A blague do blog | Luís Antônio Giron

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/8/2003
A blague do blog
Luís Antônio Giron

+ de 12800 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Tornou-se famosa a blague do magnata da mídia Assis Chateaubriand, o Chatô, que costumava ralhar com seus empregados: “Quem quer ter opinião, que compre um jornal!”. Hoje, quem quer ter opinião só precisa “postar” num blog na internet.

“Blog” é a corruptela de “weblog”, diário da Web, termo inventado em dezembro de 1997 pelo nerd e teórico americano Jorn Barger. Ninguém tem de saber linguagem ASP, PHP ou a já anciã HTML para publicar num blog; ele não passa de um site simplificado, organizado em ordem cronológica, com recursos básicos dos sites, como possibilidade de dar upload (carregar) de imagens e links. A ferramenta, grátis, revela-se tão fácil quanto um programa de e-mail sediado na web. Tecnicamente, o blog, instrumento público, transforma qualquer usuário da Internet em emissor de idéias, em “blogueiro”, como se diz no jargão internético local, ou “blogger”, na expressão consagrada em inglês. Há dezenas de sites que fornecem gratuitamente espaço para blogs.

É fácil deduzir as conseqüências da facilidade: proliferam blogs como baratas Internet adentro, alguns deles com cérebro de insetos. Outros atuam feito bombas de dissuasão/persuasão. É preciso compreender se o fenômeno é modismo ou representa a sonhada democratização dos meios de comunicação.

A blague do blog é que, a despeito de seu amadorismo fragmentário, ele está balançando as estruturas da imprensa. De um salto, os blogs grudaram as ventosas na jugular do “quarto poder”, sugando seu sangue e sujando seu nome. Isso porque o assunto favorito dos blogueiros tem sido a mídia. Blogs são “fantasy shows” contra a imprensa. A exemplo do Napster, que livrou a música do CD e quebrou o show business, os blogs provocam a metástase das palavras e podem levar a mídia à bancarrota. Jamais a espetacularização da informação foi tão anarquizada quanto com o advento do blog. A curiosidade do internauta não resiste. A blogagem triunfa porque chamou a atenção da imprensa – ela própria feitora de blogs às ocultas em redações.

E pensar que os blogs começaram como esconderijo de adolescentes onanistas nos idos de 1994... Na época, a Netscape lançou o primeiro navegador com interface gráfica. As homepages ganharam relevo, principalmente com o site Geocities, que oferecia (e ainda oferece) hospedagem gratuita de sites. Naquele tempo não se falava em “portal” nem em blogs. Milhões desenvolveram páginas pessoais. Mas elas exigiam do usuário algum conhecimento de linguagem HTML, o que significava “pegar o touro com a unha” e montar vírgula com rotinas e códigos. Logo os pré-blogueiros caíram do touro bravo e até hoje sites-zumbis, com sintaxe arcaica, erram clamando por um log-off de misericórdia. Em 1997, nerds simplificaram o processo, oferecendo modelos pré-fabricados, os blogs. O site Infosift foi o primeiro a compilar weblogs como categoria à parte. Em 1999, apareceram ferramentas que melhoraram a operação. Resultado, a comunidade blogueira sofreu um pop-up em escala malthusiana.

Onã foi o deus fundador da genealogia blog. Diários íntimos deram a largada. Avatares de cartoons comentavam clipes no anos pré-MP3. As mulheres encontraram na ferramenta o meio ideal de ampliação de suas febres eróticas. Na extrema-unção da década de 90, era fácil topar com precursoras do livro A Vida Sexual de Catherine M. – que não passa de um blog às antigas em papel. Os aliases, como são chamados os pseudônimos na Web, viraram procedimento comum. Os blogs se expandiram para todos os fins e línguas: diários íntimos, receituários, blogs de escárnio e maldizer, de amigo, de comentários sobre blogs, blogs de blogs de blogs. Ao sol do caos, a árvore cresceu frondosamente.

Dados do site de busca Blogdex, do MIT, da conta de mais de 500 mil blogs no ar no mundo. Três anos atrás, segundo a mesma fonte, havia 23 weblogs. O site BlogTree escrutina as árvores genealógicas de blogs. Ostenta hidras com milhões de cabeças que engendram outras tantas.

O fato atual peculiar reside no deslocamento da expressão subjetiva para o plano da circulação pública de informação. A opinião, esta quimera, foi promovida à carta magna da nebulosa blog. A intimidade escancarada do diário dá lugar ao questionamento da mídia, à agonística – a luta pela leitura crítica – no mundo impalpável da Rede. Onã anseia em ser Aeropagita, polemista de grandes causas, e debater-se no areópago gigantesco da infovia.

É lícito remeter a discussão à Aeropagítica, de John Milton, discurso que o poeta proferiu em 1644 no parlamento britânico pela liberdade de imprensa. Cria Milton que o saber é um processo dinâmico, construído com opiniões e deslizes que alumiam o progresso: “Onde é grande o desejo de aprender, é também grande a necessidade de discutir, de escrever, de ter opinião. Porque a opinião, entre homens de valor, é conhecimento em formação”.

O opínio-onanismo da cultura blog ganhou impulso na razão direta das megafusões das empresas de comunicação, na virada deste século. Quanto mais fortes e automáticas as corporações, mais bagunçada soa a ala blog. AOL-Time Warner contra o gonzo – imprensa de gozação surgida nos anos 70 nos EUA. O fundador do gonzo journalism, o americano Hunter S. Thompson, cunhou um aforismo sobre sua atividade e que serve como profecia: “Quando as coisas ficam bizarras, os bizarros viram profissionais”.

Adentrar a selva selvaggia dos blogs pode ser uma expedição desgastante, mas hilária. Há uma profusão de brasileiros blogados 24 horas, morando na rede, transmitindo notícias e boatos, exaltando o palavrão e a gíria. Embaralham expressão, opinião e diálogo. Blogs perigam degenerar em monólogos lunáticos. Reclama-se da ausência de ética de alguns. Mas talvez o que mais lhes falte é talento. Há os que se ocultam em aliases, como as garotas ousadas dos anos 90, para destilar verrinas. Protegem-se no anonimato, causando distorções, pois há os que usam a máscara para enxovalhar a vizinhança. São centenas de blogs intrusivos dedicados a tal fim – e os mais visitados. Existe, porém, uma maioria de blogs responsáveis. Jornalistas blogaram porque viram sua seara sofrer concorrência nerd, para não falar da crise na profissão. Pena que usem blogs como sites tradicionais.

Os bloggers desejam ser vistos como heróis da contracultura deste início de século. O medo deles é de que ocorra uma invasão da civilização off-line. Esforçam-se para se manter na idade adâmica do vale-tudo e separar blogueiro de jornalista. Se o nome é o patrimônio do jornalista, o alias é o do blogueiro.

Até agora, a Rede passou incólume às garras da lei. Blogueiros não temem a dura lex... Talvez lhes falte senso de responsabilidade. Mas os conteúdos mudam e blogs se profissionalizam. O resultado é que os bizarros teimam em ser ainda mais absconsos.

No pólo oposto, Globo e iG lançaram serviços de blog, seguindo a mídia internacional, que percebeu o perigo da agitação da opinião pública causado pelos blogs e está tratando de domesticá-los e anexá-los. É o caso do jornal inglês The Guardian, cujo blog, mantido pelos jornalistas do veículo, é melhor do que o site. A rede MSNBC também tem o seu, apresentado por seus melhores âncoras.

A internet jogou de tal forma os meios de informação na vala comum, que é impossível vigiar conteúdos. Blogs são filhos do descontrole. Os megagrupos querem tragá-los para reorganizar sua essência. Hoje, como no tempo de Chatô, os meios de comunicação são instrumentos de domínio da opinião. A dos articulistas pode não representar a do dono, mas é chancelada por ele. Traz um imprimatur em marca d’água. Qual a diferença entre um blog attachado a uma gigacorporação e os portais que elas sustentam? Nenhuma, salvo a rapidez da operação. Os blogueiros têm furado os portais noticiosos; é urgente manietá-los.

Ainda que se avizinhe uma batalha entre a razão off-line e a fantasia internética, blogs continuam sendo ferramentas que proporcionam a sensação da liberdade de expressão, infensos à censura do imprimatur. Muitos blogs fazem a apologia da opinião leviana, mas abrem uma válvula de escape necessária em um universo tecnológico, autômato e irrespirável. Os fatos resultam cada vez mais bizarros e a realidade perde o pé no universo virtual. Ao preço de não abdicar do sacramento do livre pensar, todos nós, profissionais ou não, talvez tenhamos de nos converter em gonzos. E nos aturarmos uns aos outros.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo! de setembro de 2002.


Luís Antônio Giron
São Paulo, 11/8/2003

Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
03. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
04. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/8/2003
10h01min
O pior é ter de aguentar blogueiros que se julgam escritores; sendo que, como bem define Luís A. Giron, alguns têm cérebro de inseto. Ou será que sofrem de escassez de desenvolvimento mental? Eis uma boa pergunta.
[Leia outros Comentários de Fabio Cardoso]
15/8/2003
19h15min
Já pensei que essa febre de blogs seria mais um modismo, mas agora tenho dúvidas. O que me preocupa é que se isso for a tão sonhada democratização dos meios de comunicação, acabe num caos total, onde os citados "cérebros de insetos" imperem.
[Leia outros Comentários de Civana]
23/8/2003
17h31min
De acordo... mas qual é o problema, se essas pessoas tem cérebro de inseto? o direito de expressão é para todos, ou só os sabios tem o direito de se expressar? um exagero...
[Leia outros Comentários de Camila Chips]
24/8/2003
19h23min
Acaso não somos todos faladores de besteiras? Ou alguém aí crê que são muito importantes as coisas que diz? Claro que a história individual da maioria de nós, leva-nos pela mão à longa escadaria da articulação e conseqüência intelectiva, mas ninguém chegou, estamos todos a caminho. É de esperar que haja quem, por incapacidade, preguiça, ou desinteresse, passe a vida a percorrer longitudinalmente os primeiros degraus, quando não senta ou deita-se ali. Mesmo assim, quando nos falam, têm a oferecer peculiares conhecimentos sobre os detalhes do baixo alçar-se, dos primeiros andares, da sua perspectiva das alturas. No mínimo dos mínimos, sua voz servirá para alertar-nos, ao iniciar a subida, de que não tropecemos neles, nem no que os deteve. Fosse diferente desta a sábia lógica natural, grande parte de nós não teria voz ou pernas. Sabemos, entretanto, que é regra tê-las e são exceções por falha , os casos de quem não as têm. Então, quando nos foram dadas, bom se o tivessem sido à universalidade e plenamente. Que se pense, leia e escreva, livre e abundantemente, e que seja possível a todos, usando-se para isto o lápis ou o computador.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
25/9/2003
19h26min
Penso que o blog possa ser uma das tantas ferramentas de interação que encaminhem a tão desejada "comunicação democrática". Como tal, deve ser considerado não apenas pelo seu uso mas pelas suas POSSIBILIDADES. O internauta tem em mãos uma ferramenta-chave para atuar na rede, produzindo informação e - por que não? - fazendo as vezes da imprensa. Isso não representa nenhum risco ao ofício jornalístico, ao contrário! A Guerra no Iraque mostrou-nos que uma das maiores tendências das transmissões jornalísticas é a personificação da notícia, o que lhe confere muito mais credibilidade. Como duvidar do "case" que fala em primeira pessoa, sem mediações de fontes oficiais? E mais: se a revolução digital põe em xeque alguns preceitos básicos do Jornalismo, isso é bem-vindo. Na condição de jornalista, acredito que estja na hora de rever os processos da profissão e, principalmente, de adequá-la à nova configuração do mundo digital.
[Leia outros Comentários de Ana Brambilla]
4/7/2007
19h05min
Me perdoe, mas não li os posts, estou aqui embevecida recebendo o carinho de tuas palavras ao som de uma voz tão conhecida minha e tão amada. Obrigada pelo respeito, e pelas verdades reveladas, obrigada por apaziguar meu coração. Beijos, querido.
[Leia outros Comentários de Claudia Telles]
21/4/2008
22h52min
Eu acho maravilhoso. Mas ainda falta muito para que todos... todos, mesmo, tenham seus blogs. Quando isso acontecer, as pessoas vão se dar conta de que: coisa qualquer pode ser constatada por qualquer um... Bingo! A Arte evoluiu, de fato, quando o texto foi eliminado. Palavras são inúteis diante da necessidade de ações. Todos falando... uns muito bem, outros como foi dito... como insetos, mas... falando e digitando!!!
[Leia outros Comentários de Eduardo Azevedo]
25/6/2008
02h12min
O texto hábil e fluído do Giron disseca com precisão cirúrgica a atual cena de paixão dos blogs pelo jornalismo/literatura, e vice-versa; remetendo à imagem de um mestre dissecando cadáveres, para que os alunos, uns com mais ou outros com menos estômago, possam no futuro se tornar, ou não, grandes cirurgiões; salvar, ou não, vidas; e se mostrar, ou não, competentes e éticos em relação à saúde social. O bizarro, lembrando Hunter S. Thompson sobre bizarrices, é que se proliferará, queiramos ou não: uma classe de cabeças de insetos profissionais.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os 16 Heróis - E Você? Quem É?
Marcelo Assis da Silva
Madras
(2017)



Marina
Carlos Ruiz Zafón
Suma De Letras
(2011)



Os Lusíadas
Luís de Camões; Rubem Braga e Edson Braga (adap)
Scipione



Guia Prático de Labores Femininos - a Agulha e a Lã
Vários
Culturama
(1973)



New Interchange 1b
Jack C. Richards
University Press
(1997)



Os Voluntários da Patría na Guerra do Paraguai o Comando de Osório
General Paulo de Queiroz Duarte
Biblioteca do Exército
(1983)



O Amigo Imaginário
Alessandra Bourdot
Toquinha
(2007)



Nieuwe - Wereldvertaling - Heilige Schrift - (biblia Em Alemão)
Vários Autores
New World Translation Dutch
(1986)



Medicina Legal. Volume 1. Medicina Forense.
Afranio Peixoto
Livraria Francisco Alves
(1931)



Educação e Sociedade Vol. 9
Cedes
Cortez





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês