Margarida e Antônio, Sueli e Israel | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> Entrevista com Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> A casa dos espíritos de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tratado Político de Spinoza pela Bolsil
>>> Feliz por nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2011)
>>> Bergson O método intuitivo uma abordagem positiva do espirito de Astrid Sayegh pela Humanitas (2008)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2007)
>>> Introdução ao pensar de Arcângelo R. Buzzi pela Vozes (2001)
>>> Cecília de bolso - Uma antologia poética de Cecília Meireles pela L&PM Pocket (2009)
>>> O céu começa em você de Anselm Grun pela Vozes (2002)
>>> Poemas completos de Alberto Caeiro de Fernando Pessoa pela DCL - Difusão cultural do livro (2006)
>>> Vidas provisórias de Edney Silvestre pela Intrinseca (2013)
>>> Competência Profissional Manual de conceitos, métodos e aplicações no Setor de Saúde de Maria Etiennette Irigoin barrenne, Fernando Vargas Zuniga pela Senac (2004)
>>> Família, santuário da vida de Prof. Felipe Aquino pela Cléofas (2013)
>>> Minha querida assombração de Reginaldo Prandi pela Companhia das letrinhas (2014)
>>> Manual das Ações Ex Delicto : Responsabilidade Civil - Doutrina... de Osmar da Rocha Campos/ Pref.: Desembargador Cesar pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Kirael A grande mudança de Fred Sterling pela Madras (2007)
>>> Famílias Restauradas de Padre Léo pela Canção Nova (2007)
>>> Pars Vite et Reviens Tard de Fred Vargas pela J'Ai Lu (2005)
>>> Responsabilidade do Estado: Erro Judicial Praticado em Ação Cívil de Marcelo Sampaio Siqueira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Ero-Guro de Suehiro Maruo pela Conrad (2005)
>>> Paraíso - O Sorriso do Vampiro de Suehiro Maruo pela Conrad (2006)
>>> Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias de Marcelo Dias Gonçalves Vilela (Autografado) pela Quartier Latin/ SP. (2007)
>>> O vampiro que ri de Suehiro Maruo pela Conrad (2004)
>>> Mulheres de aço e de flores de Fábio de Melo pela Gente (2008)
>>> Viva Com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> A cabra vadia de Nelson Rodrigues pela Agir (2007)
>>> Bel- Ami/ Encadernado de Guy de Mupassant pela Vecchi (1947)
>>> A Sensitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Vidente de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Caixa De Pássaros de Josh Malerman pela Intrínseca (2015)
>>> A novela do curioso impertinente de Miguel de Cervantes pela Relume Dumará (2005)
>>> Fenomenologia do espirito de Georg Wilhelm Friedrich Hegel pela Vozes (2014)
>>> Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande de E.E. Evans-Pritchard pela Jorge Zahar (2005)
>>> Iniciação ao Islã e Sufismo (Sem uso) de Mateus Soares de Azevedo pela Record: Nova Era (2001)
>>> A Intuitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Em Busca da Vida (Sem uso) de Jane Hollister Wheelwright pela Siciliano/ SP. (1994)
>>> Noite Feliz de Mary Higgins Clark pela Literatura Brasileira (2003)
>>> Prevenção de Acidentes Nas Indústrias: Organização das Cipas de W. R. Peixoto pela Ediouro/ RJ. (1980)
>>> Você pode falar com Deus - Princípios para uma oração eficaz de Pedro Siqueira pela Sextante (2014)
>>> O Demonologista de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Treinamento e Seleção na Empresa Moderna de Floriano Serra pela Ediouro/ RJ. (1979)
>>> Exorcismo de Thomas B. Allen pela Darkside (2016)
>>> Cartas entre amigos de Fábio de Melo, Gabriel Chalita pela Ediouro (2009)
>>> Gerente por Intuição: a Maneira Mais Eficiente de Administrar Empresas de Roy Rowan pela Record/ RJ.
>>> Por que o Brasil é um país atrasado? de Luiz Philipe de Orleans e Bragança pela Novo conceito (2017)
>>> Turismo: Que Negócio é Esse?: uma Análise Econômica do Turismo de Leandro de Lemos pela Papirus (1999)
>>> Williwaw de Gore Vidal pela Literatura Brasileira (2004)
>>> Ágape de Padre Marcelo Rossi pela Globo (2010)
>>> Bemge Em Serenata de Vários: Bemge pela Banco do Estado/ Mg (1993)
>>> O poder da esposa que ora de Stormie Omartian pela Mundo cristão (2009)
COLUNAS >>> Especial Origens

Terça-feira, 4/2/2014
Margarida e Antônio, Sueli e Israel
Duanne Ribeiro

+ de 3500 Acessos

1.

Meu avô contava uma história tragicômica: engraxou os sapatos de um qualquer e adquiriu com o dinheiro um enorme sanduíche de mortadela, mais guaraná. O sanduichão lhe deixou empanzinado; ficou por ali, perto da padaria, exausto, cara de quem não conseguia dar um passo adiante. Então veio uma moça, disse assim: "Coitado! Deve estar com tanta fome!"; foi à padaria e comprou outro lanche. O engraçado é essa fartura instantânea - que a caridade tenha vindo justo quando menos necessária, e até recusável, que a saciedade tenha aparentado penúria. De outro ponto de vista, o meu, o que impressionava era que meu avô tivesse tido de trabalhar, criança, para arranjar comida. A distância entre isso e a vida de classe média que ele me proporcionava sempre possuiu esse caráter peculiar.

Nascera em Santo Antônio do Pinhal, em São Paulo, e viera à capital. Depois da morte da mãe, seu pai lhe forçava a trabalhar e trazer para casa tantos cruzeiros. Não trouxesse, apanhava. Trouxesse, podia ser que apanhasse também. Com sete anos, fugiu. Viveu um tempo na rua - era engraxate no Largo da Concórdia, no Brás. Depois foi acolhido por uma série de lugares: um quartinho numa lanchonete, a casa de uma professora, um colégio de freiras. Meu avô era do gênero de menino que um segurança das Lojas Americanas achou por bem espantar com pauladas. Tornou-se escriturário, passou a morar com suas irmãs, saía da empresa em que trabalhava e à noite era lanterninha na Avenida Guilherme Cotching; de domingo vendia revistas na feira.

Minha avó conta uma história com um fundo político que talvez ela nunca tenha percebido, por, como é típico, conceber "política" como a atividade de uma classe restrita de profissionais, burocratas mais ou menos benevolentes, carismáticos e ferozes. Na sua cidade natal, Taquaritinga do Norte, em Pernambuco, ela, cerca de 14 anos, e seus irmãos menores trabalhavam na fazenda de um padre. Carregavam o esterco e o depositavam nos buracos onde seriam plantados os pés de café. Findo o serviço de um dia, o tal padre propõe pagá-los com comida. "Eu não estou passando fome não", exclamou minha avó, "eu quero o meu dinheiro. Se você não me der, eu volto lá e tiro tudo que eu coloquei". Ele ainda tentou argumentar: "Mas seus irmãos foram lá comer"; porém ela estava irredutível. Tem coisas que não se aceita, portanto.

Juntava quanto ganhasse para comprar um vestido e ir à Festa de Santo Amaro. O seu pai teria feito um mal negócio e perdido uma boa terra que tinha de herança, e ficaram pobres. Cultivava a terra alheia, não bebia, "nunca encostou o dedo na gente - mas minha mãe, ah! era brava!". Minha bisavó lavava roupa "pro pessoal estudado de São Paulo", gente de terno branco e gravata. (A manufatura do seu status, assim, quem fazia era ela.) Os filhos não estudaram: a escola era longe, precisava levar cadeira e nem sempre funcionava. Quem lecionava era uma menina pouco mais velha. Por ser negra, minha avó, racista, não queria aprender com ela. (Um dia a mãe descobriu que não ia à aula e lhe bateu.)

Ele foi também músico, envolveu-se com a política profissional e trabalhou para Jânio Quadros (meu bairro, a Vila Maria, era seu principal reduto eleitoral). Ela veio a São Paulo para ser operária, trocando os fusos da máquina que um dia lhe esmagou dois dedos (mesmo assim, crê que Lula forjou a perda do mindinho). Os dois se casaram com quase nada. Três anos depois, foram roubados, levaram até o dinheiro do porquinho da minha mãe, além de todas as roupas do meu avô.

2.

Minha mãe foi datilógrafa; iniciou a graduação para Tradutor e Intérprete e não concluiu (minha gravidez foi de alto risco e dificultou os estudos); formou-se em instrumentação cirúrgica e não exerceu (pelo estresse do trabalho, por frustrações anteriores, pela falta de perspectivas da profissão); foi secretária de Milton Nakamura, médico pioneiro da reprodução assistida no Brasil, 'pai' do primeiro bebê de proveta (os direitos trabalhistas devidos a ela não foram pagos e a cobrança se arrasta na Justiça desde 1998); foi lojista e camelô; foi produtora cultural na Bahia, onde promoveu um show de Zé Ramalho; administrou um canil, uma empresa de telemarketing, uma agência de intercâmbio, hoje é confeiteira. Também foi escritora - publicou contos e poemas em uma antologia. Minha avó e minha mãe são pessoas fortes, em certo sentido resilientes, em certo sentido incansáveis.

A solidez de que tive o privilégio durante a infância (quando com os meus avós) e adolescência (quando com a minha mãe) contrasta demais com o que tiveram de enfrentar meu avô, minha avó e minha mãe. Mais essencialmente, essa solidez é resultado inequívoco do esforço deles, do trabalho - na medida em que o termo signifique também autonomia, resistência, autorealização. Minha madrasta uma vez me disse que a primeira coisa que comprou da casa onde mora hoje com meu pai foi a placa com o número. Só havia o dinheiro para isso - grão a grão foi-se fazendo todo o resto. A vida precisa de uma admissão da lentidão do sucesso.

O meu pai, ele foi balconista de loja, caixa de banco (chegou a subgerente) e hoje recolhe amostras para análise industrial - nesse emprego, horas e horas dirigindo e a má qualidade do carro cedido pela empresa lhe causaram problemas crônicos nas costas. É de uma regularidade, de uma paciência construtiva, de uma calma mais ou menos contente. A lembrança mais marcante que tenho de meu pai foi quando, num dia de chuva, em que não havia chance de ir à piscina do prédio, ele me levou à piscina do prédio. Nadamos em contravenção. A vida precisa da quebra deliberada do cotidiano.

3.

Para escrever este texto, gravei minha avó contando uma série de histórias. Uma coisa curiosa ocorreu, inversa aos meus propósitos. Enquanto falava de como as camas na sua casa no Nordeste eram feitas de vara, disse: "Mas isso é melhor não falar, né?". Quer dizer, se envergonhava, ao menos um pouco, do que era - se acanhava de ter sido pobre. Não creio que o embaraço dela seja exceção; parece comum que as classes subalternas desaprendam o valor da sua identidade, do seu trabalho, da sua memória.

Eu acho, pelo contrário, que é preciso saber dizer: me orgulho. É justamente pela sua habilidade política que as pessoas de origem "ilustre" dão à sua origem esse adjetivo. Não que seja o caso de dizer que toda origem é ilustre, a questão é que a suposta ilustração é a parte menos importante - origem, a mais. A originalidade de cada percurso até o meu percurso particular são relações com (e apesar de) a cultura, a economia, a sociedade. É preciso dizer: me orgulho.

Com sorte, pode ser que o reconhecimento da própria particularidade leve a ver as ligações com a alheia. Minha avó, por exemplo, notaria que a discriminação de que são vítimas os imigrantes bolivianos na capital paulista é idêntica a que os nordestinos como ela sofreram. Se o intuísse, deixaria de confirmar aquela frase de Paulo Freire em A Pedagogia do Oprimido: "O oprimido engendra o opressor".

4.

Quando eu me formei em jornalismo, meu avô tinha sofrido um AVC, estava com as pernas enrijecidas e atrofiadas, assim como seu braço esquerdo. Suas costas criavam escaras e ele padecia de refluxo. Eu apresentei com altivez os fatos de ter terminado o curso e do meu trabalho de conclusão ter levado nota máxima e, além disso, ter sido premiado fora da faculdade. Se eu me lembro bem, ele só me olhou por um tempo, parabenizando, e então disse:

- E agora?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 4/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As revoluções e suas histórias de Tatiana Mota
02. Nem Godzilla faria melhor de Marcelo Miranda
03. MPB: entre o passado e o futuro de Aline Pereira
04. Nas garras do Iluminismo fácil de Daniela Sandler
05. Pouca gente sabe de Rafael Lima


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


Mais Especial Origens
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês