Rubem Fonseca (1925-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/4/2020
Rubem Fonseca (1925-2020)
Julio Daio Borges

+ de 1000 Acessos

Morreu o nosso maior contista vivo. E da década de 60 pra cá, não há outro, no Brasil, que se aproxime dele.

Não apenas em quantidade de obras - pois foram mais de quinze livros de contos em seis décadas -, mas no apuro da linguagem, na desenvolvimento de temas e na cultura literária.

De “Feliz Ano Novo” (1975) pra cá, é praticamente impossível encontrar um autor brasileiro relevante que não tenha bebido na fonte de Rubem Fonseca, nem que seja para negar seu estilo.

A prosa direta, às vezes crua, mas com uma escolha inesperada de uma palavra fora do contexto, produzindo grande efeito, contaminou gerações de escritores que, mesmo não tendo lido Rubem Fonseca, sofreram a influência dele.

Antes que a violência fosse naturalizada no cinema, Rubem Fonseca fez um registro do submundo do crime no Brasil que permanece insuperável, especialmente na forma curta, que ele dominou como poucos em português brasileiro.

Antes dele, talvez só Nelson Rodrigues - com a infinidade de histórias de “A vida como ela é...” - tratou de temas assim urbanos, numa superação do regionalismo, e tendo como cenário a rua, a metrópole, o século.

A legião de imitadores de Rubem Fonseca tentou emular o frescor de sua linguagem, a enganosa simplicidade de suas histórias policiais e até mesmo o charme de seus protagonistas, mas os que melhor se saíram nessa tarefa, conseguiram, no máximo, ser bons discípulos do mestre.

O romancista Rubem Fonseca pode suscitar dúvidas, apesar do sucesso de adaptações para “Agosto” (1990) e “A Grande Arte” (1983), mas o contista, embora com produção desigual na última fase, se mantém como expoente num século que teve Guimarães Rosa e Machado de Assis.

Embora tenha rompido literariamente na forma e no conteúdo, Rubem Fonseca tinha muito respeito pela tradição literária, fazia uso frequente, e hábil, da citação e conferia ao escritor um status especial - mesmo num país de minguantes leitores -, convertendo-o em herói (mesmo que, às vezes, herói trágico).

Quantos, depois de ler uma obra sua, não quiseram seguir seus passos, não por fama e glória, porque ele não tinha nem uma nem outra (talvez, agora, glória póstuma), mas pelo simples desejo de fazer parte daquele panteão de artífices, verdadeiros estilístas, da palavra escrita, com o poder mítico de criar - e destruir - mundos, realidades, vidas?

Talvez por sua reclusão - Rubem Fonseca se negava a fazer aparições e dar entrevistas -, sua imagem não sofreu com o desgaste, típico em nossos escrevinhadores, vítimas do engajamento político, que, seja contra, seja a favor, produz obras enviesadas, a serviço de causas diversas que não a da literatura.

Com a morte de Rubem Fonseca, perdemos alguém que mantinha a chama acesa. E assim como Borges se confundia com a própria noção de literatura na Argentina, o Brasil vivencia agora o silêncio de uma de suas vozes.

Afinal, o que é um grande autor senão a testemunha de toda uma época, o representante de toda uma geografia, a identidade de toda uma nação? Rubem Fonseca, produzindo sua interpretação do Brasil contemporâneo, nos ajudou a entender quem somos, assim como Machado, Rosa e Nelson fizeram, cada um em sua época.

Para ir além
"A literatura de ficção morreu?" e "Lembranças de Nova York", de Rubem Fonseca. Também "Rubem Fonseca e a inocência literária perdida", "Ela me observava como quem olha para um quebra-cabeça", "A concisão dos meus poemas", "O selvagem da ópera" e "O Romance Morreu, de Rubem Fonseca". Ainda "As mulheres de Rubem Fonseca", "O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro" e "As histórias magras de Rubem Fonseca". Finalmente, Rubem Fonseca no Portal dos Livreiros.


Julio Daio Borges
São Paulo, 16/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges
02. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
03. O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? de Julio Daio Borges
04. Textos mortos vivos de Julio Daio Borges
05. Leitura vertical e leitura horizontal de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês