Brasília à mercê das multidões | Daniel Piza

busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
Mais Recentes
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
>>> ERKS – Mundo Interno de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine July 2020 de Tenet pela Time (2020)
>>> Creative Review de Annual 2020 pela Creative Review (2020)
>>> Monocle Magazine July/August 2020 de Special Edition pela Winkontent (2020)
>>> Mojo 321 August 2020 de Paul Weller pela Mojo (2020)
>>> Mojo 320 July 2020 de Talking Heads pela Mojo (2020)
>>> Mojo 319 June 2020 de Nick Cave pela Mojo (2020)
>>> O Livro do Pênis de Maggie Paley pela Conrad (2001)
>>> A Colheita dos Grãos: Odes Sonoras de Filippi Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2007)
>>> Introdução ao Estudos Linguísticos de Francisco da Silva Borba pela Pontes (1991)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> Linguística Textual - Introdução de Leonor |Lopes Fávero e Ingedore G. Villaça Koch pela Cortez (1988)
>>> Aulas Vivas de Marcos Tarciso Masetto pela Mg (1992)
>>> A Lenda do Baal Schem de Martin Buber pela Perspectiva (2003)
>>> La Théologie de La foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> O Professor como Agente Político de Maria Anita e Viviane Martins pela Loyola (1987)
>>> Estilística da Língua Portuguesa de M Rodrigues Lapa pela Acadêmica (1968)
>>> Extensão ou Comunicação? de Paulo Freire pela Paz e Terra (1977)
>>> Conversas com quem gosta de Ensinar de Rubem Alves pela Cortez (2005)
>>> Reflexões sobre a Prática Docente de Maria Oly Pey pela Loyola (1992)
>>> O que é teoria? de Otaviano Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> A Dieta Ideal de Marcio Atalla e Desere Coelho pela Paralela (2015)
>>> Rádio : 24 Horas de Jornalismo de Marcelo Parada pela Panda Books (2004)
>>> Dicionário da Língua Portuguesa Medieval de Joaquim Carvalho da Silva pela Eduel (2007)
>>> Estilística da Língua Portuguesa de M. Rodrigues Lapa pela Martins Fontes (1988)
>>> Iniciação à Análise Linguística de Martin Riegel pela Rio (1981)
>>> Contos Brasileiro Contemporâneos de Org: Julieta de Godoy Ladeira pela Moderna (1991)
>>> Ensino Híbrido: personalização e tecnologia da informação de Organizadores: Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto e Fernando de Mello Trevisani pela Penso (2015)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ática (1997)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/4/2006
Brasília à mercê das multidões
Daniel Piza

+ de 5300 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Fonte: site da 4ª BIA no UOL

Brasília já nasceu decadente, apesar da cara de novidade. Há 45 anos ela é a sede do arcaísmo em forma de maquete modernista, o Politburo bossa-nova no meio do cerrado, a curiosa consagração do estilo arquitetônico que poderia ser batizado de futurismo retrô. A idéia era que a transferência da capital para o interior profundo fosse impulsionar o desenvolvimento do país, já que a população se apinhava no litoral. Tanto tempo depois, o centro-oeste realmente está mais desenvolvido – só que graças ao salto do agronegócio nos últimos 15 anos, movido por dinheiro e técnica investidos por produtores e pesquisadores oriundos do sudeste e do sul do Brasil. Ao mesmo tempo, a população continua amontoada nas grandes cidades, onde a informalidade e a violência dão as cartas das periferias; a parcela que vive em meios rurais caiu a menos de 20% dos habitantes. O Brasil profundo continua mal habitado, uma terra sem lei, na mão dos coronéis de paletó e gravata.

A capital poderia, então, ser transferida para São Paulo? Há algumas vantagens à primeira vista. Diminuiriam, por exemplo, as desculpas para não trabalhar só de terça a quinta, pois a maioria dos parlamentares estaria mais perto de suas bases eleitorais; e quem sabe a mística do trabalho desenfreado não os contaminasse um pouco. Mais importante, eles estariam à mercê constante de multidões. Como o presidente Lula, que não foi ao estádio de Brasília ver a seleção brasileira por medo de ser vaiado (o que fez muito bem a ela, que enfiou cinco gols no Chile), eles pensariam duas vezes antes de se expor. E não só no Morumbi, no Pacaembu, no Palestra Itália. Qualquer restaurante lotado seria uma câmara de apupos em potencial. Já pensou Severino Cavalcanti andando em direção ao bufê do Fogo de Chão ou na espera do Sujinho? Outro possível ganho seria para a cidade: bairros esquecidos no passado industrial como Mooca e Brás poderiam abrigar alguns ministérios ou o Congresso.

Haveria também a mera lição visual. Aqui os políticos conheceriam tanto a riqueza que ergue prédios sofisticados na Vila Olímpia e Brooklyn como a pobreza ilustrada por favelas nesses mesmos bairros e em tantos outros. Certo, talvez isso estimulasse seus dois lados ruins: eles estariam mais perto do dinheiro privado, que tanto gostam de achacar, em geral com prazer recíproco; e estariam mais perto da miséria humana, à qual tanto gostam de prometer, em geral com credulidade recíproca. Mas pelo menos eles não se sentiriam tão protegidos quanto se sentem na Las Vegas tropical, sob as marquises de concreto daquele cassino político. Teriam a vigilância maior de uma mídia – jornais, revistas, TVs, sites – cuja capital é cada vez mais São Paulo. O chato é que isso implicaria ver essa gente mais de perto, ocupando lugares do cidadão honesto nos restaurantes, cinemas e parques, aumentando o trânsito com carros oficiais, multiplicando os custos da burocracia local.

O maior problema, no entanto, seria outro. Com seu urbanismo feito para ser visto do avião, não vivenciado por gente normal e trabalhadora, o Distrito Federal continua a ser um encrave de políticos, amanuenses, lobistas e jornalistas, todos morando no que parece ser uma sucessão de condomínios, símbolos irônicos do loteamento do Estado pelos grupos de interesse. A cidade sem esquinas chocou críticos do porte de Kenneth Frampton (arquitetura) e Robert Hughes (arte) por sua tentativa de planejamento fundada na ilusão, por seu monumentalismo seco, cercado de cidades-satélites nada modernas. Ao contrário de Washington, D.C., a aridez se expande para a vida cultural, sem museus, bibliotecas, centros de pesquisa, etc. Por isso mesmo, Brasília é representativa. Paradoxo móvel entre o atraso e o sonho, representa melhor as contradições do Brasil do que qualquer outra cidade. E é muito mais fácil rir dela como um todo ao vê-la distante. Como piada, é perfeita. Alimenta com a mera existência a desconfiança saudável que o cidadão deveria ter dos políticos.


Catedral de Brasilia, por Ulrike WF


Daniel Piza
São Paulo, 10/4/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um coração de mãe de Cintia Moscovich
02. iAnta de Ricardo Freire
03. De fato e ficção de Daniel Piza
04. Traço superior do acontecimento de Daniel Piza
05. Morreu Vinicius de Moraes de Affonso Romano de Sant'Anna


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/4/2006
12h36min
Para ficar mais realista, o JFK tupiniquim poderia ter feito a reforma da capital no Rio, transferindo-a para a Barra - e haviam planos na época nesse sentido. Além do Rio ser a grande vitrine do Brasil, a cidade já agrega uma parte considerável dos orgãos federais. A transferência de capital, além de render frutos nas contas suiças dos deputados e empreiteiros, também acabou com o cartão postal brasileiro, que após anos de penúria econômica está retornando agora com o petróleo... Quanto à tara dos paulistas como sendo o centro do universo, e inclusive "capitar", só penso que os deputados passariam a usar o trânsito como desculpa para não comparecerem... E ficariam bem mais próximos das idéias criativas de Maluf, Palocci, etc... Desde a república do café que continuamente temos o domínio paulista/mineiro da política nacional. (E veja, você, agora até o petróleo é deles, com o remapeamento do litoral brasileiro, para transferir parte do que é hoje do Rio/ES para SP... Lula aí, ó!)
[Leia outros Comentários de Ram]
24/4/2006
22h26min
Comcordo cm Daniel Piza. Brasília parece monumental, mas se chegamos perto do Palácio do Planalto ele fica insignificante, a mesma coisa os outros palácios. Também o complexo de tatu que o Oscar Niemayer tem, tudo fica debaixo da terra, só o adorno fica acima da terra. Vejam a Catedral, o Teatro. E a maioria das pessoas que lá moram pesam que sabem mais e que são melhores que os habitantes das outras cidades. É a ilha da fantasia, não se sabe, verdadeiramente, o que se passa no Brasil.
[Leia outros Comentários de CleusaArantes]
8/5/2006
05h23min
Brasília é apenas o ponto de encontro: políticos com vida pregressa duvidosa, que são eleitos a qualquer custo; empresários em busca de "oportunidades"; lobistas; migrantes miseráveis que, derrotados em sua terra natal, buscam uma chance de "vencer na vida"... A lista é grande, mas a cidade e sua população não devem ser culpadas por todos esses infortúnios, precisamos, apenas, que o povo brasileiro aprenda a escolher melhor seu representante.
[Leia outros Comentários de carlos fonseca]
23/5/2006
12h15min
Generalização e preconceito, os males do texto são. Apenas São Paulo pode nos salvar da praga da corrupção, como se de São Paulo não tivesse saído alguns dos melhores "quadros" corruptores. Ah, São Paulo também foi decisivo na eleição de Collor de Mello. E não há jornais nem vida inteligente fora de São Paulo? A propósito, sou paulista, paulistano, e gosto incondicionalmente da terra onde nasci. Mas não sou bairrista-quase-xenófobo, nem consigo aceitar essa visão, digamos, etnocêntrica. E um PS: morei em Brasília durante alguns meses, e não considero um lugar ruim para viver, pelo contrário.
[Leia outros Comentários de Vitor Nuzzi]
23/5/2006
12h27min
Escrevi esse texto a pedido de uma revista que queria um exercício de imaginação caso a capital fosse transferida de Brasília para São Paulo. É uma brincadeira, não uma defesa. Claro que a distância e o urbanismo do Distrito Federal favorecem a politicaiada... Mas São Paulo tem outros e muitos defeitos.
[Leia outros Comentários de Daniel Piza]
24/5/2006
15h03min
Caro Daniel, obrigado pelos esclarecimentos. Um abraço, Vitor
[Leia outros Comentários de Vitor]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INVENTA
RUBINHO DO VALE
JARDIM PRODUÇOES ARTISCAS
(2014)
R$ 6,90



CARTAS CONFERÊNCIAS E OUTROS ESCRITOS: OS PENSADORES
HENRI BERGSON
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 26,00



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
EDIOURO
(1863)
R$ 7,90



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
ESCALA EDUCACIONAL
(2006)
R$ 11,02



FUTBOLISTAS DE LEYENDA
KATHARINE SCOTT RIPELL (REVISON EDITORIAL)
ALTEASANTILANHA
(1996)
R$ 15,82



FINDING KEEPERS - 4206
STEVE POGORZELSKI E OUTROS
BOOKMAN
(2011)
R$ 12,00



A ARTE DE CORRER NA CHUVA
GARTH STEIN
EDIOURO
(2008)
R$ 13,00



CONCEITOS DE BIOLOGIA 2
AMABIS E MARTHO
MODERNA
(2002)
R$ 5,00



EVOLUÇÃO UNIVERSO PARALELOS
JULIO GOELZER
ÔNIX
(2011)
R$ 80,00



CIDADE DE EXILIO - 1ªEDIÇÃO
LIDIA BESOUCHET (DEDICATÓRIA)
JOSÉ OLYMPIO
(1961)
R$ 15,28





busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês