A pequena arte do grande ensaio | Daniel Piza

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Do Sonho às Coisas de J. C. Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> A Turma do Pererê: O Mais Brasileiro de Ziraldo Alves Pinto pela Nova Didática (2000)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Tercero de G. Gurdjieff pela Hachette (1984)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Segundo de G. Gurdjieff pela Hachette (1985)
>>> Curso de desenho e pintura - A arte de ver: luz e movimento de Varios pela Globo (1996)
>>> Uma obsessão indecente de Coleen McCullough pela Difel (1981)
>>> O Canto Da Praça de Ana María Machado pela Atica (2002)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Pé Da Letra (2018)
>>> O flautista De Hamelin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2014)
>>> Mahamudra Tantra de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2006)
>>> Sherlock Holmes As Aventuras de Sherlock Holmes 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Não é caso para rir de Joseph Heller & Speed Vogel pela Rocco (1987)
>>> Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (2003)
>>> Curso de desenho e pintura - Aquarela: Impacto da cor de Varios pela Globo (1996)
>>> Histórias à Brasileira 2 586 de Ana Maria Machado pela Companhia das Letrinhas (2020)
>>> As Mentiras Que Os Homens Contam de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2000)
>>> O moleiro e seus amigos de Eliane silva pela Prazer de Ler (2012)
>>> Sintaxe Da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes (2015)
>>> Pragas e epidemias histórias de doenças infecciosas 586 de Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. pela Folium (2006)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira O Grande Amigo de Deus de Taylor Caldwell pela Circulo do Livro (2023)
>>> As Flores Do Mar de André Moura, Eduardo Bordoni E Fábio Muniz pela Nova Didática (2002)
>>> Para Sempre 586 de Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Sherlock Holmes O Signo Dos Quatro 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2020)
>>> O zollógico em festa de Evan bessa pela Imeph (2009)
>>> A Voz do Monte de Richard Simonetti pela Feb (2010)
ENSAIOS

Segunda-feira, 15/4/2002
A pequena arte do grande ensaio
Daniel Piza
+ de 11000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O ensaio, como o próprio nome indica, é uma arte "menor" no sentido de que não tem a pretensão da completude, da transcendência, nem mesmo da panorâmica. No entanto, é um gênero "maior", porque a história da civilização está intensamente ligada ao seu surgimento e amadurecimento. Tanto quanto a perspectiva naturalista do renascimento, a ciência baseada no empirismo ou a polifonia musical, o ensaio marca a virada para a era moderna, para a era em que o homem não só vê a relatividade das coisas, mas vê também que é só ele quem relativiza – que o conhecimento não se encaixa num sistema elaborado pelo homem, pois há muitas coisas maiores do que o homem.

Assim, o ensaio pode parecer ao mesmo tempo um ato de arrogância e um ato de humildade, como toda grande criação artificial. Se pensamos no pai de todos os ensaístas, Michel de Montaigne, podemos ter ambas as reações: eis um homem em seu castelo, enfileirando latinismos, se julgando no direito de dar opinião sobre todos os aspectos da existência humana e social; mas eis também o homem que desmontou as pretensões definidoras e totalizadoras da mente humana, as ilusões finalistas, que apresenta suas reflexões para o leitor em um estado laboratorial, experimental, como se literalmente "ensaiasse" respostas, desprendido de métodos restritos a eleitos. Com Montaigne, o leigo se vê livre para pensar, sem a mediação dos "iluminados".

O que o jornalismo precisa, em especial o jornalismo cultural, mais especialmente ainda o jornalismo literário, é de um retorno a essas origens. Sim, porque, sabendo ou não, cada resenhistazinho de música pop é um filho de Montaigne, um herdeiro do Iluminismo, um tributário de gerações seguidas de ensaísmo brilhante. A crítica cultural nasceu da revolução literária que foi o ensaio. De Montaigne a Robert Hughes, o excelente crítico de arte australiano radicado nos EUA, todo um time de pensadores que na Idade Média estariam criando doutrinas platônicas ou aristotélicas se dedicou ao ensaio, ao texto que tanto confessa sua subjetividade como busca olhar da forma mais desarmada possível para a realidade. A crítica musical de Berlioz ou a crítica de arte de Ruskin são filhas do ensaio renascentista; o jornalismo de Samuel Johnson e William Hazlitt, idem. Mas vou poupá-los de mais exemplos.

O jornalismo cultural contemporâneo parece cada vez mais alheio, ingrato, a essas origens. De um lado, ele se especializou demais; se entupiu de jargões; se deixou seduzir pelas pretensões cientificistas da academia. De outro lado, se reduziu a um comentário binário, do eu gosto/eu não gosto, impressionista demais, ou então uma voz tribal, de gueto, como se vê tanto na música pop – mas se vê também na resenha de livro nos suplementos de fim de semana, em que o objeto é resumido e depois recebe nota qualificadora, sem passagem pela fundamentação, pelo convencimento, pela perspectiva. O jornalismo cultural virou uma espécie de júri de escola de samba.

E para variar os extremos se tocam: o acadêmico que escreve apenas para seus colegas de departamento e o repórter do caderno de variedades que desconhece tudo que é anterior ao seu nascimento são faces da mesma moeda barata – a da submissão à fogueira de vaidades, à fábrica de modismos, às fórmulas pré-estabelecidas. Ou seja, há um afastamento amazônico em relação ao que o ensaio teve de mais transformador: o espírito que é ao mesmo tempo aberto e seletivo, com boa vontade e senso crítico trabalhando simultaneamente. O ensaio nasce precisamente do ceticismo, da dúvida diante do que é apresentado como novo, justamente com a função de detectar aquela novidade que tem poder de permanência, ao menos de pertinência geracional. Você lê hoje uma resenha dessas e não sabe se aquilo que está sendo elogiado tem o fôlego de uma semana ou um século.

Travestido de humilde, esse jornalismo de critérios frouxos cria, no Brasil, um problema adicional: reforça a ideologia da acomodação, a espantosa falta de exigência do cidadão brasileiro. É por isso que é muito difícil traçar linhas de continuidade no jornalismo cultural brasileiro. Para ficar num só exemplo, aquela forma que Otto Maria Carpeaux praticou como ninguém – o ensaio curto e culto, que informa ao mesmo tempo que provoca o pensamento do leitor – hoje parece impraticável na imprensa brasileira, na grande como na pequena, na de massa como na acadêmica.

Recuperar a origem ensaística da crítica cultural na grande imprensa nacional, claro, não é defender um tom professoral, enciclopédico, passado em roupagem erudita para o ignaro público. A realidade é outra hoje. A linguagem tem de ser ainda mais ágil, clara, coloquial, sedutora – tem de ter ginga jornalística, tem de fugir do formato convencional. Acredito, talvez solitariamente, que é possível criar uma linguagem assim e ainda manter uma densidade, uma capacidade de descrever conexões mais sutis e irônicas entre as coisas, de perturbar o senso comum, de dizer muito com pouco sem ser obscuro. E acredito que essa seja uma das formas mais eficientes, na comunicação escrita moderna, de enriquecer literariamente o jornalismo.

Quando se discute a relação entre jornalismo e literatura, por sinal, normalmente se trata – e se reclama – do espaço dedicado aos livros na imprensa ou à publicação de contos e poemas pelos jornais de grande circulação. Mas não se pode esperar que os grandes jornais diários modernos dediquem espaço para o folhetim, como nos tempos de Balzac, ou para contos extensos, como nas revistas culturais. O caminho mais esquecido para a literatura se intrometer na bateria de notícias atuais é essa convivência com certa densidade ensaística, essa convocação ao leitor inteligente, o qual, ao contrário do que dizem os boatos, existe sim.

O jornal ainda é um meio privilegiadíssimo para familiarizar o leitor com o debate de idéias e a riqueza das palavras. Toda vez em que isso ocorre, a origem ensaística do jornalismo reaparece, o fantasma de Montaigne deixa seu castelo e vem despertar as praças. Uma pequena crônica de Luis Fernando Verissimo ou Carlos Heitor Cony pode ser um ensaio breve e disfarçado, assim como um artigo de Marcelo Coelho ou Arnaldo Jabor. Gerardo Mello Mourão, Paulo Francis e Décio Pignatari fizeram colunas no caderno "Ilustrada", da Folha de São Paulo, que eram produtos mais apressados de ensaístas já veteranos. E assim por diante. O que há em comum entre eles? Primeiro, eles estão tentando – estão procurando respostas, estão expondo dúvidas e opiniões para o leitor. Segundo, eles não falam de um assunto só – podem ir da política à ópera, com escalas no congestionamento urbano ou no prazer de caminhar no calçadão de Copacabana.

Precisamos mais disso e precisamos que isso vá além dos espaços fixos das colunas assinadas. Todo grande momento cultural moderno foi também um momento de proliferação de ensaios e resenhas, em revistas que se dirigiam a um público urbano, sofisticado, mas não bitolado em especialidades. No Brasil não existem mais essas revistas e os tablóides como New York Review of Books e Times Literary Supplement, etc. O resultado é um hiato asfixiante entre o academês dos suplementos literários dos grandes jornais – os que ainda sobrevivem – e o picotado ligeiro dos segundos cadernos. Mas o escritor, o intelectual público, é, por natureza, um generalista. Os jornais precisam de mais generalistas para que sejam jornais mais agudos; de mais espíritos ensaístas, de menos porta-vozes adjetivadores. Só assim os jornais serão mais literários, sem serem mais literatos.

Nota do Editor
Este texto foi gentilmente cedido pelo autor. Originalmente concebido como uma palestra (feita no dia 26/3/2002, no III Congresso Nacional de Escritores em Pernambuco), foi diretamente recolhido do próprio site de Daniel Piza.


Daniel Piza
São Paulo, 15/4/2002
Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/4/2002
18h51min
Acho que justiça deve ser feita ao Digestivo Cultural e aos que aqui “publicam” seus ensaios. Este site é o que Daniel Piza se refere. É um tablóide, porém cibernético, com dois acréscimos: é interativo e de grande alcance. Imaginem Montaigne, esgrimando com seus leitores. Como não apuraria ele seus pontos de vista? E como enriqueceria a sua experiência meditativa ou real, mediante contato com todos os cantos do mundo, fora do claustro de suas solitárias horas à luz de vela? Seus ensaios teriam leitores ávidos por trocar idéias sobre a "Vida", sobre a "Fisiognomia", sobre os “Canibais”, sobre a “Bebedeira”... Toda observação e digestão de fatos diversos a fenômenos sociais ou políticos, transformadas em algum tipo de texto serve o mesmo propósito que o ensaio, seja em sua forma formal, à la Montaigne, seja em forma mais flexível e aberta como há hoje aqui. É a evolução, a dinâmica da escrita. Tirada a questão do molde ou da forma do ensaio, fica a diferença apenas no fato de que os grandes ensaistas consagrados, seja dos “journals”, seja do jornalismo brasileiro ainda não escreveram no DC – até onde eu saiba – mas é somente questão de tempo.
[Leia outros Comentários de Antonio Oliveira]
16/4/2002
10h53min
Caro Daniel, anos atrás trocamos alguns emails (certamente você não se lembrará) e você me contou que o Paulo Francis havia lhe dito: "Sua propria existencia é uma prova de que o Brasil melhorou", acrescentando depois não concordar com ele. Acompanhando seus textos no Estado, lendo esse seu belo ensaio sobre a falta de ensaios, e vendo na pequena imprensa o surgimento de colunistas como a Daniela Sandler, o Alexandre Soares Silva, o Paulo Salles, o Rafael Azevedo (pra citar apenas alguns que escrevem ou já escreveram para o Digestivo), todos eles jovens, inteligentes e talentosos, e pela repercussão que o Digestivo tem alcançado principalmente entre leitores na faixa dos 20 e 30 anos, chego a acreditar - talvez seja um delírio - que o Paulo Francis estava certo. Parabéns e obrigado por continuar nos oferecendo textos a um só tempo simples e sofisticados. Um abraço, Fabio.
[Leia outros Comentários de Fabio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias e Comédias Sombrias
William Shakespeare
Nova Aguilar
(2006)



Minha Alma nos Espaços Divinos
Rose Gribel
Pensamento
(1995)



Furacão Elis
Regina Echeverria
Nórdica
(1985)



/Pato Donald Nº 2167
Walt Disney
Abril
(1999)



Livro Literatura Estrangeira Ciao Bella Sex, Dante and How to Find Your Father in Italy
Helena Frith Powell
Gibson Square
(1988)



O Ciclo Da Auto-sabotagem
Stanley Rosner
Best Seller
(2009)



Crônicas de Los Angeles
Annette Levy-willard
Barcarolla
(2004)



O Último Adeus
Cynthia Hand
Darkside Books
(2016)



Mémoires Despoir
Charles de Gaulle- Le Renouveau- 1958- 1962
Plon
(1970)



Livro Infanto Juvenis Carta Errante, Avó Atrapalhada, Menina Aniversariante Volume 3 Novela Coleção Literatura em Minha Casa
Mirna Pinsky
Ftd
(2001)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês