André Mehmari, um perfil | Daniel Piza

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
Mais Recentes
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Our Man in Panama de John Dinges pela Random House (1990)
>>> Os Princípios da Competição Empresarial de Luís Paulo Luppa; Johnny Duarte pela Landscape
>>> O Supermanager de Robert Heller pela Mcgraw - Hill (1987)
>>> Limites sem Trauma de Tania Zagury pela Record (2008)
>>> Iracema de José de Alencar pela Travessias (1984)
>>> Rachel de Queiroz - o Quinze de Rachel de Queiroz pela Jose Olympio (2010)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ciranda Cultural
>>> Iracema / Senhora - 2 Romances pelo Preço de 1 de José de Alencar pela Scipione (1994)
ENSAIOS

Segunda-feira, 20/11/2006
André Mehmari, um perfil
Daniel Piza

+ de 9300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


André Mehmari em clique de Gal Oppido

Faz quatro anos que André Mehmari se mudou para uma casa na Serra da Cantareira, num condomínio a 45 minutos do centro de São Paulo, em busca de silêncio para sua música. Já não dava para encontrar pausas nos ruídos de aviões e bares que cercavam seu apartamento em Moema. No trabalho de compor, arranjar e gravar melodias e harmonias, era cada vez mais difícil obter texturas, cuidar de minúcias, tocar várias vezes uma peça ou canção até encontrar suas sutilezas fundamentais. Era, em outras palavras, cada vez mais difícil para André Mehmari ser André Mehmari.

Não à toa, nestes últimos anos o músico nascido em 1977 em Niterói (RJ), onde ficou 6 meses antes de ser criado e educado em Ribeirão Preto (SP), conquistou independência em todos os sentidos. Sua agenda é a melhor tradução: no último fim de semana do mês passado ele e seu trio participaram do Tim Festival (sábado no Rio, na Marina da Glória; domingo em São Paulo, no Auditório do Ibirapuera) e neste mês ele teve uma série de eventos, como o lançamento do DVD com Ná Ozzetti e a estréia de composições para a Banda Sinfônica (o balé Atmosferas, com a companhia Cisne Negro), para o trio Opus Brasil (intituladas Choro Breve e Variações Villa-Lobos, sobre o tema da "Bachianas nº 7") e para a Orquestra de Câmara do Amazonas (Shostakovichiana).

Mehmari não veio para essa casa em busca de isolamento, pelo menos não no sentido romântico. Em estilo colonial ou “fazenda”, comprada do arquiteto que a construiu, ela tem pé direito alto, paredes de pedras e tijolos, vigas e forros de madeira – e esse conjunto de características significa uma excelente acústica. “É limpa e não é muito reverberante”, define Mehmari, apontando a seguir a ausência de paralelismos no ambiente, recortado por cômodos e um mezanino. No centro de tudo está o piano de cauda japonês, K. Kawai, o melhor que pôde comprar. Mehmari, que não esquece a sensação da primeira vez em que tocou no Steinway do Cultura Artística, em São Paulo, acha que faltam bons pianos nos teatros brasileiros e diz que boas acústicas, como a do Teatro São Pedro de Porto Alegre, também são raras.

Foi no Cultura Artística que Mehmari começou a ser conhecido em 1998, quando conquistou o prêmio Visa Eldorado sem nem ter completado 21 anos. No ano seguinte faria seu primeiro CD, Canto. Mas a relação dele com a música datava de muito tempo. Desde os 8 anos, quando decidiu estudar órgão eletrônico, instrumento então na moda, ele tocava todos os dias, muitas vezes ao lado da mãe, a acordeonista e cantora Cacilda Mehmari. Logo aprendeu outros instrumentos: piano, violão, viola, violino, flauta, clarinete – todos espalhados pelos ambientes da casa. Graças ao pai, comerciante de ferro, ganhou um estúdio só para seu aprendizado.

O menino prodígio, no entanto, nunca gostou muito do aspecto “atlético” da técnica – das extensas aulas, dos exercícios de escala, das repetições robóticas. Introspectivo, estudava sozinho e, aos 13 anos, chegou a criar um método pessoal para estudar piano a partir de peças de Béla Bartók. Na mesma idade, teve seu “estalo” – ao ouvir estalar o disco de vinil de Duke Ellington com Ella Fitzgerald. Mehmari, que até hoje conserva LPs de jazz, descobriu no gênero o que mais lhe interessa até hoje: o improviso. A combinação de espontaneidade com sofisticação o capturou. “Como uma esponja”, ele seguia tocando e ouvindo de tudo, mas agora com outro espírito. Também começou a compor; não tardou para que somasse 300 fitas K7 com obras suas.

Mesmo quando chegou à universidade, a USP, depois de se mudar para a capital, Mehmari não se interessou muito pela disciplina tradicional. Passava a maior parte do tempo na biblioteca consultando e emprestando partituras e gravações que examinava madrugada adentro na edícula onde morava na casa de parentes no bairro de Pinheiros. Pouco a pouco dominou o repertório de seus mestres eleitos: pianistas de jazz como Bill Evans e Keith Jarrett, mas também de música erudita como Maurizio Pollini e Alfred Brendel. Brahms se tornou seu ídolo maior – até o panteão ser dividido com Stravinsky – pelo retorno a Bach, ao nascimento do contraponto, à textura polifônica.

O compositor é que guiava o estudante: “As idéias musicais me pediam técnicas.” Ele reconhece ainda ter “lacunas” na formação técnica, mas não por acaso abre sorriso quando ouve falar da cena do documentário Nelson Freire, de João Moreira Salles, em que o grande pianista brasileiro “ídolo de todos nós” assiste a um vídeo do jazzista Erroll Garner tocando com um prazer que Freire diz invejar. “Sem espontaneidade, não acontece”, resume Mehmari. “Eu me divirto com rigor.” O rigor, o cuidado, o “polimento” – como nas numerosas caixinhas que coleciona em sua casa – vêm dos pianistas eruditos. Copiar Rubinstein executando as Baladas, opus 10 de Brahms foi a melhor universidade.

A MPB não era menos importante. Sua mãe, além de ter a voz parecida com a de Elis Regina, desde cedo o acostumara a ouvir Cartola, Tom Jobim, Chico Buarque (que considera subestimado como músico, em favor do letrista), Milton Nascimento, Edu Lobo – e seus primeiros duos de piano e voz foram com dona Cacilda. Cedo também descobriu Egberto Gismonti. Nos bares em que tocava na adolescência, como o Café com Jazz, em Ribeirão Preto, o repertório reunia Cole Porter, Gershwin e Ellington com MPB, o que se repetiria em São Paulo, na big band de Roberto Sion. Depois vieram as apresentações com Mônica Salmaso em bares como o extinto Supremo – do qual sente falta, devido à carência de lugares na cidade onde se possa tocar sem precisar disputar a atenção com barulhos de copos e risos. Tímido e convencional na aparência, Mehmari é o contrário do artista que faz “tipo”.

Em seguida, conheceu e trabalhou com maestros como Tuti Moreno e Gil Jardim, ganhou o Visa – mas ainda faltava algum tempo para atingir notas mais altas. Nesse período se sustentou fazendo trilhas de filmes publicitários, das quais cita a de um comercial do carro Mercedes Classe A. Ficou cada vez melhor nos arranjos, recusando sempre o excesso de “grooves”, de distorções eletrônicas que já estavam em voga. A partir de 2003, as coisas começaram a mudar. Mehmari gravou o belo CD Lachrimae, lançado no ano seguinte com distribuição pequena (Cavi Records), e colheu elogios dos entendidos. Ali já se encontra seu gosto pelo que chama de “arqueologia” da canção brasileira: ele escava artefatos de Caymmi, Jobim, Nelson Cavaquinho ou mesmo de compositores ativos como Guinga – e ele mesmo, autor de metade das 14 faixas do disco.

Em 2004 gravou seu terceiro disco autoral, Piano e Voz, com Ná Ozzetti, lançado no ano passado pela MCD, com bom retorno de crítica e público. As versões de "O Ciúme", de Caetano Veloso, "Rosa", de Pixinguinha, e "Felicidade", de Lupicínio Rodrigues, são achados reveladores e se casam muito bem com canções atuais, como sua própria "Eternamente", parceria com Rita Altério. O CD traz também releitura de "Because", de Lennon e McCartney – e os Beatles, por sinal, foram tema de outro CD seu, um dos projetos especiais que tem realizado.

Na apresentação do Tim Festival, o repertório seguiu essa linha, de “um tempo em que a MPB era realmente popular”, com Nelson Cavaquinho, Milton e Jobim. Tocou também três de sua autoria: "Eternamente", "Lachrimae" e "Veredas". (Este último título ecoa um de seus escritores prediletos, Guimarães Rosa; Mehmari leu Grande Sertão três vezes e batizou seu gato de Miguilim.) Diz que gosta de olhar para estilos como choro, valsinha e samba “não como objeto de museu”. Busca a origem de alguns no passado europeu justamente para acentuar, como Gismonti, os caminhos locais. Não sente a tradição “como peso”; à maneira de Stravinsky a respeito de sua Pulcinella cubista, declara ter “amor e não respeito” pela canção brasileira.

Ele também afirma que às vezes uma canção conhecida, um “standard”, é o que permite – como também demonstra Brad Mehldau, pianista de jazz de 36 anos que Mehmari admira por sua “inteligência” – levar a melodia para uma alta abstração, ainda que sem se afastar de sua essência, sem se entregar ao improviso narcisista. “Vou ao ponto zero da canção”, arremata. E isso pode ser que signifique recorrer a uma citação de Purcell no baixo de "Eu te Amo", de Buarque. Ou pensar em Beethoven diante dos “átomos musicais” de Caymmi.

Mas o cancionista não tomou lugar do jazzista e do erudito; todos convivem em Mehmari. Ele conta que as encomendas que têm recebido para grupos de câmara e orquestras – como a suíte apresentada no Festival de Inverno de Campos do Jordão e o quinteto para piano feito para o Quarteto de Cordas da cidade – são responsáveis por sua autonomia financeira. Admirador de Berio e Ligeti, mortos recentemente, Mehmari não vê fronteiras fechadas no condomínio da música. “Música não é apenas som, como pensam”, diz. “O som é o veículo dela. Música é distribuir o som no tempo. É parar o tempo.” Aqui em seu estúdio Monteverdi, na casa da Cantareira, ao lado do piano que contém “200 anos de informação musical”, ele pára.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição de 25 de outubro do "Caderno2", d'O Estado de S. Paulo.


Daniel Piza
São Paulo, 20/11/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sexo virtual de Lélia Almeida
02. Vida e morte do Correio da Manhã de Ruy Castro
03. A Brasilianização do Mundo de Giuliano da Empoli
04. Lugar de mulher é... de Rita Lee
05. S.O.S. literatura no Brasil de A.P. Quartim de Moraes


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/12/2006
22h32min
Daniel Piza, da Continente... Gosto de seus textos, são sempre bem-vindos. Abraço.
[Leia outros Comentários de marília monteiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Operação Zibelina
Isis Muller Salgado Serra
Nova Razão Cultural
(2008)



Piadas para Morrer de Rir
Paiva e Sueli
Gênero



Política e Poder Nacional
José Luiz Bittencourt
Oriente
(1976)



Faca na Garganta
Hermes Leal
Geração
(2006)



Pontos para o Gordo !
Dr. Alfredo Halpern
Record
(2000)



Writing Southern History: Essays in Historiography in Honor Of
Arthur Link, Rembert W. Patrick
Louisiana State University Pr
(1967)



Índice de Biobibliografia Brasileira
Instituto Nacional do Livro
Inl; Mec (rj)
(1963)



Ex Libis Eroticis
Massimo Rotundo
Lpm
(1997)



Kilimanjaro
Gustavo Ziller
7cumes



Mestres as Artes Claude Monet
Mike Venezia
Moderna
(2004)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês