Rubem Fonseca (1925-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quinta-feira, 16/4/2020
Rubem Fonseca (1925-2020)
Julio Daio Borges

+ de 800 Acessos

Morreu o nosso maior contista vivo. E da década de 60 pra cá, não há outro, no Brasil, que se aproxime dele.

Não apenas em quantidade de obras - pois foram mais de quinze livros de contos em seis décadas -, mas no apuro da linguagem, na desenvolvimento de temas e na cultura literária.

De “Feliz Ano Novo” (1975) pra cá, é praticamente impossível encontrar um autor brasileiro relevante que não tenha bebido na fonte de Rubem Fonseca, nem que seja para negar seu estilo.

A prosa direta, às vezes crua, mas com uma escolha inesperada de uma palavra fora do contexto, produzindo grande efeito, contaminou gerações de escritores que, mesmo não tendo lido Rubem Fonseca, sofreram a influência dele.

Antes que a violência fosse naturalizada no cinema, Rubem Fonseca fez um registro do submundo do crime no Brasil que permanece insuperável, especialmente na forma curta, que ele dominou como poucos em português brasileiro.

Antes dele, talvez só Nelson Rodrigues - com a infinidade de histórias de “A vida como ela é...” - tratou de temas assim urbanos, numa superação do regionalismo, e tendo como cenário a rua, a metrópole, o século.

A legião de imitadores de Rubem Fonseca tentou emular o frescor de sua linguagem, a enganosa simplicidade de suas histórias policiais e até mesmo o charme de seus protagonistas, mas os que melhor se saíram nessa tarefa, conseguiram, no máximo, ser bons discípulos do mestre.

O romancista Rubem Fonseca pode suscitar dúvidas, apesar do sucesso de adaptações para “Agosto” (1990) e “A Grande Arte” (1983), mas o contista, embora com produção desigual na última fase, se mantém como expoente num século que teve Guimarães Rosa e Machado de Assis.

Embora tenha rompido literariamente na forma e no conteúdo, Rubem Fonseca tinha muito respeito pela tradição literária, fazia uso frequente, e hábil, da citação e conferia ao escritor um status especial - mesmo num país de minguantes leitores -, convertendo-o em herói (mesmo que, às vezes, herói trágico).

Quantos, depois de ler uma obra sua, não quiseram seguir seus passos, não por fama e glória, porque ele não tinha nem uma nem outra (talvez, agora, glória póstuma), mas pelo simples desejo de fazer parte daquele panteão de artífices, verdadeiros estilístas, da palavra escrita, com o poder mítico de criar - e destruir - mundos, realidades, vidas?

Talvez por sua reclusão - Rubem Fonseca se negava a fazer aparições e dar entrevistas -, sua imagem não sofreu com o desgaste, típico em nossos escrevinhadores, vítimas do engajamento político, que, seja contra, seja a favor, produz obras enviesadas, a serviço de causas diversas que não a da literatura.

Com a morte de Rubem Fonseca, perdemos alguém que mantinha a chama acesa. E assim como Borges se confundia com a própria noção de literatura na Argentina, o Brasil vivencia agora o silêncio de uma de suas vozes.

Afinal, o que é um grande autor senão a testemunha de toda uma época, o representante de toda uma geografia, a identidade de toda uma nação? Rubem Fonseca, produzindo sua interpretação do Brasil contemporâneo, nos ajudou a entender quem somos, assim como Machado, Rosa e Nelson fizeram, cada um em sua época.

Para ir além
"A literatura de ficção morreu?" e "Lembranças de Nova York", de Rubem Fonseca. Também "Rubem Fonseca e a inocência literária perdida", "Ela me observava como quem olha para um quebra-cabeça", "A concisão dos meus poemas", "O selvagem da ópera" e "O Romance Morreu, de Rubem Fonseca". Ainda "As mulheres de Rubem Fonseca", "O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro" e "As histórias magras de Rubem Fonseca". Finalmente, Rubem Fonseca no Portal dos Livreiros.


Julio Daio Borges
São Paulo, 16/4/2020


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Joao Carlos Martins
David Dubal
Green Forest do Brasil
(1999)



Repenser La Gestion de nos Sociétés
Pierre Calame ( Coord.)
Charles Léopold Mayer
(2003)



Quem Controla Quem? Pais Ou Filhos
Lawrence Balter
Saraiva
(1990)



Rumor da Casa
Telma Scherer
7 Letras
(2008)



A Prática Profissional do Assistente Social - Vol. 1 - 1ª Edição
Myrian Veras Baptista & Odária Battini (orgs)
Veras
(2009)



Quimica na Abordagem do Cotidiano Volume 1 Modernaplus
Tito/canto
Modernaplus
(2010)



Discurso Sobre o Método
René Descartes
Hemus
(1978)



Para Sempre Alice
Lisa Genova
Harpercollins
(2015)



Instrumentação Em Cirurgia da Coluna Vertebral
Jürgen Harms e Giuseppe Tabasso
Dilivro
(2001)



O Pensamento Vivo de Chaplin
José Geraldo Simões
Martin Claret
(1984)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês