André Mehmari, um perfil | Daniel Piza

busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
Mais Recentes
>>> A Guerra da Identidade: ensaios latino-americanos de George de Cerqueira Leite Zarur pela Verbena (2014)
>>> Os Criminosos Vieram Para o Chá de Stella Carr pela FTD (2001)
>>> Sujo! Corrupção no Brasil (entrevista Com Filha de Acusado) de Júlio Emílio Braz pela Ed. FTD (1995)
>>> O Natal de Poirot de Agatha Christie pela Pocket Ouro (2011)
>>> Cai o Pano de Agatha Christie pela Pocket Ouro (2009)
>>> Pedagogia do Bom Senso - Psicologia e Pedagogia de C. Freinet pela Martins Fontes (1991)
>>> Um Conto de Fim de Mundo: Prostituição Infantil de Júlio Emílio Braz pela Ed. FTD (1995)
>>> Pedro Pedra (Transa-livre) de Gustavo Bernardo pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1991)
>>> Terceirização em áreas protegidas de Benita M. M. Mueller Rocktaeschel pela Senac (2006)
>>> Pedro Pedra (Transa-livre) de Gustavo Bernardo pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1992)
>>> Introdução à Psicologia da Criança - 1966 de Paul Osterrieth pela Nacional (1966)
>>> Código do Consumidor na Teoria e na Prática:Comentários...Prática... de Geraldo Magela Alves pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Coisa Minha - Lembranças de uma Vida Intensamente Vivida de Hélio Arêas (Autografado) pela 3i/ Belo Hte. (2015)
>>> A Inversão do Ônus da Prova de Sandra Aparecida Sá dos Santos pela Revista dos Tribunais (2006)
>>> A Cura Psíquica na Formação - Inicial e Permanente de Pe. Alírio José Pedrini pela Loyola (1988)
>>> Dinâmica do folclore de Edison Carneiro pela Civilização brasileira (1965)
>>> A Amiga do Diabo (Série Negra) de Peter Robinson pela Record/ RJ. (2010)
>>> A Amiga do Diabo (Série Negra) de Peter Robinson pela Record/ RJ. (2010)
>>> Estudo Independente O teste 2 de Joelle Charbonneau pela Gente (2014)
>>> Estudo Independente O teste 2 de Joelle Charbonneau pela Gente (2014)
>>> Mistério À Americana - Edição da Série De Otto Penzler de Donald E. Westlake : Organização e Prefácio pela Record/ RJ. (2002)
>>> Mistério À Americana - Edição da Série De Otto Penzler de Dnald E. Westlake : Organização e Prefácio pela Record/ RJ. (2002)
>>> Dívida de Sangue de Michael Connelly (Série Negra) pela Record/ RJ. (2011)
>>> Dívida de Sangue de Michael Connelly (Série Negra) pela Record/ RJ. (2011)
>>> O servo dos ossos de Anne Rice pela Rocco (1998)
>>> Sangue e ouro As crônicas vampirescas de Anne Rice pela Rocco (2002)
>>> Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário de Edmar Oliveira Andrade Filho pela Mp (2007)
>>> Código de Defesa do Consumidor- Aspectos Relevantes:... de Luís Fernando Nigro Corrêa/ Osíres Leite Corrêa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Ambiental e Transgênicos: Princípios Fundamentais da ... de João Carlos de Carvalho Rocha pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> O Gerente Noturno de John Le Carré pela Record/ RJ. (1994)
>>> Um Golpe Quase Perfeito de Lawrence Sanders pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> A Cabala - Tradição Secreta do Ocidente - Com quadros e ilustrações de Papus pela Pensamento (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saint Seiya - Vol 17 de Masami Kurumada pela Jbc (2012)
>>> As Artes Adivinhatórias - Grafologia - Quiromancia - Morfologia de Papus pela Ciências Ocultas (1989)
>>> No Caminho da Evolução - pelo Espírito Simone de Aparecida D. Talhari pela João Batista (2010)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Uma Carta de Amor de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> À primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> O melhor de mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Negro e Amargo Blues de James Lee Burke pela Record/ RJ. (1998)
>>> Marcas de Nascença de Sarah Dunant pela Record/ RJ. (1998)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Mistério À Americana- 2: Uma Antologia dos Melhores contos Norte-americanos de Mistério... de Lawrence Block (Editor Convidado/ Vários autores) pela Record/ RJ. (2003)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Camaradas de Miami de José Latour pela Record/ RJ. (2007)
>>> Manual de Sobrevivência Em Recepções Com e Coquetéis Com Bufê Escasso de Angelo Machado/ Ilustrações: Lor pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1998)
ENSAIOS

Segunda-feira, 20/11/2006
André Mehmari, um perfil
Daniel Piza

+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


André Mehmari em clique de Gal Oppido

Faz quatro anos que André Mehmari se mudou para uma casa na Serra da Cantareira, num condomínio a 45 minutos do centro de São Paulo, em busca de silêncio para sua música. Já não dava para encontrar pausas nos ruídos de aviões e bares que cercavam seu apartamento em Moema. No trabalho de compor, arranjar e gravar melodias e harmonias, era cada vez mais difícil obter texturas, cuidar de minúcias, tocar várias vezes uma peça ou canção até encontrar suas sutilezas fundamentais. Era, em outras palavras, cada vez mais difícil para André Mehmari ser André Mehmari.

Não à toa, nestes últimos anos o músico nascido em 1977 em Niterói (RJ), onde ficou 6 meses antes de ser criado e educado em Ribeirão Preto (SP), conquistou independência em todos os sentidos. Sua agenda é a melhor tradução: no último fim de semana do mês passado ele e seu trio participaram do Tim Festival (sábado no Rio, na Marina da Glória; domingo em São Paulo, no Auditório do Ibirapuera) e neste mês ele teve uma série de eventos, como o lançamento do DVD com Ná Ozzetti e a estréia de composições para a Banda Sinfônica (o balé Atmosferas, com a companhia Cisne Negro), para o trio Opus Brasil (intituladas Choro Breve e Variações Villa-Lobos, sobre o tema da "Bachianas nº 7") e para a Orquestra de Câmara do Amazonas (Shostakovichiana).

Mehmari não veio para essa casa em busca de isolamento, pelo menos não no sentido romântico. Em estilo colonial ou “fazenda”, comprada do arquiteto que a construiu, ela tem pé direito alto, paredes de pedras e tijolos, vigas e forros de madeira – e esse conjunto de características significa uma excelente acústica. “É limpa e não é muito reverberante”, define Mehmari, apontando a seguir a ausência de paralelismos no ambiente, recortado por cômodos e um mezanino. No centro de tudo está o piano de cauda japonês, K. Kawai, o melhor que pôde comprar. Mehmari, que não esquece a sensação da primeira vez em que tocou no Steinway do Cultura Artística, em São Paulo, acha que faltam bons pianos nos teatros brasileiros e diz que boas acústicas, como a do Teatro São Pedro de Porto Alegre, também são raras.

Foi no Cultura Artística que Mehmari começou a ser conhecido em 1998, quando conquistou o prêmio Visa Eldorado sem nem ter completado 21 anos. No ano seguinte faria seu primeiro CD, Canto. Mas a relação dele com a música datava de muito tempo. Desde os 8 anos, quando decidiu estudar órgão eletrônico, instrumento então na moda, ele tocava todos os dias, muitas vezes ao lado da mãe, a acordeonista e cantora Cacilda Mehmari. Logo aprendeu outros instrumentos: piano, violão, viola, violino, flauta, clarinete – todos espalhados pelos ambientes da casa. Graças ao pai, comerciante de ferro, ganhou um estúdio só para seu aprendizado.

O menino prodígio, no entanto, nunca gostou muito do aspecto “atlético” da técnica – das extensas aulas, dos exercícios de escala, das repetições robóticas. Introspectivo, estudava sozinho e, aos 13 anos, chegou a criar um método pessoal para estudar piano a partir de peças de Béla Bartók. Na mesma idade, teve seu “estalo” – ao ouvir estalar o disco de vinil de Duke Ellington com Ella Fitzgerald. Mehmari, que até hoje conserva LPs de jazz, descobriu no gênero o que mais lhe interessa até hoje: o improviso. A combinação de espontaneidade com sofisticação o capturou. “Como uma esponja”, ele seguia tocando e ouvindo de tudo, mas agora com outro espírito. Também começou a compor; não tardou para que somasse 300 fitas K7 com obras suas.

Mesmo quando chegou à universidade, a USP, depois de se mudar para a capital, Mehmari não se interessou muito pela disciplina tradicional. Passava a maior parte do tempo na biblioteca consultando e emprestando partituras e gravações que examinava madrugada adentro na edícula onde morava na casa de parentes no bairro de Pinheiros. Pouco a pouco dominou o repertório de seus mestres eleitos: pianistas de jazz como Bill Evans e Keith Jarrett, mas também de música erudita como Maurizio Pollini e Alfred Brendel. Brahms se tornou seu ídolo maior – até o panteão ser dividido com Stravinsky – pelo retorno a Bach, ao nascimento do contraponto, à textura polifônica.

O compositor é que guiava o estudante: “As idéias musicais me pediam técnicas.” Ele reconhece ainda ter “lacunas” na formação técnica, mas não por acaso abre sorriso quando ouve falar da cena do documentário Nelson Freire, de João Moreira Salles, em que o grande pianista brasileiro “ídolo de todos nós” assiste a um vídeo do jazzista Erroll Garner tocando com um prazer que Freire diz invejar. “Sem espontaneidade, não acontece”, resume Mehmari. “Eu me divirto com rigor.” O rigor, o cuidado, o “polimento” – como nas numerosas caixinhas que coleciona em sua casa – vêm dos pianistas eruditos. Copiar Rubinstein executando as Baladas, opus 10 de Brahms foi a melhor universidade.

A MPB não era menos importante. Sua mãe, além de ter a voz parecida com a de Elis Regina, desde cedo o acostumara a ouvir Cartola, Tom Jobim, Chico Buarque (que considera subestimado como músico, em favor do letrista), Milton Nascimento, Edu Lobo – e seus primeiros duos de piano e voz foram com dona Cacilda. Cedo também descobriu Egberto Gismonti. Nos bares em que tocava na adolescência, como o Café com Jazz, em Ribeirão Preto, o repertório reunia Cole Porter, Gershwin e Ellington com MPB, o que se repetiria em São Paulo, na big band de Roberto Sion. Depois vieram as apresentações com Mônica Salmaso em bares como o extinto Supremo – do qual sente falta, devido à carência de lugares na cidade onde se possa tocar sem precisar disputar a atenção com barulhos de copos e risos. Tímido e convencional na aparência, Mehmari é o contrário do artista que faz “tipo”.

Em seguida, conheceu e trabalhou com maestros como Tuti Moreno e Gil Jardim, ganhou o Visa – mas ainda faltava algum tempo para atingir notas mais altas. Nesse período se sustentou fazendo trilhas de filmes publicitários, das quais cita a de um comercial do carro Mercedes Classe A. Ficou cada vez melhor nos arranjos, recusando sempre o excesso de “grooves”, de distorções eletrônicas que já estavam em voga. A partir de 2003, as coisas começaram a mudar. Mehmari gravou o belo CD Lachrimae, lançado no ano seguinte com distribuição pequena (Cavi Records), e colheu elogios dos entendidos. Ali já se encontra seu gosto pelo que chama de “arqueologia” da canção brasileira: ele escava artefatos de Caymmi, Jobim, Nelson Cavaquinho ou mesmo de compositores ativos como Guinga – e ele mesmo, autor de metade das 14 faixas do disco.

Em 2004 gravou seu terceiro disco autoral, Piano e Voz, com Ná Ozzetti, lançado no ano passado pela MCD, com bom retorno de crítica e público. As versões de "O Ciúme", de Caetano Veloso, "Rosa", de Pixinguinha, e "Felicidade", de Lupicínio Rodrigues, são achados reveladores e se casam muito bem com canções atuais, como sua própria "Eternamente", parceria com Rita Altério. O CD traz também releitura de "Because", de Lennon e McCartney – e os Beatles, por sinal, foram tema de outro CD seu, um dos projetos especiais que tem realizado.

Na apresentação do Tim Festival, o repertório seguiu essa linha, de “um tempo em que a MPB era realmente popular”, com Nelson Cavaquinho, Milton e Jobim. Tocou também três de sua autoria: "Eternamente", "Lachrimae" e "Veredas". (Este último título ecoa um de seus escritores prediletos, Guimarães Rosa; Mehmari leu Grande Sertão três vezes e batizou seu gato de Miguilim.) Diz que gosta de olhar para estilos como choro, valsinha e samba “não como objeto de museu”. Busca a origem de alguns no passado europeu justamente para acentuar, como Gismonti, os caminhos locais. Não sente a tradição “como peso”; à maneira de Stravinsky a respeito de sua Pulcinella cubista, declara ter “amor e não respeito” pela canção brasileira.

Ele também afirma que às vezes uma canção conhecida, um “standard”, é o que permite – como também demonstra Brad Mehldau, pianista de jazz de 36 anos que Mehmari admira por sua “inteligência” – levar a melodia para uma alta abstração, ainda que sem se afastar de sua essência, sem se entregar ao improviso narcisista. “Vou ao ponto zero da canção”, arremata. E isso pode ser que signifique recorrer a uma citação de Purcell no baixo de "Eu te Amo", de Buarque. Ou pensar em Beethoven diante dos “átomos musicais” de Caymmi.

Mas o cancionista não tomou lugar do jazzista e do erudito; todos convivem em Mehmari. Ele conta que as encomendas que têm recebido para grupos de câmara e orquestras – como a suíte apresentada no Festival de Inverno de Campos do Jordão e o quinteto para piano feito para o Quarteto de Cordas da cidade – são responsáveis por sua autonomia financeira. Admirador de Berio e Ligeti, mortos recentemente, Mehmari não vê fronteiras fechadas no condomínio da música. “Música não é apenas som, como pensam”, diz. “O som é o veículo dela. Música é distribuir o som no tempo. É parar o tempo.” Aqui em seu estúdio Monteverdi, na casa da Cantareira, ao lado do piano que contém “200 anos de informação musical”, ele pára.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição de 25 de outubro do "Caderno2", d'O Estado de S. Paulo.


Daniel Piza
São Paulo, 20/11/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arte da crítica de Vera Lins


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/12/2006
22h32min
Daniel Piza, da Continente... Gosto de seus textos, são sempre bem-vindos. Abraço.
[Leia outros Comentários de marília monteiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O EPISÓDIO DE CANUDOS - EUCLIDES DA CUNHA
LUÍS VIANA FILHO / GROVER CHAPMAN
SALAMANDRA RIO DE JANEIRO
(1978)
R$ 20,00



OTIMIZAÇÃO NA RECUPERAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS - VOLUME 1
JOSE ROBERTO ROMEU ROQUE (ORG.)
IBEGI
(2012)
R$ 19,00



SUBSÍDIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO GUIA CURRICULAR...
N/D
IMPRENSA OFICIAL
(1979)
R$ 4,00



VOCÊ PODE CURAR A SI MESMO
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(2005)
R$ 8,90



A PRINCESA QUE ENGANOU A MORTE E OUTROS CONTOS
SONIA SALERNO FORJAZ
DELEITURA
(2009)
R$ 6,00



O GRANDE LIVRO DO SIM
DANIELA LEVY
BBD
(2015)
R$ 34,80



SÍMBOLOS LITÚRGICOS
ALBERTO BECKHAUSER
VOZES
(2010)
R$ 10,00



O MANUAL DO ACUMULADOR DE ORGÔNIO
JAMES DEMEO, PH. D.
IMAGO
(1995)
R$ 269,90



MODERNA SÁTIRA BRASILEIRA - 7912
MALCOLM SILVERMAN
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 10,00



PLT PROGRAMA DO LIVRO- TEXTO PRÁTICA DE LABORATÓRIO PARA ENGENHARIA
PLT
ED. ÁTOMO
(2007)
R$ 20,00





busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês