A literatura de ficção morreu? | Rubem Fonseca

busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> Minha experiência com rádio
>>> Fiz sim, e daí?
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Por que quero sair do Orkut (mas não consigo)
>>> Jornaleiros
>>> Lula, PT, essas coisas...
Mais Recentes
>>> Faces do Fanatismo de Maria Luiza Tucci Carneiro pela Contexto (2004)
>>> O Homem e Seus Símbolos de Carl Gustav Jung pela Nova Fronteira (1977)
>>> Contracomunicação de Décio Pignatari pela Perspectiva (1973)
>>> Exercicios de Matematica, V. 3: Progressoes Aritmeticas e Geometria de Manoel Benedito Rodrigues; Alvaro Zimmermann pela Policarpo (1994)
>>> Vida, Amor e Riso de Osho pela Gente (2001)
>>> Como Trabalhar os Conteúdos Procedimentais Em Aula de Antonio Zabala (org.) pela Artmed (1999)
>>> Comédias: a Tempestade - Sonho de uma Noite de Verão - Merc - Vol. I de William Shakespeare pela Edições Melhoramentos (1969)
>>> Médico de Homens e de Almas de Taylor Caldwell pela Record (2004)
>>> O Treinamento Autógeno de J. H. Schultz pela Mestre Jou (1978)
>>> Constantin Meunier de Hilde Van Gelder pela Cornell University P (2004)
>>> Exercícios de Matemática Volume 1 - Revisão do Ensino Fundamental de Alvaro Zimmermann; Manoel Benedito pela Policarpo (1994)
>>> Viagem ao Fim do Milênio de A. B. Yehoshua pela Companhia das Letras (2001)
>>> Middlesex de Jeffrey Eugenides pela Bloomsbury Uk (2002)
>>> Estátua! de Steve Barlow; Steve Skimore pela Companhia das Letrinhas (2000)
>>> A Clínica de Dor - Organização, Funcionamento e Bases Científicas de Antonio Bento de Castro pela Maio (2003)
>>> A Casa no Lago de Thomas Harding pela Anfiteatro (2017)
>>> A Sociedade Em Rede Volume I de Manuel Castells pela Paz e Terra (2002)
>>> Cozinha Mediterrânea de Paula Wolfert pela Companhia das Letras (1997)
>>> Destino: La Templanza de María Dueñas pela Planeta do Brasil (2015)
>>> Os Velhos Marinheiros de Jorge Amado pela Martins (1977)
>>> Administração Financeira: Teoria e Prática de Eugene F. Brigham pela Cengage (2006)
>>> Cálculo - Volume 2 de James Stewart pela Cengage (2009)
>>> Administração de Produção e Operações de Henrique L. Corrêa; Carlos A. Corrêa pela Atlas (2006)
>>> Geometria Descritiva - Conceitos, Metodologia, Aplicações de Rubens Mamar pela Plêiade (2008)
>>> Keynote de Paul Dummett,Helen Stephenson, Lewis Lansford pela Tedtalks (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 30/7/2007
A literatura de ficção morreu?
Rubem Fonseca

+ de 12500 Acessos
+ 10 Comentário(s)


Muito antes de publicar o meu primeiro livro eu já ouvia dizer que o romance e o conto estavam mortos. Parece que a primeira morte teria sido anunciada ainda em 1880, não obstante, como todos sabem, Emily Dickinson, Tchekov, Proust, Joyce, Kafka, Maupassant, Henry James, o nosso Machado, Eça, Mallarmé, as Brontë, Fernando Pessoa (um pouco mais tarde) estivessem ativos naquela época.

No início do séc. XX, com o lançamento, por Henry Ford, do Ford Model T, um automóvel popular, construído numa linha de montagem, um carro barato que em poucos anos vendeu mais de quinze milhões de unidades, as Cassandras afirmaram que agora a literatura de ficção, na qual se incluía a poesia, estava mesmo com os dias contados. Dentro de pouco tempo todas as pessoas teriam automóvel e usariam o carro para passear, fazer compras, namorar em vez de ficarem em casa lendo. Ou porque não soubessem o que lhes reservava o futuro, ou lá porque fosse, o certo é que muitos escritores, como Yeats, Benavente, Galsworthy, Selma Lagerlof, Rilke, Kavafis, Edna St. Vincent Millay continuaram escrevendo, e talvez até mesmo tivessem um Model T na garagem deles.

Nova anunciação mortal veio logo em seguida, causada pelo cinema, denominado de Sétima Arte. Uma pesquisa da época mostrou que em cada 100 pessoas 80 freqüentavam o cinema e 2 (duas!) liam livros de ficção. Agora mesmo é que a literatura, enfim, havia morrido. Desta vez não tinha salvação. Mas Sinclair Lewis, Thomas Mann, Bunin, Céline, Ana Akhmatova, O'Neill, Pirandello, e muitos outros não sabiam disso. (Os dois últimos são autores de teatro, mas o teatro começou a morrer antes.)

Depois nova morte foi profetizada, quando do advento da televisão. Mas William Faulkner, Eliot, Gide, Hesse, Quasimodo, Pasternak, Camus, Hemingway, Beckett, Seferis, Kawabata, Mauriac, Steinbeck e muitos mais não pararam de escrever. Que diabo, esses caras não liam os jornais? Não sabiam que a literatura de ficção havia morrido?

Afinal veio o golpe de misericórdia: o computador e a Internet. Era a pá de cal. Mas o que estava acontecendo? Quem são (ou eram) esses loucos escrevendo poesia e romance – Carlos Drummond de Andrade, Czeslaw Milosz, João Cabral, Pablo Neruda, Montale, Heinrich Böll, Saul Bellow, Isaac Bashevis Singer, Octavio Paz, Brodsky, García Márquez ("se você diz que o romance está morto, não é o romance, é você que está morto"), Canetti, Günter Grass, Kenzaburo Oe, Saramago, João Ubaldo, Ferreira Gullar e um montão de outros? O que na realidade está acontecendo?

Existem muitos estudos interessantes e extensos sobre o assunto, como o da ensaísta Leila Perrone-Moisés, em seu livro Altas Literaturas (Companhia das Letras, 1998). Uma coisa talvez esteja acontecendo: a literatura de ficção não acabou, o que está acabando é o leitor. Poderá vir a ocorrer este paradoxo, o leitor acaba mas não o escritor? Ou seja, a literatura de ficção e a poesia continuam existindo, mesmo que os escritores escrevam apenas para meia dúzia de gatos pingados?

Kafka escrevia para um único leitor: ele mesmo. Recordo Camões. Ele era um arruaceiro, e acabou na prisão, ou por motivos de suas rixas ou por ter se envolvido com a infanta Dona Maria, irmã do rei João III. Para obter o perdão do rei ele propôs-se a servi-lo na Índia, como soldado. Lá ficou 16 anos e, afinal, a bordo de um navio voltou para Portugal, acompanhado de uma jovem indiana, que ele amava, e a quem dedicou o lindo soneto "Alma minha gentil, que te partiste". O navio naufragou e Camões só pensou, durante o naufrágio, em uma coisa: salvar o manuscrito dos Lusíadas e dos seus poemas. Deixou a mulher amada morrer afogada (confesso que especulo), e perdeu todos os seus bens, mas salvou os seus manuscritos. Para quem ler? Estávamos no século XVI e muita pouca gente em Portugal sabia ler. Mas Camões pensou nesse punhado de leitores, era para eles que Camões escrevia, não importava quantos fossem eles.

Os leitores vão acabar? Talvez. Mas os escritores não. A síndrome de Camões vai continuar. O escritor vai resistir.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Portal Literal, onde Rubem Fonseca hospeda o seu site.


Rubem Fonseca
Rio de Janeiro, 30/7/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Cultura do Consenso de André Forastieri
02. Senhores do tempo de Eugenia Zerbini
03. Mozart, o gênio da música de Luís Antônio Giron
04. O historiador das idéias de Pedro Maciel


Mais Rubem Fonseca
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/7/2007
08h24min
Hum. Resta saber que tipo de escritor será esse que, enquanto leitor, também não lê (lembrando que todo escritor é, também, e essencialmente, um leitor que escreve). É mais provável que haja um tipo de literatura que perdeu leitores. Mas, seguramente (tenho observado), há outro em substituição. Talvez seja necessário reciclar a palavra escrita. Abç, Paula
[Leia outros Comentários de paula mastroberti]
28/7/2007
10h38min
Excelente. Escritores sabem por que escrevem, mesmo que não saibam para quem. Fazer compras, ver TV, usar computador, ir ao cinema, namorar, nunca preencherão a alma de alguns; nem ler, nem escrever, mas estes são recursos que aliviam a angústia de quem consegue fácil ou aprendeu com esforço a criar, pensar, questionar o que está posto, determinado pelos antecessores, líderes, especialistas. Muito boa a frase do García Márquez, a criação nos faz humanos, nunca morrerá, ou morreremos. Talvez mudem as formas de fazer, inventar, inovar, mas não o ato de tentar fazer, algo pessoal, que nos aproxime dos outros ao nos diferenciar deles. Os homens (incluindo mulheres) têm necessidades que vão além da sobrevivência, da posse material, ou do lazer padronizado. Exigentes? Insatisfeitos? Desajustados? Ou apenas humanos?! São assim os escritores, as pessoas criativas, todos que tenham oportunidade de ver mais do que o permitido pelos padrões e modelos prévios de agir, de viver.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
28/7/2007
11h25min
Num planeta habitado por pessoas que escrevem e outras que lêem, ainda que ocasionalmente - como quando caem de cama e param com sua rotina, por exemplo -, sempre haverá escritores e leitores, assim como sempre haverá mercadores de alimentação e gente para se alimentar. Portanto, a pergunta em questão, sempre refeita, já está se tornando retórica...
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
29/7/2007
01h20min
A sub-cultura da auto-ajuda, que despreza o bom texto, vem tentando com insistência - e conivência das grandes editoras - assassinar a literatura. Acho que a morte da literatura está mais vinculada a essa sub-cultura do que à saída de moda da ficção e da poesia, uma vez que isto é consequência da primeira hipótese. E tudo está ligado à sobrevivência heróica do homo sensibilis e à proeminência medíocre do homo robotis. No dia em que a literatura de ficção morrer, a literatura em si já terá suspirado há muito tempo. E, sinceramente, não acho impossível isso acontecer. Ou seja: verdadeiros escritores, guardiãs da arte, subsistirem numa camada subterrânea da sociedade e da cultura, como os primeiros cristãos nas catacumbas...
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
29/7/2007
11h58min
A internet não acabou com a escrita, mas democratizou a edição. Todos nós podemos escrever e publicar o que desejamos a um custo baixo. O que acaba ocorrendo é um mar de blogs onde cada um diz o que quer da maneira que quer. Estes textos acabam vez por outra se agrupando e tomando a forma de um volume impresso. Que talvez seja lido. Quando a auto-ajuda, apontado por João Macedo como responsável pelo assassínio da literatura, não creio ser este o caso. A literatura de auto ajuda ainda assim é literatura (sem julgamento de valor, se boa ou má). Uma literatura que reflete a realidade de nosso tempo. Há escritores sem leitores, porque todos escrevem, há psicólogos sem clientes, porque todos se auto-ajudam. Lembro-me que o primeiro romance em português foi um livro de auto ajuda: "Máximas de Virtude e Formosura", de Tereza Margarida da Silva Horta. Que talvez percebendo a possivel má recepção (especulo...), mudou o nome do livro para "Aventura de Diófanes".
[Leia outros Comentários de Alvao]
30/7/2007
13h36min
A literatura de ficção não morreu. Pode ter se transformado. Se antes os períodos eram longos, agora são curtos. E por aí vai... Cada época deixa sua marca. Assim sempre vai haver essas afirmçaões, quando algo de novo acontecer. Preconizar a morte do velho, quando aparece o novo, é uma característica do ser humano?
[Leia outros Comentários de Anna]
31/7/2007
11h55min
Senhores. Vão às escolas... Quando preconizam a morte da literatura, há sem dúvida o germe da velhice lhes impregnando os ossos. Velhice, sim! Não falo do respeitoso olor da experiência, falo de inadequação! Quando recomendo que vão às escolas, não lhes impreco qualquer ofensa. Aconselho-os a ver que os jovens, sim, lêem! Muito mais escolas agora há, que possuem bibliotecas aqui no nosso país. Sabiam que existem até bibliotecários (em muitas) contratados para tocar a livrarada? Escolas públicas com bibliotecários? SIM! Podem não ter dentistas, mas bibliotecários e livros, têm (falo de São Paulo. Perdoem a generalização). No final de semana passado, vi minha sobrinha de doze com um livro gigantesco que havia ganho de véspera. O último Harry Potter (em inglês). Enorme! Conto nos dedos de uma mão o número de livros desse tamanho que eu mesmo já tenha lido (todos em português!). Se ela (e todos os da lista de Veja) agora lê um livro de fantasia desse tamanho, é natural ser otimista.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
31/7/2007
16h21min
A literatura, seja a de ficção, de não-ficção ou o terceiro sexo da "auto-ajuda", nunca irá acabar. Porque sempre haverá leitores, mesmo que estes estejam cada vez mais emburrecidos, por passarem mais tempo em frente aos jogos de computador do que em frente a um livro.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
3/8/2007
01h34min
Geralmente escritores são leitores ávidos e transbordam as influências das textualidades apreciadas; e se alguns não têm apetite para a literatura, outros a devoram obsessivamente. Literatura é, do meu ponto de vista, feita essencialmente pelo leitor, que dá vida e valor ao texto lido. A reverência emblemática dada ao livro só tem sentido quando o teor do seu conteúdo eleva a sua condição de objeto. A morte da literatura, como vaticinam as cassandras da vez, é sobretudo a morte da expressão e da liguagem, e quem pode prever até este ponto? Desconfio que tal juízo venha de uma disciplina cultural de jornadas retas e leituras corretas, mas esta prática é singular e delicada, cheia de voltas e reviravoltas, que deixa(m) tontos leigos e sábios; e as leis que a regem, se é que a regem, são hermeticas para juízos tolos. Literatura é a vida registrada em circunstâncias e palpitações, carregada de uma grandeza sensível que exalta o anti-herói; o que resta é o gramático, técnico na aridez sintática...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
13/9/2007
17h14min
Para mim, a ficção vem em primeiro lugar quando se fala de literatura. O gênero pode possuir um enredo complexo e personagens marcantes e ainda mostrar um mundo onde possamos viajar. Gosto disso.
[Leia outros Comentários de Luiz Fernando]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Temas de Nutrição Em Pediatria
Sociedade Brasileira Pediatria
Especial
(2001)



Cultura Empresarial: Motivação e Liderança : Psicologia das Organ
Luís Rosa
Presença (lisboa)
(1994)



A Princesa Apaixonada
Meg Cabot
Record
(2004)



Mega 4 Workbook
Olivia Johnston
Macmillan
(2004)



O Despertar da Empresa Brasileira
Rachel Regis Jair Moggi
Cultrix
(1994)



Der Einsame Cop
Jerry Cotton
Bastei Lubbe
(1986)



Novas Tendências nos Estudos do Direito Civil
Revista Arché Interdisciplinar Nº 24 Vol Viii
Ucam (rj)
(1999)



O Que Acontece Quando Amamos ?
Vários Autores
Torá Livraria e Ed
(1998)



Lições de Princesa
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



Couleurs des Étoiles
David Malin e Paul Murdin (capa Dura)
Masson
(1986)





busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês