Por um outro Da Vinci | Alberto Beuttenmüller

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
ENSAIOS

Segunda-feira, 7/4/2003
Por um outro Da Vinci
Alberto Beuttenmüller

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A mostra do Metropolitan Museum de Nova Iorque, com cento e vinte desenhos, e a pintura inacabada - São Jerônimo Rezando no Deserto - do acervo do Vaticano - do mestre italiano refaz a morbidez e o grotesco de sua personalidade, e a obsessão pela incompletude em sua obra. Até gênios são amaldiçoados. Em Da Vinci, a maldição veio em dose tripla: a sua noção de estar sempre falhando nos projetos, a referida incompletude da sua obra, maldição que o acompanhou a vida toda, e o tempo perdido em recuperar, justamente, o tempo perdido.

- Diga-me, por favor, se algo foi terminado - era sua frase predileta.

A exposição Da Vinci - Mestre Desenhista foi montada a partir de coleções vindas da Europa e Estados Unidos. A curadoria é dividida entre Carmen Bambach e George Goldner, respectivamente, curadora e presidente do departamento de desenho e gravura do museu. O catálogo é enorme, pesa quatro quilos, impossível de ser levado durante a visita. (Quem quiser acessar o site, clique aqui.)

Raros projetos de Da Vinci foram findos; os escultóricos nunca foram completados. O molde gigantesco de argila a celebrar seu patrono - Ludovico Sforza - duque de Milão - restou uma montanha disforme; depois destruído pelos franceses, ao ocupar Milão. O mural comemorativo da vitória florentina - a batalha de Anghiari - se tornou uma ruína e acabou pintado por cima para esconder as falhas. Quase nada resta da sua A Última Ceia de Milão. A maldição perseguiu Leonardo pela vida toda.

Seus escritos tiveram destino igual ou semelhante: nada do que escreveu foi editado em vida; o que nos ficou é uma massa de tratados e ensaios totalmente incoerentes, válidos apenas por sua caligrafia, mas sem qualquer sistemática ou método coerente.

No campo da engenharia, os seus projetos, ou não deram em nada, ou sequer foram iniciados. Suas máquinas são belas no papel, mas não funcionariam na prática. Os engenhos aéreos - ornitópteros - assemelhados a helicópteros, jamais alçaram vôo. Pode-se dizer o mesmo do tanque de guerra, que deveria ser uma máquina mortífera e, ao que parece, não machucaria uma criança, já que mais parecia um brinquedo que arma de guerra.

A verdade é que cada um de nós se vê de um modo diverso dos demais. Da Vinci não se via como artista, mas como engenheiro militar, se tivermos em conta o que escreveu para Luciano Sforza, em 1481, ao apresentar seu currículo.

Na lista das suas próprias habilidades, Leonardo ressaltou que podia bombardear fortalezas, construir canhões, drenar fossos etc. No fim da carta, dizia que podia pintar tão bem quanto qualquer outra pessoa. É verdade que eram tempos de guerra, e um engenheiro militar era bem mais importante que um pintor. Mesmo assim, nos deixa perplexos a visão bélica de Da Vinci.

Graças a Deus, no Metropolitan não há um só exemplo dessa visão guerreira, mas aí entramos em outro campo minado: o da personalidade de Leonardo da Vinci. A primeira questão é: se é um homem da Renascença italiana. Historicamente, ele viveu o período tido como Renascença, mas sua personalidade destoa dos contemporâneos. Da Vinci tinha uma curiosidade insaciável em campos não-artísticos, mais perto do que hoje se denominaria o campo científico.

Os artistas renascentistas trabalhavam em técnicas diversas e diversificadas: entalhe, desenho, pintura, escultura, arquitetura, mas ainda assim no campo das artes. Nenhum deles se preocupou com leis físicas que regiam o mundo, ou com a dissecação de cadáveres, para melhor riscar a anatomia humana. Até no campo artístico, Da Vinci foi diferente dos seus pares renascentistas. Desenhou como ninguém e ninguém desenhou como ele. E havia bons desenhistas na época - entre os séculos 15 e 16 (Da Vinci nasceu em 1452 e morreu em 1519, na França). Nem mesmo Michelangelo foi capaz de ultrapassá-lo. O desenho de seus projetos escultóricos ou de anatomia provam este fato. Um desenho expressivo e ao mesmo tempo descritivo; seja um músculo, seja o retrato de um velho decrépito. Da Vinci via a beleza e feiúra como algo artístico.

Sua personalidade era conflituosa, contraditória, difícil de compreender. O mistério de Da Vinci, de escrever de trás para frente e ao contrário se prende ao fato de ser canhoto, mas também porque tinha um cérebro privilegiado, cujo hemisfério esquerdo conversava com o direito e vice-versa. Era canhoto, mas tornou-se ambidestro, com o passar dos anos. Suas visões eram apocalípticas e, ao que parece, tinha uma atração mórbida pelo final dos tempos, da catástrofe. Mas desenhou como um deus e é isso que se pode sopesar no Museu Metropolitano de Nova Iorque, infelizmente, por pouco tempo.

Nota do Editor
Texto inédito, especialmente redigido pelo autor, para o Digestivo Cultural. Alberto Beuttenmüller é poeta, jornalista e crítico de arte (membro da AICA).


Alberto Beuttenmüller
São Paulo, 7/4/2003

Mais Alberto Beuttenmüller
Mais Acessados de Alberto Beuttenmüller
01. Modernismo e Modernidade - 9/9/2002
02. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial - 29/7/2002
03. Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual - 16/6/2003
04. Matisse e Picasso, lado a lado - 28/10/2002
05. A Bienal e a Linguagem Contemporânea - 10/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2003
02h07min
Ao que parece, este texto mostra nada mais óbvio, que Leonardo Da Vinci era antes de tudo um homem normal mais do que muitos, e também um grande artista. Seus inventos, loucuras, desenhos, obras inacabadas e outras citações, refletem a banalidade despretenciosa de qualquer pessoa dotada de uma certa dose de sabedoria e que é despertado para pensar,analisar, escrever, mostrar ou não. Enfim: - Jamais saberemos o que este artista pretenderia com seus feitos. O que nos interessa e sabemos sem suposições é que Da Vinci usou também seus dons durante toda a sua existência realizando preciosas obras de arte de talento tão grandioso, que todos os homens atuais, artistas, críticos, leigos, deveriam ter o direito de parar por alguns instantes e somente "apreciar" a beleza imensurável de cada obra sua. Talvez seríamos menos problemáticos, mais felizes, menos pobres e menos juízes das mentes alheias.O resto, não nos interessa mais. Passou, nunca ninguém saberá dizer o que Da Vinci pretendia com suas "loucuras". A beleza grandiosa que ficou impressa em suas obras, esta é que nos interessa. É infinita
[Leia outros Comentários de Ana Ascencio]
3/12/2003
20h35min
Considero que Alberto tiene razón en cuanto que es un efecto de la causa principal del hombre. Da Vinci tenía la creencia que el hombre es un ser inconcluso, complejo rodeado solamente de circunstancias quienes determinaban su actuar, por eso nunca finalizaba nada, la perfección no existe ni existió es por eso el mérito de su obra. P.D. Quisiera que me enviaran el correo electrónico del Señor Alberto Beuttenmüller, acabo de ver un libro sobre los Mayas y quisiera hacerle algunas preguntas. Por favor enviármelo lo antes posible, gracias.
[Leia outros Comentários de rosapan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês