão mais dramática nos versos de Chico Buarque: "Se nós, na travessura das noites eternas, já confundimos tanto as nossas pernas, diz, com que pernas eu devo seguir? (...) Se na bagunça do teu coração meu sangue errou de veia e se perdeu (...) Te dei meus olhos pra tomares conta, agora conta, como hei de partir?".

Tudo se passa como se o bem estar de alguém, seu equilíbrio, se construísse por vezes sobre os vários desequilíbrios alheios de que consegue fazer bom proveito - e vice-versa, as pessoas se conectando e desconectando como quebra-cabeças.

Os Desníveis Temporais entre os Corpos
Nós somos semelhantes a esses sapos que nas austeras noites dos pântanos se chamam e não se veem, seus gritos de amor curvados frente à fatalidade do universo (em tradução livre - o título cita um verso do poeta René Char), põe em cena um triângulo amoroso. A princípio, quatro músicos sentam-se em um lado do palco e permanecem em silêncio. Um casal entra - parecem noivos recém-casados, ele de casaco e calças pretas, ela de vestido branco. Satisfeitos, felizes, caminham, cumprindo uma primeira volta no palco. Na segunda volta, a satisfação é contida, e na terceira o homem já está francamente contrariado: anda à frente e a puxa pelo braço. O amor enferruja. Surge então o terceiro personagem. Sem uma perna, movendo-se com muletas azuis, ele acompanha os dois anteriores, tanto atrás. Nas voltas sucessivas, ele pisa no vestido dela - interrompe o fluxo, a peça paralisa neste gesto - mas ela se solta. Outra captura parcial: pisa, paralisam-se, prosseguem. Por fim, ele se suspende e lhe chuta as costas: a captura completa.



Os músicos começam a tocar - o rebético, um estilo tradicional grego, de tom sofrido e vocais que lembram a música árabe, seguirá como trilha sonora até o fim. A canção ressalta a quebra daquele primeiro casal. Vimos os jogos da sedução, insistência, resistência e conquista, e agora assistiremos, no movimento circular, a uma paixão. Este segundo casal não anda lado a lado. Ela engatinha, recuando, frente ao homem que a derrubou; o outro, abandonado, anda sozinho de casaco na mão. Ela se levanta, ele morde seu vestido. Ela, de quatro no chão, o carrega; ela, as pernas sobre seus ombros, o cavalga também. É uma ligação intensa, sexual, em que o poder de um sobre o outro se troca com o tempo - até que algo muda e um deles se torna um fardo (a mesma linha narrativa acontece nos filmes Nove Canções e O Último Tango em Paris). No caso, é ela, como um saco sobre as espáduas dele. Deixando-a, o bailarino com deficiência empreende uma coreografia cheia de força e agilidade, um elogio à independência e autonomia.

Abre-se uma oportunidade de reconciliação ao primeiro casal. Sentados lado a lado, sucedem-se nos gestos do primeiro casal a hesitação, a carência, a agressividade - se enlaçam um momento, apenas para se repelir no seguinte; deixam a cabeça do outro recostar-se, apenas para empurrá-lo para longe. Quero e não quero, diz simultaneamente essa dança; talvez: preciso... Segue-se a isso uma luta entre os dois personagens masculinos. O primeiro deles, o "noivo", vence, com uma poderosa voadora no peito - o chute aéreo é simétrico àquele da "captura", e significa algo semelhante: trata-se da força à serviço do desejo. O vitorioso, preenchido de empáfia, baila sozinho, exibe trocas de perna complexas e abre os braços e o peito em desafio ao mundo - e mesmo esquecido dela, a mulher por quem lutou. Esse estado de coisas é instável como os demais, e novamente a roda embaralhará a relação do trio: abatido, será a vez do homem com as muletas se arrastar no solo, preso à barra do vestido, para iniciar uma nova relação, de humor e erotismo.

É sempre como se houvesse alinhamentos temporários entre a vontade de um e outro, e, para além desses momentos tensos, os corpos separados por bruscos desníveis. Enfim, vemos que os três se enredam em um mesmo bailado; dançam juntos, e esse é só o resumo do que fizeram ao longo de todo esse tempo - entre avanços e recuos, formavam uma constância, possuíam o apego, o descaso e o desafio que precisavam em cada instante dado. Aqueles sapos, assim, são como nós, que nos chamamos e não nos vemos, gritando por um amor dobrado pelo acaso.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
02. Guerras sujas: a democracia nos EUA e o terrorismo de Humberto Pereira da Silva
03. O amor é um jogo que ganha quem se perde de Carina Destempero
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu de Celso A. Uequed Pitol
05. Tebow é Fé de Daniel Bushatsky


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




I CHING (ESPANHOL)
JOHN TAMPION E OUTROS
SIRIO
(1987)
R$ 10,00



FISIOLOGIA MÉDICA
WILLIAM F. GANONG
ATHENEU
(1977)
R$ 64,00



CARTAS A FREUD
FLÁVIO FORTES D ANDREA
BERTRAND BRASIL
(1990)
R$ 22,82



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 02
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(1993)
R$ 20,00



VIAGEM AOS SEIOS DE DUÍLIA
ANÍBAL MACHADO
O DIA
(1998)
R$ 25,00
+ frete grátis



LENIN, TROTSKY E O FIM DO SOCIALISMO REAL; POR QUE PARLAMENTARISM
REVISTA ARCHÈ, ANO 2 - Nº 4
FACULDADE CÂNDIDO MENDES
(1993)
R$ 18,28



COZINHA MARAVILHOSA DE OFÉLIA PEIXES & FRUTOS DO MAR
VARIOS AUTORES
ED. KLICK
R$ 4,90



ETERNAMENTE FEMININA
ROBERT A. WILSON
EDAMERIS
(1966)
R$ 10,00



O VALOR DOS RECURSOS HUMANOS NA ERA DO CONHECIMENTO
VICENTE FALCONI CAMPOS
INDG
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



COMPRAS EM BUENOS AIRES - COLEÇÃO VIAGEM DE BOLSO
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês