Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Na’amat promove espetáculo musical beneficente baseado em ‘Aladdin’
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Práticas inconfessáveis de jornalismo
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> Peru com whisky
>>> Carandiru, do livro para as telas do cinema
>>> Jon Udell’s Interviews With Innovators
>>> Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
>>> Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
>>> Querem proibir as palavras
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> A Construcao De Biomarcas Globais de Philip Kotler pela Bookman (2004)
>>> Jardim América de Silvia Ferreira Santos Wolff pela Edusp (2015)
>>> Ensaio sobre a lucidez de José Saramago pela Companhia das Letras (2004)
>>> Teoria Geral Do Processo Civil Contemporaneo de Humberto Dalla Bernardina De Pinho pela Lumen Juris (2009)
>>> Cuidados paliativos de Vera Anita Bifulco pela Manole (2015)
>>> Geração de Valor 2 de Flávio Augusto Da Silva pela Sextante (2015)
>>> Felicidade ou morte de Clóvis de Barros Filho pela Papirus 7 Mares (2016)
>>> Aborto Reflexoes sobre a vida de José de Oliveira pela Futurana (2017)
>>> Criando na Internet com Html 4 para Trainees de Alan Carvalho pela Expréss Book (2001)
>>> [email protected] de Telma Guimarães Castro Andrade pela Saraiva (2019)
>>> O Caminho do Guerreiro de Miyamoto Musashi pela Hunter Books (2017)
>>> A Bacia Das Almas de Paulo Brabo pela Mundo Cristão (2011)
>>> Hagakure de Yamamoto Tsunetomo pela Hunter Books (2014)
>>> Porsche de Rainer W. Schlegelmilch pela Ullmann (2009)
>>> A Nova Era e a Revolução Cultural de Olavo de Carvalho pela Vide (2006)
>>> Paris à la Découverte de la Plus Belle Ville du Monde !Les Guides Or) de Editora Bonechi pela Bonechi (2023)
>>> Plantas & Flores - 300 fotos Coloridas de Editora Europa pela Europa (1995)
>>> Prato do dia vegetariano de Tiça Magalhães pela Paz e Terra (2014)
>>> Explicando a Arte de Jô Oliveira e Lucília garcez pela Ediouro (2001)
>>> Organizando Seu Local de Trabalho de Odette Pollar pela Qualitymark (1998)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> Meditações Matinais - A Vida Eterna é Esta de Paulo C. Heubach pela Casa Publicadora Brasileira (1958)
>>> Meditações Matinais - Promessas de Deus de H. M. S. Richards pela Casa Publicadora Brasileira (1957)
>>> Escrituras Sagradas em Greco - Dos arquétipos divinos em Greco de Vários Autores pela Sociedade Bíblica Trinity (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 8/4/2014
Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
Duanne Ribeiro
+ de 6400 Acessos

Em uma madrugada dez anos velha em São Vicente, uma amiga me disse que se sentia muito triste quando ouvia Something in the Way, do Nirvana - porque o Kurt estava tão sozinho...

(De fato, ele estava.) O sentimento dela me abriu toda uma amplitude; pois ela se achegava ali à beirada do verso e podia ver, lá embaixo, uma ponte de Seattle e um adolescente à margem. The animals I've trapped have all become my pets. Minha amiga saltava realidades e conseguia sentir compaixão, afeto até, por alguém que nunca conheceu realmente. Um exemplo perfeito do que disse um filósofo francês: a poesia nos invade, nos faz fazê-la nossa, nos cria criadores, e gera essa indiferença súbita entre duas identidades.

Entre as bandas de vida curta da "cena" vicentina à época, havia a Fliver, de quem eu assisti, em uma casa de shows logo falida de Praia Grande, a uma performance repleta de verdade. Se eu me lembro bem, era um pequeno festival em homenagem ao Nirvana. (Cantei com a Fliver "Dive"; não lembro o repertório da minha banda naquele tempo, a Hangover - o nome se refere a "Dumb" - mas fechamos com "Moist Vagina"). No fim do show da Fliver, o vocalista/guitarrista se tomou de violência, o corpo magricela em espasmos atacava a guitarra como se houvesse algo de fato incontrolável nela, por fim a atirou para longe. Eu vi algo genuíno.

O gesto era uma imitação, porém mais que uma imitação: era uma incorporação. Outro amigo repetiu outro gesto: se arremessou contra a bateria em uma apresentação - estava no corpo dele a dor e a autodestruição implícitas em uma estampa de camisa do Nirvana típica. Com um outro, eu cantando, ele tocando, "Lounge Act", repetimos também: o violão destroçado assim que a canção explodia no chão da praça foi uma das coisas mais bonitas. Talvez se soubesse disso, Kurt se sentisse melhor: ele caberia no próprio verso: I'm not the only one.

Na carta, ele conta que quis amar o amor da multidão, mas não conseguiu, "não o suficiente". Havia, é certo, algo de insidioso naquele amor massivo. Um exemplo: em um show da turnê do In Utero, o último álbum, exibido pela MTV, lá pelo fim a banda passa a destruir amplificadores e cenografia, como era esperado - e o toque fatal de falsidade começa neste "como era esperado". Kurt chama o público para subir no palco, ninguém o atende. Batem palmas, eufóricos. O músico então corre de um lado a outro, batendo palmas com uma expressão imbecilizada. Naquele momento também, por motivos distintos e iguais, ele estava sozinho.

Could you forgive the boy who shot you in the head?
Esse adolescente à margem pôs um verso de Neil Young de cano duplo na boca e estourou sua náusea de dentro pra fora em um acorde distorcido final num 5 de abril há vinte anos.

Parece ter havido uma fratura fundamental entre Kurt e o mundo que por um tempo ele teve a habilidade de superar através da fúria e do cinismo e não sem cansaço. Sem conexão com sua família, envergonhado do próprio corpo, dedicado a um sonho artístico, também um sonho de reconhecimento. Quando o conseguiu, descobriu que era "mais pesado que o céu" (para usar o título preciso da biografia); a fama falsificou um concílio com sua família antiga e o manteve sempre distante demais da família nova, mulher e filha. Chegara, depois de tudo, a um reconhecimento mecânico, a uma agressividade instrumentalizada. Teenage angst has paid off well; now I'm bored and old.

As letras testemunham esse deslocamento em relação às pessoas e as coisas. Talvez por isso a maior suavidade, o máximo de felicidade conhecido por Kurt tenha ocorrido quando se sentia indiferenciado, "simplesmente admitido", como diz o poema de Borges. E o máximo de solidão no oposto complementar, quando se sentia individualizado demais, marcado. "All Apologies" é o resumo mais conciso disto; um de seus versos tem duas versões: all in all we are, ou seja, nós nos confundimos no todo, e all alone is all we are, somos sempre separados, inconciliáveis. Ele viveu na tensão entre estes dois pólos, quando foi reduzido a um deles, não pode mais seguir.

Como nós, Kurt também estava cumprindo símbolos. O confronto com o mainstream (a cultura musical hegemônica), a procura de uma apresentação crua, verdadeira, intensa - todos esses elementos eram não só o núcleo do punk, que se desdobrou no grunge, que influenciou a cena noise, como existiam de outra forma no rock desde 1960. O Mogwai (em um álbum chamado, sintomaticamente, Come On Die Young) musicou uma entrevista de Iggy Pop que resume essa ética como nada mais: "E esse estilo de música é tão poderoso que está muito além do meu controle. E quando sou tomado por ele, não sinto prazer e não sinto dor, fisicamente ou emocionalmente. Você sabe do que estou falando? Quando você simplesmente não pode sentir nada e você não quer sentir nada? O senhor entende o que estou falando?".

Em "Pennyroyal Tea", Kurt pediu: gimme a Leonard Cohen afterworld. Eis. Who is it whom I address? Who takes down what I confess? Are you the teachers of my heart?

- We teach old hearts to rest.

A hundred percent of my love up to you, true star
Contra nós depõe o fato de que não morremos jovens, a nosso favor está que essa ideia, esse lema, essa frase de efeito morreu jovem. Não obstante, senti que devia fazer uma homenagem neste aniversário de suicídio. É preciso agradecer às pessoas que nos traduzem a nós mesmos.

Ler a entrevista de Kurt para David Fricke, da Rolling Stone, sempre me desconcerta, porque é a última ou uma das últimas antes da morte, e ele está lúcido, falando abertamente de quando sentiu vontade de se matar por conta das dores de estômago, planejando mudanças criativas. Talvez estivesse vivo hoje se houvesse salvo a si mesmo do Sonho, como John Lennon fez (ou quase. O Sonho o perseguiu e atirou cinco vezes). O ex-Beatle saiu pela porta da frente do colossal JOHN LENNON construído apesar dele. I was the Walrus - but now I'm reborn. I was the Dreamweaver - but now I'm John. Não é bonito e sincero? "God" continua: I don't believe in Beatles, I just believe in me (Yoko and me) - and that's reality.

Quanto à sequência de não acreditos que compõe a música, a intenção de John era deixar um espaço vago no encarte, de modo que o ouvinte o preenchesse com suas próprias palavras: I don't believe in __________. Eu não acredito em mágica. Eu não acredito no I-Ching. Eu não acredito na Bíblia. Eu não acredito em John Lennon. Eu não acredito em Kurt Cobain. Sou só eu mesmo agora.

Nota do Editor:
Leia também "Ainda cheira a espírito adolescente", de Luiz Rebinski Junior.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 8/4/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
02. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
03. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
04. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
05. A firma como ela é de Adriane Pasa


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manon Lescaut
Abade Prévost
Abril Cultural
(1981)



Contabilidade Geral
Arievaldo Alves de Lima
Rio
(2005)



Sobremesas e Pães
Curso Prático de Microondas
Globo
(1985)



Coisas Que Todo Garoto Deve Saber
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2000)



A ciência do bom viver
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(1977)



Pescoço e Braço - Síndromes Dolorosos
Rene Cailliet
Manole
(1976)



O pensamento vivo de heitor villa-lobos
Heitor Villa-Lobos
Martin Claret



Nova York
Folha de São Paulo
Publifolha
(2012)



Urbanização e Desastres Naturais - Abrangência América do Sul
Lucí Hidalgo Nunes
Oficina de Textos
(2015)



O Que Voce Salvaria
Paulo Coelho
Caras
(1999)





busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês