JK, um faraó bossa-nova | Luís Antônio Giron

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/2/2006
JK, um faraó bossa-nova
Luís Antônio Giron

+ de 12500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira (1902-1976) voltou à boca do povo depois de décadas de hibernação. A série JK da Globo faz sucesso na televisão e incentiva o lançamento de livros sobre aquele que é tido hoje como o melhor dos estadistas que o Brasil já teve. É uma oportunidade para rever e reinterpretar o passado brasileiro. Será que JK foi tudo isso que a série e os livros mostram ou mais uma vez a gente embarca na ilusão de ter sido um povo feliz?

Até o retorno da História por meio da novela, as massas identificavam a sigla JK como propriedade da escritora escocesa JK Rowling, a bilionária autora de Harry Potter. Os brasileiros, graças à TV, restituíram à pátria a sigla sagrada. Que povo heróico! Agora JK passa a ser JW, pois será interpretado em sua fase madura pelo galã cearense José Wilker. Wagner Moura, o ator cult baiano, viveu Juscelino romântico de Diamantina, das serestas e das conquistas no mundo encantado da mineiridade. O novo modelito de JK, o do monumento inaugurado em 1985, o do sorriso acenando do alto de uma escada de avião, ganha um pouco do travo amargo das interpretações de Wilker, um grande ator que já fez vários mitos brasileiros nas telas, de Tiradentes a Antônio Conselheiro. O Juscelino real parecia mais cordial e cândido que JW. Mas vá lá, o que importa é a diversão. E História hoje no Brasil é isto: entretenimento, lazer, religião de consumo, porque nem os fatos escapam da centrífuga ficcional que converte seres históricos em heróis de folhetim.

Diga-se em defesa da nossa gente: o Brasil não é o único país onde os governantes do passado se convertem em galãs de novela. Alemanha, Estados Unidos, Rússia e tantas outras nações se deliciam em tornar indivíduos com defeitos e virtudes em heróis inquestionáveis. O que nos distingue das outras culturas é a visão redentora e otimista, o modo ingênuo como lidamos com o passado. Adoramos escamotear os pontos negativos, para assim cultuarmos mais e melhor nossos ídolos. E muitas vezes biltres voltam do mundo dos mortos revestidos de um título reluzente de pai da pátria. Não, não é o caso de JK, de fato um dos maiores presidentes do Brasil, o construtor de Brasília e do projeto de interiorização do Brasil, homem de reputação ilibada que morreu pobre e alijado do processo político, mártir da ditadura, vítima de um acidente de carro na Via Dutra até hoje revestido de mistério.

Há muitas questões ainda a ser levantadas em torno das circunstâncias factuais de vida e morte e em relação a uma reinterpretação do legado de um governo político. No Brasil, porém, a ausência de maior formação intelectual ou simplesmente a pressa leva os escritores e sábios a preferir a ficção à análise, o folhetim ao exame mais aprofundado dos fatos. Basta mencionar um dos lançamentos recentes em torno do vulto pátrio: o romance Bela Noite para Voar (Relume Dumará, 2005, 176 págs.), do escritor mineiro Pedro Rogério Moreira. O subtítulo da obra é bizarro: "Um folhetim estrelado por J.K.". Mas não deixa de pegar a onda atual, de converter JK em galã. Pelo menos parece que não é um galã canastrão. O romance de Moreira, de 50 anos, não tem nada de ruim. Na verdade, JK é pretexto para o escritor estreante voar pelos céus da juventude e relembrar ícones e amores passados – um pouco à maneira de Umberto Eco no magnífico romance A Misteriosa Chama da Rainha Loana (Record, 2005, 456 págs.). A exemplo de Eco, o retorno ao ontem ganha ares de fantasia desenfreada, tudo misturado à descoberta da sexualidade e à força que certos personagens exercem sobre mentes primaveris – e que vincam uma geração para sempre. No caso, o fascínio pela aviação, que dominou a infância do autor e era uma das manias de JK, voar sob qualquer pretexto. Mas o que interessa aqui é citar o "método" de Moreira para formatar o livro: "Pretendo remexer na rebeldia que caracterizou toda uma geração de aviadores militares brasileiros na década de 1950. Remexer, mas não estudar. Isto é tarefa para historiadores..."

O problema é que a mania de remexer hoje virou rotina entre os historiadores – ou, como preferem ser chamados, "novos historiadores" –, dramaturgos, roteiristas de TV e cronistas em geral. Trata-se de um modo de escamotear dados, inventar ficções no lutar, tudo sem o ônus de estudar a matéria. Dever de casa é péssimo, não? A atitude de rejeição às lições se afigura nacional e se repete agora com o saudoso presidente bossa-nova. As coisas funcionam assim: vamos remexer e rebolar na História, sem preocupação com conhecimento sério. Afinal, para que serve mesmo fidelidade histórica num tempo de iconoclastia e relativismo metodológico? Se tudo é possível, ficção é mais gostoso…

Não vale a pena encarar o morto nos olhos. Vale mais se render à mitologia. Nessa nova ordem imaginária, a força de JK não está em seu trabalho como estadista e agitador cultural, mas em fantasma. Conta-se que seu nascimento tinha sido uma profecia do padre italiano Dom Bosco feita em 30 de agosto de 1883, nove anos antes do nascimento do bebê JK , que proclamou o Planalto Central do Brasil como universo de uma nova era. Após a sua morte, o culto bombou total, e uma nova floração de seitas esotéricas vingou no cerrado. No livro que serviu como base para a série de TV (de Maria Adelaide Amaral, excelente dramaturga e capaz de calibrar o passado à bitola do gosto contemporâneo), Brasília Kubitschek de Oliveira (Record, 2006, 424 págs.), o historiador Ronaldo Costa Couto usa de seu estilo leve e solto para derramar pensatas mais ou menos fragmentárias no cérebro do leitor. Mas há informações curiosas, como a de que Juscelino seria a reencarnação do faraó Amenófis IV, ou Akhenaton. Pertencente à décima oitava dinastia, Akhenaton foi o primeiro político a ter implantado o monoteísmo. Para isso, necessitava de uma nova capital, Aketaton, que teria sido a primeira cidade planejada do mundo. JK e sua Novacap seriam nada mais que a versão moderna de Akhenaton – uma de suas encarnações. Assim é reverenciado em peregrinações em direção ao Memorial JK no coração de Brasília.

Mas há um fundo de verdade nisso. Talvez todo o esforço do "poeta das obras públicas", como diz Costa Couro, tenha sido no sentido de construir um gigantesco monumento tumular em homenagem a seu "reinado". O centro monumental de Brasília hoje é considerado uma cidade histórica, tão importante quanto a Diamantina natal de JK ou Ouro Preto. Brasília pode ser entendida como uma cidade histórica mineira, erguida em homenagem a um faraó mineiro, no meio do cerrado goiano. Deve ser preservada no meio do deserto contra a ação dos violadores de catacumbas. O sonho visionário de JK foi reformatar as pirâmides de Queóps, Quéfrem e Miquerinos para o terceiro milênio. Lá está o rei-deus, enterrado nos recônditos misteriosos de suas pirâmides versão Oscar Niemeyer. JK, mesmo boa praça, aumentou a dívida externa brasileira em quase 40% e ajudou a mergulhar o Brasil num período de crise e turbulências políticas que resultaram no golpe militar de 1964. O faraó diamantino parecia saber que, no fim das contas, jazeria nas catacumbas secretas da Novacap, seria alvo de culto depois de sofrer como presa da perseguição dos militares. E não há nada melhor que fomentar manifestações culturais – poesia concreta, bossa nova, cinema novo – para perpetuar a memória de um governante – nem que seja por contigüidade.

Os faraós desafiaram os milênios. Suas múmias ainda impressionam nas vitrines dos museus internacionais. E faraós contam com o embalsamamento do corpo, o luxo dos túmulos e os enigmas, senão não seriam dignos de vencer milênios. Akhenaton Kubitschek conta com seu túmulo deslumbrante (a veneranda Brasília) e até mesmo com o enigma de sua morte, até hoje não resolvida.

Somos uma sociedade tão permissiva e tolerante que até esse tipo de curto-circuito místico e o triunfo do galã suplantam uma reavaliação séria sobre o assunto. Todo mundo quer apenas ter momentos de lazer remexendo no JK da telinha. Até o presidente Lula anexou JK a sua filosofia política e prometeu ter "paciência, paciência, paciência" – a paciência dos teocratas egípcios que aguardavam milênios para ser resgatados do mundo dos mortos. Agora me lembrei de uma frase de um ex-ídolo de Lula, o pensador alemão Karl Marx, que escreveu no ensaio histórico O 18 Brumário que a História se repete como farsa. Os imperadores da Roma Antiga tiveram um remake na Revolução Francesa por causa de Napoleão. No Brasil, a História tem reprise, mas é como chanchada e novela de TV.

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Este texto foi publicado originalmente na revista eletrônica do portal AOL, em 23 de janeiro de 2006.


Luís Antônio Giron
São Paulo, 6/2/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Harold Ramis (1944-2014) de Marcel Plasse
02. Homenagem a Pilar del Río de Lélia Almeida
03. Confissões de um escritor de Charles Kiefer
04. Marina candidata de Milton Hatoum
05. O estranho caso do Wiki-Machado de Sérgio Rodrigues


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2006
12h28min
A novela história "JK", atualmente apresentada pela TV Globo, fez uma interessante inovoção, criando o "amante genérico". Sabe-se que JK teve várias amantes. Diz-se que morreu em acidente na Rodovia Dutra quando ia visitar uma amante no Rio. Porém, na história global - talvez uma exigência da parentada do ex-presidente -, esse fato passou a ser relatado de modo sui genereis, talvez único na literatura mundial: a atriz Letícia Sabatella faz uma interpretação na série que seria uma espécie de encarnação de TODAS as amantes de JK. Fica, assim, preservada a imagem do fogoso amante latino-americano: o implacável garanhão das Alterosas, o nosso querido "amante genérico"...
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GRAMÁTICA EM TEXTOS
LEILA LAUAR SARMENTO
MODERNA
(2000)
R$ 15,00



CENSORES DE PINCENÊ E GRAVATA - DOIS MOMENTOS DA CENSURA TEATRAL NO BRASIL
SONIA SALOMÃO KHÉDE
CODECRI
(1981)
R$ 39,00
+ frete grátis



AS 22 CONSAGRADAS LEIS DE MARCAS
AL RIES E LAURA RIES
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 8,50



THE GREAT PYRAMID DECODED
PETER LEMESURIER
AVON
(1979)
R$ 80,00



FÍSICA MECANICA 1
JOSÉ LUIZ SAMPAIO
ATUAL
(2001)
R$ 6,00



A ÁRVORE DOS MEUS DOIS QUINTAIS
JONAS RIBEIRO
PAULUS
(2012)
R$ 15,90



A VIDA NO UNIVERSO
JEAN HEIDMANN
TERRAMAR
(1992)
R$ 15,63



LOGÍSTICA DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ORGÂNICOS
FERUCCIO BRANCO BILICH
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ESPAÇO, POLARIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
M. C. DE ANDRADE (2ª EDIÇÃO)
BRASILIENSE
(1970)
R$ 30,28



COMO VENDER PELA INTERNET SEM GASTAR QUASE NADA
MAURÍCIO SALVADOR
24X7 CULTURAL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês