Palhaços e candidatos | Luís Antônio Giron

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Mapa da sala de aula
>>> Gostar de homem
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
Mais Recentes
>>> Senhores de engenho. Judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela Ed 20-20 comunicação (2002)
>>> Trovão inverso de Eugene H. Peterson pela Habacuc (2005)
>>> Meninas de Calça - O terceiro Verão da Irmandade de Ann Brashares pela Rocco (2005)
>>> O Negócio do Livro de Jason Epstein pela Record (2002)
>>> Fundamentos da biologia celular de Alberts e outros pela Artmed (2008)
>>> Pedagogia da autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (1996)
>>> Elogio da Mentira de Patrícia Melo pela Rocco (2010)
>>> Demian e Sidarta de Hermann Hesse pela Best Bolso (2012)
>>> Quincas Borba de Machado de Assin pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O fim do Verão e Um encontro inesperado de Rosamunde Pilcher pela Best Bolso (2012)
>>> Criando Prosperidade e as leis espirituais do sucesso de Deepak Chopra pela Best Bolso (2012)
>>> Diários do vampiro Reunião Sombria de L.J. Smith pela Galera (2011)
>>> Diários do vampiro A fúria de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Diários do vampiro O confronto de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Biologia celular e molecular de Luiz C. Junqueira, José Carneiro pela Guanabara, Gen (2005)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2017)
>>> Diários do vampiro O despertar de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Os Crimes da Luz de Dante Alighieri pela Planeta (2005)
>>> A Cidade Dorme de Luiz Ruffato pela Companhia das Letras (2018)
>>> Introdução á Climatologia para os Trópicos de J.O. Ayoade pela Bertrand Brasil (1996)
>>> O pastor que Deus usa de Eugene H. Peterson pela Textus (2003)
>>> As Idéias da Álgebra de Arthur F. Coxford, Albert P. Shulte pela Atual (1995)
>>> Buso Renkin volume 2 de Nobuhiro Watsuki pela Jbc Mangás (2003)
>>> Caminhos da Justiça de John Grisham pela Rocco (2010)
>>> Fullmetal Alchemist volume 28 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 27 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 5 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2002)
>>> Da reforma protestante á pentecostalidade da igreja de Bernardo Campos pela Sinodal (2002)
>>> Vampire Kisses Laços de sangue de Ellen Schreiber e Rem pela Tokyo Pop (2008)
>>> De Repente nas Profundezas do Bosque de Amóz Oz pela Seguinte (2007)
>>> Onegai Twins volume 2 de Please1 e Akikan pela Jbc Mangás (2008)
>>> Nana volume 2 de Ai Yazawa pela Jbc Mangás (2008)
>>> Regras de Cortesia de Amor Towles pela Rocco (2012)
>>> Paradise kiss volume 2 de Ai Yazawa pela Conrad (2007)
>>> Comentário de Romanos versículos por versículo de C. E. B Granfield pela Vida Nova (2005)
>>> Omega complex volume 3 de Shonen Izu pela Astral comics (2014)
>>> Tenho Tenge volume 1 de Oh Great pela Jbc Mangás (2009)
>>> Ainda Sou Eu de Jojo Moyes pela Intrínseca (2018)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Estruturas de Dados e Algoritmo em Java de Michael T. Goodrich e Roberto Tamassia pela Bookman (2001)
>>> Pablo Escobar: Meu Pai - As Histórias que Não Deveríamos Saber de Juan Pablo Escobar pela Planeta do Brasil (2015)
>>> Dom Hélder Câmara: Entre o Poder e a Profecia de Nelson Piletti; Walter Praxedes pela Ática (1997)
>>> O Andarilho das Estrelas de Jack London pela do Conhecimento (2004)
>>> Kill la Kill volume 3 de Ryo Akizuki e Trigger/ Kazuki Nakashima pela Jbc Mangás (2015)
>>> O Homem que Comeu de tudo de Jeffrey Steingarten pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela Agir (2015)
>>> Doos Of Chaos volume 1 de Ryoko Mitsuki pela Tokyo Pop (2008)
>>> Kanpai volume 1 de Maki Murakami pela New pop (2008)
>>> Aprender Depois dos 50 de Ivonne Assunta Cortelletti; Miriam Bonho Casara; Isabel Aurora Marrachinho Toni pela Educs (2007)
>>> Bleach volume 7 de Tite Kubo pela Panini comics (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/9/2010
Palhaços e candidatos
Luís Antônio Giron

+ de 7900 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Era uma vez um país cujo governo aboliu o riso. O presidente baixou uma lei que vetou a seus cidadãos fazer piadas sobre os candidatos durante a campanha eleitoral. Os humoristas profissionais se entristeceram e protestaram, fizeram passeatas e denunciaram a censura. Berraram palavras de ordem até não mais poder. De nada adiantou. Mas o riso, como a primavera, não se refreia. E assim, nesse ínterim, para saciar a sede de comédia da população, os candidatos a cargos públicos passaram a se encarregar de fazer humor durante o programa eleitoral obrigatório, veiculado por emissoras de rádio e televisão. Como que sentindo falta de quem os esculhambasse, assumiram o papel de palhaços e fizeram o povo gargalhar. Não é de espantar que um humorista se destacasse ― e deixasse seus colegas comendo poeira, embasbacados e impotentes.

Foi assim que o comediante cearense Tiririca, candidato a deputado federal por São Paulo, tomou a dianteira da campanha e lançou o bordão: "Vote no Tiririca. Pior que está, não fica". E outro: "Você sabe o que faz um deputado? Eu não sei, mas vote em mim que eu te conto!". Outras celebridades televisivas vieram se juntar à trupe do nonsense, como a Mulher Pêra, o costureiro Ronaldo Esper, o filho do apresentador Raul Gil e o lutador Maguila. Comediante ganha a eleição ― e a piada.

Indignado com a nova ordem, um bando de humoristas se reuniu no dia 22 de agosto em Copacabana, no Rio de Janeiro, para bradar contra a censura e, de quebra, a nova forma de monopólio sobre o humor. A manifestação, organizada pelo grupo Comédia em Pé, contou com as presenças de grandes humoristas, da turma dos programas Casseta & Planeta e Pânico a comediantes como Sérgio Mallandro e Bruno Mazzeo. Surgiu assim a stand-up comedy for your rights. "Humorista unido, jamais será comido!", gritaram, enquanto desfilavam à beira-mar. "Iu, iu, iu! Tiririca nos traiu!" Outra palavra de ordem: "Um, dois, três! Quatro, cinco, seis! Sete, oito, nove! Dez, onze, doze..."

O Brasil é o país em que a mascarada precede a História, ou é a essência da própria História. A querela começou em 30 de setembro de 1997, quando a Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República publicou a Lei nº 9.504, que proíbe piadas e caricaturas de candidatos durante a campanha. O Artigo 45, inciso II da lei diz que é vedado a emissoras de rádio e televisão "usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação, ou produzir ou veicular programa com esse efeito". Desde a gestão presidencial retrasada, ninguém pode fazer piadas sobre nossos governantes e nossos ínclitos candidatos. Em palavras menos jurídicas, são treze anos de censura ao exercício profissional dos humoristas. Como viver sem tirar sarro dos políticos e aspirantes a cargos executivos e legislativos? E como concorrer contra políticos palhaços, principalmente se você está amordaçado?

As histrionices de Tiririca podem ser engraçadas, mas evocam o travo do autoritarismo que arrastou o Brasil a seus momentos de maior terror. Não há lei que impeça que um político se valha de recursos jocosos para ridicularizar a si próprio e, em decorrência, à política como um todo. O que é, convenhamos, um gesto muito mais subversivo que o próprio humor profissional. O candidato que desqualifica a política age como um perfeito fascista. Ele descrê do Estado de Direito e da vida democrática. Seu gargalhar tem sabor de escárnio. O pior é que esse tipo de gente sempre encontra adeptos. Devemos respeitar suas opiniões, pois, afinal, vivemos em uma democracia, ainda que sob censura. E aí temos de aturar candidatos monstruosos e ridículos, que fazem rir ao mesmo tempo em que provocam nossa repulsa.

O brasileiro sempre fez piada com política. E a prática era bem mais saudável no passado. Em 1958, em São Paulo, o candidato a vereador Cacareco recebeu 95 mil votos e foi o vereador mais votado. Pena que se tratava de um rinoceronte. A ideia do lançamento da candidatura do rinoceronte foi de um jornalista, Itaboraí Martins, indignado com o baixo nível dos candidatos naquele pleito. Em 1988, o fenômeno se repetiu, dessa vez por obra dos comediantes do jornal Casseta & Planeta. Eles lançaram a candidatura a prefeito do Rio de Janeiro do Macaco Tião. O animal amealhou 400 mil votos e foi o terceiro candidato mais votado nas eleições municipais. Infelizmente, a urna eletrônica e as leis reguladoras acabaram com esse tipo de graça, impedindo que tais candidaturas ganhassem estatuto de realidade. Nos anos 90, veio a lei da mordaça da sátira. Progressivamente, perdemos o recurso do humor como intervenção na realidade.

Em países mais civilizados, como Estados Unidos, França, Alemanha e Argentina, jamais existiram Cacarecos e Tiões. E raramente a liberdade de expressão é impedida. A classe política desses países tem a imagem enxovalhada pelos programas de televisão. E os candidatos muitas vezes fazem questão de aparecer nesses programas, expondo-se ao ridículo, mas se defendendo como podem. Foi o que aconteceu em 2008 quando o então candidato Barack Obama apareceu em diversos shows de TV e soube usar a piada a seu favor. Também a candidata à vice-presidência dos Estados Unidos Sarah Palin foi convidada a aparecer no programa humorístico Saturday Night Live. Sarah topou e acabou contracenando com a comediante Tina Fey, que conseguiu personificar uma Sarah mais verdadeira que a candidata original. Nada pior que a censura para a reputação de um candidato democrático.

No Brasil, porém, os políticos e candidatos gozam da imunidade humorística. Podem zombar do eleitor, mas não ser alvo de pilhéria. Deu-se por aqui a separação de duas categorias que sempre viveram em saudável desarmonia: os palhaços e os políticos ou aspirantes à política. Agora quem quer ser palhaço precisa se candidatar a um cargo. Como resultado, palhaço e político atendem pelo mesmo título eleitoral. Ao contrário do bordão de Tiririca, pior que tá, fica!

Era uma vez um país que se levava demasiadamente a sério. A suposta austeridade encobria o pavor que os políticos tinham de passar por ridículos. Temiam ser desmascarados. E assim a história da sátira política daquela nação foi varrida para debaixo do tapete.

Moral da história: na estrita observância da lei, ri quem pode, cala-se quem tem a piada na ponta da língua.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site da revista Época, antes, portanto, de o Supremo Tribunal Federal permitir que humoristas possam fazer piadas envolvendo candidatos a cargos políticos. Leia também Especial "Eleições 2010".


Luís Antônio Giron
São Paulo, 6/9/2010

Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/9/2010
07h50min
Quer dizer que os palhaços podem se candidatar e os humoristas não podem elaborar sátiras em torno deles? Não entendi nada mesmo! Isso é o que eu chamo de PALHAÇADA EM DOSE TRIPLA!!!
[Leia outros Comentários de TELMA FAZZOLARI]
16/9/2010
09h59min
O artista Tiririca e a campanha-galhofa "Vote em Tiririca: pior do que tá, não fica", expõe a visão e conceito que seu partido, tal como outros, tem dos eleitores. Nós, enquanto "colégio eleitoral", não passamos de um aglomerado ciclópico, infantil, ingênuo, irresponsável, ignorante e tolo. O palhaço-candidato faz graça para o eleitorado palhaço... Uma falta de respeito? Um achincalhe. Palhaços, lutadores de boxe, cantores de cabaret, morubixabas etc., são cidadãos e, como tal, podem representar outros cidadãos. Basta que tenham seriedade, responsabilidade, respeito e comprometimento. O Tiririca é, apenas, o cume do monturo de candidatos "alegóricos", que estão sendo apresentados por quase todos os "partidos". O registro de candidaturas deveria considerar eliminatórias, a insanidade e/ou infantilidade, além do ficha-limpa. Quem imagina o eleitorado como um bando de idiotas, não pode fazer lei, ser deputado.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIOLOGIA DO HOMEM
JORGE REIS SÁ
ESCRITURAS
(2005)
R$ 9,10



A ÁGUIA POUSOU
JACK HIGGINS
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 8,80



EDUCACION PSICOMOTRIZ Y RETRASO MENTAL
LOUIS PICQ PIERRE VAYER
CIENTIFICO-MEDICA
(1969)
R$ 12,00



VIDA E APOSTOLADO DA SERVA DE DEUS VIRGINIA CENTURIONE BRACELLI
VIRGINIA
S A
(1960)
R$ 11,90



AOS PÉS DOS MESTRES NOS HIMALAIAS
PROF. MARIA JOSÉ MARINHO
DO AUTOR
(2011)
R$ 8,00



GRANDES SUCESSOS DA PEQUENA EMPRESA HISTORIAS REAI
FRANCISCO GRACIOSO
ESPM
(1995)
R$ 7,00



TECNICA DE LABORATORIO 2ª EDIÇÃO PARA A PRATICA DIARIA
DIONISIO M. GONZALEZ TORRES
ND
(1942)
R$ 50,24



A BOLSA AMARELA
LYGIA BOJUNGA
CASA LYGIA BOJUNGA
(2011)
R$ 15,00



CIÚME O MEDO DA PERDA
EDUARDO FERREIRA-SANTOS
CLARIDADE
(2003)
R$ 17,00



MINIMANUAL COMPACTO DE FÍSICA: TEORIA E PRÁTICA
MÁRCIO PELEGRINI
RIDEEL
(1999)
R$ 7,87





busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês